16 de dez de 2017


[Conhecendo o Autor] A. J. Ventura


Escrever sobre mim como pessoa é difícil. Escrever sobre mim como escritora, é bem mais. Estou atendendo ao pedido carinhoso da Layane para me apresentar por aqui, mas tenho um pouco de medo de falhar na tarefa. Assim como fazer uma sinopse, falar sobre mim me deixa aflita, mas vou tentar. 


Sempre li muito e desde muito cedo. Como o acesso aos livros era restrito, lia e relia os mesmos livros várias vezes, mas nunca deixei de ler. Já na adolescência, fui apresentada aos romances de banca pela minha irmã. Aí minha vida mudou. Foram anos desse tipo de leitura até que outros interesses me afastassem dos romances.

Por causa da faculdade e pela dificuldade de encontrar romances de banca que me prendessem, passei para biografias, suspenses e mistérios. Li muita coisa de Agatha Christie, Sydney Sheldon, Tom Clancy e John Grisham. Troquei de faculdade e vieram os clássicos brasileiros, americanos e ingleses e muito tempo até que eu voltasse a ler por prazer.

A compra de um tablet anos depois me trouxe de volta aos livros por diversão e os romances foram os primeiros livros que baixei. Voltei a ler vorazmente e como não tinha kindle, nesse período li só autoras internacionais. Sandra Marton, Mara Jacobs, Evelyn Adams, Melanie Shawn, R.L. Mathewson e Amy Adams foram as principais. O que essas autoras têm em comum? Escrevem livros leves com final feliz. Meu tipo de livro favorito. Não é maneira de falar. Leio para me divertir e gosto de coisas que façam com que me sinta bem ao final. Nem me venha com livors que façam chorar. Só leio se não fizer ideia do que se trata e mesmo que goste muito, não lerei novamente. Podem me julgar.

Quando finalmente baixei o aplicativo do kindle, vi a quantidade de autoras nacionais e percebi que podia ser um caminho pra mim, que tinha escrito muitas coias desde a adolescência, mas achava que publicar um livro era um sonho distante. Levou algum tempo e muita coragem para que eu decidisse que tinha uma história para contar e sabia como fazê-lo. “Maior que Tudo” surgiu para mim quase completo e todo o processo de colocá-lo no papel, criar uma capa, revisar e publicar na Amazon, levou dois meses e meio. Tenho certeza de que isso nunca acontecerá novamente. Foi o meio que o universo encontrou de me convencer de que era fácil. Eu acreditei.

O livro conta a história de Anna, uma brasileira que mora e trabalha em NY como professora de Português para estrangeiros. Ela conhece Joel, um advogado misterioso que propõe um relacionamento sem compromisso. Inexperiente e ingênua, Anna aceita, achando que pode sair desse relacionamento sem se machucar, mas é claro que está enganada. Acima do peso, Anna é uma pessoa incrível e minha intenção ao retratá-la assim, foi a de dar representatividade a uma parcela enorme do meu público que não se vê representada pelas mocinhas com corpo de modelo que povoam os Romances. Anna é uma pessoa real, que tem dúvidas, inseguranças e problemas como qualquer uma de nós.

Mais de oito meses se passaram até que a sequência “Mais forte que tudo” ficasse pronto. Bem mais profissional, contratei uma beta e revisora que me mostrou que não adianta ter uma história pra contar e saber como. Você precisa de feedback e em algum momento pode ser necessário mudar sua história. Às vezes só um pouquinho. Às vezes muito.

Em “Mais forte que tudo”, acompanhamos a história de Pat, a melhor amiga de Anna e oposta a ela em tudo. Determinada, segura e por vezes, arrogante, Pat é uma feminista convicta de que não precisa de um homem ao seu lado para ser feliz, até que encontra Jeff, disposto a provar a ela que pode não ser o que ela quer, mas é o que ela precisa.

Enfim, mais profissional e mais confiante, decidi deixar a série de lado por um tempo e me dedicar a algo diferente. Foi assim que surgiu “A Lista de Sam”. Um Stand Alone sensual, mas com protagonistas mais jovens, ainda na faculdade e moradores do alojamento da UFRJ, onde eu tive o prazer de morar.

“A Lista de Sam” é um romance leve, mas bem sensual. Isso porque a lista, criada pelas amigas de Sam como brincadeira, contém itens que elas consideram imprescindíveis que a amiga experimente antes do fim da faculdade. Todos eles relacionados a sexo. Recém-saída de um relacionamento, Sam leva a lista na brincadeira, até que o irmão de uma das amigas acha a lista e diz a ela que está disposto a marcar os itens com ela.

Depois de concluída a “lista”, foi a hora de voltar para Nova York, ou melhor, para a série In Love in NY e “Melhor que Tudo” saiu mais de um ano depois. Não foi só o mais demorado. É o mais longo e mais difícil livro que escrevi. Mas tecnicamente, posso dizer que se trata do melhor. E isso não foi um trocadilho com o nome do livro.

Dani foi aluna de Pat e Anna no curso e se aproximou das duas por acaso. Agora ela se tornou funcionária delas e está focada em estabelecer um curso de Inglês gratuito para imigrantes com dificuldades com o idioma. Seu vizinho, o arquiteto Ed é irmão de Joel e ainda leva a vida que o irmão deixou para trás. Sem interesse em compromisso, se envolve com várias mulheres sem se apegar a nenhuma. Com a convivência com Dani, eles ficam amigos. Ela sabe que não podem ser mais que isso porque seu objetivo é se casar e ter uma família, coisas que Ed não está disposto a ter. Como sempre, o destino tem outros planos.

Sobre a publicação, demorou um pouco e foi feito de forma independente o que, embora seja mais trabalhoso em todos os sentidos, dá uma satisfação incrível. Às vezes é estranho folhear o livro e pensar que todas aquelas palavras fui eu que escrevi, mas ao mesmo tempo é uma sensação de realização surreal. Sei que emocionalmente não é a mesma coisa, mas no meu caso, sei que é o mais próximo que chegarei de ter um filho, então fico satisfeita com meus filhos literários, que só me dão alegrias.

Minha relação com os leitores é tão próxima quanto eles querem. Sempre respondo emails e mensagens. Adoro ler feedback dos meus livros. De verdade. Mesmo nos casos em que a pessoa não gostou tanto assim (Infelizmente acontece), eu gosto de ouvir as críticas. Sou pouco ativa nas redes sociais e isso é algo que pretendo mudar, mas me emociona de verdade o contato com quem leu minhas obras. Se eu puder dar um conselho nessa vida aos leitores em geral é esse: Se gostou de um livro, tente falar com o autor, às vezes tudo que se precisa é de um incentivo e o que vem do leitor em forma de reconhecimento é o melhor e mais efetivo deles.

Nesse momento, trabalho num projeto completamente novo que tem previsão de ser lançado em 2018, além de trabalhar no último livro da série. Estou ansiosa para poder apresentar as novidades a todos e espero que estejam ansiosos também!

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ 

Curtiram conhecer um pouco a Anna? Pois é, assim que Elimar me falou que tinha uma autora nacional que escrevia chick-lit fiquei doida para conhecer e saber como seria a história que ela tinha escrito e eu adorei, kkk


Comentários
4
Compartilhe

15 de dez de 2017


[Resenha] As Perfeccionistas - Sara Shepard

Ficha Técnica

Título: As Perfeccionistas
Título Original: The Perfectionists
Autor: Sara Shepard
ISBN: 978-85-7980-357-4
Páginas: 287
Ano: 2017
Tradutor: Joana Faro
Editora: Rocco Jovens Leitores

Autora da série bestseller Pretty Little Liars, que virou seriado de TV, Sara Shepard apresenta uma nova trama envolvendo cinco garotas e um crime em As perfeccionistas, primeiro de uma duologia. Desta vez, o cenário da trama é Beacon Heights, Washington, onde Mackenzie, Ava, Caitlyn, Julie e Parker frequentam o último ano do ensino médio. Enquanto planejam seu futuro e lidam com suas próprias questões pessoais e familiares, algumas nem um pouco louváveis, as cinco descobrem algo em comum: todas elas odeiam o mesmo garoto, o rico e convencido Nolan. E arquitetam um plano de assassinato perfeito. Mas quando Nolan aparece morto exatamente do jeito que elas haviam imaginado, Mackenzie, Ava, Caitlyn, Julie e Parker precisarão provar que não são culpadas, enquanto suas vidas – e seus segredos – desmoronam ao redor.

Resenha


Conhecida e popularizada devido a sua grande – literalmente, são 16 livros – série de sucesso Pretty Little Liars (PLL), a autora norte-americana Sara Shepard acaba de ter seu último lançamento publicado no Brasil pelas mãos da Rocco Jovens Leitores.

“As Perfeccionistas” não foge muito do universo criado por Shepard em suas demais obras, e para saber disso nem precisei lê-las – assistir a finada série de TV ajudou nesse quesito. Resumidamente, aqui, existe um grupo de jovens meninas, muita fofoca, traição e ocasionalmente mortes, fatores recorrentes também em PLL.

Em meu primeiro contato com a escrita de Sara, tenho que ser sincero e confessar que esperava muito mais. Sempre desejei ler Pretty Little Liars, mas devido a extensa quantidade de livros e o valor alto dos mesmos, desisti. Com uma narrativa pobre, desenrolar engessado e personagens nem um pouco carismáticas, “As Perfeccionistas” me parece mais um reaproveitamento de uma antiga fórmula, e até mesmo para mim que nunca li nada antes da autora, senti como se tal fórmula já fosse datada.
Ela se levantou depressa, pegou suas coisas e saiu sorrateiramente da loja antes que Blake pudesse impedi-la. Saiu às pressas pela porta da frente, balançando os sininhos. Assim que chegou lá fora a chuva molhou seu rosto, ela percebeu a enormidade do que tinha feito.
P. 51
A história basicamente gira em torno de cinco garotas, que aparentemente nem amigas íntimas são, que durante uma certa aula fazem uma “brincadeira”, onde o intuito seria matar Nolan, um popular colega de escola que além de muito escroto com todos, obtém podres e segredos de algumas delas.

Porém, certo dia, durante uma festa, Nolan é encontrado morto, e depois de uma investigação é revelado que ele foi assassinado, não curiosamente, da mesma forma que as meninas tinham insinuado durante a tal aula. Daí em diante vamos descobrindo o passado das meninas e a relação de cada um com o falecido, ferramenta que querendo ou não, cria uma possível justificativa – ou pelo menos motivo –, para uma delas – ou todas – de fato cometerem tal crime.
Ava tinha ligado para todo mundo naquela tarde para dizer que alguém a vira conversando com Nolan no andar de cima.
P. 149
Algumas das meninas – seus nomes são Mackenzie, Ava, Caitlyn, Julie e Parker – se mostram bem interessantes de um ponto de vista de desenvolvimento da história, pois possuem muitas nuances, já outras são bem vazias e aparentemente desnecessárias para enriquecer o plot principal. Porém, por dividir o foco da narrativa entre cinco perspectivas diferentes, as personagens que de fato são interessantes, acabam perdendo espaço para outras, o que prejudica demais o livro.

Talvez a melhor coisa de “As Perfeccionistas” seja seu mistério. Afinal, se as meninas afirmam que não mataram Nolan, quem o fez? Tristemente, tal suspense não é tratado como a estrela da obra, e durante muitos capítulos a única menção em relação a isto é de que Nolan foi morto. Questionar e tentar inserir uma investigação mais rica perante as personagens, ao meu ver, daria um fôlego diferente ao livro, de uma maneira bem positiva.
Sua pulsação começou a se acelerar outra vez quando ela percebeu que não tinha sido totalmente sincera com Alex. O que contara era quase a verdade… mas deixava muito de fora. Tudo sobre Nolan.
Tomara que ele nunca precisasse saber.
P. 207
Minha decepção foi coroada ao chegar no último capítulo e descobrir que o assassinato não foi desvendado, e que sim, haverá uma continuação. “As Perfeccionistas” faz parte de dois volumes – nada comparado aos 16 de PLL –, mas ainda assim, devido a vários fatores, não vi motivo para a obra ser dividida. Minha vontade de fato não é de conferir a continuação, mas talvez minha curiosidade seja maior, afinal, nunca digo não a um mistério… seja ele bom ou ruim.

Amazon | Cultura | Livraria da Folha | Fnac
Comentários
8
Compartilhe

14 de dez de 2017


No Escurinho do Cinema #226


Olá amores, tudo bem??

Como estamos por aí? Nessa semana temos um filme muito aguardado pelos fãs de Star Wars, com mais um filme da franquia. Além dele, também temos comédia, drama, aventura e biografias como a de Cora Coralina e Wiliam Marston, criador da Mulher-Maravilha. Vamos conferir as sinopses e os trailers para decidir o que assistir no cinema?!

Star Wars - Os Últimos Jedi
Direção: Rian Johnson
Com: Daisy Ridley, John Boyega, Oscar Isaac
Gênero: Ficção científica, Ação
Duração: 2h32min
País: EUA
Sinopse: Após encontrar o mítico e recluso Luke Skywalker (Mark Hammil) em uma ilha isolada, a jovem Rey (Daisy Ridley) busca entender o balanço da Força a partir dos ensinamentos do mestre jedi. Paralelamente, o Primeiro Império de Kylo Ren (Adam Driver) se reorganiza para enfrentar a Aliança Rebelde.



Mulheres Divinas
Direção:Petra Biondina Volpe
Com: Marie Leuenberger, Bettina Stucky, Ella Rumpf
Gênero: Drama, Comédia
Duração: 1h36min
País: Suiça
Sinopse: Suíça, 1971. A jovem dona de casa Nora (Marie Leuenberger) vive com seu marido e seus dois filhos numa pequena aldeia. Até então sua vida era tranquila e não tinha sido afetada com as grandes revoltas sociais e o movimento de 1968, mas, é aí que Nora começa a fazer campanha pelo direito de voto das mulheres.



O Poder e o Impossível
Direção:
Scott Waugh
Com: Josh Hartnett, Mira Sorvino, Sarah Dumont
Gênero: Aventura, Drama
Duração: 1h42min
País: EUA
Sinopse: O jovem e rebelde Eric (Josh Hartnett) é um atleta de snowboard, que vive em busca de adrenalina. Durante um fim de semana, numa estação de esqui, ele acaba preso por uma grande tempestade de neve. Isolado, e sem conseguir fazer contato com ninguém, ele precisa fazer de tudo para sair dessa situação.





Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas
Direção:
Angela Robinson
Com: Luke Evans, Rebecca Hall, Bella Heathcote
Gênero: Drama, Biografia
Duração: 1h49min
País: EUA
Sinopse: A não-convencional vida de Wiliam Marston (Luke Evans), psicólogo e inventor de Harvard que ajudou a tornar real o Detector de Mentiras e que também criou a Mulher-Maravilha, personagem dos quadrinhos, em 1941. Marston mantinha uma relação polígama envolvendo sua esposa Elizabeth Marston (Rebecca Hall), psicóloga e inventora, e Olive Byrne (Bella Heathcote), uma ex-aluna que virou acadêmica. Essa relação e os ideais feministas das duas mulheres foram essenciais para a criação da personagem.


Cora Coralina - Todas as Vidas
Direção: Renato Barbieri
Com: Camila Márdila, Walderez de Barros, Teresa Seiblitz
Gênero: Biografia, Documentário
Duração: 1h26min
País: Brasil
Sinopse: Cruzando a fronteira entre a realidade e a ficção, esta é a história da escritora e poeta brasileira Cora Coralina, uma mulher que trabalhou como doceira durante quase toda sua vida, apenas publicando seu primeiro livro aos 75 anos de idade. No entanto, nem mesmo todos os anos de espera a impediram de se tornar uma das autoras brasileiras mais importantes de sua geração.



Jesus - A Esperança
Direção: Semi Salomão
Com: Luiz A. Vechiatto, Débora Melo, Mauro Augusto Chianfra
Gênero: Drama, Épico
Duração: 1h30min
País: Brasil
Sinopse: A história de Jesus Cristo narrada com a perspectiva bíblica. Baseada nos quatro evangelhos sinóticos, é retratada sua vida pública, seus milagres, a conspiração em torno de sua existência, sua morte e ressurreição.



E então, o que querem assistir????
Comentários
5
Compartilhe

13 de dez de 2017


Pesquisa de Público


Olá meus queridos, tudo bem com vocês?

Como tem muito tempo que fizemos uma pesquisa aqui no blog, gostaríamos de conhecer um pouco mais vocês.

Alguns estão conosco há muito tempo, outros chegaram a pouco, mas conhecer vocês nos ajudará a melhorar o conteúdo que oferecemos no blog.

Então, pedimos que respondam essa pesquisa o mais sinceramente possível, vai ser rapidinho.

CLIQUE AQUI PARA RESPONDER A PESQUISA

Obrigada!
Comentários
11
Compartilhe

10 de dez de 2017


[Resenha] O Escravo de Capela - Marcos DeBrito

Ficha Técnica

Título: O Escravo de Capela
Autor: Marcos DeBrito
ISBN: 978-85-62409-89-9
Páginas: 283
Ano: 2017
Editora: Faro Editorial
O Escravo de Capela
Durante a cruel época escravocrata do Brasil Colônia, histórias aterrorizantes baseadas em crenças africanas e portuguesas deram origem a algumas das lendas mais populares de nosso folclore. Com o passar dos séculos, o horror de mitos assustadores foi sendo substituído por versões mais brandas. Em “O Escravo de Capela”, uma de nossas fábulas foi recriada desde a origem. Partindo de registros históricos para reconstruir sua mitologia de forma adulta, o autor criou uma narrativa tenebrosa de vingança com elementos mais reais e perversos. Aqui, o capuz avermelhado, sua marca mais conhecida, é deixado de lado para que o rosto de um escravo-cadáver seja encoberto pelo sudário ensanguentado de sua morte. Uma obra para reencontrar o medo perdido da lenda original e ver ressurgir um mito nacional de forma mais assustadora, em uma trama mórbida repleta de surpresas e reviravoltas.

Resenha

Uma vingança assustadora. O Escravo de Capela, terceiro livro de Marcos DeBrito, nos conta uma história cheia de suspense, terror, vingança e muito sangue. O cenário é o nosso país na época da escravidão e o autor faz um recorte para mostrar a vida dessas pessoas escravizadas na Fazenda Capela. 

A família composta por pai e dois filhos, os Cunha Vasconcelos eram os grandes produtores de açúcar da região e tinham um jeito cruel e exagerado de lidar com seus escravos. A escravidão por si só já é um processo doloroso, terrível e injusto e essa família contribuía para o pesadelo daquelas pessoas tão sofridas e maltratadas. 
Dentro da senzala, as paredes de pedra assentadas com barro não permitiam que os fachos de luz encontrassem caminho para enfraquecer a penumbra do recinto. Os escravos permaneciam na escuridão mesmo com a chegada de uma nova manhã. 
P. 27
Antônio Batista, pai de Antônio Segundo e de Inácio, é o dono da Fazenda Capela e se orgulha da fama que a fazenda tem perante as outras famílias de seu círculo social. Antônio Segundo é o filho sádico, extremamente cruel e desequilibrado. Os castigos aos escravos dão prazer ao herdeiro de Batista, ele é o retrato do Brasil escravocrata. Durante a leitura não pude deixar de imaginar quantos Antônios não açoitaram por prazer pessoas que eles julgavam inferiores, pessoas reais, com sofrimentos reais. Inácio é o diferente da família, mas se beneficiou e se beneficia deste sistema. Médico e com ideias opostas as de seu irmão e seu pai.

Após mais uma compra de escravos, Sabola chega a Fazenda Capela e não compreende ainda a língua e os hábitos. Por causa disso é açoitado, severamente castigado com os instrumentos de terror de Antônio Segundo. Sabola tem o desejo de conseguir escapar da fazenda e para isso escuta o conselhos de um escravo mais velho e que esteve muito perto de conseguir. Eis que acontece algo terrível com Sabola e no dia seguinte eventos sobrenaturais rondam a Fazenda Capela.
- Não adianta ter pressa, Sabola. Algumas coisas levam tempo. Muito mais do que você imagina. Mas se for por algo que vale a pena ter, então vale a pena esperar. 
P. 68 
Primeiro contato com a escrita de Marcos DeBrito e fiquei hipnotizada pela história e muito alegre de ter lido mais um autor extremamente talentoso e brasileiro. DeBrito conta a história de uma das figuras mais emblemáticas do nosso folclore, em um período que marcou a História de nosso país e dando características de suspense/terror em seu desenvolvimento. A figura do Saci vingativo e ao mesmo tempo buscando justiça. Sempre tive em mente o Saci como uma entidade brincalhona e que gostava de pregar peças. Foi diferente e assustador imaginar essa mesma figura buscando vingança e sedenta por sangue. O Escravo de Capela é um livro muito bom pela forma com que conduz a história. Simples, sem muitos artifícios e que prende atenção de quem lê. Mais do que recomendado! 
As doze badaladas que tocaram no bater da meia-noite soaram como sinos de uma imponente torre gótica mal-assombrada para torturar ainda mais a sanidade arruinada. O timbre assustador do metal ecoando na sala entre as paredes escorridas de sangue completava o clima macabro com sua sonoridade tétrica. 
P. 163
Comentários
6
Compartilhe

9 de dez de 2017


[Resenha] O Beijo de Chocolate - Laura Florand

Ficha Técnica 

Título: O Beijo de Chocolate
Título Original: The Chocolate Kiss
Autor: Laura Florand
ISBN: 978-85-67028-65-1
Páginas: 304
Ano: 2015
Tradutor: Marsely de Marco Martins Dantas
Editora: Única
Quem nunca sentiu algo tão forte que pensou que só poderia estar enfeitiçado? Na pequena Île Saint-Louis, no coração da romântica Paris, esconde-se uma casa de chá especial e mágica: La Maison des Sorcières. As tias Aja e Geneviève confiaram em sua jovem sobrinha Magalie para ajudá-las na empreitada de encantar os clientes com doces e bebidas que são literalmente feitiços – em especial, o inexplicável chocolate quente de Magalie. A vida seguia tranquila até que o badalado pâtissier Philippe Lyonnais resolve abrir uma filial de sua loja a poucos metros dali. É então que começa uma batalha mais do que apimentada entre os dois doceiros: Magalie tenta punir (e instigar) Philippe com suas xícaras de chocolate quente, e ele a enlouquece com tentações inéditas e cheias de sabor. Magalie, porém, nunca esteve pronta para sentir algo tão forte e, depois de tanto tempo isolada, ao conhecer Philippe vê que não pode mais fugir de quem é e dos seus desejos. Contudo, ele significa o risco de perder tanta coisa… Tudo aquilo que vale mais que um simples – ainda que absolutamente tentador – macaron. Entre a teimosia e o desejo, o doce e o amargo, descubra as emoções que só a paixão com uma boa dose de cacau e magia pode despertar.

Resenha


O Beijo de Chocolate é o segundo livro da série Amor e Chocolate da Laura Florand e, assim como Melhor que Chocolate, nos levará em um romance delicioso pela mágica Paris.

Magalie Chaudron tem vinte e cinco anos e há cinco vive em Paris com as tias Aja e Geneviève e trabalha na loja de chá delas, La Maison des Sorcières. Nesses anos em que vive na Île Saint-Louis, no coração de Paris, ela fez faculdade, tem feito muito chocolat chaud e outras delícias para seus clientes, tem acesso fácil a moda parisiense e o principal, tem criado raízes, algo que não teve enquanto crescia. Entretanto, seu mundo aparentemente tranquilo será abalado pela chegada do famoso pâtissier Phillipe Lyonnais, conhecido como o Prince des Pâtissiers, que decide abrir uma nova loja na ilha, mais precisamente na mesma rua do salon de thé (loja de chá).

Phillipe é um homem decidido e bem resolvido profissionalmente. Vindo de uma família que há várias gerações encantam os parisienses e seus visitantes com seus doces incríveis, ele sabe que a fama que tem hoje deve-se ao seu trabalho e não apenas pela herança da família, ele conquistou o seu espaço. Porém, ele não imaginava que uma mulher que não queria provar nenhum de seus doces (apenas por rebeldia, em retaliação por ele estar abrindo uma loja perto da dela, criando uma concorrência desleal) abalaria sua confiança e despertaria o desejo de provar o quanto ela estava perdendo ao não provar de suas delícias.
— Pedi que você não fosse à minha loja!
— Não, não pediu. Você tentou me manter longe. Você nunca me pediu nada, Magalie. E, se pedisse, eu não hesitaria em satisfazê-la.
P. 116
Magalie é filha de uma francesa e de um estadunidense, mas sua vida foi marcada por muitas idas e vindas, muita incerteza e insegurança. Sua mãe, uma produtora de Lavanda em Provença, não conseguiu viver nos Estados Unidos e continuar com seu trabalho lá. O pai, um especialista em apicultura, tinha bolsa em uma universidade nos Estados Unidos e não poderia viver na França. Assim, alguns meses por ano ela estava com a mãe em Provença e depois as duas ficavam um tempo nos Estados Unidos. Dessa forma, Magalie nunca conseguiu frequentar um ano escolar completo em um único lugar, criar laços de amizade verdadeiros, ter relacionamentos amorosos, afinal, nunca sabia quando teria que ir embora. Mas desde que passou a viver em Paris, ela tem conseguido isso, frequentou uma universidade regularmente, tem um trabalho, um lugar para morar, clientes que voltam sempre apaixonados pelo seu chocolate quente e suas tortas. Então, porque Phillipe tinha que vir para o seu território? Certamente uma loja de chá tão pequena quanto a dela não sobreviveria à concorrência da loja dele e, com isso, era certo que fechariam. E então: o que seria dela e das tias? O que fariam?
Você não pode curar a solidão se afundando nela, vivendo em uma ilha afastada do mundo. Magalie sabia disso. No entanto, tinha muita dificuldade com todas as curas. Pareciam ásperas, rudes e brutais, como se estivessem esfregando uma bucha em sua pele. Coisas como tentar sair com homens que ela mal conhecia, ou dançar em casas noturnas de Paris, ou sair com amigos para bares próximos às margens do rio.
P. 84
Phillipe não vê as coisas por esse ângulo, para ele é certo que a chegada de sua loja irá melhorar o comércio local, gerando mais lucros para todos os comerciantes da ilha, mas principalmente, desde que ele conheceu Magalie e seu temperamento forte, ele quer que ela prove seus doces, ele quer um espaço em sua vida.
— Experimente alguns dos meus doces, Magalie — ele abriu sua caixa cheia de iguarias.
— Você nem os fez para mim. — Ela parecia carrancuda a respeito de seu chocolate ou de sua tormenta, talvez uma combinação dos dois. — Eles estavam lá na loja.
— Magalie, tudo o que tenho feito nas últimas semanas é para você.
P. 223
Magalie não aceita com facilidade a chegada de novas pessoas em sua vida, confiar é algo muito difícil para ela e mesmo quando ela permite que Phillipe se aproxime, fica claro como isso é um grande passo, mas não é tudo, é como se ela tivesse camadas e mais camadas de proteção, que Phillipe precisará desnudar para entendê-la. E isso é uma missão que ele levará muito a sério.

Além do romance de Phillipe e Magalie, temos muitas menções aos lindos lugares em Paris e é claro, muitas delícias gastronômicas e eu confesso que nunca comi a maioria deles, mas fiquei babando enquanto lia e o livro e o desespero para experimentá-las aumentava a cada instante. Realmente é para deixar qualquer um com água na boca.
—  Eu não digo "eu te amo" sem motivo. Eu costumava fazer isso quando era criança, com minha mãe e meu pai para fazê-los se sentir melhor, mas parei quando me tornei adolescente.(...)
— Isso foi um aviso?
— De certa forma, sim.
P. 286
Também não posso deixar de citar que personagens de Melhor que Chocolate também apareceram aqui e não foi apenas Sylvain e Cade, mas também Christopher (o blogueiro de culinária) e Charlotte, amiga de Sylvain.

Bem, dessa série por enquanto temos apenas esses dois publicados aqui no Brasil, não sei se e quando a Única irá publicar os outros livros da série, mas espero sinceramente que sim, para eu me torturar mais um pouco com esses romances regados a muitas delícias doces, kkkkk

Amazon | Cultura | Livraria da Folha | Fnac
Comentários
6
Compartilhe

8 de dez de 2017


[Resenha] O Navio dos Mortos - Rick Riordan

Ficha Técnica 

Título: O Navio dos Mortos
Título Original: The Ship of the Dead
Autor: Rick Riordan
ISBN: 978-85-510-510-0247-6
Páginas: 368
Ano: 2017
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Intrínseca
Nos dois primeiros livros da série, Magnus Chase, o herói boa-pinta que é a cara do astro de rock Kurt Cobain, ex-morador de rua e atual guerreiro imortal de Odin, precisou sair em algumas jornadas árduas e desafiar monstros, gigantes e deuses nórdicos para impedir que os nove mundos fossem destruídos no Ragnarök, o fim do mundo viking. Em O navio dos mortos, Loki está livre da sua prisão e preparando Naglfar, o navio dos mortos, para invadir Asgard e lutar ao lado de um exército de gigantes e zumbis na batalha final contra os deuses. Desta vez, Magnus, Sam, Alex, Blitzen, Hearthstone e seus amigos do Hotel Valhala vão precisar cruzar os oceanos de Midgard, Jötunheim e Niflheim em uma corrida desesperada para alcançar Naglfar antes de o navio zarpar no solstício de verão, enfrentando no caminho deuses do mar raivosos e hipsters, gigantes irritados e dragões malignos cuspidores de fogo. Para derrotar Loki, o grupo precisa recuperar o hidromel de Kvásir, uma bebida mágica que dá a quem bebe o dom da poesia, e vencer o deus em uma competição de insultos. Mas o maior desafio de Magnus será enfrentar as próprias inseguranças: será que ele vai conseguir derrotar o deus da trapaça em seu próprio jogo?

Resenha


O Navio dos Mortos nos leva ao final da trilogia Magnus Chase e os Deuses de Asgard do nosso querido Rick Riordan, ou tio Rick para os íntimos, kkkkk (já me considero nesse time de tantos livros que já li dele).

Ao longo dessa trilogia já vimos muitas batalhas incríveis e jornadas praticamente impossíveis de serem vencidas, mas o maior desafio de todos estava realmente guardado para o final. Recuperar Sumarbrander – mais conhecida como Jacques, a espada que fala e canta mais do que qualquer outra e recuperar mjölnir foram apenas um aquecimento, Magnus e seus amigos precisam atravessar os oceanos de Midgard, Jötunjeim e Niflheim em um tempo apertadíssimo para alcançar Naglfar, o navio dos mortos, comandado por Loki, que assim que conseguir zarpar irá iniciar o Ragnarök.

Logo no início do livro temos uma visita bem-vinda de dois personagens queridos de outra série do Rick, Percy e Annabeth. Eles estão em Boston para dar uma pequena ajuda para Magnus, afinal, o einherjar sabe de sua iminente viagem pelo mar e ninguém melhor do que o namorado de sua prima, filho do deus do mar. Mas essa é uma visita rápida, até porque o foco aqui não é Percy ou Annabeth e sim Magnus, entretanto, também não daria para deixar de fora quando foi citado que eram parentes.
— Em breve — respondi. — Não sabemos exatamente para onde vamos, nem quanto tempo vamos demorar para chegar lá...
— História da minha vida — comentou Percy.
— ... mas temos que encontrar o grande e horrendo navio da morte de Loki antes que ele parta no solstício de verão. Sabemos que está ancorado em algum lugar na fronteira entre Niflheim e Jötunheim.
P. 17
Em seguida nossos heróis sairão em missão, mas seguindo a característica já criada por Rick, até chegarem ao momento da grande batalha, os personagens enfrentarão pequenos desafios – que de pequenos não tem nada – e serão nesses momentos que teremos a oportunidade de conhecer mais sobre o passado deles, lugares que viveram e morreram, como chegaram até Valhala.

Cada um dos integrantes da equipe tem sua função e quanto mais conhecia sobre eles, mais os admirava. O que dizer da história de Hearthstone? Eu já tinha ficado abalada com o que descobri em O Martelo de Thor, mas ele conseguiu me surpreender ainda mais agora, que personagem incrível! Outra força extraordinária é Samirah, imagina ser uma muçulmana, filha de um deus nórdico, vivendo o mês do Ramadã em uma missão com um elfo, um anão e einherjar mortos (com alguns ateus no meio)?
— O vitupério é bem mais do que uma simples série de xingamentos — avisou ele. — É uma duelo de prestígio, poder, confiança. (...) — Palavras podem ser mais letais que lâminas, Magnus. E Loki é um mestre da retórica. Para vencê-lo, você precisa encontrar o poeta dentro de você.
P. 107
Rick usa a diferença entre os personagens para mostrar como é possível ser diferente e aceitar os outros da maneira como são. Elfo, anão e humanos. Brancos e negros. Ateus, politeístas e monoteístas. Homens, mulheres e de gêneros fluídos. Todos juntos em prol de um objetivo único: impedir que o Ragnarök aconteça agora.
Alex era uma força da natureza, como os trovões. Ela atacava quando sentia vontade, de acordo com variações de temperatura e padrões de neve que eu não tinha como prever. Ela abalava minhas estruturas de uma forma poderosa, mas ao mesmo tempo estranhamente suave e contida, escondida por uma nevasca. Eu não conseguia distinguir quais eram suas motivações. Alex fazia o que queria. Pelo menos, era o que parecia para mim.
P. 292
Eu adoro a maneira como Rick conduz suas histórias, seus diálogos e como usa parte da mitologia e de fatos reais para criar a história. Talvez esse seja uma das coisas mais legais, não estou aqui estudando mitologia, nem qualquer outra parte da história, mas ele usa esses elementos para criar uma ficção divertida. Seus personagens sempre têm o que ensinar e aprender com os outros e a ligação que criou entre Blitzen, Heart e Magnus é realmente muito bonita, sempre que estavam juntos víamos o quanto a amizade e a lealdade era recíproca entre eles. Ao mesmo tempo eu torcia por um relacionamento amoroso entre Magnus e Alex.

Adorei mais uma vez e já quero ver como ele vai concluir sua outra série também.
Pensei no que o futuro nos reservava. Nossos trabalhos como einherjar nunca acabavam. Até o Ragnarök, nós sempre teríamos mais missões a cumprir, mais batalhas para lutar.  (...)
Mas, agora, nós tínhamos fogos de artifício. Tínhamos nossos amigos, novos e velhos. (...)
Tudo isso poderia acabar a qualquer momento. Nós einherjar sabíamos que estávamos destinados a morrer. Que o mundo vai acabar. O fim já está predestinado. Mas até lá, como Loki disse certa vez, nossas escolhas podiam alterar os detalhes. É assim que nos rebelamos contra nosso destino.
Às vezes até Loki podia estar certo.
P. 355-356
AmazonFnac | Cultura | Livraria da Folha
Comentários
5
Compartilhe

7 de dez de 2017


No Escurinho do Cinema #225


Olá amores, tudo bem??

Como estamos por aí? Mais uma semana recheada de estreias para aproveitarmos, e temos essa semana um filme que esperei muito. Desde que li Extraordinário eu me encantei com a história de Auggie e quando soube que seria adaptado para o cinema fiquei feliz por mais pessoas terem a oportunidade de conhecer (e aquela apreensão pela forma como seria adaptado), mas se levar em consideração o trailer (que já me levou às lágrimas) acredito que tenha conseguido captar a essência da mensagem da R. J. Palacio. Mas se esse não é o seu gênero favorito, tem muitos outros filmes chegando nos cinemas ;)

Extraordinário
Direção: Stephen Chbosky
Com: Julia Roberts, Jacob Tremblay, Owen Wilson
Gênero: Drama, Família
Duração: 1h53min
País: EUA
Sinopse: Auggie Pullman (Jacob Tremblay) é um garoto que nasceu com uma deformação facial, o que fez com que passasse por 27 cirurgias plásticas. Aos 10 anos, ele pela primeira vez frequentará uma escola regular, como qualquer outra criança. Lá, precisa lidar com a sensação constante de ser sempre observado e avaliado por todos à sua volta.



Perfeita é a Mãe 2
Direção:Scott Moore, Jon Lucas
Com: Mila Kunis, Kristen Bell, Kathryn Hahn
Gênero: Comédia
Duração: 1h44min
País: EUA, China
Sinopse: Amy (Mila Kunis), Kiki (Kristen Bell) e Carla (Kathryn Hahn) estão sobrecarregadas e precisam lidar com o stress familiar durante a época de Natal. Tudo piora ainda mais com a visita de suas respectivas mães. Será que elas conseguirão jogar tudo para o alto novamente?



No Limite
Direção:
Antonio Negret
Com: Scott Eastwood, Freddie Thorp, Ana de Armas
Gênero: Ação, Suspense
Duração: 1h33min
País: França, EUA, Bélgica
Sinopse: Andrew (Scott Eastwood) e Garrett Foster (Freddie Thorp) são dois irmãos que ganham a vida roubando carros de luxo. Quando são contratados para roubar uma raridade no sul da França, eles pensam ter encontrado o trabalho de suas vidas. O que eles não imaginam é que o dono do veículo, Jacomo Morier (Simon Abkarian), é um mafioso perigoso.





Verão 1993
Direção:
Carla Simón
Com: Laia Artigas, Paula Robles, Bruna Cusí
Gênero: Drama
Duração: 1h38min
País: Espanha
Sinopse: A pequena Frida (Laia Artigas) é uma criança em crise. Depois de perder o pai, ela sofre também com a morte da mãe, devido a uma doença que ela ainda não é capaz de compreender. A garota é obrigada a se mudar para a casa dos tios, em outra cidade. Apesar do afeto e compreensão da família, Frida manifesta um comportamento agressivo, especialmente com a prima mais nova.


Lucky
Direção: John Carroll Lynch
Com: Harry Dean Stanton, David Lynch, Ron Livingston
Gênero: Drama
Duração: 1h28min
País: EUA
Sinopse: Depois de fumar por muito mais tempo que todos os seus conterrâneos, o velho ateu Lucky (Harry Dean Stanton), de 90 anos, está no fim de seus dias, apenas esperando a morte. Vivendo em uma cidade no deserto, ele inicia sua última atividade antes de partir: se autoexplorar para enfim encontrar iluminação.



Apenas um Garoto em Nova York
Direção: Marc Webb
Com: Kate Beckinsale, Callum Turner, Jeff Bridges
Gênero: Drama, Comédia
Duração: 1h28min
País: EUA
Sinopse: O jovem Thomas (Callum Turner) descobre que seu pai (Pierce Brosnan) está tendo um caso. Ele até tenta impedir que essa situação continue, mas também acaba se envolvendo com Johanna (Kate Beckinsale), a amante.



Duda e os Gnomos
Direção: Peter Lepeniotis
Com: Becky G, Josh Peck, Tara Strong
Gênero: Animação
Duração: 1h25min
País: EUA
Sinopse: Liam e sua mãe Catherine estão de mudança novamente. Uma nova vida os espera na casa da Tia Sylvia, que é rodeada por estranhos gnomos. Com o tempo. Liam percebe que coisas esquisitas estão acontecendo na casa e que na verdade eles podem não estar sozinhos. Uma grande amizade surgirá entre Liam e os gnomos que tem um propósito: proteger a casa dos trolls.


Encantados
Direção: Tizuka Yamasaki
Com: Carolina Oliveira, Thiago Martins, Letícia Sabatella
Gênero: Fantasia, Drama
Duração: 1h18min
País: Brasil
Sinopse: Zeneida (Carolina Oliveira) é uma das filhas de um importante político do Pará. Com mais dez irmãos, ela se destaca por seu jeito atrevido, perseverante e teimoso em suas escolhas. Ela, por ser uma menina sensitiva, vê coisas que mais ninguém vê. Quando ela conhecer Caruana, uma figura encantada que encontrar na floresta, ela se apaixona e, a partir dali, começa a viver uma aventura mata adentro, ao mesmo tempo em que começa a entrar em um grande conflito com sua família, que a julga louca.



E então, o que querem assistir????
Comentários
6
Compartilhe

6 de dez de 2017


[Resultado] Top Comentarista de Novembro

Olá lindos, como estão?? E então, pessoal, quem está curioso para saber o resultado do Top Comentarista de Novembro? O sortudo irá receber em casa os exemplares dos livros A Garota do Calendário Janeiro e Fevereiro.


 Lily Viana Music: 30 Comentários
 Rudynalva: 30 Comentários
 Fernanda Lucena: 29 Comentários
 Ana Paula Santos Moreira: 11 Comentários
 Glabelly Freire: 10 Comentários
 Theresa Cavalcanti: 4 Comentários

Segundo as regras, quando houver empate um sorteio será realizado, então irei atribuir números para as pessoas de acordo com seus nomes (ordem alfabética).

Número 1 = Lily Viana Music
Número 2 = Rudynalva

Agora sortearemos pelo Random.org

Parabéns Rudy!!! Você tem 48 horas para entrar em contato por e-mail, caso contrário, faremos outro sorteio.

Galera, super obrigada pela participação de todos!!
Comentários
8
Compartilhe

5 de dez de 2017


[Resenha] Querido John - Nicholas Sparks

Ficha Técnica 

Título: Querido John
Título Original: Dear John
Autor: Nicholas Sparks
ISBN: 978-85-8041-771-5
Páginas: 241
Ano: 2017
Tradutor: Paulo Geiger
Editora: Arqueiro
Querido JohnApós uma juventude de rebeldia e bebedeira, John Tyree decidiu dar início a um novo capítulo em sua vida e se alistou no Exército. Um ano depois, agora um novo homem, ele retorna a Carolina do Norte para passar um tempo com o pai. Uma tarde, ele conhece a garota de seus sonhos. Além de ser linda, Savannah é amigável, de sorriso fácil, um exemplo de boa conduta e altruísmo. Um sentimento arrebatador nasce entre os dois. No entanto, John precisa voltar para a Alemanha a fim de concluir o serviço militar. Savannah decide esperar por ele, enquanto o jovem soldado promete que, após esse período, vai ficar para sempre ao lado da mulher que conquistou seu coração. O que nenhum dos dois poderia esperar eram os eventos do 11 de Setembro. Enquanto John entra em combate no Iraque, Savannah precisa reunir forças para superar a dor da distância. Nesse cenário de saudade e incertezas, uma simples carta pode mudar a vida dos dois para sempre.

Resenha

Um dos livros mais vendidos de Nicholas Sparks, Querido John, ganhou edição em setembro pela Editora Arqueiro. O livro foi publicado aqui no Brasil pela primeira vez pela Editora Novo Conceito. Essa nova edição conta com uma capa belíssima e que faz referência a história, felizmente fugindo ao costume de  casais na capa de alguns livros do autor.

Dividido em três partes, Querido John nos conta a história de John e Savannah que tiveram seus destinos cruzados de maneira incomum. Um casal improvável, com temperamentos distintos, vivências completamente diferentes. John com um passado rebelde e agora um soldado e Savannah sempre envolvida com atividades sociais e disponível para ajudar a quem precisar.
O tempo é uma coisa relativa.
P. 81
Querido John é um livro sobre inseguranças e relacionamentos distantes, até quando as pessoas estão próximas. John sempre teve um relacionamento difícil com seu pai e quando começou a andar com pessoas erradas - em sua juventude -  isso piorou. Mas John sempre amou seu pai, mesmo rebelde sem nenhuma razão. Quando entrou para o exército criou responsabilidade e um dos assuntos que mais o aproximava de seu pai era a coleção rara de moedas que seu pai possuía. Era o assunto que o pai mais se sentia a vontade para debater e isso tudo tem uma razão que nos é dita durante a leitura. Já com Savannah era uma relacionamento que sobrevivia através das cartas que eles trocavam quando John não estava em casa.
- Eu amo você, pai.
- Também amo você, John.
- Vê se acha algumas moedas boas, está bem? - acrescentei, recuando - Quero saber tudo sobre elas.
P. 127 
Decisões importantes foram tomadas e que mudaram os rumos do futuro de John e Savannah. Confesso que Querido John não é meu livro preferido de Sparks, mas acompanhar uma personagem que cresce e se desenvolve assumindo seus erros e realizando decisões corajosas é muito bom. Tenho reservas quanto ao desenvolvimento do casal e o desfecho deste. Querido John é um livro destinado aos fãs de Sparks, para aqueles que já acompanham e que pretendem ler todos os livros do autor.
E então, quando ela ergue o rosto para a lua, parece que estou contemplando um milagre. Eu a vejo se embeber dessa visão e sinto o fluir das lembranças que Savannah desencadeou, desejando mais do que tudo fazê-la saber que estou aqui.
P. 247
Comentários
7
Compartilhe
 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações