19 de mar de 2019


[Além das Páginas] Estrelas da Sorte


No Além das Páginas de hoje vamos sair das páginas de Estrelas da Sorte, da diva Nora Roberts. O que acham?

Montanhas na Carolina do Norte - Sasha é a primeira personagem desse sexteto a aparecer e ela mora na região das montanhas na Carolina do Norte. Essa região fica no oeste do estado, sendo um remanescente isolado das Montanhas Apalaches. Essa área tem aproximadamente 400 km² e envolve várias cidades. ⛰

Ponte suspensa em Grandfather Mountain, Boone

Sliding Rock, em Brevard

Corfu - Depois de muito relutar com as visões que tem desde muito nova, Sasha resolve seguir a visão mais antiga e mais recorrente e segue para Corfu, na Grécia, onde o sexteto irá finalmente se conhecer e iniciar a jornada juntos em busca das estrelas da sorte. 🏝
Corfu está localizada no mar Jônico, próxima a costa da Albânia. Em Corfu eles passarão pelas vilas Kontokali, Gouvia, Kassiopi, Acharavi e Sidari.

Kontokali
Kassiopi
Acharavi
Sidari
E então, o que acharam? ✈  Fico pensando em como a Internet nos permite conhecer tantos lugares sem nem sair do sofá, não é mesmo?!
Comentários
2
Compartilhe

17 de mar de 2019


[Resenha] Sem Você não é Verão - Jenny Han

Ficha Técnica 

Título: Sem Você não é Verão
Título Original: It's not summer without you
Autor: Jenny Han
ISBN: 978-85-510-0446-3
Páginas: 240
Ano: 2019
Tradutor: Cássia Zanon
Editora: Intrínseca
A vida de Isabel Conklin é marcada pelas férias de verão. As outras estações do ano são como um intervalo, dias que passam lentamente enquanto ela espera que o sol lhe traga de volta o que mais ama: o mar, descanso, diversão e, principalmente, Conrad e Jeremiah Fisher. Os garotos da família Fisher sempre estiveram ao lado de Belly em suas aventuras. Conrad é ousado, sombrio, inteligente. Já Jeremiah, é confiável, engraçado, espontâneo. Mesmo sendo tão diferentes, os três constroem uma amizade que parece inabalável. Apenas parece... Tudo muda quando, em uma dessas férias, Conrad demonstra sentir algo por ela. O problema é que Jeremiah faz o mesmo. À medida que os anos passam, Belly sabe que precisará escolher entre os dois e encarar o inevitável: ela vai partir o coração de um deles. Na trilogia Verão, acompanhamos Belly dos 15 aos 24 anos. Em meio a descobertas e mudanças, ela se apaixona, se envolve em um triângulo amoroso, entra na universidade e descobre que amadurecer também significa tomar decisões difíceis. Primeiros romances jovens de Jenny Han, os três livros são agora relançados pela Intrínseca, com novas capas e traduções inéditas.

Resenha


Depois de ter lido O Verão que Mudou Minha Vida fiquei curiosa quanto a sequência dessa trilogia da Jenny Han afinal a Belly abriu o jogo com Conrad e expressou o que sentia por ele, Jeremiah também falou sobre o que sentia por Belly e ainda teve a "descoberta" da doença de Susannah.

Sem Você não é Verão inicia no verão seguinte ao do primeiro livro e também vem sob o ponto de vista de Belly, entretanto, há alguns capítulos com o ponto de vista de Jeremiah e os de Belly alternam entre o presente e algum momento desse ano que passou entre os livros.

No presente, por conta dos últimos acontecimentos, Belly e sua família não irão passar as férias de verão em Cousins, como faz desde criança, e isso, aliado a tudo que tem acontecido com ela e com as pessoas ao seu redor, mostra como é difícil para ela lidar com tantas emoções. Mas, com a fuga de Conrad da faculdade, Jeremiah pede que ela o ajude a encontrar o irmão e assim os três acabam em Cousins. Mas tudo está diferente.

Enquanto estão em Cousins é o momento de colocar alguns pingos nos is, mas o fato de como está a "relação" entre Belly e Conrad atrapalha a dinâmica entre eles, o que me fez torcer ainda mais para que Belly desse uma chance para Jeremiah (sou totalmente team Jeremiah).
Foi quando eu finalmente entendi. Não era a intenção que contava. Era a execução que importava. Era estar presente para alguém. A intenção por trás não bastava. Não para mim. Não mais. Não era suficiente saber que, lá no fundo, ele me amava.
P. 226
Assim como a maioria - ou todos - dos young adults, muitos problemas giram em torno da imaturidade dos personagens ao lidar com situações desconhecidas e não seria diferente aqui, mas ao contrário de Lara Jean, Belly não me convenceu e Conrad, sinceramente... sou muito mais o Jeremiah. Embora a trilogia tenha mais um livro ainda estou pensando se darei uma chance ao final dessa história, pois esse livro foi muito complicado para que eu chegasse ao final.

Acredito que parte desse meu sentimento é uma comparação com a outra trilogia da Jenny, que eu amei, e talvez esperasse o mesmo aqui, o que não aconteceu comigo, mas isso não significa que seja ruim, só não funcionou para mim. Infelizmente.

E vocês, já leram? O que acharam?

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob 😉
Comentários
1
Compartilhe

15 de mar de 2019


[Resenha] Quando Ela Desaparecer - Victor Bonini

Ficha Técnica

Título: Quando Ela Desaparecer
Autor: Victor Bonini
ISBN: 978-85-9581-058-7
Páginas: 272
Ano: 2019
Editora: Faro Editorial
Uma garota de dezesseis anos desaparece durante uma excursão escolar. Mas não se trata de qualquer garota. Dois anos atrás, ela esteve à beira da morte, e quando foi encontrada, ninguém acreditou que sobreviveria. Agora, há dois meses desaparecida, não restam dúvidas de que esteja morta. Rastros de sangue e um colar arrancado são as únicas pistas. Pressionados, os policiais estão desesperados por respostas, mas ninguém na longa lista de suspeitos parece ter forte motivação para cometer um crime. Até que o caso vira de cabeça para baixo e segredos muito bem enterrados emergem para revelar o lado cruel de um lugar aparentemente tranquilo. No meio de tantos possíveis culpados, os inocentes é que estão mais aflitos… porque alguns deles começaram a morrer.

Resenha

Durante uma excursão de escola a jovem Kika desaparece sem ninguém perceber. Curiosamente, dois anos antes a mesma garota já esteve à beira da morte, e a polícia não tem certeza se os dois incidentes têm ou não relação entre si. Com pouquíssimas pistas no local do desaparecimento e com a investigação levando muito tempo, a morte de Kika é quase dada como certa. Até que eventos reveladores surgem…

A polícia investe pesadamente em um esquema para desvendar o passado das pessoas mais próximas de Kika, principalmente daquelas que conviviam com a menina dentro de sua escola. E é durante esse intenso pente fino, que mais uma vítima é atacada, deixando claro que a polícia está muito próxima de encontrar um culpado, mesmo que ainda não tenham notícias do paradeiro de Kika, ou de seu suposto corpo. Afinal, onde está Kika, e quem seria o responsável por destruir pela segunda vez a vida desta adolescente?

Ainda agora consigo sentir o arrepio que me lambeu a pele no sítio. É um efeito que não passa; anos e anos e ele sempre me revisita, armado de um poder que transcende o tempo. Basta fechar os olhos para me ver de volta, no escuro, explorando as matas do sítio ao lado dos meus amigos e o professor Celso, todos nós roxos de tanto gritar em vão pelo nome da Kika.
P. 29

“Quando Ela Desaparecer” é o mais novo projeto do querido Victor Bonini, autor dos excelentes “Colega de Quarto” e “O Casamento”. Aqui, Bonini traz novamente uma obra recheada de mistério, porém com uma estrutura narrativa diferente e um núcleo de personagens que não é centralizado em seu já famoso detetive Conrado Bardelli, que apesar de fazer uma ponta no livro, não é o detetive responsável pelo caso de Kika.

Não existe linearidade temporal em “Quando Ela Desaparecer”, e talvez este tenha sido o maior desafio do autor, que conseguiu amarrar uma história através de 3 momentos temporais e 2 narradores distintos. No ínicio, tal artifício pode se mostrar um pouco confuso para o leitor, já que este não tem conhecimento de nenhum fato a não ser do desaparecimento da personagem principal. Dito isto, precisa de muita atenção para não se perder durante a narrativa, e o autor ajuda o leitor neste quesito, pois além de fornecer as datas dos eventos, permite que saibamos se tal acontecimento foi “antes” ou “depois” da segunda tragédia de Kika.

Apontei para as meias molhadas. Depois que eles me levaram, os pensamentos começaram a se encaixar. Eu quase disse: Meu Deus, tem um maníaco matando meninas no Cecap.
P. 131

O mistério da obra é muito bem construído e instigante, fazendo com que a leitura flua e o leitor fique ávido por continuá-la. Esse mérito obviamente é todo do Victor, que já provou ser expert nessa arte de surpreender. Suponho que para o autor, este tenha sido um trabalho muito pessoal, já que ele optou por transformar seu livro em um grande relato jornalístico, esta que é a sua profissão por formação. Tal artifício é perigoso, já que não temos contato algum com a narradora, logo também, não temos empatia por quem está nos contando os eventos, restando basicamente a boa escrita para prender o leitor. 

A edição da Faro está mais uma vez de parabéns. O projeto gráfico e diagramação do livro são muito bons, sem contar na qualidade da folha. Gosto também da capa, e do mistério que ela invoca, sem contar que o título do livro possui um alto relevo belíssimo. Minha única crítica ficaria mesmo a cargo de uma nota do autor A.J. Finn dentro de um selo imenso vermelho e uma escritura ao lado direito da capa, que ao meu ver só serviram para poluí-la.

Naquele momento mesmo guardava para si um segredo que não imaginou que viria à tona no dia seguinte. Um segredo que ele considerava tão vergonhoso para seu sobrenome que teria preferido permanecer preso a contar a verdade.
P. 179

No mais, “Quando Ela Desaparecer” é mais um bom trabalho do Victor Bonini, que se mostra um discípulo real da Rainha do Crime, através de suas obras surpreendentes e instigantes. Apesar de ter achado o final do livro corriqueiro e até mesmo um pouco previsível comparado aos trabalhos anteriores do Bonini, é inegável a sua capacidade de surpreender e tentar fugir do óbvio, além é claro, de se reinventar, já que optou em nos mostrar aqui uma nova forma de narrativa. Que nosso querido Conrado Bardelli nos traga em breve mais mistérios a serem desvendados através da mente talentosa de Victor Bonini. 

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob 😉
Comentários
1
Compartilhe

14 de mar de 2019


No Escurinho do Cinema #287


E aí pessoal, tudo bem??
Vamos lá conferir mais alguns filmes?!

Vingança a Sangue Frio
Direção: Hans Petter Moland
Elenco: Liam Neeson, Tom Bateman, Tom Jackson
Gênero:Ação, Policial, Comédia , Drama
Duração: 1h59min
Nacionalidade: Reino Unido
Sinopse: Nels (Liam Neeson), um tranquilo homem de família, trabalha como motorista de um removedor de neve e vê seu mundo virado de cabeça para baixo quando seu filho é morto por um poderoso traficante de drogas. Impulsionado pelo desejo de vingança e sem nada para perder, ele fará tudo o que por preciso para destruir o cartel.


Suprema
Direção: Mimi Leder
Elenco:Felicity Jones, Armie Hammer, Justin Theroux
Gênero: Drama, Biografia
Duração: 2h01min
Nacionalidade: EUA
Sinopse: Ruth Bader Ginsburg (Felicity Jones) se formou em direito nas instituições mais prestigiosas do país: Harvard e Columbia, sempre como primeira aluna de sua turma. Mesmo assim, ela enfrentou o machismo dos anos 1950 e 1960 quando tentou encontrar emprego, sendo recusada pelos principais escritórios de advocacia. Na função de professora, ela se especializou em direito relacionado ao gênero, decidindo atacar o Estado norte-americano para derrubar centenas de leis que permitem a discriminação às mulheres.



O Parque dos Sonhos
Direção:
Dylan Brown
Elenco: Lucas Veloso, Rafael Infante, Ken Hudson Campbell
Gênero: Animação, Comédia , Família
Duração: 1h26min
Nacionalidades: EUA, Espanha
Sinopse: A jovem otimista e sonhadora June encontra escondido na floresta um parque de diversões chamado Wonderland, que é cheio de passeios e animais que falam. O único problema é que o parque está confuso e desorganizado. June logo descobre que o parque veio de sua imaginação e que ela é a única que pode deixar o lugar mágico de novo.





Maligno
Direção: Nicholas McCarthy
Elenco: Taylor Schilling, Jackson Robert Scott, Colm Feore
Gênero: Terror, Suspense
Duração: 1h32min
Nacionalidade: EUA
Sinopse: Preocupada com o repentino comportamento estranho e violento de seu filho Miles (Jackson Robert Scott), Sarah (Taylor Schilling) inicia uma investigação por conta própria para entender o que está acontecendo. Mas o que ela descobre é que alguma espécie de força sobrenatural está agindo sobre ele, influenciando, cada vez mais, suas ações.



As Filhas do Fogo
Direção: Albertina Carri
Elenco: Cristina Banegas, Sofía Gala, Erica Rivas
Gênero: Drama, Erótico
Duração: 1h51min
Nacionalidade: Argentina
Sinopse: Insatisfeitas com suas próprias vidas, três mulheres independentes de meia-idade se encontram por acaso, bem longes de suas casas, e começam a se relacionar de maneira poliamorosa. Quando percebem que estão livres daquilo que acreditam ser regras sociais possessivas, elas decidem formar um grupo cujo propósito é libertar outras mulheres que estejam passando pelos mesmos problemas.


E então, o que querem assistir?
Comentários
2
Compartilhe

12 de mar de 2019


[Resenha] Em Silêncio - Leddy Harper

Ficha Técnica 

Título: Em Silêncio
Título Original: Silenced
Autor: Leddy Harper
ISBN: B07P79MJWK
Páginas: 351
Ano: 2019
Tradutor: Bianca Carvalho e A.J. Ventura
Editora: Cherish Books
Quando criança, Killian Foster sobreviveu ao inimaginável. Mudo e cheio de cicatrizes, ele passa a maior parte do tempo sozinho, com seu caderno de desenhos, na floresta atrás da casa de sua tia. Até que surge Rylee Anderson... Quando Rylee vê Killian pulando a cerca da casa ao lado, ela o segue, despreparada para o garoto que encontra e para a relação que se desdobraria nos próximos sete anos. Ou o silêncio que se seguiria. Lutando entre o ódio de seu passado e a promessa de seu futuro, Killian deve fazer escolhas que poderiam afetar mais do que apenas ele. Opções que testariam o limiar entre o certo e o errado. Decisões que poderiam romper o vínculo com o único amor que conheceu. Ódio ou amor. Vingança ou perdão. Silêncio ou sua própria voz.

Resenha


Aos 11 anos Killian Foster é um garoto silencioso. Vivendo com sua tia Elise, sua vida se resume aos seus cadernos e o tempo que passa sozinho na floresta próxima a casa da tia. Mas nem sempre foi assim. Killian era um garoto com uma família que o amava, mas aos oito anos uma terrível tragédia acometeu sua família e ele se viu órfão de pai e mãe de uma hora para a outra e sendo passado pelos cuidados de vários familiares, que logo o passavam à frente como se fosse um objeto. Entretanto, ele encontrou um lar quando sua tia Elise resolveu que ela criaria o sobrinho, ainda que tivesse apenas 26 anos.

Killian sabia que Elise o amava e fazia de tudo para que ela não o devolvesse também, mas conviver com o trauma não era nada fácil, afinal, além de ver os pais mortos, ele também foi agredido psicologicamente e fisicamente: os assassinos marcaram nele o que é conhecido como Sorriso Chelsea e, desde essa noite ele não fala. Sua comunicação com a tia e com todos os médicos pelos quais passou ao longo dos anos foi feita através da escrita. Ele saiu da escola para passar a ter aulas particulares, pois, além do trauma e de não mais falar, Killian sempre teve dificuldade em acompanhar os estudos por conta de sua memória fotográfica, que não o ajudava nem um pouco nos estudos e, claro, não ajudou a superar o trauma, uma vez que ele lembrava de cada detalhe da noite em que os pais morreram.

É em uma das fugas para a floresta que ele conhece Rylee Anderson, sua vizinha. Quando Rylee viu o garoto pulando a cerca da casa de sua vizinha em direção a floresta ficou curiosa como qualquer criança de 10 anos ficaria, ou seja, foi atrás dele para saber quem era ele, desde quando morava na casa ao lado da sua e tudo mais que pudesse descobrir, ela só não estava preparada para um garoto que não falava e tinha uma cicatriz muito estranha no rosto.
Gostava de ficar perto dela. Fazia com que as imagens em minha cabeça desaparecessem e acalmavam a ansiedade que eu sentia. Aplacava a raiva que surgia quando eu pensava na noite em que perdi meus pais, Estar com ela só me deixava... feliz. Pacífico.
Posição 12%
A curiosidade vira uma amizade repleta de cumplicidade e com o passar dos anos Rylee passa a ser a única a ouvir a voz de Killian. Além disso eles aprendem um com o outro, crescem, descobrem o amor, mas Killian não consegue se libertar do trauma, da dor que vive dentro dele e, ao completar 18 anos, ele desiste do plano que tinha feito com Rylee e vai embora de Smithsville.

A história dá um salto de cinco anos e encontramos Rylee vivendo em Baltimore. Embora ela tenha terminado a faculdade e o plano fosse retornar ao Tennessee, ela está em um relacionamento de apenas quatro meses com Josh, seu primeiro relacionamento depois que Killian saiu de sua vida e ela espera conseguir seguir em frente e um dia superar o amor que ainda sente por ele, ela só não tinha ideia de que a luta de Josh traria Killian de volta para sua vida.
— Nada mudou. Eu ainda sou eu — ele argumentou com uma voz tão profunda que poderia ter sido um grunhido. — Eu ainda te amo tanto quanto no dia em que me afastei para perseguir meus demônios. Mais. Eu te amo muito mais. Porque agora estou mais perto de ser livre. E eu não quero mais do que amar você livremente. Abertamente.
Posição 62%
Ao reencontrar Rylee, Killian está decidido a não deixá-la novamente, mas nada é fácil na vida desses dois, pois Killian não desistiu de ter sua vingança - ainda que Rylee não saiba como ele conseguirá isso - e isso fará com que ela duvide de que esse relacionamento possa ser reconstruído.

Em Silêncio é um livro com uma grande carga emocional. O drama vivido por Killian não é fácil de absorver, ainda mais quando imaginamos que ele tinha apenas oito anos quando tudo aconteceu, que ficou com uma marca no rosto que o lembrava constantemente do que viveu, o medo de falar e as consequências que isso poderia trazer.

Os protagonistas me conquistaram desde o início e eu torci muito para que Rylee ficasse ao lado de Killian, que ele conseguisse se abrir com Elise e superasse todo o sofrimento que viveu e, com tudo isso, em vários momentos o fôlego escapou e as lágrimas rolaram.

Adorei essa primeira experiência com a escrita da Leddy Harper que teve drama, amizade, romance e superação e espero que outros livros dela sejam publicados aqui.
— Um olhar para este corpo — meus dedos roçaram sua pele como um pincel sobre o papel — e não haverá dúvida a respeito de a quem você pertence.
— Eu não sou propriedade, Killian. Eu não pertenço a ninguém.
Eu caí sobre minhas mãos, enjaulando-a debaixo de mim.
— Você possui meu coração, Rylee. Tudo de mim. Eu amei você ontem, amo hoje e vou amar amanhã. Sim, você pertence a mim. Sempre pertenceu. Sempre pertencerá.
Posição 74%
Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob 😉
Comentários
1
Compartilhe

10 de mar de 2019


[Cinema] Capitã Marvel


Durante os meses que se seguiram desde que Capitã Marvel foi anunciado, eu me peguei pensando por várias vezes “eu preciso que esse filme seja muito bom”. Não porque eu fosse fã da personagem mas porque sabia que um filme ruim significaria um retrocesso para as adaptações estreladas por mulheres. Esta é uma pressão que protagonistas masculinos não sofrem. Inúmeros filmes baseados em quadrinhos protagonizados por homens foram medianos (O Espetacular Homem-Aranha) ou péssimos (sim, Batman vs Superman, eu tô olhando pra você) e, ainda assim, os estúdios nunca cogitaram parar de fazer filmes de super heróis. Mas o fracasso de Mulher Gato (2004) e Elektra (2005) significou um atraso de 12 anos para heroínas: Patty Jenkins só foi chutar as portas com Mulher Maravilha em 2017. O Batman já foi interpretado por cinco atores diferentes nos últimos vinte anos e o Homem-Aranha já teve três séries de filmes diferentes, ainda assim a Viúva Negra não ganhou seu tão aguardado filme solo. 

Resultado de imagem para captain marvel

Minha apreensão com Capitã Marvel só fez aumentar quando alguns grupos ameaçaram boicotar o filme em retaliação a falas da Brie Larson em entrevistas. Ela disse que tinha notado que a maioria dos críticos de filmes eram homens brancos e que iria garantir que as cabines de seu filme fossem mais diversas. O que se seguiu foi uma onda de misoginia parecida com a que levou a Kelly Marie Tran (a Rose de Star Wars: Os Últimos Jedi) a deixar as redes sociais. Pessoas que nunca ameaçaram boicotar Vingadores por causa das opiniões fortes do Chris Evans ou do Mark Ruffalo acharam razoável insultar a Brie Larson e promover ódio ao filme por causa de sua “agenda feminista”. 

Nada disso deveria desmotivar ninguém de assistir ao filme. Capitã Marvel é um ótimo filme de origem, com personagens cativantes e ação bem ritmada. Pelo pouco que os trailers mostraram, a personagem era uma guerreira alienígena com um passado misterioso na Terra, que se aliava a um Nick Fury mais jovem para combater um inimigo em comum. Ah, e tinha um gato fofo envolvido também. Servindo como um prelúdio para a maioria das histórias do MCU (exceto Capitão América), o longa se passa em 1995, trazendo uma sensação de nostalgia nova para o cenário, um feito que só havia sido explorado em Guardiões da Galáxia e Thor: Ragnarok. Referências aos anos 90 estão por todo lado: nas camisetas de bandas que a protagonista usa ao longo da história, nas cenas que envolvem tecnologia antiquada, na trilha sonora composta de bandas da época e que se destacam em dois momentos importantes na trama: quando a Carol entra em comunhão com uma inteligência artificial enquanto “Come as you are” do Nirvana toca no fundo e uma cena de batalha espetacular ao som de “Just a girl” do No Doubt. 

Ser “apenas uma garota”, ou uma mulher, no caso, é parte importante do conflito de Carol Danvers. Resgatada pelos Kree, uma raça de guerreiros alienígenas, ela não tem memórias de sua vida pregressa. A busca por sua identidade, pela verdade sobre si mesma, se torna uma de suas motivações quando ela é confrontada com uma missão inesperada. 

Resultado de imagem para captain marvel goose

Existem algumas cenas que vão ressoar mais forte no público feminino porque são situações pelas quais mulheres passam com uma frequência exaustiva. Quando Yon-Rogg diz que Carol precisa controlar suas emoções, eu lembrei de todas as vezes em que eu ouvi que mulheres eram emotivas demais ou não eram racionais o suficiente. Quando a protagonista é assediada por motoqueiro que diz pra ela sorrir, eu pensei em todas as vezes em que eu e as mulheres que eu conheço foram assediadas da mesma forma. Carol é constantemente diminuída por ser mulher e isso é algo com que todas nós conseguimos nos identificar. 1995 foi ainda agora e continua sendo muito difícil viver num mundo que maltrata metade da sua população. 

O que torna a relação entre Carol e Maria Rambeau (a outra piloto que aparece no trailer) ainda mais especial. A união delas, uma amizade tão forte e encorajadora, que apoia e incentiva, é tão bonita e verdadeira e destoa tanto do padrão dos filmes de herói que faz a gente se perguntar por que o cinema não retrata boas amizades entre mulheres com mais frequência (a gente sabe a resposta). É seguramente a segunda melhor amizade do MCU, perdendo apenas pra Steve e Bucky. 

Imagem relacionada

As melhores surpresas em termos de personagens, no entanto, vem de lugares inesperados: Monica, a criança mais fofa do MCU; Nick Fury, que está surpreendentemente divertido; e Goose, a gata fofinha responsável por uma das melhores cenas do filme. O elenco é muito coeso, apesar de dois dos atores (Gemma Chan e Djimon Hounsou) parecerem desperdiçados em papéis muito pequenos. 

Resultado de imagem para oh captain my captain gif
eu saindo da sessão do filme (oh capitão, meu capitão)
Capitã Marvel não é o melhor filme da Marvel e não deveria ter que ser. Não deveria precisar ser espetacular pra ser validado, assim como filmes com protagonistas masculinos tem “o direito” de serem ruins sem que isso arruíne as chances dos outros heróis. Não deveria ser considerado entretenimento menor por ter uma mulher no papel principal. Apesar de toda essa pressão injusta, o longa, que também foi co-dirigido e roteirizado por mulheres, entrega uma história bem feita, um ótimo filme de origem, um bom prelúdio pra Vingadores: Ultimato e mais um filme que vai inspirar meninas por todo o mundo. 

Numa escala de um a cinco gatos famosos, o quanto eu gostei do filme:

                     Resultado de imagem para grumpy catResultado de imagem para garfieldResultado de imagem para marie aristocatsResultado de imagem para puss in boots eyesResultado de imagem para simon's cat
Comentários
1
Compartilhe

7 de mar de 2019


No Escurinho do Cinema #286


E aí pessoal, tudo bem??
Curtiram muito o carnaval? Eu aproveitei para ler, estudar e começar de novo a assistir GoT, até porque, a última temporada vem aí 😉. Essa semana tem muitas estreias para atender diversos públicos e logo de cara já tem um que eu espero ansiosamente há muito tempo, vem Capitã Marvel, uhuuuu, espero muito que seja bom, no padrão Marvel de filmes e vocês, estão esperando algum filme especificamente?

Capitã Marvel
Direção: Anna Boden, Ryan Fleck
Elenco: Brie Larson, Samuel L. Jackson, Jude Law
Gênero:Ação, Fantasia, Ficção científica
Duração: 2h04min
Nacionalidades: EUA
Sinopse: Aventura sobre Carol Danvers, uma agente da CIA que tem contato com uma raça alienígena e ganha poderes sobre-humanos. Entre os seus poderes estão uma força fora do comum e a habilidade de voar.


Raiva
Direção: Sérgio Tréfaut
Elenco:Hugo Bentes, Diogo Doria, Leonor Silveira
Gênero: Drama
Duração: 1h24min
Nacionalidades: Portugal, Brasil, França
Sinopse: Nos remotos campos do Baixo Alentejo, no sul de Portugal, a miséria e a fome assolam a população. Quando dois violentos assassinatos acontecem em uma só noite, um mistério toma o lugar: qual poderia ser a origem desses crimes?



Yomeddine - Em Busca de um Lar
Direção:
A. B. Shawky
Elenco: Rady Gamal, Ahmed Abdelhafiz, Shahira Fahmy
Gênero: Drama, Aventura, Comédia
Duração: 1h37min
Nacionalidades: Egito, Áustria, EUA
Sinopse: Beshay (Rady Gamal) é um coletor de lixo que decide sair do confinamento de uma colônia de leprosos pela primeira vez e embarca em uma jornada ao Egito para procurar sua família. Ele viaja com seu burro e seu aprendiz órfão ao longo do Nilo e, pela primeira vez, fica cara a cara com a maldição de ser um estranho.





Albatroz
Direção: Daniel Augusto
Elenco: Alexandre Nero, Andréa Beltrão, Maria Flor
Gênero: Suspense
Duração: 1h33min
Nacionalidade: Brasil
Sinopse: O fotógrafo Simão (Alexandre Nero), casado com Catarina (Maria Flor), uma compositora de jingles publicitários, se apaixona pela atriz judia Renée (Camila Morgado), com quem viaja a Jerusalém. Lá ele acaba registrando um atentado terrorista, o que lhe torna mundialmente famoso. Mas, ao mesmo tempo, surgem críticas negativas por ele ter fotografado em vez de tentar evitar a tragédia. Simão entra em depressão e fica na fronteira entre realidade, sonho e delírio.



O Rei de Roma
Direção: Daniele Luchetti
Elenco: Marco Giallini, Elio Germano, Marcello Fonte
Gênero: Comédia
Duração: 1h37min
Nacionalidade: Itália
Sinopse: Numa Tempesta (Marco Giallini) é um focado e carismático homem de negócios que, levado por uma gigante necessidade de ser bem sucedido, faz qualquer coisa para fechar um negócio, mesmo que isso o leve a infringir a lei. Depois de uma negociação dar errado, ele é pego pela polícia e condenado a um ano de prisão domiciliar, mas agora fará de qualquer coisa para voltar a trabalhar normalmente.


O Último Trago
Direção: Luiz Pretti, Pedro Diógenes
Elenco: Rodrigo Fischer, Samya De Lavor, Rômulo Braga
Gênero: Drama
Duração: 1h33min
Nacionalidades: Brasil
Sinopse: Vidas desconhecidas indiretamente interligadas, mesmo que apenas pelos dramas e paixões. Este é o caso de Augusto, Álvaro, Joachim, Vicente, Marlene, Cláudio, e Valéria que, em lugares e tempos distintos, se encontram em um momento limite entre a vida e a morte.


E então, o que querem assistir?
Comentários
2
Compartilhe

6 de mar de 2019


[Resenha] Doce Prisão - Jas Silva

Ficha Técnica 

Título: Doce Prisão
Autor: Jas Silva
ISBN: 978-85-8246-581-3
Páginas: 400
Ano: 2017
Editora: Astral Cultural
Após um relacionamento conturbado com Marcos, Rachel finalmente consegue se livrar dele. No entanto, com todo seu poder e orgulho, o patriarca dos Montenegro não vai deixar sua ratinha escapar tão facilmente. Enquanto tentam resolver suas diferenças, Rachel se vê novamente envolvida por ele, e Marcos começa a sentir muito mais do que apenas desejo. Mal sabem os dois que o destino havia guardado algo que mudaria suas vidas e, principalmente, seus sentimentos.




Resenha


Depois de termos conhecido a história de Mariana Montenegro, a caçula da poderosa e tradicional família de Joinville em Ilusão, chegou a hora de conhecermos a história do patriarca da família, o irmão mais velho, Marcos Montenegro.

Enquanto líamos a história de Mariana e Guilherme vimos que Marcos tinha um caso com sua assistente executiva Rachel Vidal, mas que não pretendia assumir um relacionamento com a jovem 15 anos mais nova do que ele por conta de sua posição social, afinal, sendo o patriarca de uma das famílias mais influentes de Joinville não seria adequado ter uma família com alguém de uma classe social inferior. Por esse motivo, sempre que precisava comparecer a eventos sociais ele estava sempre acompanhado de Pierla Villela, uma socialite muito respeitada que havia morado durante muitos anos fora do Brasil. Entretanto, em dado momento da história, Rachel desapareceu e Marcos ficou louco de raiva. Mas é claro que antes de Ilusão terminar ele já tinha encontrado ela. É exatamente assim que começa Doce Prisão, com Marcos abordando Rachel em Florianópolis e exigindo que ela retorne para ele.

Rachel fugiu sim, mas o fator principal dessa fuga é a piora do estado de saúde do seu pai, mas, embora entenda que ele é a única família que Rachel tem, Marcos não aceita que ela o deixe, portanto, faz de tudo para ajudar o pai dela, mas como forma de conseguir que ela volte para Joinville com ele, sendo o seu "caso secreto".

Marcos Montenegro tem 39 anos e é um grande empresário. Desde a morte dos pais ele precisou assumir toda a empresa e a criação de suas duas irmãs mais novas, que se odeiam. Marcos traz a família e a empresa em rédea curta e como consequência, suas relações seguem o mesmo padrão. Com Mariana, que não aceita esse tipo de controle, sempre houveram muitas discussões. Com Isadora, mais centrada e fria, é uma relação mais complicada, afinal, com o tempo ele viu que a irmã foi criando uma máscara para se proteger das relações e sentimentos. Rachel é mais uma mulher "complicada" em sua vida, como ele costuma dizer, mas não consegue se afastar dela.
Aos 39 anos, não era como se eu não planejasse ter meus próprios herdeiros. Eu os queria. O que me impedia de tê-los agora era um motivo egoísta, para não dizer estúpido: eu ainda não me achava preparado para abrir mão da Rachel em prol de uma vida exemplar ao lado da mulher correta para mim.
P. 07
Rachel na verdade não tem nada de complicado além do normal. Criada pelo pai após a mãe tê-los abandonado, sempre lutou bravamente para conseguir o que queria. Estou, trabalhou, conseguiu uma vaga como estagiária na empresa da família de sua melhor amiga e, provando sua competência, foi contratada após se formar. Ela só não imaginava se ver envolvida com seu chefe e completamente apaixonada por ele. Aos 24 anos, ela se vê em um momento crítico de sua vida: vendo seu pai deixá-la sem que possa fazer nada para impedir.

Como a narrativa é alternada entre Marcos e Rachel, fica claro para nós que Marcos sente-se atraído por Rachel e não sabe lidar com isso muito bem, pois a força desse sentimento o faz lembrar do pai, quando teve um caso fora do casamento, que desestruturou a família anos atrás. Por outro lado, a gente verá que Rachel é completamente apaixonada por Marcos e por isso aceitou durante tanto tempo ser apenas um caso na vida dele, na esperança de que em algum momento conseguisse transpor as barreiras que ele tinha em volta de si.
— Nunca houve outra mulher, Rachel. — Fiquei confusa. — Eu demorei a entender o porquê, mas agora que o fiz, consigo enxergar significado em cada um dos meus erros. Eu lutei bravamente contra a gente. Tentei te afastar para não ter que lidar com meus sentimentos. Mas, quando eu te perdi, toda a minha vida perdeu o sentido.
P. 310
O relacionamento entre Rachel e Marcos é muito complicado e turbulento, afinal ele é muito possessivo, ciumento e teimoso e, depois de voltar para ele, Rachel decide se impor mais na relação e não aceitar tudo que ele quer - algo que Marcos não está acostumado.

Durante a leitura de Ilusão eu fiquei muito curiosa para conhecer esse casal, mas lendo Doce Prisão eu só tinha raiva de Marcos por suas atitudes, pela maneira como tratava Rachel e por ela aceitar, acreditando que ele a amaria. Numa relação de amor e ódio, Jas trouxe muito para esse livro, para mostrar ao poderoso Marcos Montenegro que muitas vezes o poder do dinheiro e do sobrenome não resolvem todos os problemas que aparecem pelo caminho.

Além dos protagonistas, Jas também trouxe durante a história alguns trechos na perspectiva da Isadora, o que me deixou ainda mais curiosa por essa personagem. Com certeza não posso deixar de ler Perdoe meu Coração.

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob 😉
Comentários
2
Compartilhe

4 de mar de 2019


[Resenha] Subindo pelas Paredes - Alice Clayton

Ficha Técnica 

Título: Subindo pelas Paredes
Título Original: Wallbanger
Autor: Alice Clayton
ISBN: 978-85-8240-147-7
Páginas: 280
Ano: 2014
Tradutor: Paulo Nogueira
Editora: Benvirá
A primeira noite de Caroline em seu novo apartamento é promessa de que dias – e noites – agitada virão. Ela não poderia imaginar que dividira a fina parede de seu quarto com um cara capaz de deixar uma mulher completamente maluca na cama. Aliás, uma não Caroline já contou pelo menos três gritos e gemidos diferentes. Conviver toda madrugada com a animação do apartamento ao lado deixa Caroline ainda mais afundada na crise sexual que a acompanha há tempos. Mas ela nem sequer pode imaginar que o vizinho que ela abomina pode ser o único capaz de lhe trazer de volta seus orgasmos. Em “Subindo pelas paredes”, Alice Clayton mistura humor, paixão e boas doses de sensualidade, capazes de fazer qualquer uma cair de joelhos e se apaixonar.

Resenha


Depois de tanto tempo enfim tive a oportunidade de ler Subindo pelas Paredes, meu primeiro contato com a escrita da Alice Clayton.

Nessa história conheceremos Caroline Reynolds, uma jovem designer de interiores de 26 anos formada em Berkeley que é apaixonada pela sua profissão, entretanto, sua vida pessoal não vive bons momentos desde que teve um caso de uma noite com Cory Weinstein, afinal, junto com a única vez em que ficaram juntos, ele levou seus orgasmos. Sim. Vocês não entenderam errado. Desde que saiu com ele Caroline não tem mais orgasmos, nem mesmo sozinha. E já tem meses nessa situação 😱.

Agora ela alugou o antigo apartamento de sua chefe e seu novo vizinho lhe deu as boas-vindas logo em sua primeira noite: Caroline escutou e praticamente participou do sexo que o vizinho praticava do outro lado de sua parede, com direito até ao quadro que estava pendurado em sua parede cair em sua cabeça. É dessa maneira que ela descobre que o nome dele é Simon e essa situação se repete por mais duas noites - com mulheres diferentes. Embora haja uma leve pausa, toda a atividade retorna poucos dias depois e Caroline já não aguenta mais as noites insones e as loucuras de Clive - seu gato - que fica completamente alucinado com uma das amantes de Simon, que mia durante o sexo. Assim, ela bate na porta dele em plena madrugada vestida apenas com um baby-doll cor-de-rosa exigindo que ele tenha o mínimo de consideração pelos vizinhos que precisam dormir e trabalhar no dia seguinte.

Caroline e Simon não se encontram mais nos dias seguintes, mas o reencontro se dará onde ela menos espera: na inauguração da casa nova de Jillian - sua chefe - e Benjamin, o noivo dela. Acontece que Simon conhece Benjamin há anos e o tem como alguém da família.
A primeira coisa que vi foi o azul. Suéter azul, olhos azuis. Azul. Esplendidamente azul. Então, tudo ficou vermelho quando reconheci a quem pertencia aquele azul.
— Maldito Trepador de Paredes — assobiei, petrificada.
Seu sorriso se desfez enquanto ele tentava me identificar.
— Maldita Garota do Baby-Doll Cor-de-Rosa — concluiu. Fez uma careta.
P. 48
Simon Parker tem 28 anos e é um fotógrafo renomado, faz diversos trabalhos para vários jornais e revistas e para isso ele viaja constantemente. Assim, ele não pensa em manter um relacionamento monogâmico, o arranjo que tem com suas amantes é bastante satisfatório para os quatro. Menos para Caroline, é claro.

Caroline tem duas melhores amigas que lhe apoiam muito e, coincidentemente nessa festa  na casa de Jillian e Benjamin conhecerão não apenas o Trepador de Paredes como os amigos deles, que são - rufem os tambores - exatamente o que elas sempre quiseram como namorados. Como os quatro iniciarão logo um romance e após serem formalmente apresentados, Simon e Caroline decidem dar uma trégua nas brigas constantes e começam a perceber como têm coisas em comum.

Como o livro é narrado na visão da Caroline, tudo que sabemos é de acordo com o que ela percebe e imagina, mas ela é uma personagem bastante decidida na maioria das vezes - todo mundo tem o direito de surtar um pouco de vez em quando, principalmente se estiver frustrada sexualmente há meses. Embora ela sinta-se atraída por Simon, ela sabe da maneira como ele se relaciona com as mulheres e não se vê em um relacionamento dessa forma. Ao mesmo tempo, ela passa a conhecer mais sobre o passado dele por conta de Jillian e com a própria convivência com ele e isso torna a situação de serem apenas amigos cada vez mais difícil. #SimonÉUmFofo 😍
Era óbvio: estávamos divinamente atraídos um pelo outro, e, em outro espaço, em outro tempo, o sexo seria em todos os espaços, o tempo todo. Porém, ele tinha seu harém, e eu, meu jejum, sem mencionar que eu não tinha meu O. Continuaríamos amigos, portanto.
P. 125
Além do romance que esperamos que ocorra entre Simon e Caroline, o livro mostra as relações de amizades deles com os amigos (que agora são casais), como tentam ajudá-los. Mostra um pouco do relacionamento de Mimi, Ryan, Sophia, Neil e, claro, mostra o divertido Clive - sério, esse gato é maravilhoso 😂.

Eu achei a história muito divertida e, sendo o início da série Cocktail, já quero ler mais sobre esse casal e suas aventuras. Espero que nos próximos livros continue mostrando os amigos deles, pois são todos maravilhosos - o que é Neil e Ryan? Apaixonada é pouco por esses quatro 😍 (inclua Benjamin nessa conta 😂😂😂😂)
— É sempre bom quando aquilo que você precisa e aquilo que você quer são a mesma coisa — disse Simon, segurando a porta aberta para mim.
P. 160
Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob 😉
Comentários
2
Compartilhe

2 de mar de 2019


[Além das Páginas] Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários


Amor Verdadeiro na Livraria dos Corações Solitários é um daqueles livros fofos que a gente se delicia do início ao fim. Então no Além das Páginas de hoje vamos conhecer alguns lugares pelos quais Very e Johnny passaram ao longo das páginas, ok?

Londres - Bem, a livraria fica em Londres logo, grande parte da história se passará aqui, com pequenas exceções. Alguns lugares citados são a Rochester Street (rua da livraria) que fica no distrito de Westminster, Camden High Street - rua mais popular do distrito de Camden Town, o Regent's Park, que é um dos Parques Reais de Londres e fica situado entre o distrito de Westminster e o distrito de Camden - inclusive é uma figura certa nos romances de época que já li e resenhei por aqui. Temos ainda o pub tradicional Rutland Arms, no distrito de Hammersmith,  a Euston Road - uma estrada no centro de Londres que vai de Marylebone Road a King's Cross - e a os jardins Russel Square.

Rochester Street
Camden High Street
Regent's Park
Vista aérea do Regent's Park
Rutland Arms
Fonte no Russell Square
Russell Square
Euston Road
Também não dá para deixar de falar que, em muitas das saídas de Very e Johnny vão a muitos casamentos. Um deles é na Igreja St. Mary Abbots, no distrito de Kensington, que fica no oeste de Londres e depois foram para a recepção em um restaurante no Holland Park. A igreja foi construída em 1872 e projetada pelo arquiteto Sir George Gilbert Scott, combinando estilos neo-gótico e inglês primitivo. O Holland Park é um parque público localizado entre os distritos de Kensington e Chelsea. Tem uma reputação de ser uma área nobre e elegante, conhecida com casas vitorianas e lojas e restaurantes de classe alta.

Igreja St. Mary Abbotts
Vista aérea do Holland Park
Estátua de lord Holland no Holland Park
Grimsby - Verity nasceu nessa pequena cidade no distrito de North East Lincolnshire, no Condado de Lincolnshire.

Igreja St. James em Grimsby

Cornualha - Para finalizar, Very acompanha Johnny em uma festa que acontece na Cornualha, que é um condado localizado no sudoeste da Inglaterra com fronteiras com o Oceano Atlântico, Canal da Mancha e com o condado de Devon. A Cornualha chama atenção por conta de sua herança celta, seus castelos e vilarejos pacatos. No livro a festa acontece na Wimsey House e para chegar lá todos precisam atravessar de barco.

Port Isaac, cidade na Cornualha
Tintagel, na Cornulha
E então, curtiram a viagem de hoje?
Comentários
1
Compartilhe
 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações