24 de fev de 2013


[Especial Oscar 2013] Argo - Antonio Mendez & Matt Baglio

Título: Argo: Como a CIA e Hollywood Realizaram o Mais Estranho Resgate da História
Título Original: Argo: How the CIA and Hollywood Pulled Off the Most Audacious Rescue in History
Autor: Antonio Mendez & Matt Baglio
ISBN: 9788580572445
Páginas: 254
Ano: 2012
Tradutor: George Schlesinger
Editora: Intrínseca


Título: Argo
Título Original: Argo
Diretor: Ben Affleck
Duração: 120 min.
Lançamento: 9 de Novembro de 2012
Distribuição: Warner Bros.
Indicações: 7 (Melhor Filme, Edição, Trilha Sonora, Edição de Som, Mixagem de Som, Ator Coadjuvante e Roteiro Adaptado)


Sinopse
argoEm 4 de novembro de 1979, os funcionários da embaixada dos Estados Unidos em Teerã são surpreendidos pela invasão de um grupo de militantes, que faz 53 reféns. Em meio à confusão, seis diplomatas conseguem escapar e encontram refúgio na residência do embaixador do Canadá. Mas Tony Mendez, especialista em disfarces da CIA, sabe perfeitamente que é apenas uma questão de tempo até que sejam encontrados. Para retirá-los do país, ele concebe um plano muito arriscado, digno de cinema. Disfarçando-se de produtor de Hollywood e apoiado por um elenco de agentes secretos, falsificadores e especialistas em efeitos especiais, Mendez viaja para Teerã a pretexto de encontrar a locação perfeita para um falso filme de ficção científica chamado Argo. Neste livro, ele revela todos os detalhes da complexa operação que aliou o alto escalão de Hollywood ao mundo da espionagem.


Resenha

Uma história real, personagens reais e com um nível de adrenalina nas alturas, isso se trata de “Argo”. Após um ataque na embaixada dos EUA no Teerã, onde 53 pessoas são feitas de reféns, 6 diplomatas conseguem encontrar refúgio na casa do embaixador canadense e assim inicia-se uma missão da CIA para resgatar esses refugiados antes que os chefões do Irã descubram que eles conseguiram fugir ao ataque na embaixada.  

A situação entre Estados Unidos e Irã não é nada pacífica, dificultando mais ainda o resgate dos americanos, e nenhuma das ideias sugeridas para uma operação de salvamento parece adequada perante à situação de perigo, resta então a Tony Mendez, um especialista em disfarces da CIA, criar uma missão mirabolante: fazer um filme hollywoodiano. 
Espionagem é um instrumento da política estatal, ponderei. Para ser empregada de forma adequada e profissional, existem regras internacionais a serem seguidas. No caso do governo do Irã, porém, a única regra era a ausência de regras.
Pág 13
A ideia é basicamente criar uma produtora falsa, um roteiro e toda a parte de pré-produção de um filme, incluindo principalmente uma equipe, esta que seria formada pelos diplomatas refugiados na embaixada canadense em Teerã. Para isso Tony precisa ter permissão do governo norte americano para prosseguir com a missão, conseguir apoio do Canadá, convocar uma equipe especializada em disfarce, re-encontrar um antigo amigo em Hollywood para lhe ajudar com a “produção” do filme, e em seguida voar para o Irã para poder dar, efetivamente, inicio à operação.
[...] Seria a função de Joe bolar uma história fictícia para os seis. Trabalhar com documentos não fazia de Joe um falsificador. Os falsificadores eram os artistas que trabalhavam no “cercado”, posição que eu mesmo ocupara nos primeiros tempos de carreira.
Pág. 117
O livro obviamente possuí um grande teor político, chegando a ter no ínico de sua narrativa tanta informação nessa área que cansa um pouco. Porém, passando esta parte e as coisas começando a se encaixar em seus devidos lugares, a história flui e fica animada. E por saber que tudo aconteceu de verdade, a leitura têm um gostinho diferente. Além da operação Argo, somos apresentados à algumas outras, sendo assim possível mergulhar um pouco no mundo dos espiões, incluíndo seus termos, formas de pensar e agir, a vida fora do trabalho, etc.

Com alguns pequenos detalhes diferentes do livro, provavelmente para facilitar a história que é repleta de detalhes, o filme consegue ser uma adaptação fiel, tendo até em alguns momentos cenas mais interessantes do que as descritas nas páginas. Imerso em um mundo de política, ação e drama, “Argo” é um bom filme, apesar de ficar longe de ser excelente na minha opinião, chegando a ser uma homenagem ao próprio mundo do cinema.
O processo de criar um bom disfarce era muito semelhante ao de criar uma obra de arte, e creio que nós dois percebemos que éramos almas gêmeas. Depois do nosso primeiro encontro, não demoraria muito para que eu lhe pedisse ajuda.
Pág. 137
A história de “Argo” era confidencial e foi mantida em segredo até o ano de 1997, porém com o aniversário de cinquenta anos da CIA ela teve permissão para ser divulgada, dando à Tony a nomeação de um dos 50 funcionários mais importantes da companhia. Primeiramente a operação “Argo” deu origem ao capítulo de um livro do próprio Tony Mendez, depois virou uma reportagem da revista Wired e depois o roteiro do filme, para só após tudo isto, virar um livro.

O filme já ganhou a categoria de melhor filme no BAFTA e no Globo de Ouro, indo para o Oscar como um dos preferidos na categoria principal, porém vale ressaltar que Ben Affleck não têm tanto status assim, não tendo nem sido indicado a melhor diretor (prêmio que ganhou no Globo de Ouro). A verdade é que “Argo” pode surgir desbancando grandes nomes ou apenas ter tido seus dias de glória nas outras premiações, verdade esta que só será revelada hoje à noite, até lá, tudo é uma grande dúvida.

Trailer:

 
Média do livro e do filme:
4-livros_thumb


TC
Comentários
8
Compartilhe

8 comentários:

  1. Parece bem interessante.
    Fiquei curiosa para assisti-lo, ;)

    ResponderExcluir
  2. ainda não vi, mas fiquei na vontade hein rs

    ResponderExcluir
  3. querida lay, estou louco pra ler este livro e também assistir ao filme, como não. ben affleck era um cara que para mim estava enterrado, não gostava das atuações dele, achava um canastrão de marca maior. comecei a mudar meu pensamento quando o mesmo dirigiu o irmão casey no filme "gone, baby, gone" (acho que é "medo da verdade"), foi sensacional. então este está na minha listinha de livros a ler, filmes a assistir.

    ResponderExcluir
  4. Ainda não tinha visto o trailer, nem a sinopse, mas achei uma história bem interessante. Nunca vi nada igual.

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro histórias baseadas em fatos reais, você se envolve e se sensibiliza mais com os personagens. A resenha está bem legal pois mostrou os prós e os contras da narrativa e deixando bem claro o que vamos encontrar no livro. Argo, me pareceu ser aquela história eletrizante e depois desse buzz do Oscar fiquei doido para ler. Parabéns pela ótima resenha =]

    ResponderExcluir
  6. Serio, desconhecia completamente o livro ate ele ser citado pro oscar, mas serio to apaixonada por ele, adoro livros desse generos que são mais pro lado 'real' do que ficticio.

    ResponderExcluir
  7. Este tipo de trama não me agradou. Não achei justo ter vencido como melhor filme. Não pretendo fazer a leitura e nem assistir ao filme. ;s Mas valeu a resenha, esta mt boa ^^

    ResponderExcluir
  8. Oi Lay... gostei da resenha... mas não é o tipo de filme / livro que eu gosto... até comecei a assistir ao filme mas não consegui... porém acho muito boa a historia que vc contou... imagina ... tem que ser bem criativo!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações