26 de mai de 2017


[Capas pelo Mundo] O Conto da Aia



Olá leitores do De Tudo um Pouquinho! O Capas pelo Mundo de maio será com o livro O Conto da Aia, de Margaret Atwood. Comecei em maio uma maratona de livros distópicos. Entre releituras e leituras, livros que já tinha comprado e não conseguia um tempo para ler, fui pesquisar sobre outros livros distópicos para acrescentar em minha maratona e foi aí que eu descobri O Conto da Aia. Inicialmente publicado no Brasil pela Marco Zero em 1987, com o título A História da Aia, o livro agora é publicado pela Editora Rocco (2006) e que ganhará uma nova edição em 2017. Era de se esperar essa edição já que o livro ganhou uma série. Série esta que comecei assistir por indicação de um amigo e que me deixou tão empolgada que adicionei o livro a minha maratona distópica. 

O Conto da Aia tem muitas capas! Sendo um livro antigo, as editoras sempre buscam retornar a essas obras com novos projetos gráficos e assim a história chega a novas gerações de leitores. Então um mesmo país tem 8 capas diferentes do livro. Nesse Capas pelo Mundo vou separar em dois blocos: 1) as capas que eu consegui identificar referências a história e 2) aquelas que o objetivo não ficou muito claro, que as ideias ficaram um pouco confusas.

Primeiro bloco:


Alemanha




Capas brasileiras: a primeira é a edição publicada pela Rocco em 2006, a segunda é a edição que será publicada esse ano e a terceira foi a primeira publicação da obra de Margaret Atwood no Brasil, da Editora Marco Zero. 


Canadá


Espanha



China e Geórgia

Irã

De todas as capas que encontrei e selecionei, sem dúvida a minha preferida é a capa da Geórgia. Mostra bem a relação das aias e as esposas de seus comandantes.

 Letônia


Rússia


Capas norte-americanas:





Capas inglesas:



Capas semelhantes: 

             
Itália e Estados Unidos


Canadá e Sérvia


Estados Unidos e Polônia 
Essas capas trazem a imagem da personagem principal na série e narradora da história.

Portugal e Romênia
Essas capas são, em minha opinião, as que representam melhor a dor das aias. Sozinhas num quarto impessoal, tiradas de seus lares para servirem em casas e famílias estranhas em prol de um "bem maior". A cabeça baixa representando o medo e a humilhação diária.

Segundo bloco:

Capas francesas

Capas inglesas

Capas italianas 

Capas turcas

China e Estônia

Finlândia e Grécia

Holanda e Hungria

Japão e Polônia

Portugal, República Tcheca e Rússia

Esse segundo bloco são as capas que não conseguiram passar a essência da história ou que tiveram algumas falhas na arte final. Essas capas não "vendem" a história, não são atrativas. Todos nós sabemos que não se deve julgar um livro pela capa, mas um projeto gráfico bom sempre ajuda, não é?

Me contem a opinião de vocês sobre as capas, se já leram o livro e se estão assistindo a série. Até o próximo Capas pelo Mundo! 
Comentários
2
Compartilhe
 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações