18 de jan de 2014


[Resenha] O Grande Gatsby - F. Scott Fitzgerald

Ficha Técnica

Título: O Grande Gatsby
Título Original: The Great Gatsby
Autor: F. Scott Fitzgerald
ISBN: 978-85-8044-497-1
Páginas: 176
Ano: 2013
Tradutor: Alice Klesck
Editora: LeYa
53Obra-prima de Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby é o romance americano definitivo sobre os anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial. O texto de Fitzgerald é original e grandioso ao narrar a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece - Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.

Resenha

Surpreendente. A história é narrada por uma das suas personagens: Nick Carraway. Através dele, temos um retrato e relato de como a sociedade americana estava vivendo e consequentemente comportando-se durante o período de 1920. Ambientada em Nova Iorque e na cidade de Long Island, durante o verão de 1922, O Grande Gatsby é uma crítica ao Sonho Americano e a tudo aquilo que este trouxe de fútil e descartável para aquela sociedade.

Nick é um homem com valores solidificados. Percebemos, logo no início da obra, que seu pai não permitiu que seu filho fosse mais um a pregar intolerância e não entender os outros. Pelo contrário, ele basicamente diz ao seu filho que não julgue e se coloque no lugar do outro. Afinal nem todo mundo teve as mesmas oportunidades.
Sempre que tiver vontade de criticar alguém - disse ele - lembre-se de que nem todo mundo teve as oportunidades que você teve.
Pág. 07 
O narrador, apesar de não gostar desse comportamento descartável que assola a sociedade norte-americana em 1920, está frequentemente participando de festas e encontros com pessoas intolerantes, racistas, preocupadas apenas com dinheiro e, sobretudo, com aparência. É nesse momento que somos apresentados a personagens que irão dar credibilidade e veracidade a crítica de Fitzgerald.

Logo-alta_thumb2Gatsby é um homem riquíssimo, dá festas estonteantes e normalmente não convida ninguém. Toda a sociedade burguesa norte-americana simplesmente aparece em sua casa, come, bebe e nem sequer conhece o anfitrião. E para "melhorar" o cenário da hipocrisia, esses "convidados" tecem comentários sobre a possível conduta de Gatsby dentro de sua própria casa - enquanto comem, bebem e desfrutam de uma belíssima festa. Não é muito diferente do que acontece hoje. A única pessoa que ele convidou para as suas festas foi Nick Carraway. Ele é um homem só. Gatsby não tinha ninguém, antes de Nick, que pudesse chamar de amigo e que aquilo não soasse falso. As pessoas se aproximavam dele porque ele tinha dinheiro. Iam as suas festas pelo glamour. Não se importavam com o que ele sentia, ou do que ele poderia precisar.

E mais personagens são colocados como peças chaves na história. O casal Daisy e Tom, Jordan, e o outro casal George Wilson e Myrtle roubam a cena. Daisy, prima de Nick, é o amor nunca esquecido de Gatsby e que só se casou com Tom por causa de seu dinheiro (pelo menos inicialmente). Tom é o tipo de homem mais desprezível que existe no planeta! Racista, machista, rebaixa qualquer pessoa por conta de sua "posição social". Irritante. Jordan é uma famosa tenista, inconsequente, mas percebemos que no final de tudo ela só quer atenção. Aquela atenção que só temos de quem nos ama verdadeiramente. George e Myrtle são dois personagens que eu vou deixar vocês leitores conhecerem quando começarem a ler. Não esqueçam deles.

Nick se mostra, e sempre mostrou-se, pouco entendedor sobre essa necessidade de aparentar ser aquilo que não é. Daisy, Tom, Jordan, George, Myrtle e até o próprio Gatsby, desempenham papéis que são aceitos pela sociedade. Eles não tem qualquer domínio sobre suas vidas, já que fazem e comportam-se conforme os comentários e os famosos "o que eles podem pensar" dos outros. A necessidade de mostrar e aparentar felicidade, riqueza e bem-estar.

Repito, O Grande Gatsby é surpreendente. Comentei com algumas pessoas o quanto a narrativa parecia, em alguns momentos, arrastada e cansativa e que dificilmente teria um final de meu agrado. Me enganei. Seu final foi um dos grandes motivos de ter gostado do livro. Fitzgerald foi brilhante. Alguns podem falar "mas era um tanto óbvio que pudesse terminar assim" e eu lhes digo que não. Não estamos acostumados a finais que nos mostrem o que realmente acontece e sim aquilo que nos queremos que aconteça. Não gostamos da morte, não aceitamos se o "casal" protagonista não se realiza e muitas vezes julgamos um autor por ele simplesmente nos mostrar o que de fato ocorre. Ao final do livro me dei conta que o autor procurou abordar não só o romance de Daisy e Gatsby ou somente a riqueza e a vida de aparência. Mas também sobre confiança, amizade e respeito.
Comentários
12
Compartilhe

12 comentários:

  1. Tô doida para ler esse livro e gostei muito da sua resenha :)
    Beijos,
    http://monomaniacas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha, ainda não conhecia este livro mas gostei muito do enredo, parece ser bem legal e cativante, mesmo com você ter comentado que algumas partes da narrativa são cansativas. Fiquei curiosa para saber como termina, parece ser um ótimo livro! :)
    beijos ♥
    quemprecisadetvparaverbeyonce.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Tinha curiosidade para saber sobre esse livro. A um tempo eu namoro assistir ao filme mas sempre fico adiando. Acho q dessa vez crio vergonha na cara e assisto pelo menos o filme.

    ResponderExcluir
  4. Oi Auri!
    Só recentemente li o livro e assisti o filme, confesso que por algum motivo sempre adiava pq achava que não gostaria.
    Mas gostei e muito!
    A escrita do autor é maravilhosa, envolvente e instigante. Folheamos as páginas no intuito de ler só mais um pouquinho e qd vemos já é o final.
    Um final que odiei-amei, exatamente nessa ordem, fiquei pasma e dp me encantei especialmente qd me dei conta da força narrativa de Nick e pelo fator preponderante da amizade.
    Amei sua resenha.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. É dificil hoje em dia um final que surpreenda, ainda bem que esse livro apesar da parte cansativa e arrastada teve um bom final e surpreendente. Não tenho muito interesse em ler o livro, mas se ele chegar até mim, leio.

    ResponderExcluir
  6. É um livro bem clássico, digamos.
    Gosto de leituras assim, mas em momentos apropriados, que eu consiga dedicar minha total concentração

    ResponderExcluir
  7. Oie,
    O enredo é muito legal, e o fato do narrador não gostar de certas condutas e mesmo assim praticá-las me deixou curiosa para saber quais motivos estão por trás dessas atitudes.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  8. Assisti o filme primeiro, achei um pouco confuso mas eu até que curti. Tenho medo de pegar o livro e não gostar mais do filme hahah

    ResponderExcluir
  9. Não ouvi falar nem do livro nem do filme e tals, mas parece ser uma historia interessante, diferente, um clássico, uma leitura que muitos não estão habituados, e deve ser bem interessante sendo narrado por um personagem sobre a vida de outros personagens importantes para a historia. parabéns pela bela resenha. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Tomo mundo falava do filme e depois me lembrei que a Tati do Tiny Little Things tinha feito um vídeo sobre o livro e adorei, mas acho a capa do filme muito feia e o livro pocket é 40 reais, um preço que eu nunca irei pagar. Mas foi bom ver sua opinião. Todo mundo fala super bem deste livro.

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia nem o livro e nem o filme, mas a estoria parece ser bem interessante, mas não sei se é o tipo de livro que eu goste de ler...

    Meu Mundo, Meu Estilo

    ResponderExcluir
  12. eu nunca tinha lido nada sobre o livro e parece bem interessante, mas como voce mesma disse, ele deve mesmo ser cansativo em algumas partes... nao gostei nada da capa ¬¬ simples demais!! vou esperar outras resenhas e ver se vou le-lo ou nao :/

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações