[Resenha] Dama da Meia-Noite - Cassandra Clare

Ficha Técnica

Título: Dama da Meia-Noite
Título Original: The Dark Artifices: Lady Midnight
Autor: Cassandra Clare
ISBN: 978-85-01-40108-3
Páginas: 574
Ano: 2016
Tradutor: Rita Sussekind
Editora: Galera Record
34Em um mundo secreto onde guerreiros meio-anjo juraram lutar contra demônios, parabatai é uma palavra sagrada. O parabatai é o seu parceiro na batalha. O parabatai é seu melhor amigo. Parabatai pode ser tudo para o outro mas eles nunca podem se apaixonar. Emma Carstairs é uma Caçadora de Sombras, uma em uma longa linhagem de Caçadores de Sombras encarregados de protegerem o mundo de demônios. Com seu parabatai Julian Blackthorn, ela patrulha as ruas de uma Los Angeles escondida onde os vampiros fazem festa na Sunset Strip, e fadas estão à beira de uma guerra aberta com os Caçadores de Sombras. Quando corpos de seres humanos e fadas começam a aparecer mortos da mesma forma que os pais de Emma foram assassinados anos atrás, uma aliança é formada. Esta é a chance de Emma de vingança e a possibilidade de Julian ter de volta seu meio-irmão fada, Mark, que foi sequestrado há cinco anos. Tudo que Emma, Mark e Julian tem a fazer é resolver os assassinatos dentro de duas semanas antes que o assassino coloque eles na mira. Suas buscas levam Emma de cavernas no mar cheias de magia para uma loteria sombria onde a morte é dispensada. Enquanto ela vai descobrindo seu passado, ela começa a confrontar os segredos do presente: O que Julian vem escondendo dela todos esses anos? Por que a Lei Shadowhunter proíbe parabatais de se apaixonarem? Quem realmente matou seus pais e ela pode suportar saber a verdade? A magia e aventura das Crônicas dos Caçadores de Sombras tem capturado a imaginação de milhões de leitores em todo o mundo. Apaixone-se com Emma e seus amigos neste emocionante e de cortar o coração no volume que pretende deliciar tantos novos leitores como os fãs de longa data.

Resenha


Quase dois anos depois e aqui estamos de volta ao universo dos Caçadores de Sombras criado pela Cassandra Clare. Depois de ter conhecido o universo através da série Os Instrumentos Mortais e depois ter amado a escrita da Cassandra ainda mais com a série As Peças Infernais, chegou a hora de uma nova série, Os Artifícios das Trevas.

GER_SELO_PARCEIROS_2016_GALERA-7lahjPara quem, assim como eu, já leu as outras séries dos Shadowhunters, já conhece os protagonistas dessa nova série. Emma Carstairs e Julian Blackthorn tinham apenas doze anos quando ocorreu a Guerra Maligna (Cidade do Fogo Celestial) e enfrentaram coisas que nem mesmo Caçadores de Sombras com sua idade teriam encarado se não fosse uma guerra. Os pais de Emma fora assassinados durante a guerra e a Clave culpou Sebastian Morgenstern sem pensar duas vezes, mas a garota nunca acreditou nisso. Julian, que já havia perdido a mãe anos antes, viu seu pai transformado em um dos Crepusculares e, para salvar seus irmãos mais novos, precisou matá-lo. Aliado a isso, viu seu irmão mais velho Mark ser sequestrado pelas fadas (para quem não lembra, os irmãos Blackthorn mais velhos, Helen e Mark, são metade Fada e metade Nephilim) e, com o fim da Guerra Maligna e a clara traição das Fadas aos Acordos firmados, Helen foi exilada. Julian se tornou o irmão mais velho, mas ainda tinham um parente vivo que poderia mantê-los unidos, seu tio Arthur, irmão de seu pai deixaria Londres e passaria a viver em Los Angeles, onde seria o responsável pelos sobrinhos e lideraria o Instituto local.

Cinco anos se passaram desde o fim da Guerra Maligna e Emma e Julian são parabatai a quase esse mesmo tempo. A relação deles, que já era de amizade, se tornou muito mais profunda com o fim da guerra, com um ajudando o outro e depois de tornarem-se parabatai, não se desgrudavam nunca. Até que Julian aceitou passar uma temporada na Inglaterra com os irmãos na casa de uma tia distante da família.
Chega. Não adiantava pensar em certas coisas. No escuro e nas sombras onde moravam os segredos, era ali que Julian sobrevivia. Foi como conseguiu durante anos.
Respirando fundo, ele voltou para o corredor.
P. 57
O Instituto de Los Angeles conta com a moradia constante da família Blackthorn e de Emma, mas agora também tem Cristina Rosales como convidada, por um ano, enquanto conhece a cultura local. Mas se fosse apenas isso, seria ótimo. Enquanto está em Los Angeles e os Blackthorn não retornam da Inglaterra, Cristina passa a conhecer Emma e sua determinação em descobrir quem é o real assassino de seus pais. É assim que acabam descobrindo de uma série de assassinatos que vem ocorrendo na cidade, onde as vítimas são mundanos ou integrantes do Submundo.
Você é mais preparada do que pensa. Você se manteve forte não só durante o treinamento, mas pelas pessoas ao seu redor, amando e sendo amada. Julian e os outros, eles não permitiram que você se isolasse, sozinha com sua vingança e seus pensamentos amargos. O mar desgasta penhascos, Emma, e os transforma em areia; do mesmo jeito, o amor nos desgasta e ataca nossas defesas. Você não sabe o quanto significa ter pessoas que lutem por você quando as coisas dão errado...
P. 264-265
Ao retornarem da temporada longe de casa, os Blackthorn iniciam com Emma e Cristina uma investigação sobre os assassinatos. Com isso, acaba atraindo a atenção das Fadas, com quem não devem interagir, segundo a Paz Fria, lei criada após a Guerra Maligna, mas as Fadas vieram ao Instituto de Los Angeles com um grande poder de barganha: trazendo Mark Blackthorn, pediram a ajuda dos Caçadores de Sombras para descobrirem quem é esse assassino que tem matado tantos integrantes do Povo das Fadas, e entregá-lo para que elas o punissem como deve ser.

O retorno do irmão mais velho tanto tempo depois do seu sequestro e ingresso na Caçada Selvagem é uma novidade para todos os Blackthorn, que não sabem como interagir com o irmão, que também não tem mais noção de como se comportar entre as pessoas, entre sua família. Enquanto tentam lidar com isso e a investigação, alguns segredos vêm à tona (não para todos), mas o principal, e que já sabíamos desde Cidade do Fogo Celestial, é que Julian e Emma finalmente deixam claro um para o outro seu amor.
- Quando você ama alguém, a pessoa se torna parte de quem você é. Está presente em tudo que você faz. Ela é o ar que você respira, a água que você bebe e o sangue que corre em suas veias. O toque dela fica na sua pele, a voz permanece em seus ouvidos, e, os pensamentos, na sua cabeça. Você conhece os os sonhos da pessoa, porque os pesadelos agridem seu coração, e os sonhos bons também são os seus. E você não acha que a pessoa é perfeita, mas conhece os defeitos dela, sua verdade profunda e as sombras de todos os segredos que ela carrega, e esses segredos não te assustam; na verdade, fazem com que você ame ainda mais, porque você não quer perfeição. Você quer a pessoa. Você quer...
P. 88
Também sabemos que a lei é clara e parabatai não podem se apaixonar um pelo outro, então ficamos torcendo para ver como esses dois irão superar essa barreira.

Os personagens criados pela Cassandra são incríveis e alinhado à estória, não há como não devorar o livro, eu li o mais devagar que consegui para durar o máximo possível. Além de conhecer os novos personagens dessa série: Emma, Julian, Mark, os gêmeos Lívia (Livvy) e Tiberius (Ty), Drusilla (Dru) e o pequeno Octavian (Tavvy) Blackthorn, Cristina e Diego Rosales contamos com pequenas, mas maravilhosas, cenas em que os personagens das outras séries aparecem: Jace, Clary, Magnus e um pequeno relance dos outros. 

Se você também é fã não pode deixar de comprar logo o seu exemplar de Dama da Meia-Noite, pois essa é uma edição de colecionador, com capa brilhante (no padrão de toda a série original) além de ter um capítulo extra maravilhoso!!!!

Agora é esperar ansiosa pelo próximo livro da série, fiquei com o coração na mão pela maneira como terminou o livro. Quero maisssssss, estou completamente apaixonada por Julian 

Compare e Compre

[Capas pelo Mundo] Alice


Olá leitores do De Tudo um Pouquinho! O Capas pelo Mundo do mês de maio será parecido com o que fiz em dezembro de 2015. Sempre coloco capas de vários países, seleciono algumas capas, mas - como aconteceu em dezembro do ano passado - escolhi um livro que possui muitas capas brasileiras e decidi fazer um Capas pelo Mundo com as edições brasileira de Alice.

Quinta, 26/05/2016, estreou nos cinemas a continuação de Alice no país das maravilhas, Alice através do espelho. Normalmente as edições de Alice possuem as duas histórias em um mesmo livro, mas existem edições, tanto brasileiras quanto estrangeiras, que optaram por separar em dois livros.

Selecionei 17 capas brasileiras de Alice, vamos conferir?

As três edições da Editora Zahar e contam com as duas histórias. Minhas capas preferidas!



A L&PM optou por separar as duas histórias:


Uma edição que só tem Alice Através do Espelho:

Uma edição lindíssima!

Essa segunda capa é a edição de Alice em cordel.


Agora me contem nos comentários quais capas vocês mais gostaram. Até o próximo Capas pelo Mundo! 










[Resenha] O Livro de Cam - Lauren Kate

Ficha Técnica

Título: O Livro de Cam
Título Original: Unforgiven
Autor: Lauren Kate
ISBN: 978-85-01-09937-2
Páginas: 304
Ano: 2016
Tradutor: Ana Carolina Mesquita
Editora: Galera Record
32Cam sabe o que é tormento. Ele viveu mais no Inferno que qualquer anjo jamais deveria. Seu mais recente martírio se chama ensino médio. E o belo anjo está ciente da ironia nisso tudo. Mas após a escolha de Luce e Daniel, Cam não pode deixar de sentir que chegou a hora de também se render a única coisa que o leva mais alto que as próprias asas: o amor. Assim, Cam sela um pacto com o diabo... Para tentar libertar das garras de Lúcifer a única alma que já amou: a mortal Lilith. A garota habita um purgatório particular em sua existência nos círculos do Inferno. Cada um escolhido e arquitetado com esmero pelo demônio. Tudo por causa de Cam… e seus pecados. No mais recente, ela é a pária da Escola Preparatória Trumbull. Nenhum amigo, nenhuma esperança. Mas, se em quinze dias Cam reconquistar Lilith, ela será libertada. E ambos poderão viver o amor que um dia o anjo renegou. Caso ele fracasse, há um lugar de destaque o guardando além da Muralha das Trevas. O livro de Cam é mais um emocionante capítulo na saga de Fallen, que em breve chega aos cinemas pelos estúdios Disney. Uma história envolvente repleta de mitologia, romance e suspense — em Fallen o amor nunca morre.

Resenha


Lilith está condenada a sofrer em vários e eternos infernos. O diabo fez questão de lhe dar esse tratamento especial. Três mil anos após partir o coração de seu grande amor, o anjo caído Cam, descobre que Lilith, por algum motivo desconhecido, caiu nas garras de Lúcifer. Esperançoso em poder recomeçar do zero com sua amada, Cam decide fazer um pacto com o demônio.

GER_SELO_PARCEIROS_2016_GALERA-7lahjCaso consiga conquistar Lilith e fazer com que ela se apaixone por ele em apenas 15 dias, Lúcifer irá liberar Lilith de sua eterna penitência, e também irá permitir que Cam abdique de sua condição de anjo, possibilitando que os pombinhos tenham uma vida juntos como meros mortais. Caso Cam falhe, ele terá que aceitar o cruel destino de Lilith, além de se tornar a mão direita de Lúcifer.
– A existência de alguém só é completamente horrível quando se prova um gostinho do que é belo – retrucou Lúcifer. – Isso serve para lembrar a pessoa de tudo aquilo que jamais poderá ter.
P. 35
“O Livro de Cam” é um romance do universo de Fallen, série escrita pela norte-americana Lauren Kate. Utilizando de personagens secundários de sua quatrilogia original, Kate resgata um pouco de seu mundo literário, entregando mais uma obra com anjos caídos e a possibilidade de redenção após muitas tragédias em vidas passadas.

Com capítulos alternando entre a visão de Lilith e Cam – que por sinal são muito mais agradáveis do que os da mocinha –, o livro acompanha os quinze dias que o anjo tem para completar e vencer sua aposta. Alguns interlúdios complementam a narrativa, apresentando (e relembrando para quem já leu a série Fallen) o passado do casal 1.000 anos antes de Cristo, e explicando como ambos se tornaram almas gêmeas e chegaram na atual situação catastrófica que se encontram.
Lilith fez menção de responder. Calou-se. Ele estaria falando sério?
Ela analisou o rosto dele. Suas feições estavam relaxadas, como se ele não estivesse tentando persuadi-la a fazer nada daquela vez, como se estivesse feliz só por estar ao seu lado. Concluiu que ele falava sério. E ela não fazia ideia de como reagir.
P. 104
Felizmente, para mim, a obra manteve o mesmo estilo de capa da série Fallen, ao qual eu sempre achei bem atraente e bonita. Mas, por algum motivo, o título do livro sofreu uma tradução o tanto quanto curiosa. Em inglês sendo intitulado “Unforgiven” – algo como ‘indesculpável’ em tradução literal – e que conservaria os títulos da série com uma palavra somente (Fallen, Tormenta, Paixão e Êxtase), restou para nós aguentar “O Livro de Cam” mesmo.

A história do livro em si não é mirabolante, pelo contrário, conta com muitos clichês e com um desenrolar o tanto quanto previsível. O garoto que tenta conquistar a garota, a garota rebelde revoltada com o mundo, um colégio cheio de gente chata e metida, um concurso de bandas e uma formatura é basicamente o resumo do plot principal. Logicamente, que temos a peça diferencial à esta sinopse: em meio a tudo isso, existe o demônio fazendo suas artimanhas para dificultar o sucesso do casal.
Cam fechou os olhos e se viu novamente ali, abraçando-a à margem do rio Jordão, sentindo o calor do seu corpo contra a pele, trazendo os lábios dela para junto dos seus. Ah, aquele beijo.
[...]
Precisava de mais um beijo. Ele a queria agora, de novo, sempre.
P. 153
“O Livro de Cam” pode ter sido uma grande surpresa para a maioria dos leitores de Fallen, principalmente pelo fato da série já ter sido finalizada há alguns anos. Qual foi o intuito de Lauren Kate em fazer isto? Não saberia dizer. Era necessário? Definitivamente, não. Porém, por algum motivo, ela decidiu pegar um de suas melhores personagens – Cam – e lhe dar um livro próprio.

Para os fãs da série, sem dúvidas, vai ser um grande presente revisitar algumas fíguras já conhecidas e poder se aventurar um pouco mais na história do anti-herói Cam. Para quem não acompanhou a série de Kate, não acredito que a leitura do livro fará qualquer sentido, já que o mesmo é cheio de pequenas referências aos acontecimentos de Fallen.

Compare e Compre

[Resenha] Um Passado Sombrio - Peter Straub


Ficha Técnica

Título: Um Passado Sombrio
Título Original: A Dark Matte
Autor: Peter Straub
ISBN: 978-85-286-2048-1
Páginas: 391
Ano: 2016
Tradutor: Marina Slade
Editora: Bertrand Brasil
16Em 1966, um carismático e astuto guru, de passagem por um campus universitário do Meio-Oeste norte-americano, reúne um restrito grupo de discípulos, entre estudantes de colegial e universitário de fraternidade, num ritual secreto que resulta em um corpo horrivelmente dilacerado, um garoto desaparecido e as almas abaladas de todos os envolvidos. Quarenta anos depois, um escritor de relativo sucesso e amigo de infância da maioria dos garotos que participaram do ritual – além de marido de uma das garotas envolvidas –, sai em busca de informações sobre essa noite aterrorizante, com um projeto de livro em mente. Porém, para consegui-las, precisará não apenas reencontrar antigos colegas com quem perdeu o contato há décadas, mas também incitá-los a reexaminarem os eventos inomináveis que os têm assombrado desde então. Ao revelar as histórias individuais dos membros do grupo, Um Passado Sombrio eletrifica o leitor de maneira arrepiante e imprevisível – e prova que Peter Straub é, indiscutivelmente, um mestre do horror moderno.

Resenha


Spencer Mallon é um guru, que ao visitar um campus universitário convida um grupo de pessoas para participar de um secreto ritual. Entre os convidados está Lee Harwell, que não aceita o convite, e vê todos os seus amigos – incluindo sua namorada – animados para fazer parte de tal experimento. O tal ritual acaba dando errado, ocasionando em um desaparecimento e em uma brutal morte, deixando em frangalhos o corpo da vítima.

Abalados pelo incidente e decididos a não compartilhar nada daquele dia, os participantes do ritual optam por seguir com suas vidas, na esperança que a tragédia fique no passado. Porém, quarenta anos depois, Lee que se tornara um escritor, decide investigar o que realmente aconteceu naquela noite, com o intuito de transformar sua pesquisa em um livro.
Sinceramente, eu achava que estava além da minha alçada. Meu agente e meu editor falavam com tato sobre um livro de não ficção, mas, em pré na minha cozinha, enxugando lágrimas assustadas do rosto, a última coisa que passava pela minha cabeça era a possibilidade de escrever sobre meu mundo perdido, meus amigos destroçados, perdidos, e sobre o que quer que fosse que minha mulher tivesse escondido de mim.
P. 48
Colhendo informações de todos que participaram do ritual, um por um, Lee Harwell vai destrinchando as memórias dos entrevistados e colhendo informações preciosas e nunca antes compartilhadas, ativando o assombroso e escuro passado que por algum motivo deveria continuar esquecido.

Peter Straub é um autor muito renomado no segmento horror e suspense. Nunca tive a chance de ler uma de suas obras, mas o conheço principalmente por ter trabalhado com Stephen King, que por sinal, é o responsável por falar do livro na contra-capa. Sendo assim, convencido pelas palavras do mestre King, me animei em conferir “Um Passado Sombrio”.

Porém, enquanto me foi prometido um livro “aterrorizante… impossível de largar…”, o que encontrei foi exatamente o contrário: um livro nada assustador, e extremamente arrastado e de difícil leitura.
Sacudindo a cabeça, Don finalmente atravessou meu portal. Por um momento, olhou para a sala de estar, depois para a escada angulosa, tentando se ajustar, supus, à natureza de entorno. A escadaria e o calor brilhante da prata e da madeira polida da sala de estar provavelmente o convidavam e repeliam em igual medida.
P. 116
“Um Passado Sombrio” já começa com muitos personagens em cena e muita informação vomitada, o que já criou uma barreira em mim, pois dificultou minha compreensão dos acontecimentos, e acho essencial que o início seja bem claro, para eu poder acompanhar as coisas sem confusão. Logo depois, quando Lee começa as entrevistas com seus colegas de universidade, o que acontece são capítulos bem longos, que narram basicamente o mesmo evento, somente por perspectivas diferentes.
 
Não posso negar que ao decorrer dos capítulos a leitura vai fluindo, e vamos nos familiarizando com tantos nomes e personagens, ficando mais fácil compreender o texto e continuar com a aventura de Lee. Mas, mesmo assim, o livro peca em não surpreender ou causar qualquer tipo de assombro, ainda mais com o tema macabro que a obra propõe a se trabalhar.
[...] – Parece que você acha que todos nós vimos a mesma coisa, que todos tivemos a mesma experiência. Não é isso que você acha?
– Sim, eu achava. Antes. Mas não acho mais.
P. 126
Infelizmente, “Um Passado Sombrio” não foi uma leitura muito agradável, não que o livro seja de todo mal, porém com tanta promessa feita pelo Stephen King e pela própria sinopse que é intrigante, a obra acaba pecando por não ser absolutamente surpreendente, ou, um pouco que fosse, assustadora.

Compare e Compre

[Resenha] Tudo o que eu Desejo - Kimberly Knight

Ficha Técnica

Título: Tudo o que eu Desejo
Título Original: Wanted
Autor: Kimberly Knight
ISBN: 978-85-68056-17-2
Páginas: 224
Ano: 2015
Tradutor: Cristiane Saavedra
Editora: Charme
16Desde o primeiro momento em que ela o viu correndo na esteira ao seu lado, Spencer Marshall se apaixonou perdidamente por Brandon Montgomery. Depois de ela ter tido uma experiência de quase morte que preferiria esquecer, eles fazem o melhor para superar e deixar o passado para trás. Grata por um novo começo, Spencer se concentra em ajudar a melhor amiga, Ryan Kennedy, com o planejamento de seu casamento. E tudo parece estar indo às mil maravilhas, até que alguém do passado de Brandon reaparece. Será que Spencer e Brandon conseguirão sobreviver aos fantasmas do passado?

Resenha


Seguindo com a Série B&S da Kimberly Knight, chegamos ao segundo livro da trilogia. Depois de ter lido Tudo o que eu Preciso e o conto (livro 1,5) Encontrando Spencer chegou a hora de continuar a estória de onde havíamos parado em Tudo o que eu Preciso, exatamente na mesma cena.

Depois do final dramático em Tudo o que eu Preciso passamos ao conto Encontrando Spencer que nos mostrou o ponto de vista do Brandon na mesma estória, o que me permitiu amá-lo ainda mais, em Tudo o que eu Desejo voltamos ao ponto de vista da Spencer, quando Brandon seguiu seu coração e a convida a morar com ele.

Brandon  e Spencer evoluem em seu relacionamento ao longo do livro. Enquanto procuram uma casa para morar juntos - afinal, depois de tudo que aconteceu anteriormente, nenhum dos dois queria voltar ao apartamento dele - eles viverão na casa que Spencer dividia com Ryan, uma vez que ela já está praticamente morando com Max enquanto planejam os detalhes do seu casamento.
- Sim! É claro que eu quero morar com você e e encontrar um cantinho só nosso - respondi, me jogando em seu colo e o abraçando apertado como se ele fosse desaparecer a qualquer momento. - Mas precisamos conversar com Ryan sobre você se mudar para a minha casa, enquanto procuramos a nossa casa, porque, com toda certeza do mundo, não vamos morar aqui!
P. 07
Além de descobrirem como é viver juntos, Brandon segue com Jason e a abertura da nova filial da Club 24 em Seattle, enquanto Spencer ajuda Ryan com os preparativos do casamento. Ainda terão que lidar com outras situações graves que Kimberly trouxe para o enredo, mas que achei ter se desenrolaram de forma muito abrupta, depois do suspense, acredito que poderiam ter sido um pouco mais trabalhadas, fiquei com a sensação de que a autora queria resolver logo aquela parte e seguir em frente.

Tirando isso, o romance segue um curso natural do relacionamento entre os protagonistas, conhecendo os familiares descobrindo seus costumes e suas manias do cotidiano. O que senti falta mesmo foi o ponto de vista do Brandon, que deve vir em um conto antes do último livro da trilogia, divisão que acredito ser absolutamente desnecessária, prefiro muito mais quando o ponto de vista do casal é alternado no mesmo livro, mas isso é apenas minha opinião.
- Ninguém nunca me afetou da maneira como você afeta. Eu achava que sabia o que era amor, mas não fazia ideia do que era até te conhecer. Acho que eu te amei no nosso primeiro  encontro, mas, a cada dia que passa, meu amor por você fica ainda mais forte.
P. 215
Se é que é possível, estou ainda mais apaixonada por Brandon e aguardarei ansiosa pelo livro no ponto de vista dele ;)

Compare e Compre

No escurinho do cinema #148


Olá amores, tudo bem??

Como estão?? Preparados para conhecer as estreias da semana?? Eu essa semana gostei de vários filmes, OMG, assim não tem salário que dê, kkkkk

Vamos lá?!

Alice Através do Espelho

Direção: James Bobin
Com: Mia Wasikowska, Johnny Depp, Helena Bonham Carter
Gênero: Fantasia, Comédia
Duração: 1h50min
País: EUA

Alice Através do Espelho
Sinopse:Alice (Mia Wasikowska) retorna após uma longa viagem pelo mundo, e reencontra a mãe. No casarão de uma grande festa, ela percebe a presença de um espelho mágico. A jovem atravessa o objeto e retorna ao País das Maravilhas, onde descobre que o Chapeleiro Maluco (Johnny Depp) corre risco de morte após fazer uma descoberta sobre seu passado. Para salvar o amigo, Alice deve conversar com o Tempo (Sacha Baron Cohen) para voltar às vésperas de um evento traumático e mudar o destino do Chapeleiro. Nesta aventura, também descobre um trauma que separou as irmãs Rainha Branca (Anne Hathaway) e Rainha Vermelha (Helena Bonham Carter).




A Garota do Livro

Direção: Marya Cohn
Com: Emily VanCamp, Michael Nyqvist, Ana Mulvoy Ten
Gênero: Drama
Duração: 1h26min
País: EUA
A Garota do Livro
Sinopse:Alice Harvey (Emily VanCamp), de 28 anos, é uma assistente de uma editora de livros, e sonha em ser escritora. Filha de um poderoso agente literário de Nova York, ela vai ser obrigada e enfrentar dolorosos acontecimentos de seu passado, ao ser convidada para trabalhar no lançamento de um livro de Milan Daneker (Michael Nyqvist), um antigo cliente de seu pai. A jovem precisará ter forças para enfrentar antigos demônios de sua mente, e quebrar seu bloqueio criativo que a impede de realizar seus desejos.





Jogo do Dinheiro

Direção: Jodie Foster
Com: George Clooney, Julia Roberts, Jack O'Connell
Gênero: Suspense
Duração: 1h39min
País: EUA

Jogo do Dinheiro
Sinopse:Lee Gates (George Clooney) é o apresentador do programa de TV "Money Monster", onde dá dicas sobre o mercado financeiro mesclando com performances típicas de um popstar. Um dia, um desconhecido (Jack O'Connell) invade o programa exatamente quando ele está sendo gravado e, com um revólver, obriga Lee a vestir um colete repleto de explosivos. Patty Fenn (Julia Roberts), a produtora do programa, imediatamente ordena que o mesmo saia do ar, mas o invasor exige que ele permaneça ao vivo, caso contrário matará Lee. Assim acontece e, a partir de então, tem início uma investigação incessante para descobrir quem é o sequestrador e algum meio de salvar todos os que permanecem no estúdio. Paralelamente, a audiência do programa sobe sem parar e todos passam a acompanhar o que acontecerá com o apresentador.



O Valor de Um Homem

Direção: Stéphane Brizé
Com: Vincent Lindon, Karine De Mirbeck, Matthieu Schaller
Gênero: Drama
Duração: 1h33min
País: França
O Valor de Um HomemSinopse: Aos 51 anos, Thierry (Vincent Lindon) está desempregado. Ele faz cursos, formações, mas não consegue nenhum cargo para ajudá-lo a manter o lar, a esposa e o filho deficiente mental. Depois de uma série de entrevistas humilhantes, Thierry é empregado como segurança de um supermercado. Mas seu trabalho consiste justamente em reproduzir com os clientes e com outros funcionários a lógica de dominação a que ele vinha sendo submetido. Como reagir neste caso?





Roteiro de Casamento

Direção: Juan Taratuto
Com: Valeria Bertuccelli, Adrian Suar, Maria Alché
Gênero: Comédia, Romance
Duração: 1h40min
País: Argentina

Roteiro de Casamento
Sinopse:Uma atriz iniciante e desconhecida, namorada do diretor do filme no qual está trabalhando, acaba se apaixonando por outro homem. No entanto, o maior problema é que sua nova paixão não é uma pessoa real: é o personagem que é o protagonista do filme, interpretado pela estrela da produção.



Uma Noite em Sampa


Direção: Ugo Giorgetti
Com: Otávio Augusto, Cris Couto, Andréa Tedesco
Gênero: Comédia
Duração: 1h15min
País: Coréia do Sul
Uma Noite em Sampa
Sinopse:Após assistirem a uma peça no teatro Ruth Escobar, um grupo de viajantes ricos espera o ônibus que vai levá-los de volta às suas casas. Eles já não moram em São Paulo: mudaram-se em busca de melhor qualidade de vida e maior segurança. Mas na saída do teatro, o ônibus está trancado e o motorista não está por perto. Amedrontados, eles começam a perceber os moradores de rua e a escuridão ao redor.



E aí, decidiram o que vão assistir????

[Resenha] Vamos Juntas? - Babi Souza



Ficha Técnica

Título: Vamos Juntas?
Autor: Babi Souza
ISBN: 978-85-01-10751-0
Páginas: 144
Ano: 2016
Editora: Galera Record
32Toda mulher já se sentiu insegura na hora de sair sozinha na rua. O risco de ser abordada, perseguida ou assediada é uma realidade. Mas, um dia, uma moça chamada Babi Souza teve uma ideia simples e revolucionária: da próxima vez em que você estiver sozinha, olhe para os lados. Pode ter outra mulher andando na mesma direção. Por que não vão juntas? ogo, o movimento Vamos Juntas? conquistou moças em todo o Brasil, se tornando um símbolo de união feminina e feminismo, na defesa por direitos iguais entre homens e mulheres. Aos poucos, muitas mulheres mudaram sua forma de enxergar o dia a dia e a moça ao lado. Além de dados sobre o feminismo, que mostram como ainda há tanto a ser conquistado, este guia traz relatos de mulheres que aprenderam, junto ao Vamos Juntas?, a enxergar companheiras umas nas outras. A se unir, ao invés de rivalizar.

Resenha

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o Grupo Editorial Record enviou aos seus parceiros dois  livros de presente, Vamos Juntas?, de Babi Souza e O papel de parede amarelo, de Charlotte Perkins Gilman - que em breve ganhará resenha aqui no blog. Tive conhecimento do movimento vamos juntas? através do livro e fiquei feliz ao descobrir a dimensão desse movimento na rede social Facebook.

GER_SELO_PARCEIROS_2016_GALERA-7lahjO movimento vamos juntas? nasceu da iniciativa da jornalista Babi Souza. Não nasceu de um planejamento, Babi conta, logo no primeiro capítulo, que por sempre passar por um lugar deserto, escuro e sozinha para chegar ao ponto de ônibus que a levaria para casa - caminho este que era feito por outras mulheres - pensou porque essas mulheres não se uniam para caminharem juntas até o ponto de ônibus. Esse foi o pontapé inicial para a criação do movimento.

A partir disso, Babi propôs através do Facebook - uma página foi criada para o movimento - que as mulheres começassem a andar juntas para evitar ataques e assédios. O movimento ganhou uma proporção gigantesca fazendo com que a idealizadora fosse além e hoje o movimento vamos juntas? é um dos diversos meios de propagação da união feminina, de mais segurança e direitos iguais.
Sentir medo por conta do machismo institucionalizado é, em outras palavras, sentir medo por saber que os homens a nossa volta ainda não entenderam que o nosso corpo é nosso. Isso porque desde a infância recebemos doses homeopáticas de discursos que, aliados às nossas experiências, nos fazem acreditar na nossa submissão e fragilidade e que só nos resta nos conformar com essas dores: "É assim mesmo".
P. 93
A sororidade como o caminho para as conquistas femininas. Sororidade é a união e aliança entre mulheres, baseadas na empatia e companheirismo, em busca de alcançar objetivos em comum. O empoderamento dessas mulheres para que revertam essa condição de submissão imposta pela sociedade, acabar com o mito da rivalidade feminina porque juntas somos mais fortes e esse mito foi criado a partir de uma lógica masculina, a autora levanta e discute esses assuntos em seu livro.

Um livro necessário, principalmente para as jovens em formação que vão encontrar em Vamos Juntas? uma linguagem acessível e que mostra como é importante que nos juntemos para evitar assédios e ataques e, sobretudo, que criemos a consciência de que precisamos nos ajudar, nos juntar e lutar por nossos direitos. O movimento vamos juntas é mais um canal para dar voz às mulheres e com isso mostrar que não estamos sozinhas nessa caminhada.
Tendo a certeza de que somos merecedoras de respeito e liberdade, nos empoderamos, e tendo sororidade entendemos quão juntas das outras mulheres estamos. Por isso, empodere a si mesma e às mulheres à sua volta cultivando a autoestima e a igualdade entre gêneros.
P. 87
Compare e Compre

[Resenha] Encrenca - Non Pratt


Ficha Técnica

Título: Encrenca
Título Original: Trouble
Autor: Non Pratt
ISBN: 978-85-7686-410-3
Páginas: 307
Ano: 2016
Tradutor: Silvia M. C. Rezende
Editora: Verus
16Quando o colégio inteiro descobre que Hannah Sheppard está grávida, ela tem um verdadeiro colapso. E quem está ao seu lado é Aaron Tyler, um aluno novo e o único garoto que não parece ter segundas intenções em relação a ela. Desejando compensar seus erros do passado, Aaron toma uma difícil decisão: ele se oferece para fingir ser o pai do bebê. E, temendo revelar quem é o verdadeiro pai, Hannah aceita. Encrenca é a história de dois jovens que estendem a mão um para o outro quando todas as demais pessoas parecem lhes dar as costas. Em um período marcado por perdas, arrependimentos e esperança, os dois vão descobrir que nada se compara a encontrar o seu primeiro melhor amigo de verdade. Este livro inteligente, por vezes comovente, por vezes engraçado, mostra que crescer pode ser complicado, mas é assim que se descobre o que realmente importa na vida.

Resenha


Hannah é taxada na escola como vagabunda, mas ela não liga muito para isso, até que descobre que está grávida. Aaron Tyler é o mais novo estudante do colégio e filho do professor de História; ele se mudou sem nenhum motivo aparente, e ainda não fez amigos. Hannah não quer dizer quem é o pai de seu futuro bebê. Aaron não quer dizer porque mudou de escola. E é dessa forma, que dois grandes segredos unirão dois (futuros) grandes amigos.

Ao descobrir que Hannah não tem ninguém para lhe ajudar na maternidade, Aaron decide dizer a todo mundo que é o pai da criança. O menino toma essa atitude pois acredita que precisa se redimir de um grande erro que cometeu no passado, e ele sabe, de certa forma, que Hannah, em seu desespero, não lhe fará perguntas.
[...] Não. Definitivamente, não há nenhuma chance de eu ter engravidado quando sentei sem calcinha no colo daquele cara, na balada, enquanto a gente se pegava. Esse é o tipo de pergunta que lemos nas colunas sobre sexo nas revistas, e a pessoa que responde te dá a maior bronca por você ter sido tão burra.
Mas eu estou sendo burra, porque sei exatamente quando aconteceu, não sei?
Sim, eu uso camisinha. Só não usei naquela vez, com aquela pessoa…
P. 54’65
Hannah e Aaron terão então que manter uma grande mentira diante dos olhos julgadores de suas famílias e colegas, evitando ao máximo que seus segredos pessoais sejam revelados. Essa amizade, que nascerá de uma farsa, será essencial para manter o status de dois jovens e também o futuro de um bebê, porém até quando a verdade poderá ser mantida em segredo?

“Encrenca” é um livro bem gostoso de se ler. Sua história é divertida, mas aborda temas importantes como gravidez na adolescência e bullying nas escolas. A obra é dividida em 3 partes (referência aos três trimestres de uma gravidez) e os capítulos são divididos por dias do ano, cada dia podendo – ou não – conter narrações tanto por parte de Hannah como de Aaron.
– Oi.
– Oi.
Termino de abrir a porta e ele entra. Ele tem um cheiro bom, que transmite segurança. Então ele faz algo inesperado: me abraça. Enquanto me encosto a ele e apoio a cabeça em um ombro mais largo que o da minha mãe, penso em como isso é estranho. Nunca nos abraçamos antes, nem nos falamos tanto assim, mas Aaron é a única pessoa que me abraçou durante tudo isso sem se sentir na obrigação.
P. 135
A autora, Non Pratt, criou personagens bastante carismáticas e de fácil relacionamento. Sua escrita é gostosa, apesar de que senti falta em alguns momentos de uma descrição mais rica. Por exemplo, o leitor só descobre que Hannah tem 15 anos de idade e que o livro se passa em Londres quase na página 100.

Apesar da narrativa de Pratt não ter me incomodado, além desse fato citado, senti que ela correu um pouco no final do livro. Ainda estou decidindo minha opinião sobre o desfecho da obra, sei que não foi ruim, mas talvez poderia ter sido algo mais. De qualquer forma, “Encrenca” foi uma leitura muito mais interessante do que eu inicialmente esperava, e com uma carga emotiva e reflexiva muito mais densa também.
Merda. Não faço a menor ideia do que acabou de acontecer, mas Aaron está se acabando no chão. Está fazendo uns barulhos horríveis – como um lamento – e soluçando tão forte que todo o seu corpo chacoalha. [...] Nunca vi nada igual, e isso me assusta.
Mas isso não tem a ver comigo, não é?
Tem a ver com o meu melhor amigo.
P. 245
Com essa capa de muito bom gosto, fica difícil não notar “Encrenca”, e após ler sua sinopse, acredito que o desejo de prosseguir a leitura só irá se firmar. Para os amantes de um romance leve, que preza primeiramente a importância de uma amizade e o amadurecimento e transição da adolescência, tudo com muita descontração, tenho certeza que a obra de Pratt será uma excelente pedida.

Compare e Compre

[Resenha] O Leão Ferido - Mia Sheridan

Ficha Técnica

Título: O Leão Ferido
Título Original: Leo's Chance
Autor: Mia Sheridan
ISBN: 978-85-8041-489-9
Páginas: 240
Ano: 2016
Tradutor: Ana Rodrigues
Editora: Arqueiro
16Cada livro da coleção Signos do Amor é inspirado nas características de um signo do Zodíaco. Esta história se baseia na mitologia de Leão e fala sobre as segundas chances que a vida nos dá. Leo se apaixonou por Evie quando os dois ainda eram crianças, no lar adotivo temporário em que viviam. No futuro difícil que parecia guardado para ele, a única certeza de seu coração era que nada jamais o afastaria daquela garota. Mas, na adolescência, ele foi adotado e teve que se mudar para outra cidade. Durante oito anos eles ficaram afastados contra a vontade e, nesse tempo, Leo precisou superar muitos obstáculos – sobretudo os problemas criados pela mãe adotiva – para se tornar o homem que merecesse Evie e pudesse finalmente buscá-la. O reencontro, porém, não foi fácil e Leo teve que se esforçar para se reaproximar de Evie, reconquistar seu amor e, com sua ajuda, deixar para trás toda a tristeza de uma infância de abandono. Em O Coração do Leão, Evie narrou seu lado desse romance. Agora, em O Leão Ferido, é a vez de Leo contar tudo o que lhe aconteceu e revelar o desfecho dessa história de amor.

Resenha


Estou cada dia mais encantada com a Mia Sheridan, gente! Depois de literalmente ter quase destruído meu coração em A Voz do Arqueiro ela continuou a me surpreender com O Coração do Leão e agora com O Leão Ferido.

Arqueiro_parceria522Em O Coração do Leão conhecemos a linda estória de Evie e Leo, as imensas dificuldades que tiveram de enfrentar desde a infância e o amor que surgiu entre eles. Como o livro foi narrado sob a perspectiva de Evie, tudo que sabemos que aconteceu com Leo é o que ele conta, mas não conseguimos ter uma real noção de tudo que ele enfrentou, principalmente depois que saiu de Cincinnati e foi morar em San Diego. Quando iniciamos a leitura de O Leão Ferido logo somos lançados ao período em que Leo está no hospital em San Diego e assim a narrativa se dá, alternando entre o período de recuperação e o momento atual, quando reencontrou Evie.
(...) quando eu tinha apenas 11 anos, não demorei mais do que quinze minutos para descobrir que Evie seria a pessoa por quem eu me apaixonaria. No dia em que reparei nela pela primeira vez, sentada àquela mesa de jantar, com o coração nas mãos, Evie me trouxe de volta à vida, me fez ter esperança. Foi isso que ela fez logo naqueles primeiros minutos.
P. 85
Ao voltarmos alguns meses no tempo e encontrarmos Leo no hospital nos ajuda a entender muito sobre a pessoa que ele se tornou depois que foi adotado e o quanto isso deixou marcas profundas em seu formação como pessoa.

Desde a infância Leo sofreu com a rejeição de quem deveria amá-lo e após ser adotado, quando imaginamos que as coisas finalmente melhorarão para ele, eis que surgem novas dificuldades somadas a falta que sente de Evie. Então, quando os vemos juntos novamente, é incrível a mudança que ela faz na vida dele.
Volto para a reunião sorrindo e me perguntando como vivi sem ela por todos esses anos. Como consegui? Então percebo que, na verdade, eu não estava vivendo. Estava existindo. Colocando um pé na frente do outro e apenas seguindo em frene. Nos melhores dias, entorpecido. Nos piores, infeliz.
P. 136 
Tenho uma certa tendência a gostar mais dos livros na perspectiva masculina e não foi diferente com O Leão Ferido, não que O Coração do Leão não tenha sido bom, mas quase sempre a perspectiva masculina vem depois, quando tenho inúmeras perguntas a serem respondidas. Mais do que apenas uma mesma estória sob outra perspectiva, o passado de Leo, a influência do Dr. Fox em sua vida, como ele passa a perceber alguns aspectos de seu passado de outra maneira além de cenas em que não estava com Evie e que são fundamentais nas decisões que toma.

Mia mais uma vez abordou temas difíceis como abandono, pedofilia, negligência familiar, mas também trouxe esperança de que é possível superar toda a dor pela qual passou.

Já estou esperando pelo próximo livro da série e confesso que o mais aguardado é o meu signo, escorpião, tomara que não demore muito ;)

Compare e Compre

[Cinema] Capitão América: Guerra Civil


Chegou a hora de falar de um filme que esperei muito: Capitão América: Guerra Civil. Para quem me conhece ou acompanha o blog sabe que eu adoro os filmes de heróis, principalmente os da Marvel, por terem sido os primeiros a criar todo um universo, de sequências de filmes e por terem o tom mais divertido deles.
Guerra Civil11Guerra Civil4Guerra Civil7Guerra Civil2Guerra Civil9Guerra Civil5Guerra Civil8Guerra Civil3Guerra Civil10Guerra Civil6Guerra Civil12Guerra Civil15

Eu nunca li os quadrinhos dos heróis, quando era criança minha mãe só me dava revistinhas da Turma da Mônica e da Disney, então só conheci esses heróis nos desenhos animados (que eu sempre amei). Quando soube que teria um filme do Capitão América onde ele e o Homem de Ferro (meu personagem favorito) estariam em lados divergentes, tratei logo de pesquisar que ideia era essa! E qual foi a minha surpresa ao ver que de fato houve uma série dos quadrinhos sobre isso, só que com muito mais personagens do que o filme traz. Desde que começou a divulgação do filme eu fui bem clara quanto a minha posição de não escolher um lado e agora, depois de tê-lo assistido continuo com a mesma ideia.

Marvel's Captain America: Civil War

L to R: Tony Stark/Iron Man (Robert Downey Jr.) and Steve Rogers/Captain America (Chris Evans)

Photo Credit: Zade Rosenthal

© Marvel 2016

O filme traz uma sequência clara de Capitão América: Soldado Invernal e de Vingadores: Era de Ultron com a proposta do Tratado de Sokovia, uma resolução da ONU de que os heróis devem ser registrados, supervisionados e controlados por uma organização isenta, nesse caso a ONU. Tony claramente defende essa posição, afinal, começa a se questionar se eles de fato não devem ser supervisionados por uma instância maior, ao mesmo tempo em que Steve tem certeza absoluta de que isso não deve ocorrer, principalmente depois que eles viram que a S.H.I.E.L.D. passou anos sendo controlada pela HIDRA.

bucky-soldado-invernal-guerra-civil-850x478

Além disso, desde o final de Capitão América: Soldado Invernal que Steve tem procurado seu amigo de infância, Bucky, na esperança de que ele possa ajudá-lo, afinal é uma das poucas pessoas de seu convívio inicial (início do século XX) que continua viva, a outra é Peggy (a agente Carter). Como é da índole de Steve, ele não deixa seus amigos na mão e como Bucky o ajudou muito durante sua infância, adolescência, quando serviram ao exército na Segunda Guerra Mundial e ainda o salvou do afogamento no final do outro filme, essa esperança continua ativa dentro dele, e quando há a chance de encontrá-lo, ele não a deixará passar.

Líder dos novos Vingadores, Steve se vê um fora da lei por defender o que acredita e assim, ele e Tony conseguem aliados para defender suas posições nessa "guerra civil", como vocês viram no posters logo no início desse post, cada time contou com seis integrantes, ao contrário do que ocorreu nas HQs, onde houve o envolvimento de praticamente todos os heróis do universo Marvel.

tom_holland-spiderman-750x380

Além da presença do Homem-Formiga, que já teve seu filme solo, temos dois personagens ingressando nesse universo cinematográfico Marvel: Homem-Aranha e Pantera Negra. Sabemos que a Sony detém os direitos cinematográficos do Homem-Aranha e assim já estamos em uma segunda trilogia, mas um novo ator foi escolhido para essa nova fase. Tom Holland sim a cara do personagem para mim: novinho e nerd, adorei. As poucas cenas em que aparece de fato me lembram os desenhos que assisti. Ao que soube, a Marvel em parceria com a Sony estará a frente do novo filme do Homem-Aranha (se liguem na segunda cena pós-crédito) e veremos esse filme em Julho de 2017.

Chadwicj Boseman Black Panther

O Pantera Negra é um personagem que eu não conhecia, mas adorei sua entrada logo no início do filme e sua presença até o final, o que já deu uma boa ideia do que o seu filme solo trará, inclusive com a primeira cena pós-crédito. O Chadwick Boseman interpreta o soberano de Wakanda, a nação que detém as minas de vibranium, material do qual é feito o escudo do Capitão América e o uniforme do próprio Pantera Negra. Esse filme deve estrear em Fevereiro de 2018.

Capitão América: Guerra Civil deu início à fase 3 da Marvel, que ainda terá muitos filmes pela frente: Doutor Estranho (03 de Novembro de 2016), Guardiões da Galáxia 2 (27 de Abril de 2017), Homem-Aranha (26 de Julho de 2017), Thor: Ragnarok (02 de Novembro de 2017), Pantera Negra (15 de Fevereiro de 2018), Vingadores: Guerra Infinita - Parte 1 (26 de Abril de 2018), Homem-Formiga e Vespa (05 de Julho de 2018), Capitã Marvel (28 de Fevereiro de 2019), Vingadores: Guerra Infinita - Parte 2 (02 de Maio de 2019) e sem dúvida ainda teremos outros.

A essa altura vocês já devem ter notado que não falei no vilão do filme, de fato existe um, que quase não aparece e para mim poderia ser facilmente descartado. Outros personagens também aparecem nesse filme, como o Gavião Arqueiro, a Viúva Negra, Feiticeira Escarlate, Visão e a volta da Sheron Carter, que apareceu em Soldado Invernal e traz uma novidade para nós.

Eu sou suspeita para falar, mas saí completamente extasiada do cinema, adorei demais. Não sei se é o melhor filme, mas sem dúvida acompanha a linha dos filmes da Marvel e claro que quero assistir novamente enquanto espero ansiosa que Steve e Tony se unam novamente, afinal: Unidos venceremos. Divididos cairemos.

E vocês, já assistiram?? O que acharam do filme???

Guerra Civil
Lançamento: 28 de Abril de 2016
Direção: Anthony Russo, Joe Russo
Elenco: Chris Evans, Robert Downey Jr., Scarlett Johansson, Sebastian Stan, Anthony Mackie, Don Cheadle, Jeremy Renner, Chadwick Boseman, Paul Bettany, Elizabeth Olsen, Paul Rudd, Emily VanCamp, Marisa Tomei, Frank Grillo, Tom Holland
Gênero: Ação, Fantasia
Duração: 2h28min
Nacionalidade: EUA
Título original: Captain America: Civil War
Distribuidor: Disney/Buena Vista
Sinopse: Steve Rogers (Chris Evans) é o atual líder dos Vingadores, super-grupo de heróis formado por Viúva Negra (Scarlett Johansson), Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen), Visão (Paul Bettany), Falcão (Anthony Mackie) e Máquina de Combate (Don Cheadle). O ataque de Ultron fez com que os políticos buscassem algum meio de controlar os super-heróis, já que seus atos afetam toda a humanidade. Tal decisão coloca o Capitão América em rota de colisão com Tony Stark (Robert Downey Jr.), o Homem de Ferro.







 
Personalização por HR Personalização de Blogs