29 de jan de 2014


[Resenha] A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak

 

Ficha Técnica

Título: A Menina que Roubava Livros
Título Original: The Book Thief
Autor: Markus Zusak
ISBN: 978-85-98078-17-5
Páginas: 480
Ano: 2007
Tradutor: Vera Ribeiro
Editora: Intrínseca
53A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade.A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto - e raro - de crítica e público.

Resenha

Provavelmente você já leu “A Menina que Roubava Livros”, correto? Caso não tenha o lido, pare tudo que esteja fazendo agora e vá providenciar a sua cópia. Denominado umas das melhores obras escritas na décadas passada, “A Menina que Roubava Livros” é o livro mais conhecido do autor australiano Markus Zusak e sua adaptação para os cinemas chega no país no próximo dia 31 de Janeiro.

selo_blogparceiro_2013.1_thumb132122O livro conta a história da jovem Liesel Meminger durante a segunda Guerra Mundial, em plena Alemanha Nazista. Narrado pela Morte, as páginas de “A Menina que Roubava Livros” carrega muitas reflexões, aprendizados e principalmente perdas. Talvez, você nunca encontrará um livro com um narrador tão peculiar, que com suas palavras afiadas e precisas nos mostra um pouco de beleza em uma época marcada pela destruição.
Sim, lembro-me dela com frequência e, num de meu vasto sortimento de bolsos, guardei sua história para contar. É uma dentre a pequena legião que carrego, cada qual extraordinária por si só. Cada qual uma tentativa – uma tentativa que é um salto gigantesco – de me provar que você e a sua existência humana valem a pena.
Aqui está ela. Uma dentre um punhado.
A menina que roubava livros.
Se quiser, venha comigo.
Vou lhe contar uma história. Vou lhe mostrar uma coisa.
Pág. 19
Com uma introdução épica, Markus Zusak vai nos mostrando as suas personagens de uma forma não linear, porém bastante interessante. Ao sermos apresentados a Liesel, nos deparamos com uma pobre menina que está sendo enviada com seu irmão mais novo para uma região pobre da Alemanha para que possam ser adotados. No meio do percurso, Liesel tem que se despedir de sua mãe, uma comunista que foge das garras do nazismo, e enfrentar a morte do seu irmãozinho, que não consegue resistir à viagem.

Com um ínicio doloroso, o livro já deixa claro que a tragetória de Liesel não será fácil. O principal plot da história ocorre no enterro do irmão da menina. Ao deixar o cemitério, ela avista um pequeno livro no meio da neve e o rouba, este será apenas o ínicio de seu amor pelos livros - e pelo prazer de roubar -, apesar dela não saber ler. Chegando ao seu destino final na cidade de Molching, mais precisamente na rua Himmel, Liesel irá conhecer seus novos pais: Hans e Rosa Hubermann.
A escuridão, a luz.
Qual era a diferença?
Os pesadelos reforçam-se nas duas, quando a menina que roubava livros começou realmente a compreender como eram as coisas e como sempre seriam.
Pág. 91
Na rua Himmel, Liesel irá levar algum tempo para se adaptar, porém descobrirá aos poucos que apesar de todos os problemas que lhe cercam, ela pode ser feliz. Seu novo pai, irá lhe ensinar a ler e escrever na calada da noite, logo após acordar dos pesadelos que lhe atormentam. Na vizinhança, Liesel conhecerá Rudy, um garotinho que irá aprontar várias aventuras com ela, inclusive lhe ajudar a roubar livros, além de Max, um estranho que na calada da noite irá roubar o coração - e as palavras - de Liesel.

Infelizmente, como já dito anteriormente, a vida da nossa ladra não será tão fácil assim. Em meio a leituras noturnas, roubos de livros e diversão com Rudy, Liesel terá que enfrentar as consequências de uma guerra, principalmente quando você por lei tem que ser súdita do vilão - neste caso, Hitler -, e ainda ser ousado o bastante para esconder um judeu em seu porão. E é por isso, que a Morte irá encontrar com a menina que roubava livros 3 vezes durante 1939 e 1943, pois um pequeno fato da vida é que “você vai morrer”.
Imagine sorrir depois de levar um tapa na cara. Agora, imagine fazê-lo vinte e quatro horas por dia.
Era essa a tarefa de esconder um judeu.
Pág. 190 
Com uma narrativa que prende, vamos aos poucos acompanhar os anos de vida de nossa heroína Liesel Meminger, enquanto ela vai crescendo e enfrentando as alegrias e tristezas da vida. Sua paixão pelos livros se mostrará importante em meio a devastação criada pela Segunda Guerra, e com ferocidade Markus Zusak fará nós leitores, refletirmos sobre diversos aspectos da humanidade, desde sua generosidade, passando pela crueldade e perdão.

“A Menina que Roubava Livros” é um livro único, que se diferencia por sua inteligência, sua história bem amarrada e por sua inocência. Cada personagem, desde os mais pequenos até os principais, afetam a história de uma forma absurda, fazendo com que esta obra apesar de ficcional, seja o mais real quanto se possa ser. Zusak nos mostra um avanço na sua escrita, que começou com a série dos irmãos Wolf, e entrega uma obra atemporal, que perdurará nas prateleiras de nossas vidas… até que uma menininha venha roubá-lo de nós.
Provavelmente, é lícito dizer que, em todos os anos do império de Hitler, nenhuma pessoa pôde servir ao Fuhrer com tanta lealdade quanto eu. O ser humano não tem um coração como o meu. O coração humano é uma linha, ao passo que o meu é um círculo, e tenho a capacidade interminável de estar no lugar certo na hora certa. A consequência disso é que estou sempre achando seres humanos no que eles têm de melhor e de pior. Vejo sua feiura e sua beleza, e me pergunto como uma mesma coisa pode ser as duas. Mas eles têm uma coisa que eu invejo. Que mais não seja, os humanos têm o bom senso de morrer.
Pág. 426 
PS: A capa de “A Menina que Roubava Livros” é cheia de simbolismo, incluindo as três únicas cores que são utilizadas nela. Ao ler o livro, você entenderá a importância destas cores e a capa como um todo. Aproveite e confira a coluna “Capas pelo Mundo” e veja as outras capas feitas para este livro.



Comentários
14
Compartilhe

14 comentários:

  1. Esse livro é simplesmente lindo! O li e me apaixonei. A escrita é maravilhosa, a Liesel e os pais adotivos, cada qual com sua forma de ser são ótimos, cada personagem bem construído.

    ResponderExcluir
  2. Tanta gente falando bem, que até me brota uma lagrima por nao ter lido ainda hahah
    Quando eu era menor, eu tinha esse livro na minha estante, mas nunca tinha lido. Até que agora, quando eu fiquei com vontade de ler, MINHA MAE JOGOU-O FORA SE MEU SABER!! Fiquei M.U.I.T.O brava com ela! mas enfim, ainda quero muito ler esse livro, principalmente por causa do filme.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como assim gente?! Ela jogou fora?! =ooo

      Excluir
  3. Oi Tácio!
    Um livro perfeito, reflexivo, poético, inteligente, envolvente.
    A magia e o encanto de Liesel numa obra bem amarrada e inesquecível!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu já li o livro e vi o filme. Ambos são bons, mas pela primeira vez tenho que confessar que gostei mais do filme. Adorei sua resenha.
    http://exceptionss.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Amei a resenha. O livro é intenso. Poético. Perfeito!! Contando as horas para assistir o filme.

    ResponderExcluir
  6. Tácio! Todo mundo fala super bem deste livro e comprei para mim. Foi uma pena a bilheteria não ter estourado como outros filmes, mas a história é ótima. Tentarei ler esse ano para assistir o filme. Abraço, leemporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Por incrível que pareça, nunca li este livro rsrs
    Mas, com a aproximação do lançamento do filme, vejo tantos blogs resenhando-o que sinto vontade de ler também. Acho muito diferente o fato da narradora ser a morte e fiquei curiosa para conhecer essa estória, que deve ser muito emocionante e cheia de lições!
    Não sabia que as três cores da capa tinham a ver com a estória do livro, mas acho ruim o livro ser re-lançado com outra capa, parecida com a do filme. Acho então que perdeu a relação com a estória um pouco =/
    beijos ♥
    quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. nunca li o livro mas todo mundo q ja leu o ama... eu sei q e triste e por isso vivo adiando ele kkkkkkkk um dia crio coragem e lerei :D

    ResponderExcluir
  9. Eu acho que sou uma das únicas pessoas no mundo que não gosta desse livro =/ não sei se foi por causa das expectativas que eu criei ou a minha idade/maturidade quando o li. Pretendo assistir o filme e se achar ele legal vou reler o livro, afinal, tem um motivos para as pessoas gostarem tanto dele.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  10. Apesar das opiniões sobre o livro, eu particularmente não gosto dele. Não consegui terminar-lo e nem voltei a ler para terminar.

    ResponderExcluir
  11. To curiosima pra ler.. Ja fui em duas livrarias pra comprar e acabou... Por causa da estreia do filme ta todo mundo doido pra ler... Sua resenha foi muito boa Tacio ... Da vontade de ler. Ja li de tudo, de gente que amou, e de gente que não gostou nadinha. Não quero me deixar interferir, por isso vou ler mesmo assim... :)

    Ana Paula
    http://paixaoporleituras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá Tácio, tudo bem??
    Sou apaixonada por esse livro, <3
    No começo o achei um tanto quanto cansativo, mas a narrativa me envolveu de uma forma magnífica, pretendo reler em breve.E estou super ansiosa pela adaptação desta super historia.

    ResponderExcluir
  13. Oi Tácio, adorei a resenha expressou bastante coisa e aumentou minha curiosidade pela leitura, só que está muito caro. O trailler bem bom.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações