21 de mar de 2015


[Resenha] Dois Garotos se Beijando - David Levithan


Ficha Técnica

Título: Dois Garotos se Beijando
Título Original: Two Boys Kissing
Autor: David Levithan
ISBN: 978-85-01-10209-6
Páginas: 222
Ano: 2015
Tradutor: Regiane Winarski
Editora: Galera Record
12
Baseado em fatos reais e em parte narrado por uma geração que morreu em decorrência da Aids, o livro segue os passos de Harry e Craig, dois jovens de 17 anos que estão prestes a participar de um desafio: 32 horas se beijando para figurar no Livro dos Recordes. Enquanto tentam cumprir sua meta — e quebrar alguns tabus —, os dois chamam a atenção de outros jovens que também precisam lidar com questões universais como amor, identidade e a sensação de pertencer.

Resenha


Apesar do título, “Dois Garotos se Beijando” vai além de um romance sobre beijos entre pessoas do mesmo sexo. David Levithan, autor conhecido por aclamadas obras como “Will & Will” – escrita em conjunto com John Green – , e “Todo Dia”, mais uma vez trabalha a importância da identidade pessoal, prezando a necessidade de sabermos quem somos, para desta forma vivermos de uma maneira plena com nós mesmos, e também com o mundo ao redor. 

Selo-Parceiros-Galera JuniorNeste livro, iremos acompanhar um breve período da vida de alguns jovens, todos eles homossexuais, cada um lidando com seus próprios problemas da adolescência, estes que são magnetizados devido à sexualidade de cada um. Vamos ser apresentados à um rapaz que ‘nasceu menino em corpo de menina’, como ele mesmo diz ao explicar que é transexual, outro garoto que precisa lidar com as consequências de ser descoberto utilizando sites de relacionamento com homens pela internet, e também o rapaz que necessita esclarecer aos pais que seu melhor amigo é realmente o seu namorado.
Nós conhecemos essa expressão. Alguma coisa dentro dela está se partindo. E, com isso, ela está desistindo de nós.
Não há nada mais doloroso do que ver alguém desistir de você. Principalmente se for sua mãe.
Pág. 35
Apesar do livro não ter personagens principais, Harry e Craig, atuais amigos, porém ex-namorados, são o mais próximo de ocupar este posto, já que o livro é nomeado por causa deles. Cansados dos julgamentos e preconceitos que rondam os gays, e logo após um amigo ser atacado e violentado nas ruas da cidade, Harry e Craig decidem tentar bater o record de beijo mais longo do mundo. Para quebrar este record, ambos terão que dar um beijo que ultrapasse mais de trinta horas, beijo este que carregará muito mais significado que qualquer outro beijo normal, e que com certeza comoverá muitas outras vidas.

“Dois Garotos se Beijando” é a obra experimental de Levithan, aquela que diverge de seus outros trabalhos, mas que também se destaca. Sem os famosos capítulos intercalando a narração dos personagens, e dando espaço para um grupo de narradores diferenciado, o autor consegue apresentar diversas histórias simultâneas, abordando temas diferentes e de uma maneira tocante e extremamente poética.
Se juntarmos armários suficientes, temos o espaço de um quarto. Se juntarmos quartos suficientes, temos o espaço de uma casa. Se juntarmos casas suficientes, temos o espaço de uma aldeia, de uma cidade, de uma nação, do mundo.
Pág. 72
Os tais narradores são nada mais nada menos que homens que morreram de AIDS. Isso mesmo, essas pessoas estão ali observando de uma forma sútil cada um dos nossos personagens, e torcendo para que eles consigam quebrar qualquer barreira que a sexualidade possa criar, e assim, diferentemente deles que morreram tão jovens e de uma maneira tão triste, possam ter a chance de viver, independente da pessoa a quem amam.

Separar as citações deste livro foi realmente um trabalho árduo. Nunca vi David Levithan trazer tanta poesia e sentimento à sua escrita, e com tantas frases de impacto e reflexão. O livro só por isto já merece palmas. Outro ponto positivo, é que apesar de ser uma obra curta e com muitos personagens, “Dois Garotos se Beijando” consegue fazer com que os leitores fiquem simpatizados com cada uma das histórias, mesmo com o pouco espaço que elas ocupam sob um olhar geral do livro.
Porque muitos deles são da nossa idade ou mais velhos, presos em décadas anteriores de pensamento. Os gays de hoje, os gays de ontem, somos todos o mesmo incômodo, o mesmo erro. Não pessoas, na verdade. Só uma coisa sobre a qual gritar.
Pág. 143
Não posso deixar de falar desta capa, feita pelo Leonardo Iaccarino, e que é uma releitura de uma das capas originais norte-americanas. Os dois meninos são feitos de frases e palavras, tais quais “seus beijos são diferentes”, “incondicional” e “descobrir o que vem pela frente”. Apesar disto, esta não seria minha escolha ideal de capa. Não posso negar que ela é muito melhor que a norte-americana a qual foi baseada, mas acho que poderia ter seguido um pouco mais da vertente de outra capa (ver abaixo), ao invés de investir mais uma vez nesta fórmula azul+branco+preto que está invadindo e saturando o mercado editorial já faz algum tempo.

 

“Dois Garotos se Beijando” é um exemplo de tolerância, de respeito, de amor e acima de tudo de verdade. Baseado em fatos reais, esta obra não poderia ser mais verossímil do que já é, retratando belamente histórias de jovens que só buscam aceitação e o direito de serem quem são, sem ter ninguém lhes apontando o dedo.

David Levithan faz sua parte como cidadão, prestando homenagem àqueles que sofreram preconceito com o surgimento do HIV, aqueles que sofrem hoje por outras X questões, e principalmente para àqueles que fazem de tudo para melhorar a situação e criar um amanhã melhor. E assim como Levithan, eu, você e tantos outros que leram e lerão esta obra tão moderna, poderemos e deveremos fazer nossas partes ao aprender a aceitar e respeitar o próximo. Afinal de contas, quanto mais amor, melhor.
Muitos de nós tivemos que fazer nossas próprias famílias. Muitos de nós tivemos que fingir quando estávamos em casa. Muitos de nós tivemos que ir embora de casa. Mas todos nós desejamos que isso não fosse necessário. Cada um de nós desejou que nossas famílias agissem como família, que, mesmo quando encontramos uma nova família, não tivéssemos que deixar a outra para trás. Cada um de nós teria amado ser amado incondicionalmente por nossos pais.
Pág. 151




Comentários
8
Compartilhe

8 comentários:

  1. Essa é a primeira resenha que vejo desse livro e confesso que ela chamou minha atenção. Numa sociedade cheia de preconceitos na qual vivemos, esse tema é muito bem vindo num livro. Farei a leitura.
    Obrigada pela dica!

    ResponderExcluir
  2. Ultimamente, tenho assistido alguns filmes que tratam sobre o HIV, e acho que seria interessante eu ler um livro que fala do assunto para pode me aprofundar. Li o livro Todo Dia, do autor, e adorei a escrita, o livro é muito bom, fiquei encantada. Não sei se leria Dois Garotos Se Beijando agora, não gosto de ler vários livros de um mesmo autor, um atrás do outro, mas, certamente, tenho muito interesse na leitura.
    Ah, achei a capa americana azul mais bonita, achei a brasileira um pouco estranha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Tácio.
    Acho que esse livro, apesar de sua qualidade ou falta dela (não li ainda para definir), é um passo importante para a literatura contemporânea, principalmente por se tratar de um autor conhecido internacionalmente. Ele trata de temas polêmicos e que geram preconceito e, acredito, que é esse o grande objetivo da literatura: quebrar barreiras, transpor paradigmas, ir além do comum. Fico feliz por ver o objetivo da literatura sendo cumprido.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de março. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
  4. Tácio!
    gosto demais de suas análises detalhadas e concisas, vão sempre direto ao ponto e são precisas.
    Leviathan é bem instigante em todos seus livros, e acredito que nessa obra ele se superou. Primeiro por ser baseado em fatos que realmente aconteceram e depois, por serem fatos passíveis de questionamento na atualidade, que nos fazem pensar e repensar a postura que temos sobre determinados assuntos.
    Domingo com muito descanso e amor no coração.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, muito obrigado Rudy! <3
      Concordo com tudo que você disse.
      Bom domingo pra você também.

      Excluir
  5. Como não ficar doida para ler esse livro depois dessa resenha, o livro parece ter poucas paginas para tanta historia. Acho muito bom livros direcionados a jovens falando de assuntos tao espinhosos como suicido, depressão e homossexualismo com sensibilidade, na minha época não tinha isso.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais ansiosa em conferi isso tudo.

    ResponderExcluir
  7. Primeira vez que leio uma resenha desse livro, e devo dizer que ficou muito boa! Há muito tempo quero ler um livro assim, com protagonistas homossexuais, e claro que Dois Garotos se Beijando estava na lista. Mas eu não sabia que se trava de uma história baseada em fatos reais, o que agora só fez meu interesse aumentar. Me pareceu ser um livro muito profundo.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações