22 de abr de 2012


[Resenha] Se um viajante numa noite de inverno - Italo Calvino

se-um-viajante-numa-noite-de-inverno

Ficha técnica

Título: Se um viajante numa noite de inverno
Título Original: Se una notte d’inverno un viaggiatore
Autor: Italo Calvino
ISBN: 85-7164-904-9
Páginas: 280
Ano: 1999
Tradutor: Nilson Moulin
Editora: Companhia das Letras


Sinopse

Um personagem identificado como Leitor compra o livro "Se um viajante numa noite de inverno". Seu exemplar tem um defeito e por isso ele volta à livraria para trocá-lo. Descobre em seguida que o novo volume nada tem a ver com aquele cuja leitura havia iniciado. A partir daí, envolve-se num verdadeiro labirinto de histórias.

Resenha

Não conhecia esse livro, nunca nem tinha ouvido falar nele e o autor se já ouvi falar nem me lembrava. Mas fui desafiada a ler esse livro por um colega de trabalho e eu aceitei o desafio.

Acabei demorando mais do que o normal na leitura desse livro, mas isso se deu ao fato de que precisei diversas vezes reler a mesma coisa para entender.

Ele já começa bem diferente dos outros livros, vejam um pouco…
Você vai começar a ler o novo romance de Italo Calvino, Se um viajante numa noite de inverno. Relaxe. Concentre-se. Afaste todos os outros pensamentos. Deixe que o mundo a sua volta se dissolva no indefinido. (…) Escolha a posição mais cômoda: sentado, estendido, encolhido, deitado.
Pág. 11
Pois é, diferente né?!

O livro trata de um Leitor que vai à uma livraria comprar um exemplar do livro Se um viajante numa noite de inverno do Italo Calvino e chegando em casa começa a leitura do livro tão esperado. No entanto, quando está lendo o livro numa empolgação frenética, descobre que o exemplar está com defeito. Para corrigir o erro, ele volta à livraria para trocar o exemplar e eis que descobre que a o livro que estava lendo não era do Italo Calvino e sim de outro autor. E é aí que a confusão se instala. O Leitor passa a buscar incansavelmente o livro que estava lendo anteriormente e sempre descobrindo que o próximo livro (que informam ser o mesmo que ele foi obrigado a interromper) nunca é o mesmo e sempre é interrompido quando se está no melhor da história.

No sumário do livro vemos logo como é a disposição do livro. Trata-se de uma sequência alternada entre um capítulo do livro que estamos lendo em si e no capítulo seguinte é o livro que o personagem Leitor está lendo. Sendo assim sentimos a mesma angustia da não continuidade da narrativa.
- Pelo contrário, sou obrigado a interromper a leitura justamente quando ela se torna mais apaixonante. Não vejo a hora de recomeçá-la, mas quando penso que estou reabrindo o livro que comecei, vejo-me diante de um livro completamente diferente.
Pág. 201
Há quem diga que as histórias não são interrompidas, que simplesmente não havia mais o que dizer, mas para mim faltou sim, e fiquei bastante intrigada pensando em como poderiam terminar cada um daqueles livros lidos pelo Leitor.

Depois da metade do livro, no capítulo 8 mais precisamente, lemos o diário de um autor. O Leitor foi em busca dele para tentar descobrir o mistério que havia por traz dos livros que estava tentando ler e eis que nos deparamos com algo que chamo de “cômico”.
Veio-me a ideia de escrever um romance feito só de começos de romances. O protagonista poderia ser o um Leitor que é continuamente interrompido. O Leitor adquire o novo romance A do autor Z. Mas é um exemplar defeituoso, e ele não consegue ir além do início… O Leitor volta à livraria para trocar o volume…

Poderia escrevê-lo todo na segunda pessoa: você, Leitor… Poderia também incluir uma Leitora, um tradutor falsário, um velho escritor que mantém um diário similar a este…
Pág. 202
Extramamente complexo, esse livro precisa de TEMPO para ser lido, algo que não encontramos com facilidade nos dias de hoje. Somente com tempo é possível perceber os diversos gêneros literários nos livros lidos pelo Leitor (como mostra no apêndice).

Mas sem sombra de dúvida, posso afirmar que o livro é uma declaração de amor à leitura em si.
Ler é ir ao encontro de algo que está para ser e ninguém sabe ainda o que será…
Pág. 78
Uma leitura válida, com toda certeza.

3 Claves
Boa leitura à todos e até a próxima!!!
Bjokas
Comentários
4
Compartilhe

4 comentários:

  1. Estava em dúvida em adquirir esse livro, com sua exposição optei por comprá-lo. Vou experimentar.

    ResponderExcluir
  2. Sem dúvida é uma leitura diferente e vale muito a pena!!!
    Boa leitura!!

    ResponderExcluir
  3. Resenha interessante. O leitor entra numa livraria e compra o novo livro “se um viajante numa noite de inverno” de Ítalo Calvino. Quando começa a lê-lo, percebe uma falha na edição e e diz respeito a um roubo de romances inacabados de autores não tão conhecidos de países diversos

    ResponderExcluir
  4. Você me deprime chamando de "leitura válida". Italo Calvino, em "Se um viajante numa noite de inverno", consegue fazer experimentar a complexidade da arte (e da vida), também da reflexão teórica, da contemporaneidade (não chamaria 'apenas' de pós-modernidade); não digo que ele faça 'entender' essas questões, mas 'experienciá-las'. Aliando a literatura à teoria que dela fala (ou dela emerge), ele reconcilia dois mundos que, contemporaneamente, vivem (especialmente no pensamento popular) dissociados: teoria e prática. Não é de surpreender, o cara foi um mestre - ainda é, em verdade (basta ver outras obras suas de magnífico aspecto, tais como: "Os amores partidos", "As cidades invisíveis", "A trilha dos ninhos de aranha" [o qual é marcadamente autobiográfico], entre outros).
    É um ótimo livro para aqueles que querem desfrutar do enorme prazer do ócio fecundante do pensar.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações