6 de abr. de 2020


[Opinando] Clássicos Intrínseca - Extraordinário


Semana passada estava conversando com uma colega do trabalho sobre um livro que sempre indico quando me pedem sugestão de leitura, esse livro é aquele que independe do gênero que a pessoa mais gosta de ler: Extraordinário.

Publicado pela Intrínseca no início de 2013, a história da R. J. Palacio traz o protagonista August Pullman, ou Augguie para os íntimos - que é como me considero. Um garoto de 10 anos de idade que nasceu que uma síndrome rara que faz com que seu rosto não seja parecido com o de todo mundo.

Auggie já passou por diversas cirurgias ao longo dos seus curtos dez anos de vida, pois a deformação facial é apenas um dos aspectos do impacto da síndrome em sua saúde. Por isso, sempre estudou em casa, tendo a mãe como professora.

Mas o que Auggie mais queria na vida era ser uma pessoa normal, não atrair olhares estranhos no meio da rua. Parte de seu sonho ele consegue no começo da história, quando convence os pais de que pode ir para uma escola, estudar com outras crianças.

Enquanto a história se desenrola, Auggie aprende a interagir com outras crianças que não estão acostumadas com ele, afinal as pessoas de seu convívio se resumem a seus pais, avó, irmã e o melhor amigo. Porém, essa não será uma tarefa fácil.

Além que ser apaixonada pela livro, fiquei muito feliz com a adaptação feita para o cinema, o que nem sempre acontece, não é mesmo? Mas o elenco foi incrível em retratar a história de Auggie e, se eu chorei lendo o livro, o filme causou o mesmo efeito em mim.

E vocês, já leram Extraordinário? Assistiram ao filme? O que acharam?
Comentários
3
Compartilhe

4 de abr. de 2020


[Resenha] A Dama de Espadas - Alexandre Pushkin

Ficha Técnica 

Título: A Dama de Espadas
Título Original: Pikóvaia Dama
Autor: Alexandre Pushkin
ISBN: 978-85-943-1873-2
Páginas: 80
Ano: 2019
Tradutor: Irineu Perpetuo
Editora: Ciranda Cultural (Selo Principis)
Em uma roda de amigos em volta de uma mesa de baralho, a história da condessa *** e do seu misterioso segredo para vencer no jogo de cartas vem à tona e desperta a curiosidade do ambicioso Hermann. Ele então põe em prática seu plano para descobrir o mistério, mas mal pode imaginar com o que vai se deparar.








Resenha


Já faz algum tempo que pretendo entrar no mundo dos livros clássicos, mas para mim não é nada fácil. Acredito que o tempo da escola criou uma resistência em mim que perpetua até hoje. Por isso, quando recebi o convite para participar de um clube do livro no trabalho, onde o objetivo é ler principalmente os clássicos, topei na hora. Esse é o empurrão que eu precisava.

Para iniciar, o desafio foi ler A Dama de Espadas, do poeta russo Alexandre Pushkin, um livro curto, de contos, mas confesso, sequer havia ouvido falar no poeta, e olha que pelo que eu li, ele é bem importante para a literatura russa.

Ambientada em São Petesburgo, iniciamos a história após uma partida de jogo de cartas entre amigos, onde os jovens estão desfrutando da companhia juntos e das perdas e ganhos de cada um. Entre os personagens, está o dono da casa, Narúmov (que é militar, cavaleiro da guarda), Súrin (que sempre perde nos jogos, mas ainda assim, sempre tenta a sorte), Hermann (descendente de alemães russificados, que nunca joga, mas está sempre presente) e Paul Tómski, que traz à tona uma curiosidade: por que sua avó nunca foi ao jogo deles para apostar?

Claro que a pergunta desperta a curiosidade de todos, afinal, que razão uma condessa de 87 anos teria para ir à uma mesa de jogos apostar com os jovens?
— O quê? — disse Narúmov. — Você tem uma avó que adivinha três cartas na sequência, e até agora não extraiu essa cabalística dela?
P. 18
Contando rapidamente aos amigos o motivo de seu questionamento, a curiosidade se instala principalmente em Hermann, que sempre ficou ali no canto, observando enquanto os outros jogavam e nos deixa com a pulga atrás da orelha sobre quais são suas reais intenções em estar sempre presente nesses jogos, e não jogar. Seria ele um jogador de alma, mas tímido em arriscar o pouco que tinha para o essencial, sem a certeza de que ganharia? Então se descobrisse o segredo da condessa, poderia ele ficar tranquilo na vida?

Enquanto as páginas passam, mas a gente fica intrigado com os passos de Hermann. Também é possível conhecer o outro lado da história, com personagens que estão ao lado da condessa, que,  pelo pouco que conheci, não gostei, pois mostrou como ela era egoísta, mimada e avarenta - pobre da Lizavieta Ivánovna, sua pupila, que precisava conviver constantemente com a mulher.

Como escrevi inicialmente, não tenho costume de ler esse tipo de narrativa, então me peguei questionando porque inicialmente é citado o nome da condessa e nos demais capítulos do livro ela aparece sempre como condessa ***, assim como em outras situações o asterisco é usado quando já sabemos de quem se trata, como na casa de quem estavam jogando cartas. Não sei dizer como me sinto tendo terminado esse livro; diferente do que estou acostumada, a história é intrigante, mas talvez o fato de ser um conto, seja pouco para o que poderia ter sido. Fiquei querendo mais detalhes sobre os personagens e sabia que não os teria em tão poucas páginas.

Independente, adorei me aventurar e certamente vocês verão outras resenhas de clássicos por aqui em breve, pois pretendo seguir com esse desafio. Quem sabe não descubro "novos" autores para gostar, não é mesmo?

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
2
Compartilhe

2 de abr. de 2020


[Resenha] Vidas em Colisão - Kristina Beck

Ficha Técnica 

Título: Vidas em Colisão
Título Original: Lives collide
Autor: Kristina Beck
ISBN: B07RQM43BS
Páginas: 430
Ano: 2019
Tradutor: A.J. Ventura
Editora: Cherish Books
O acaso não existe! Você pode planejar sua vida, mas, às vezes, a vida tem seus próprios planos… Após viver uma experiência de quase morte na adolescência, Lisa é assombrada pelos olhos verde-esmeralda do estranho que salvou sua vida. Sua única conexão com ele é a jaqueta de couro que fora deixada para trás. Anos mais tarde, ela ainda está se recuperando das consequências de seus ferimentos, convencida de que nenhum homem irá amá-la quando descobrir seu segredo. Vive uma vida de solidão e se esconde atrás de seus dias de monotonia. Até surgir James. Depois que James ajuda uma jovem garota em um acidente de carro, ele define seu curso de vida, determinando que nada ficará em seu caminho. Uma vez que realiza seus sonhos, um grande imprevisto muda sua existência ordenada para uma onde o caos passa a reinar. Ele se afunda em um abismo do qual não consegue reunir forças para sair. Até que Lisa se torna uma linda distração. A familiaridade e a sensação de paz acabam por atraí-los um para o outro. Eles logo descobrem que viveram vidas paralelas que se entrelaçaram nos pontos mais cruciais. Será que suas revelações poderão ajudá-los a enfrentar seus medos e seguir em frente, ou a história se repetirá?

Resenha


Kristina Beck é mais uma autora que conheci por intermédio da Cherish Books e Vidas em Colisão é o primeiro livro da série Colisão.

Lisa Schmitt vivia uma vida comum na cidade de Hillstown, em Nova Jérsei até o dia em que sofreu um acidente de carro com a mãe e as consequências foram terríveis: a mãe morreu e ela teve esmagamento em partes do corpo por conta do cinto de duas pontas que usava no carro antigo que a mãe dirigia. Isso levou ao dignóstico de nunca poder ter filhos. Na verdade, Lisa também não morreu por conta da rapidez com que um desconhecido apareceu, lhe deu uma jaqueta para lhe esquentar e chamou a emergência. Lisa passou por vários profissionais de saúde que a ajudaram a começar a se reerguer e com isso, decidiu se tornar psiquiatra e retribuir a ajuda que teve. Do desconhecido Lisa guarda a jaqueta que lhe conforta nos momentos difíceis e a lembrança de seus olhos verdes.

James Kramer morava em Clearwater e certo dia estava a caminho do trabalho em um posto de gasolina em Hillstown quando presenciou um acidente de carro. Vendo o desespero de uma das passageiras, ele a levou ao seu carro, lhe deu sua jaqueta para diminuir o frio da garota e, vendo que não poderia ajudar a motorista, chamou a emergência o mais rápido que pôde. Não sendo familiar, ele não pode ir com a ambulância e, como nada foi noticiado no jornal, nunca teve informações do que aconteceu com as pessoas do acidente. Mas ele saiu desse episódio com uma determinação: ele se tornaria médico-cirurgião e, quando fosse preciso, ele saberia como agir e poderia ajudar em situações assim.

James é o tipo de pessoa que, quando traça um plano, não mede esforços para alcançá-lo e nada o desvia de seu objetivo, mas ele precisou alterar seus planos quando, durante as férias da faculdade, sofreu um acidente enquanto esquiava em Killington, Vermont. As consequências foram: um ombro deslocado, o braço esquerdo quebrado em vários lugares, costelas fraturadas e dois dedos da mão esquerda quebrados. Só não foi pior porque uma garota, que James só lembra dos cabelos pretos e olhos azuis, chamou o socorro rapidamente. Esse acidente levou James a alterar sua área de atuação para a medicina de emergência, pois, mesmo com toda a fisioterapia que fez, não conseguiu recuperar 100% dos movimentos da mão esquerda, o que, sendo canhoto, era essencial para continuar sua tentativa de ser cirurgião.

Os anos passam e James continua seu caminho para se tornar um médico de emergência quando conhece uma garota da residência de pediatria, Jessica. O relacionamento deles é intenso e de muita cumplicidade e, ao que parece durará para sempre. Será que o destino acha o mesmo? Lisa também segue seu caminho para obter a formação em psiquiatria, mas é possível perceber que o acidente sofrido quando adolescente ainda interfere em sua vida e na maneira como ela se relaciona com as pessoas, principalmente com os homens. Ela se acha quebrada pelo fato de não poder ter filhos e não cogita a idea de barriga de aluguel ou adoção. Acredita que o fato de não poder ter filhos tem uma justificativa.
Passar tempo com Lisa era como uma lufada de ar fresco, como se eu estivesse preso em uma casa com todas as janelas fehcadas em um dia quente sem ar condicionado e alguém finalmente abrisse as janelas depois de uma tempestade. Ela me ajuda a encontrar pedaços de mim mesmo que perdi. Eu sorri e ri mais com ela durante esses dois encontros do que no ano passado inteiro.
Posição 40%
As vidas de Lisa e James já se cruzaram muitas vezes, mas eles não sabem disso. Cresceram em cidades vizinhas, estiveram nos acidentes um do outro, cursaram faculdade de medicina no mesmo lugar e quase ao mesmo tempo assim como a residência médica, eram quase vizinhos durante a residência e, por isso mesmo, enquanto eu lia, não sabia o que a autora queria construir com isso, eu já estava angustiada querendo saber como e quando eles de fato se encontrariam. Mas quando isso enfim aconteceu, ambos estavam muito quebrados pelos caminhos que haviam percorrido para chegar onde estavam. Ainda assim, vê-los juntos foi uma lufada de ar fresco, pois juntos eles pareciam encarar melhor os problemas que enfrentavam diariamente.

Lisa e James são o que precisam para seguir em frente, mas a razão para terem passado por tantos problemas até finalmente se encontrarem é uma incógnita, assim como algumas coisas que acontecem em nossas vidas. Se tornam parte de quem somos e catalizadores para tomarmos caminhos diferentes ou confirmar nossas direções.
Eu não sei como vou voltar para a pessoa que fui ontem. (...) Eu não prometi a mim mesma que nunca daria meu coração a outra pessoa? Essa promessa foi quebrada em pedaços.
Posição 64%
Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
2
Compartilhe

31 de mar. de 2020


[Meme] Nosso Mês - Março

Olá lindíssimos, tudo bem?

Esse mês foi um pouco anormal para todo mundo, não é mesmo? Mas se há uma certeza para a gente é que os livros são uma ótima válvula de escape em momentos de crise, concordam? Eu estou trabalhando em casa, então o tempo de leitura continua o mesmo e para vocês, como está? Além disso, têm aproveitado os e-books que têm sido disponibilizados na Amazon e outras plataformas? Me contem aí e o que leram em março. 😉

Lay

Livros lidos: 
1. As Lições da Dama Escarlate - Emma Wildes (Resenha)
2. Nunca Diga Abraços Para um Gringo - Gavin Roy (Resenha)
3. De Sangue e Ossos - Nora Roberts (Resenha)
4. Nunca Vou me Apaixonar - Mari Monni
5. De Repente Uma Noite de Paixão - Lisa Kleypas
6. Deixei Meu Coração em Modo Avião - Fabíola Simões (Resenha)
7. Alta Tensão - Lauren Blakely
8. Diário de um Nerd - Philip Osboune
9. A Metamorfose - Franz Kafka
10. Viciada em Você - Kristin Mayer

Recebi este mês:
1. Nunca Diga Abraços Para um Gringo - Gavin Roy (Comprei)
2. De Repente uma Noite de Paixão - Lisa Kleypas (Parceira Arqueiro)
3. Deixei Meu Coração em Modo Avião - Fabíola Simões (Parceria Faro)
4. Alta Tensão - Lauren Blakely (Parceria Faro)
5. Viciada em Você - Kristin Mayer (Parceria Cherish Books)
6. Romance de Inverno - Jess Michaels (Parceria Cherish Books)

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

Então meus queridos, gostaram de conferir minhas leituras e os livros que recebi? E vocês, como foram de leituras esse mês??

Para quem ainda não sabe, nós temos um perfil no Instagram onde estamos postando nossas leituras, então nos sigam e confiram o que estamos lendo, deem suas opiniões, sugestões e deixem comentários!!

Vamos lá começar um novo mês de leituras!!

Beijos
Comentários
0
Compartilhe

28 de mar. de 2020


[Resenha] As Três Partes de Grace - Robin Benway

Ficha Técnica 

Título: As Três Partes de Grace
Título Original: Far from the tree
Autor: Robin Benway
ISBN: 978-85-0111-446-4
Páginas: 321
Ano: 2019
Tradutor: Natalie Gerhardt
Editora: Galera Record
Grace acabou de ter uma filha. E a entregou para adoção. Não foi uma decisão fácil, já que a própria Grace é adotada. Como escolher uma família para sua bebê? Como ter certeza de que ela terá bons pais? Era de esperar que tudo isso fosse emoção suficiente na vida de uma adolescente, mas ela também acabou de descobrir que tem dois irmãos. Maya é a única integrante de cabelos escuros naquela família de ruivos. As fotos pela casa mostram como ela é diferente de seus pais e de sua irmã Lauren, filha biológica do casal. Quando a família começa a passar por problemas e tudo parece prestes a desmoronar, Maya não consegue parar de se perguntar se aquele é o seu lugar. Quem é sua família biológica? Onde está seu lar? Joaquin é o irmão mais velho. Ele nunca foi adotado. Chegou muito perto por muitas vezes, mas algo sempre acabava dando errado. Agora ele vive com uma boa família acolhedora, cheia de amor e vontade de adotá-lo, mas o garoto, prestes a completar dezoito anos, não sabe se deve mesmo acreditar que o destino está lhe dando chances de ser filho de alguém. Criar laços afetivos não é fácil quando se passou a vida inteira sendo abandonado. Mas talvez suas irmãs possam lhe ajudar a vencer essa barreira. Em vista por amor familiar, companheirismo e, no fim das contas, por não se sentir sozinho no mundo, Grace, Maya e Joaquin vão contar uns com os outros na procura pela mãe biológica. E por si próprios.

Resenha

A adolescência é uma fase extremamente complicada. É quando a gente começa a tentar se encaixar num grupo, achar nosso lugar no mundo, descobrir quem a gente é de verdade. Quando as mudanças físicas são tão grandes quanto as mentais e a gente não sabe muito bem o que tá acontecendo. Algumas pessoas se descobrem, algumas pessoas se destroem. E algumas pessoas criam vidas novas.

No meio desse período tão conturbado, Grace teve uma filha e a entregou pra adoção. A escolha, que pareceu a mais sensata, não deixou de ser dolorosa. E Grace, com o corpo mudado e o coração partido pela tristeza de perder a filha, resolve encontrar sua mãe biológica e os dois irmãos que ela não sabia que tinha.

Maya sabe exatamente quem é, mas não sabe se sua família vai continuar unida por muito tempo. Seus pais brigam tanto e ela sente que a base de sua vida está desmoronando.

Joaquin vive um momento de estabilidade, depois de passar a vida inteira sendo empurrado de um abrigo pro outro, rejeitado e abandonado por várias famílias adotivas.

Quando os três adolescentes começam a se conhecer, eles descobrem vidas completamente diferentes, apesar do frágil laço de sangue que compartilham. Eles têm uma mãe em comum, e mais nada. Será possível que eles se conectem? Eles podem passar por cima de todas as coisas que os separam? O que é família de verdade? Seus parentes biológicos ou as pessoas que te criaram? Quem é a mãe biológica deles?

Você vai descobrir. E vai descobrir porque se importa com os personagens. Porque Grace, Maya e Joaquin são tão humanos que poderiam ser nossos amigos. Porque Robin Benway cria uma narrativa tão envolvente que você vai querer saber o que acontece com os três. (E se você, assim como eu, adora um drama e chora assistindo This is us toda semana, vai amar este livro)

*Pausa pra dizer que eu quero adotar o Joaquin porque ele sofreu demais e precisa ser protegido.*

As Três Partes de Grace é um livro lindo e emotivo, com personagens carismáticos e sofridos tentando descobrir mais sobre si mesmos. Recomendadíssimo pra quem gosta de uma leitura mais realista ou de um bom drama.

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
1
Compartilhe

26 de mar. de 2020


[Resenha] Deixei Meu Coração em Modo Avião - Fabíola Simões

Ficha Técnica 

Título: Deixei Meu Coração em Modo Avião
Autor: Fabíola Simões
ISBN: 978-85-9581-101-0
Páginas: 272
Ano: 2020
Editora: Faro Editorial
Neste livro, a autora do blog “A soma de todos os afetos” mostra porque arrebata seguidores pelas redes sociais. São mais de 2,5 milhões de fãs no Facebook e mais de 150 mil no Instagram. Com crônicas que abordam os amores e as dores da vida real, Fabíola reflete sobre a importância de levarmos uma vida mais leve, de não se cobrar perfeição, de descansar entre momentos apressados, ser gentil com os outros e consigo mesmo. “Deixei meu coração em modo avião. Hoje não quero criar expectativas, controlar o que não posso, me culpar por aquilo que não depende só de mim.” Através do olhar doce e observador, Fabíola reflete sobre como podemos aprender a esperar o momento de agir, da dor amenizar, da ferida sarar e da saudade deixar de doer. Este livro fala ao coração de uma forma única e especial e faz um convite, deixar o coração se acalmar e esperar que a vida te surpreenda.

Resenha

Para começar, quando vi o título deste livro, achei muito interessante, afinal, deixar em modo avião faz muito pelo celular, será que faz o mesmo pelo nosso coração? Não conhecia o blog da Fabíola e, após ler o livro, fui passear pelo A Soma de Todos os Afetos e adorei.

Sinceramente, não costumo ler crônicas, mas este livro aguçou minha curiosidade. Dividido em quatro partes (Desligando o wi-fi, Esperando Notificações, Alta Conectividade, Desejos de Simplicidade) Fabíola traz diversas crônicas para nos ajudar a enfrentar desafios do dia a dia, como nos conhecer melhor e o principal, acalmar o coração.

Em tempos de quarentena - em plena quarema, não é mesmo? - por conta do COVID-19, estava precisando de um livro calmo, e Deixei Meu Coração em Modo Avião veio no momento certo. Na primeira parte do livro - Desligando o wi-fi: em um relacionamento sério com a minha paz - a maioria das crônicas são de autoconhecimento e amor-próprio.
Preste atenção a sua volta. Estão todos tão ocupados, tão distantes de si mesmos, correndo tanto, exercendo papéis demais, cumprindo prazos e exigências demais... e pouco respeitando a si mesmos. É hora de colocar a toalha na mesa e servir um bom café. Hora de partir o pão com a mão e mergulhar nos vapores da xícara acolhedora. De respirar fundo e mastigar devagar. De perceber a urgência de desconstruir-se para enfim ser mais feliz.
P. 37
A verdade é que as pessoas sentem-se incomodadas em estar sozinhas, mas todos nós precisamos de tempo para nós mesmos, para nos conhecermos melhor e saber o que nos faz bem. Mas é verdade também que, em muitos momentos que deveriam estar socializando, não largam os celulares, concordam?
Não toleramos as pausas, e o tão precioso "ócio criativo" está deixando de existir. Padecemos com a falta de conexão, com a falta de wi-fi, com o silêncio, com a ausência de sinais. Estamos desaprendendo a ser sós. Estamos desaprendendo a suportar nossa própria companhia, nossa solitude.
P. 57
Na parte seguinte - Esperando Notificações: serendipity - fala muito sobre reciprocidade, sobre entender o momento de se retirar de alguma situação que não nos faz bem e, às vezes, nem percebemos. Na terceira parte - Alta Conectividade: eu escolho tornar a minha vida algo bom - Fabíola traz crônicas que nos levam a ver como é importante também cultivar as boas relações e a empatia pelo próximo, o que me lembrou muito outro livro que li, Extraordinário, que sempre indico quando tenho a oportunidade.
Muitos, porém, se acham aptos para julgar o caminho alheio. Muita gente se considera capacitada para condenar as escolhas de terceiros.
Mas a verdade é que ninguém conhece por inteiro as batalhas que travo intimamente. Ninguém percorreu meu caminho com meus sapatos para saber onde apertam os meus calos. E, por mais que imaginem conhecer, alguns passos dessa dança são só meus; por mais que desejem ajudar, algumas pontes só eu posso atravessar.
P. 206
Finalizando, na última parte do livro - Desejos de Simplicidade: sou filha de um tempo simples - Fabíola traz textos sobre como a felicidade reside em momentos simples, como pequenos atos fazem a diferença e, fazendo um paralelo com essa fase difícil que o mundo está vivendo, o simples fará a diferença: fique em casa e lave as mãos.

Com textos curtos e simples, Fabíola traz um alento aos corações carregados e dicas para acalmá-los. Um leitura tranquila e muito bem-vinda sempre.

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
0
Compartilhe

23 de mar. de 2020


[Resenha] De Sangue e Ossos - Nora Roberts

Ficha Técnica 

Título: De Sangue e Ossos
Título Original: Of blood and bone
Autor: Nora Roberts
ISBN: 978-85-306-0084-6
Páginas: 432
Ano: 2020
Tradutor: Simone Reisner
Editora: Arqueiro
Um novo poder está surgindo. Fallon Swift pouco conhece do mundo que existiu antes da Catástrofe. As cidades estão destruídas, gangues de criminosos e de fanáticos religiosos cruzam as estradas à procura de sua próxima vítima e aqueles que têm poderes mágicos como ela continuam sendo caçados. Prestes a completar 13 anos, Fallon sabe que se aproxima o dia em que sua verdadeira natureza, sua identidade como A Escolhida, será revelada. No meio da floresta, ela começará seu treinamento sob a orientação do feiticeiro Mallick, que vem apurando as próprias habilidades ao longo de séculos. A menina aprenderá métodos antigos de cura e técnicas de luta, conviverá com fadas, elfos e metamorfos e precisará descobrir dentro de si um poder que nunca imaginou possuir. Quando o momento certo chegar, Fallon vai empunhar a espada e o escudo e partir para cumprir sua missão. Até que ela cresça o suficiente para se tornar a mulher que está destinada a ser, o mundo continuará em perigo. Fallon Swift é A Escolhida, e só ela poderá salvar a humanidade.

Resenha


De Sangue e Ossos nos leva de volta para a trilogia distópica Crônicas da Escolhida e muita coisa aconteceu desde o final de Ano Um. Para nos ambientar melhor, o prólogo se passa no Ano Quatro e nos dá uma ideia do que aconteceu nesse tempo no mundo e o como está o pessoal de Nova Esperança; como os ataques de grupos de Incomuns sombrios e dos Guerreiros da Pureza continuam, como fanáticos se agrupam em seitas irracionais, como a humanidade, por mais que já esteja sofrendo, sempre consegue piorar as coisas com as próprias mãos.

O capítulo um nos leva ao Ano Doze, onde as coisas ainda não melhoraram e, os que ainda têm esperança de que tudo fique bem, aguardam a chegada d'A Escolhida. Fallon Swift cresceu sabendo que era a descendende dos Tuatha de Danann e que sua missão é libertar o mundo da escuridão. Para isso, seus pais, Lana e Simon, lhe instruíram em várias áreas e incentivaram que estudasse o máximo possível com os livros que tinham na fazenda, mas também haviam alertado que, quando completasse 13 anos, passaria dois anos afastada da família treinando com o feiticeiro Mallick.

Por mais que Fallon saiba de sua missão - assim como seus pais - em alguns momentos é difícil aceitar que precisa encarar esse desafio, principalmente sendo apenas uma adolescente, então, quando ela parece desafiar essa decisão, conseguimos entendê-la, sabendo que crescer sabendo que será a salvadora do mundo não deve ser fácil. Para os pais não é mais simples, muito menos para os irmãos. A família Swift é muito unida e Fallon não se sente diferente sendo filha biológica de Max Fallon, pois Simon é um pai de verdade para ela e sempre incentivou que ela conhecesse a história de vida de Max, assim como lesse os livros que ele publicou.
— A fé é uma espada e um escudo, mas precisa de coragem, inteligência e força para funcionar. Alguns descobriram sua própria magia e se voltaram para a escuridão, outros ficaram loucos. E alguns, como seu pai biológico, aprenderam a liderar. Como sua mãe, aprenderam a abraçar, construir e proteger. Alguns, como aqueles que apareceram no seu sonho, com ou sem magia, aprenderam a se unir, a lutar, a trabalhar juntos para ajudar a outros.
P. 118
Durante os anos de treinamento com Mallick, afastada completamente de sua família, Fallon começa a aprender muito mais sobre magia, sobre sua herana, seu papel no futuro da humanidade e como liderar não é uma tarefa fácil, afinal requer muito treinamento, conhecimento além de contar com aliados de confiança.

Alternando os capítulos dos anos de treinamento de Fallon, vamos a Nova Esperança e vemos como o grupo formado por Eddie Clawson, Arlys Reid, Chuck, Fredinha, Rachel Hopman, Jonah Vorhies, Katie MacLeod, Will Anderson, Bill Anderson e Flynn continuam firmes e fortes, sobrevivendo, melhorando a estrutura da pequena cidade e o principal, resgatando inocentes. Entretanto, agora eles contam com reforços de muitas pessoas que resgataram ao longo dos anos e, por mais que não quisessem, também contam com o apoio dos gêmeos de Katie, Duncan e Antonia, que já possuem os poderes mais desenvolvidos por serem descendentes dos MacLeod.
— O medo pode ser uma arma tanto quanto a coragem. Sem medo não existe prudência. Sem prudência vem o desciodo. Com o descuido vem a derrota.
P. 56
Quando Fallon inicia sua missão verdadeiramente, a gente percebe que ela, Duncan e Tonia formarão uma tríade que será fundamental para o futuro da humanidade, principalmente quando ela chega em Nova Esperança com parte de seu exercíto formado. Mas ainda há muito a ser feito e, se já houveram tantas batalhas, personagens que acreditava estarem mortos e traições neste livro, imagina o próximo que será a conclusão dessa trilogia? Qual será o futuro do mundo? Como três adolescentes conseguirão derrotar o mal completamente?

Esperar o livro chegar para devorar!

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
2
Compartilhe

21 de mar. de 2020


[Resenha] Amor Sob Encomenda - Carina Rissi

Ficha Técnica 

Título: Amor Sob Encomenda
Autor: Carina Rissi
ISBN: 978-85-7686-748-7
Páginas: 546
Ano: 2019
Editora: Verus
Melissa Gouvêa está totalmente focada na profissão. Responsável pela situação financeira da família, incluindo o caro tratamento médico da mãe, a determinada assistente sonha em se tornar a produtora de eventos da Allure. Como se casar não faz parte de seus planos no momento, ela se assusta ao saber que o namorado foi visto comprando um anel de noivado. Mas Mel não devia ter se preocupado tanto, já que o anel não era para ela e, pior ainda, a Allure foi contratada para o cerimonial do canalha. Mesmo assim, Melissa aceita o maior desafio de todos: produzir o casamento do ex. A bagunça em sua vida aumenta quando ela se vê dividindo o apartamento com o cara mais irritante, cínico, atrevido - e muito lindo, infelizmente - que conhece. Melissa devia se concentrar em manter o que resta de seu coração a salvo e sobreviver ao casamento do ex. O problema é que o novo colega de apartamento confunde sua razão e seus batimentos cardíacos, despertando desejos avassaladores até então desconhecidos. Tarde demais, Mel se dá conta de que seu coração nunca correu tanto perigo. Amor sob encomenda vem cheio de humor, amor e emoção e apresenta uma história que nos fará refletir a respeito do que realmente é importante na vida.

Resenha

Sinceramente, não sei como consigo passar tanto tempo sem ler os livros da Carina Rissi, quando começo um começo a pensar: meu Deus, como consegui ficar tanto tempo sem eles? É sempre delcioso, romântico e divertido.

Melissa Gouvêa tem 25 anos e trabalha na Allure, uma empresa de eventos. Embora atue como produtora de eventos, cuidando de contratos e da produção mesmo dos eventos, seu cargo registrado na carteira de trabalho está bem abaixo disso, por isso sua motivação é conseguir produzir o casamento da badalada herdeira Camila Salles de Castro Bueno, porta-voz do banco da família e vice-presidente de uma empresa de tecnologia. Assim, certamente sua chefe a promoveria, o que lhe garantiria mais dinheiro para as despesas da família. Melissa sempre foi muito dedicada ao trabalho, mas desde que sua mãe sofreu um acidente de carro e perdeu a capacidade de armazenar memórias recentes e, em seguida o pai perdeu o emprego, ela passou a ser a única fonte de renda da família. Claro que com a situação de saúde da mãe, os custos passaram a ser muito altos, dessa maneira, pensar em vida pessoal não cabia na realidade dela.

Ainda assim, Mel tem um namorado perfeito, Fred Lanza, economista de sucesso que estava apresentando um quadro no jornal da manhã e com possibilidades de ter um programa independente no final de semana. Claro que, por conta da mídia, eles nunca saiam em programas comuns de namorados, mas com a carga horária de trabalho de Melissa, isso era perfeito. Até ela descobrir que passou um ano sendo enganada por ele, acreditando ser a namorada quando na verdade era a amante.
Não tinha certeza se Nicolas se sentia da mesma forma. Talvez sim, já que ele continuou me segurando com intensidade. Acalentada pelo seu calor e seu delicioso perfume, pareando minha respiração na cadência da dele, com o murmúrio do mar a nos embalar, notei que, assim como acontecera na pracinha, Nicolas conseguira calar os gritos em minha mente. Todos eles, até os mais antigos, que me roubavam a paz fazia tanto tempo. Dessa vez consegui dar um nome àquela sensação extraordinária que eu experimentava em seus braços. Algo que eu pensara ter perdido havia muito tempo: paz.
P. 294
Nesse momento em que a vida pessoal parece querer lhe dar uma rasteira, nada melhor do que canalizar as energias ainda mais no trabalho, e não é que o trabalho da sua vida cai no seu colo? Sim, Camila Bueno vai casar e quer que ela seja a cerimonialista. Finalmente algo bom não é mesmo? Mas é claro que a vida sempre nos mostra que nem tudo é tão simples assim.

Primeiro: Melissa acaba reencontrando em uma curta viagem de negócios o maravilhoso Nicolas Cassani, não que ela o veja dessa forma. Para quem não leu os livros Procura-se um MaridoMentira Perfeita, Nicolas é primo de Max e Marcus Cassani, os protagonistas dos livros, respectivamente, e Melissa, sendo cerimonialista dos casamentos dos Cassanis, conheceu Nicolas completamente bêbado no ensaio de casamento de um deles. Nos poucos encontros que tiveram, a interação entre eles foi péssima e não foi diferente nessa viagem, quando tudo parecia estar dando errado.

Que tal piorar um pouco mais a situação para a protagonistas? Então vamos lá: Melissa descobriu que o noivo de Camila é ninguém menos que seu ex; ela não pode desistir de fazer esse casamento, pois é sua chance real de ser promovida e sua melhor amiga, com quem divide o apartamento, irá morar com o namorado, o que demanda a necessidade de se mudar o quanto antes do apartamento.

Para mim, o que Melissa precisa é de um bom banho de sal grosso, porque a única coisa boa aí, é o fato de estar encontrando Nicolas com muita frequência - ainda que ela não veja dessa forma. Mas ele será sua salvação, quando se veem prestes a dividir um apartamento no mesmo prédio onde ela já mora. Nada menos que o antigo apartamento de Dante - lembram do protagonista em No Mundo da Luna? Ele e a Luna aparecem rapidamente algumas vezes em Amor Sob Encomenda.
Nicolas me ensinara tanta coisa... Que dividir os problemas com alguém não me tornava fraca, apenas mais forte, centrada. Que eu não precisava ser tão dura comigo mesma, que ter sua mão na minha pelo caminho acidentado facilitava transpor cada um dos obstáculos. Que seu sorriso se tornara meu farol, a luz me guiando para fora das sombras.
P. 482
Sob vários protestos e com muitas regras de convivência, Mel, Loki - seu gato - e Nicolas passam a viver debaixo do mesmo teto e ela passa a se dar conta de que sua implicância com tudo que tem relação à Nicolas tem um nome: atração.

Nocolas inteligente, carismático e tem um humor irreverente. Ele é um brilhante desenvolvedor de softwares e foi graças a um projeto diferenciado que atraiu a atenção da Brasitecno, onde trabalha a pouco mais de um ano. Coincidentemente é a empresa onde Camila Bueno é a vice-presidente.

Como o livro é narrado na visão da Melissa, são nas interações com ela que descobrimos que Nicolas não é apenas o mulherengo que ela acreditou que ele fosse no início. Ele também é muito fiel e dedicado à família, aos amigos e ao trabalho que adora, por isso conquista todos ao seu redor - inclusive ela. Claro que ele também tem seus problemas, mas não deixa transparecer para ninguém, exceto Melissa.

Ao passarmos pelos capítulos descobrimos como a convivência com Nicolas faz com que Melissa dê mais atenção a si mesma. Seus amigos também terão um importante papel nesse aspecto, pois desde o acidente de dois anos antes, ela pensa apenas na família e no trabalho, o que não é saudável, mas eu também acredito que tudo tem o momento certo e talvez ela precisasse desse tempo para internalizar, refletir e superar os traumas vividos.
— Não acredito nisso. Em pessoa certa na hora errada... Se é a pessoa certa, então o momento também é. Porque quando se encontra alguém que preenche todos os vazios dentro da gente, tudo muda. O mundo, os desejos, os sonhos. Tudo.
P. 512
Bem, deixa eu parar por aqui antes que eu acabe soltando algum spoiler sem querer, pois é fato que eu amei o livro e poderia ficar aqui escrevendo sobre ele por várias linhas. Os personagens são ótimos, a história é incrível e eu terminei completamente apaixonada e suspirando enquanto pensava: "universo, manda um Nicolas para mim, mas sem as complicações que o casal enfrentou?". Não custa pedir, não é mesmo?

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
2
Compartilhe

19 de mar. de 2020


[Resenha] O Amor não é Óbvio - Elayne Baeta

Ficha Técnica 

Título: O Amor não é Óbvio
Autor: Elayne Baeta
ISBN: 978-85-0111-826-4
Páginas: 390
Ano: 2019
Editora: Galera Record
Íris tem 17 anos e está viciada na novela "Amor em atos". Ela e sua vizinha, Dona Símia, de 68 anos, não perdem um episódio. Na escola, parece que todo mundo só pensa em duas coisas: na festa de formatura e em perder a virgindade. Só que a vida de Íris está prestes a mudar: Cadu Sena, sua paixão platônica desde a oitava série, está solteiro. Essa é a chance de Íris. Mas antes ela precisa entender o que levou a namorada de Cadu a deixá-lo por uma garota, Édra Norr. Montada em sua bicicleta, Íris vai cruzar São Patrique para descobrir tudo sobre Édra, e não vai demorar para se enredar também nos encantos da garota. A gente sempre acha que sabe por quem vai se apaixonar, mas o amor não é óbvio.

Resenha


Eu amo Édra Norr. Cada página do livro da Elayne Baeta faz a gente se encantar mais com ela e essa é a melhor parte do livro, aquele quentinho no coração que faz a gente lembrar do primeiro amor. De quando a gente era adolescente e nossas maiores preocupações eram passar na prova e perder o BV. 

Lembro de um tweet que eu li uma vez, que defendia os clichês em romances LGBT porque até mesmo esses clichês tinham sido negados às pessoas fora do padrão. Com O amor não é óbvio nas mãos, eu só conseguia pensar no quanto a gente ainda precisa do clichê clássico e bobinho do romance de ensino médio dentro da comunidade. Principalmente de histórias sáficas, que ainda são tão pouco representadas.

O que começa com uma investigação leva a uma história cativante sobre descoberta e amor adolescente. Íris tenta entender o que levou a ex de seu crush a largar o garoto perfeito pra ficar com uma menina e acaba descobrindo tudo de lindo que existe em Édra Norr. Cada detalhezinho, desde os cabelos da nuca até o cheiro do perfume, todas as coisas que fazem a gente se apaixonar por alguém e descobrir nesse alguém uma pessoa por quem vale a pena se apaixonar. Tão iguais e tão diferentes ao mesmo tempo. Duas meninas, com personalidades tão distintas e com tanta coisa em comum.

O cenário, que parece tão familiar pra gente, ganha detalhes que remetem a comédias românticas americanas, com armário na escola e baile de formatura, mas sempre mantendo um elemento muito forte de brasilidade, seja nos nomes dos personagens, seja na forma como eles falam. A cidade podia ser a minha e a escola podia ser o colégio onde eu estudei no ensino médio (ainda bem que não é, meu colégio era horrível), os alunos podiam ser qualquer um da minha turma. Ou da sua. Porque eles são fáceis de identificar entre os nossos amigos.

Meu coraçãozinho de fanfiqueira pulou de felicidade com esse livro, com a representatividade sáfica que tanto falta e que eu tanto queria na literatura, com o romance amorzinho, com as personagens carismáticas. E eu preciso que mais gente se apaixone por Édra Norr.

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
0
Compartilhe

16 de mar. de 2020


[Resenha] História de um Grande Amor - Julia Quinn

Ficha Técnica 

Título: História de um Grande Amor
Título Original: The secret diaries of miss Miranda Cheever
Autor: Julia Quinn
ISBN: 978-85-306-0108-9
Páginas: 288
Ano: 2020
Tradutor: Thaís Paiva
Editora: Arqueiro
Aos 10 anos, Miranda Cheever já dava sinais claros de que não seria nenhuma bela dama. E já nessa idade, aprendeu a aceitar o destino de solteirona que a sociedade lhe reservava. Até que, numa tarde qualquer, Nigel Bevelstoke, o belo e atraente visconde de Turner, beijou solenemente sua mãozinha e lhe prometeu que, quando ela crescesse, seria tão bonita quanto já era inteligente. Nesse momento, Miranda não só se apaixonou, como teve certeza de que amaria aquele homem para sempre. Os anos que se seguiram foram implacáveis com Nigel e generosos com Miranda. Ela se tornou a mulher linda e interessante que o visconde previu naquela tarde memorável, enquanto ele virou um homem solitário e amargo, como consequência de um acontecimento devastador. Mas Miranda nunca esqueceu a verdade que anotou em seu diário tantos anos antes. E agora ela fará de tudo para salvar Nigel da pessoa que ele se tornou e impedir que seu grande amor lhe escape por entre os dedos.

Resenha


Confesso que quando eu vi essa capa linda, me entreguei completamente ao desejo de ler essa história. E sendo da Julia Quinn, não tinha como dar errado, não é mesmo?!

Miranda Cheever e os gêmeos Bevelstoke — Olivia e Winston — eram inseparáveis. Eles estudavam e brincavam juntos e Miranda sentia que Haverbreaks era de fato o seu lar, isso porque não podia dizer que tinha muita atenção em casa. A mãe estava acamada e o pai vivia concentrado em seus estudos, sempre com algum manuscrito grego para desvendar. Aos 10 anos, ela também tinha consciência de que não seria uma beldade como Olivia, mas isso não a incomodava muito, ela havia aceitado isso, mas também aos 10 anos ela descobriu que estava apaixonada.

Quando Miranda conheceu Nigel Bevelstoke, visconde de Turner, na festa de aniversário de 11 anos de Olivia e Winston, ficou simplesmente apaixonada pelo homem que ele era aos 19 anos. Claro que a paixonite de criança começou com ela vendo ele como um herói e com o passar dos anos, ela aprofundou esse sentimento. Ainda que ele nem de longe percebesse o interesse dela ou sequer a notasse como algo além da amiga de sua irmã mais nova.

A história dá um salto de nove anos, e encontramos Miranda e Olivia prestes a debutar em Londres (atrasadas por conta de alguns percalços que surgiram no caminho) e também encontramos Turner de "luto" pela recente morte de sua esposa. Adúltera. Turner casou com Letícia muito jovem e completamente apaixonado pela beldade que ela era, mas logo descobriu que havia caído em uma armadilha; passou os poucos anos de seu casamento sendo constantemente traído pela esposa com diversos homens. Letícia morreu e ele não sentia nem um pouco de tristeza por isso, na verdade sentia-se aliviado.

Miranda por sua vez, viu como o casamento foi mudando quem Turner era, como ele se tornou cínico, mordaz e infeliz. Sem falar que ele praticamente não visitava mais a família, o que fazia com que Miranda o visse menos ainda. Mas agora, que irá debutar com Olivia, lady Rudland pediu que o filho estivesse presente em alguns eventos, para apoiá-las.

Sabendo que a amiga não é muito de interagir com estranhos, Olivia está decidida a convencê-la de que se casar com Winston é a melhor solução: o conhece de toda a vida e elas seriam de fato irmãs com esse casamento. Claro que Miranda não dá muita atenção para isso, afinal, continua apaixonada por Turner, mesmo sabendo o estrago que Leticia causou nele.
— Miranda, você não se enquadra no padrão de beleza determinado pela sociedade, seu sarcasmo pode ser bem prejudicial para você mesma e sei que não gosta de conversa fiada. Honestamente, não a vejo indo em busca de um casamento tradicional na sociedade.
P. 116
Enquanto passam tempo juntos na temporada londrina, Turner se lembra de como Miranda é inteligente, sagaz e dona de uma língua afiada. Sendo ela a pessoa que controla os impulsos de Olivia, é de se admirar que ela mesma não as coloque em situações embaraçosas. Além disso, com a insistência de Olivia em querer que Miranda e Winston se apaixonem, Turner começa a perceber outras coisas em relação a jovem.

Sendo um romance, claro que o casal fica junto, mas não me conquistou, foi um casal que não me convenceu. Miranda tinha todas as características para ser uma personagem forte, mas no fim, não chegou nem perto. Turner e seu medo de amar? Sinceramente, para mim suas reações foram exageradas em todos os aspectos. Desnecerrário todo mundo, a todo momento repetir que Miranda não era uma beldade. Foram vários pontos pequenos que, juntos, me fizeram terminar o livro com aquela sensação de que a história poderia ter sido bem melhor. E odeio quando termino um livro com esse sentimento. 🤔

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
4
Compartilhe
 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações