7 de mar de 2015


[Entrevista] M.S. Fayes


Como vocês já devem ter visto, essa semana a M.S. Fayes lançou o segundo livro da Trilogia da Lei. O primeiro livro foi lançado pela Editora Charme, mas essa sequência está sendo publicada de forma independente.

Vocês já conheceram um pouco mais da Martinha na coluna Conhecendo o Autor, agora vamos nos aprofundar um pouco mais!



Confiram o bate-papo que a Lud, do Evey Little Book teve com ela:
Evey Little Book: Quem são suas inspirações? 
M.S. Fayes: Bem, eu tenho minhas divas absolutas que serviram de inspiração para o meu estilo de escrita. Não que eu esteja pretendendo me igualar, mas foram estas autoras que criaram um conceito de romance na minha cabeça. Nora Roberts sempre. Amo os romances dela. Alguns melhores que outros, outros nem tanto. Judith McNaught, simplesmente maravilhosa na arte de criar roteiros e personagens inesquecíveis. Linda Howard, Sandra Brown, com seus romances policiais e intensos. Essas são as que sempre me vem à cabeça quando penso de onde surgiu a fonte de inspiração.
ELB: Por que usar um pseudônimo? 
MSF: Puxa...essa do pseudônimo eu já respondi várias vezes e adoro explicar a razão. Eu queria algo misterioso. Um nome que pudesse estar na estante de uma livraria e alguém falar: "oh...uau...MS Fayes...que sobrenome diferente..." . E pensei...poxa...se J.K. Rowling, C.S Lewis, J.R. Tolkien, e tantos outros podem ter pseudônimos com suas iniciais, porque eu também não posso? Daí surgiu: M de Marta, S. de Sousa e Fayes do mix de Fagundes e Lopes. O Y no meio foi só pra dar um charme. Outra explicação plausível, porém meio louca. Eu tinha acabado de ler um romance da Sandra Brown, onde a locutora de uma rádio atendia pelo pseudônimo xis e ninguém conhecia a verdadeira dona da voz. Achei o máximo. Falei p editor do Tapete Vermelho e ele vetou a ideia. Droga...jogou água no meu castelinho de areia. Mas enfim, só nos Estados Unidos que uma coisa assim poderia funcionar bem né?! Por exemplo, o tanto de tempo que levou para que as pessoas descobrissem que Sylvain Reynard era um homem? Achei isso o máximo.
ELB: Alguns falam que o livro é erótico. Você considera sua trilogia como Erótico? 
MSF: Não considero de jeito nenhum. Inclusive quando a galera se refere a ele assim eu até estranho. E o que já aconteceu com muitas blogueiras e leitores do Absoluto, por exemplo, foi que realmente pensaram que era um livro erótico, quando na verdade não é. São românticos, sensuais em algumas partes, florzinhas e clichês se você considerar que falam de uma história de amor com final feliz. Tive leitores que se recusaram a ler inicialmente achando que fossem eróticos. Quando leram, perceberam que na verdade são mais românticos. Eu me considero uma noviça ao escrever cenas eróticas. Eu prefiro muito mais o lírico, implícito e poético do que o gráfico, escrachado e sem sentido. Leio romance erótico? Sim. Já li vários. Mas não são os meus habitués. Chega uma hora que a gente cansa de um determinado estilo, certo?
ELB: Por que a mudança de editora para publicação independente? 
MSF: Meramente por uma questão contratual. A Editora Charme continua com os direitos do Absoluto, vem fazendo um trabalho maravilhoso e cuidando super bem do meu "filho" (Cada livro é um filho no mundo). Mas eu realmente resolvi que não tinha mais cacife para uma publicação compartilhada, onde eu entro com o investimento junto. E daí, para que o livro não ficasse encalhado, largado às traças e quem quisesse lê-lo, acabasse ficando a ver navios, resolvi eu mesma investir numa tiragem mínima, mas sem vínculo contratual, salvo comigo mesma. Apenas isso. Infelizmente o livro não se manteve na editora do primeiro, mas eu quis honrar o compromisso de que tenho um contrato com elas, logo, preferi não apresentar as duas obras finais, a nenhuma outra editora, para evitar conflitos e etc. Para não ficar largado no canto, resolvi jogar o Irresistível na praça e ver o que vai ser dele.
ELB: O que você diria para quem está pensando em ler Irresistível? O que os leitores podem esperar? 
MSF: Hunmmm...Acho que os leitores podem esperar situações um pouco mais intensas e impulsivas do que no livro 1. A área que escolhi para a Fay é a criminal, tanto que o par romântico é um promotor fodástico. Logo...o livro acabou seguindo um pouco a vybe dos personagens...huuuuu...espere e verás...quer dizer...lerás. Hehehe Um livro romântico, engraçado, um pouco mais hot que o primeiro e mais intenso. Sei lá. Provavelmente vai ter quem goste da Fay, ou quem não goste. Muitos gostaram dela no livro 1, então espero que a ânsia em ler sua história seja satisfeita plenamente.
ELB: Qual sua parte favorita ao escrever Irresistível? 
MSF: Os diálogos entre o Alex e a Fay entre os lençóis. Adoro a parte em que eles tentam mostrar que já se conhecem bem. Amei a cena ### onde aconteceu #### e acabou culminando no ###. O # se for revelado é spoiler. Hahahahaha
ELB: Quais são suas expectativas com relação a Irresistível? 
MSF: Eu espero que o Irresistível agrade tanto aos leitores quanto agradou a mim quando o escrevi. Foi o livro que mais me diverti escrevendo. Tanto que é o mais longo. Espero que esteja a contento, que as expectativas de quem estava louco para ler não se frustrem, e que os personagens ganhem um espacinho no coração dos leitores.
ELB: O terceiro livro será sobre quem? E já temos previsão? 
MSF: O terceiro livro é sobre a Lana, com certeza. Então pra quem gosta de livros onde a mocinha está gravidinha, pode ser que fique feliz neste. Acho inclusive, que é o mais fofo de todos os três. Só acho... Eu não tenho certeza se todo mundo já captou e detectou o mocinho do livro três... Previsão? Não sei. Vai depender do Irresistível mostrar seu potencial em conquistar os leitores. O importante é que o mais difícil já está resolvido. O livro três está prontinho da Silva.
ELB: Mande um recado para as leitoras. 
MSF: Oi Leitoras...então...espero que vocês possam dar cada vez mais chance aos livros nacionais, que vocês possam passar a ter orgulho das autoras que temos no Brasil ( estou tentando me incluir no grupo...abafa o caso), que vocês leiam meus livros e que curtam os personagens com carinho. Apreciem sem moderação alguma e se for ler, não dirija. Quero dizer...não dirija lendo...pode ser perigoso. Hahahahaha
Comentários
11
Compartilhe

11 comentários:

  1. Uaau.. só agora me dei conta que ela é aitora do livro irresístivel, que depois de ler a resenha aqui mesmo no blog, fiquei com uma vonyade imensa de ler.

    Confesso, que pouco me ligo nos autores.. 😐😕
    Mas super curtir conhecer um pouco mais da Fayes.

    Preciso ler #Irresístivel... apesar de que a capa não me agrada muito...

    ResponderExcluir
  2. Adorei a entrevista. É a primeira que vejo com essa autora. E gostei de saber como ela escolheu o pseudônimo e que o livro não é erótico. Tô cansada de ler esse gênero.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Gente, adorei essa autora, super simpática! Super concordo com ela, sobre começarmos a dar valor às escritoras brasileiras. Eu, por exemplo, estou fazendo isso desde o ano passado. Minhas leituras futuras são praticamente todas nacionais :)

    ResponderExcluir
  4. Legal a entrevista, a Fayes é divertida imagino como deve ser dificil bancar sozinha a publicaçao de um livro. E eu morria e nao sabia que Sylvain Reinard é um homem.

    ResponderExcluir
  5. Adorei a entrevista com a autora.
    A explicação da autora para o pseudônimo é uma boa, mas é triste ver que pelo fato de um nome ser "americanizado" vende mais. Mas já que é assim, o recurso é válido.
    Quanto a pensar que o livro é erótico, eu mesmo pensava, é por causa da capa. A capa do livro publicado pela Charme é bem cara de livro hot.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de março. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  6. Adorei a entrevista!
    O livro dela combina perfeitamente com o perfil do Escuta Essa, se ela precisar de resenhista, estou disponível :)
    Gostei muito de conhecer um pouco sobre os livros dela
    Beijinhos
    Renata
    Escuta Essa

    ResponderExcluir
  7. acho bem legal ter acesso a entrevista da autora, da pra conhecê-la melhor e também o seu processo criativo!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Lay!
    Gosto das entrevistas principalmente porque descobrimos particularidades dos autores.
    Gostei demais da explicação sobre a escolha do pseudônimo, infelizmente um mistério em relação quem é o autor, vende mais livro, sabiam?
    Hoje em dia os livros românticos que tem trechos mais sexys ou sexuais, tem sido considerados hots, porém no fundo, giram em torno do romance mesmo...
    Sucesso no lançamento independente!
    “A mulher é um efeito deslumbrante da natureza.”
    Feliz dia da mulher!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Muito legal a entrevista!
    Não li o livro dela, mas deu muita vontade de ler. Bom saber que o livro não é erótico, não quero ler nada do estilo no momento. Achei interessante a explicação para o pseudônimo que ela usa, haha. Espero ler mais livros nacionais, começar a valorizar os autores daqui, que não perdem em nada para os internacionais.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Achei a entrevista muito boa... E a autora super simpática... Não li nenhum de seus livros, mas só de saber que ela não vai para o lado do romance erótico já me interesso mais por sua leitura...

    ResponderExcluir
  11. Eu não dirijo, mas leio no bus... é perigoso tb? hehe.
    Eu não li o primeiro livro da trilogia e nem lembro se li algo sobre, mas eu adorei a entrevista e assim como a autora eu tb adoro Nora Roberts.
    Achei bacana o lance do pseudônimo e que pena que ela não teve cacife para continuar em parceria com a charme. Ao menos os leitores não ficaram na mão :D
    Bjs

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações