13 de out de 2013


[Resenha] God of War - Matthew Stover & Robert E. Vardeman

 

Ficha Técnica

Título: God of War
Título Original: God of War
Autor: Matthew Stover & Robert E. Vardeman
ISBN: 978-85-8044-675-3
Páginas: 271
Ano: 2012
Tradutor: Flávia Gasi
Editora: LeYa

Eu particularmente achei essa sinopse repleta de informações desnecessárias e na minha opinião ela diz muitos detalhes da história que seriam melhores aproveitados somente através da leitura do livro em sí. Ou seja, caso queira fugir de spoilers, pule direto para a resenha.
god of warUma caixa lendária. Um deus traidor. Um guerreiro buscando perdão. No universo dos deuses, a vida é mais do que nuvem e poderes. Tão reais quanto os problemas que os mortais vivem na terra, a inveja, a traição e a maldade também estão presentes no Olimpo. Kratos é um guerreiro grego que trabalha para os deuses do Olimpo. Com a promessa de ser transformado em um guerreiro perfeito por Ares, o Deus da Guerra, Kratos, enganado por ele, acidentalmente mata a sua família, e segue amaldiçoado pela cinza da morte de seus entes queridos. Decidido a não servir mais a Ares, Kratos, através de flashbacks ao longo de toda a história, é atormentado pela lembrança de seus atos e procura os outros deuses para fazer um trato e servi-los por dez anos. Ao final desse acordo, o guerreiro procura por Atena, que o livrará dos tormentos e o perdoará por todos os seus atos, mas com uma condição, que ele mate Ares. Kratos aceita a tarefa, mas para realizá-la, terá que encontrar e usar a poderosa Caixa de Pandora, que esconde todos os mistérios do universo. Mas tão grande quanto o poder de possuí-la, está a responsabilidade de usá-la e nem nos seus piores pesadelos, Kratos imaginava o que o destino estava guardando para ele. Com uma narrativa tão intensa e desconcertante quanto a proposta no jogo, “God of War” – traduzido por Flávia Gasi, uma maiores especialistas em games do país - , prende o leitor da primeira a última página e o convida a largar o joystick e ser guiado por Kratos nessa aventura épica.

Resenha

“God of War” é um jogo lançado em 2005 para o PlayStation 2 e desde então com o sucesso do mesmo, uma série de outros jogos foi criada para as plataformas eletrônicas. A história do jogo gira em torno do anti-herói Katros – também conhecido como O Fantasma de Esparta – um mortal que possúi um passado obscuro, mas que aos olhos dos deuses do Olimpo, é nada mais nada menos do que uma forte arma contra as forças malígnas da mitologia grega.


O personagem Kratos:
o motivo de sua pele ser branca e porque do uso das correntes nos braços são explicados no livro.

O livro lançado pela editora LeYa é basicamente a forma narrada do jogo de video game, nele iremos mergulhar pelas dificuldades de Kratos em atingir seu objetivo final. Eu nunca joguei o jogo, então não poderei dizer até que ponto ele se parece com o livro, mas de acordo com a pesquisa que fiz, a premíssa da história é basicamente a mesma.
Quando eu quiser Kratos morto, eu vou esmagá-lo tão facilmente quanto um mortal pode apagar uma vela. Ele ainda vive apenas porque seu sofrimento me diverte.
Pág. 46
O universo de “God of War” acontece nas terras de Zeus, a tão conhecida e querida Grécia Antiga, onde um guerreiro amaldiçoado se torna peça principal entre uma guerra entre os deuses. Começamos a história com Kratos em apuros em pleno território de Poseidon, e é assim que iremos descobrir o grande interesse de Atena sobre esse peculiar mortal.

Logo-alta_thumb2Kratos sofre de pesadelos que o atormentam, então Atena interessada em seus atributos irá lhe oferecer uma proposta: caso Kratos mate Ares, o deus da guerra e irmão da própria Atena, ela irá livrá-lo de tais tormentos. Para tal missão, o guerreiro terá que se deslocar até a cidade de Atenas para encontrar um oráculo que o dirá como ele pode matar um deus. O grande problema é que Ares está atacando Atenas e irá fazer de tudo para destruir Kratos antes que ele consiga chegar ao oráculo.
Deuses e seus jogos. Ele estava cansado de todos eles. Uma vez que ele matasse Ares, ele teria acabado com seu tempo de servidão e com suas exigências insanas. E os pesadelos seriam banidos de seu sono, de cada instante de vigília. Para sempre.
Pág. 102
No restante do livro iremos ser apresentados aos poucos ao passado de Kratos, conhecendo melhor nosso personagem principal enquanto ele luta para conseguir derrotar Ares. Alguns capítulos narram os passos da deusa Atena e como ela se esforça em manter Kratos no caminho certo para atingir sua meta. Outros deuses aparecem na história como Zeus, Poseidon, Afrodite, Hermes e Ártemis, que serão de grande importância para o sucesso ou o fracasso do guerreiro em sua missão.

Com muito sangue e massacre, “God of War” começa lento e infelizmente com uma narrativa pobre que faz com que o leitor não se relacione com as personagens. Porém, a ideia da história é boa e o universo mitólogico é bem constrúido, conseguindo prender bastante quando os deuses estão presentes na descrição. Outras referências mitólogicas além dos deuses são retratadas no livro também, como minotauros, semi-vivos, sereias, cíclopes, titãs e a caixa de Pandora.
Ele sacou suas lâminas. Ele era espartano.
Não poder vencer não era motivo de desistir.
Pág. 112
Definitivamente “God of War” é um livro para quem é fã do jogo ou para quem se interessa pela história mitólogica da Grécia. A editora LeYa acabou de lançar o livro “God of War II” que continua narrando as sangrentas aventuras de Kratos, e acredito que a continuação seja bem-vinda, já que no primeiro volume os eventos finais ocorrem tão rapidamente que acaba nos entregando um desfecho em aberto.

Confiram agora o trailer do jogo que mostra muitas coisas que acontecem também no livro, logicamente com direito a muitas batalhas e sangue. Infelizmente como o vídeo é de 2005, não consegui encontrá-lo em qualidade melhor.



3 livros

Tácio

Comentários
11
Compartilhe

11 comentários:

  1. Eu gosto muito de mitologia mas não tenho muita paciência com livros baseados em jogos, vejo mais como uma maneira de os criadores dos jogos ganharem mais dinheiro e das editoras faturarem em cima de jogos populares.

    ResponderExcluir
  2. Oi Tácio!
    Sinceramente n me interessei por essa leitura!
    e achei engraçado a sinopse conter spoilers kkkkkkkkkkkkkkkkkkk


    Bjooooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Lay!! Tudo bem??
    Não jogo video game, por isso acho muito difícil me interessar pela leitura deste livro.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente eu não jogo vídeo games e tals, e o livro não me chamou a atenção :S

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Oi Lay! Oi Tácio!
    ai eu adorooooo game rsrs mas nunca joguei esse :/ sou apaixonada ( eu e todo mundo né?) pelo universo mitológico grego (na verdade adorooo qualquer um, grego, romano, germânico, xamânico, oriental, etc, etc, etc) mas não sei se leria o livro já que é lento e não evolui muito durante a narrativa.
    Hummmmm digamos que não leria o livro agora, pq acho que não resistirei incluí-lo na listinha dos desejados :D
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Não faz meu estilo, mas faço questão de indicar para minhas amigas leitoras e jogadoras.

    ResponderExcluir
  7. O jogo surgiu do livro ou o livro surgiu do jogo?
    Passa longe do meu estilo, acho que essa leitura é mais pra meninos e pessoas que curte o jogo! Tipo eu curto o jogo, mas não leria!

    ResponderExcluir
  8. Conheço os jogos, mas nunca tive interesse em ler os livros. Não sou muito fãs de livros que se originam de filmes ou jogos.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações