16 de fev de 2012


[Resenha] A Herdeira – Mariana Ribeiro

A_HERDEIRA_1327603879P

Ficha técnica
Título: A Herdeira
Autor: Mariana Ribeiro
Páginas: 125
Ano: 2011
Editora: Ainda não publicado

Sinopse
Maria Luisa Callaghan representava não somente a alta aristocracia brasileira do Século XIX, como também as mulheres que estavam à frente do seu tempo. Quando ela conheceu o major do Exército Martim Afonso Almeida, sabia que seria capaz de fazer qualquer coisa para ficarem juntos. Isso significava desafiar as convenções de toda uma época. Acompanhem a história de um amor proibido num cenário conturbado pela Guerra do Paraguai. Segredos serão revelados tendo como pano de fundo o universo dos fascinantes e preciosos diamantes. Como consequência disso, uma rede de intrigas pelo poder se formaria deixando um rastro de sangue em seu caminho.

Resenha

A Herdeira - Livro 1, é o primeiro livro da autora Mariana Ribeiro. Para quem não conhece, a Mari é só entrar no blog dela, o Confissões Literárias. A Mari tinha me passado esse manuscrito há alguns meses e até então não tinha parado para lê-lo, e quando o peguei, li rapidamente.

A Herdeira traz a história de Maria Luísa Natalie Callaghan Queirós de Castilho,  como o título do livro e o nome dela deixa clarissimo, Maria Luísa e filha de uma família aristocrata da Corte Brasileira na época do Brasil Imperial. Seu pai, o Marquês de Resende, descendente de portugueses, é um grande cafeicultor e ministro no Império de D. Pedro II e sua mãe, Lady Christine, como condinzente com a época em questão, vivia com seu marido na fazende em Resende.

Entretanto, embora descenda de uma familia aristocrata e tradicional, Maria Luísa está muitos anos a frente de seu tempo. Conseguiu convencer seus pais a fazer o curso de Enfermagem na Corte, onde passou a residir e posteriormente à trabalhar na Santa Casa. Também na Corte passou a ter um relacionamento secreto com o Major Martim Afonso Almeida. Secreto pelo fato dele não fazer parte da mesma classe social com o agravante de ser abolicionista, fato esse que seria o maior empecilho visto pelo Marquês.

A história tem como plano de fundo a Guerra do Paraguai, conflito que durou anos… Quando “explode” a guerra, os país de Maria Luísa, que estão na Corte, decidem levá-la de volta à fazenda onde estariam em segurança, longe do conflito. No entanto, Maria Luísa, que sabendo do interesse de Martin em participar do conflito decide se voluntariar para ficar em hospitais de suporte à guerra, convence a mãe a ajudá-la a ficar na Corte, fazendo o Marquês acreditar que ela ficará na Corte e não no meio do conflito.
- Os senhores irão sozinhos dessa vez. Eu pretendo ficar aqui na Corte e, como haverá uma guerra, eu seguirei com alguns colegas da Santa Casa para algum hospital de sangue no Rio Grande do Sul – respondeu altiva e decidida a seguir o seu destino.
Aqui acho interessante comentar como é bom vermos personagens da História do Brasil no livro, vivendo, atuando, adorei!!!

Enfim, por conta de problemas de família, Maria Luísa é obrigada a voltar para casa e conhece o Embaixador da Inglaterra no Brasil, Lorde William Chamberlain, o Duque de Westminster, que é claro tem a aprovação do Marquês para cortejar sua filha.
Não sabia o motivo, mas no trem rumo ao Rio de Janeiro pressentia que algo muito ruim iria acontecer, que iria separá-los, e sentiu um grande aperto no peito só em imaginar aquela possibilidade nefasta.
 Interesses financeiros, políticos e outros entram em questão, fazendo com que Maria Luísa se case com o Duque (não conto porque, rsrsrs) e a partir daí a história da um reviravolta enorme, inclusive levando-a à África, onde o assunto dos diamantes e o poder deles entra em questão.

Como no inicio do livro o relacionamento entre Maria Luísa e Martim já é estável, e nós não participamos da construção desse casal, acredito que isso deixou o casal um pouco inconsistente para mim. Embora o Duque tenha um caráter duvidoso prefiro ele como complemento de Maria Luísa, um casal que se completa em suas imperfeições. Ele, um lorde, tradicional, ela, uma lady, no entanto, com pensamentos modernos que contradizem a época.

Para mim, o que achei estranho foi o fato do livro ser muito rápido e de poucas páginas. Não que a rapidez tenha sido de todo negativa, ela dá dinamismo a leitura e não nos deixa entediados, mas com a rapidez e a quantidade de páginas, o livro acabou muito rápido e fiquei querendo mais, até porque o fim não é fim (sabemos que virá A Herdeira – Livro 2). Então Mari, fica aqui minha opinião e pedido, por favor, escreve logo o dois!!!!!

Aconselho que participem do segundo BookTour do livro, ele realmente vale a pena ler, um show de aula de História num romance envolvente.

Acessem o blog do livro e conheçam um pouco mais dos personagens, o BookTrailler entre outros.

Beijinhos à todos e até a próxima leitura!
    
 4 Claves
Comentários
3
Compartilhe

3 comentários:

  1. Olá, Lay!!
    Adorei a sua resenha!!
    Estou muito feliz em saber que apreciou a leitura do meu livro e que separou alguns quotes tão bacanas do livro para mostrar aos leitores.
    Você resenhou de forma sucinta e completa, o que me deixou ainda mais admirada pelo fato de ter sido sincera. Muito obrigada!!
    Ameiiiii demais e já estou trabalhando no segundo livro. hehehe \o/
    Bjos.

    Mariana Ribeiro
    Confissões Literárias.

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz que tenha gostado da resenha Mari, eu realmente gostei do livro e estou ansiosa pela sequência....uhuuuu

    Bjus

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha, ainda mais por ser uma autora nacional. Esse cenário que retrata a aristocracia brasileira do Século XIX é sempre interessante.Ansiosa pela continuação.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações