5 de abr de 2015


[Resenha] Síndrome Psíquica Grave - Alicia Thompson


Ficha Técnica

Título: Síndrome Psíquica Grave
Título Original: Psych Major Syndrome
Autor: Alicia Thompson
ISBN: 978-85-01-08630-3
Páginas: 335
Ano: 2015
Tradutor: Fabiana Colasanti
Editora: Galera Record
12
A Paciente, Leigh Nolan (essa sou eu), começou seu primeiro ano na Universidade de Stiles. Ela decidiu se formar em psicologia (apesar de seus pais preferirem que ela estudasse tarô, não Manchas de Rorschach). A Paciente tem a tendência a analisar demais as coisas, especialmente quando isso envolve o sexo oposto. Exemplo: por que Andrew, seu namorado de mais de um ano, nunca a convida para passar a noite com ele e dar o próximo passo no relacionamento — leia-se transar? E por que ela passou a ter sonhos eróticos com Nathan, o colega de quarto de Andrew que tanto a odeia? Fatos agravantes incluem: outros alunos de psicologia supercompetitivos, uma professora que precisa urgentemente de análise e uma colegial que acha que a Paciente é, em uma palavra, ingênua.

Resenha


Com um título interessante e uma capa o tanto quanto bonita, “Síndrome Psíquica Grave” mistura romance com psicologia, na tentativa de entregar ao leitor uma obra com todas as características que este segmento literário geralmente tem, com direito a uma pitada diferenciada. 

Selo-Parceiros-Galera JuniorLeigh Nolan acaba de entrar no curso de psicologia, e é neste momento que a jovem de 18 anos nota quanto a sua vida é repleta de linhas soltas e singulares manias. Com o seu excessivo costume de analisar as situações ao seu redor, Leigh começa a questionar-se qual é motivo de nunca ter feito sexo com o seu namorado de colegial, Andrew. E para complicar ainda mais, ela se dá conta que ultimamente está um pouquinho obsessiva por Nathan, o colega de quarto de seu Andrew.
Mas aí me lembrei do que o professor de Introdução à Psicologia dissera sobre terapia de casal: falamos de trabalhar a relação porque nem sempre é divertido Andrew e eu não éramos perfeitos. Nunca seríamos. Mas, enquanto nos encontrássemos no meio do caminho, tudo estaria bem.
Pág. 42
Com esse plot que grita “triângulo amoroso”, iremos acompanhar Leigh tentando se encontrar na faculdade, e descobrindo se o curso de psicologia é realmente o que ela quer para o seu futuro. Em conjunto, a menina terá que decidir o que fazer com o seu relacionamento, já que seu namorado não parece estar querendo se comprometer à avançar. Em uma linha tenuê entre a vida profissional e a pessoal, Leigh perceberá que muito do que ela está aprendendo em sala de aula, poderá ser posto a teste… com base em sua própria história.

“Síndrome Psíquica Grave” é escrito por Alicia Thompson, que é formada em psicologia e escreveu esta obra no último ano da faculdade. Obviamente que a história do livro deve ter surgido durante suas aulas, porém eu senti que ela não utilizou muito deste campo, como ela poderia ter feito, tirando o fato dos capítulos iniciarem com pequenas referências à psicologia, como “Dissonância Cognitiva”, “Ritmos Circadianos” e “Efeito Hawthorne”.
– Estou falando sobre as suas enormes inseguranças, neuroses e complexos, como você quiser “diagnosticar”. Você não consegue relaxar. Não consegue se divertir. Não consegue parar de analisar as coisas, nem por um segundo, e pensar sobre o que eu posso querer ou do que o nosso relacionamento pode precisar.
Pág 201/202
No desenrolar do livro, ao invés de recorrer ao universo que o título sugere, Thompson decide por utilizar uma narrativa simples, desviando da abordagem psicológica que eu esperava. Porém, isto não afeta muito a história, apesar de que a tornaria muito mais interessante e talvez assim conseguisse fugir dos vários clichês que acabam acontecendo do começo ao fim.

Apesar destes clichês e de algumas partes que ao meu ver foram desnecessárias, e que só serviram para atrasar o principal foco da história que seria o relacionamento de Leigh com Andrew e seu possível envolvimento com Nathan, “Síndrome Psíquica Grave” consegue ser um bom entretenimento para um final de semana para àqueles que gostam de um romance com uma pequena dose de drama e comédia, afinal esta é a mesma opinião que a Meg Cabot tem em relação ao livro: “tão hilariante quanto romântico”.
Por que não podíamos voltar à forma como as coisas haviam sido ontem à noite, quando nos sentamos no telhado e conversamos sob as estrelas? Por que tudo não podia ser mais fácil?
Pág. 292
Comentários
11
Compartilhe

11 comentários:

  1. Tácio!
    Realmente o título sugere um aprofundamento maior sobre psicologia, o que muito me interessa, já que é minha área de formação.
    Ainda assim, mesmo que não haja tal aprofundamento no tema, um romance hilário e com drama, vale a pena também de ser lido, e é o que pretendo.
    Boa resenha querido!
    “Que o coelhinho traga muito mais que ovos de chocolate! Que ele lhe traga muita paz, amor, saúde, felicidade, compreensão e carinho. Feliz Páscoa!”.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Rudy.
    Imaginei, pelo título, que haveria uma trama psicológica bem forte; pena que isso não aconteceu. Porém, apesar disso, o livro ainda me parece bem interessante. Acho que daria uma oportunidade futuramente.
    Excelente resenha.

    M&N | Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de abril. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy não, Tácio. Confundi porque estava com outros blogs abertos.
      Me desculpe mesmo pelo erro, Tácio. haha

      Excluir
  3. Eu pensava que esse livro tratava de psicologia, então não me interessei por esse assim que o vi. Mas agora que sei que o tema abordado não é esse e que o livro é bem divertido, pretendo colocá-lo na minha lista. Nada melhor do que um bom livro que faça dar risada, certo? Adorei a resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Comecei o curso de psicologia esse ano e estou a procura de livros de psicologia, mas nunca pensei em ler um romance que envolve psicologia e quando vi esse eu meio que fiquei bastante animada, mas aí no decorrer da resenha vi que não foca tanto na psicologia e desanimei um pouco, apesar de ainda querer lê-lo! Infelizmente, não pareço com a personagem pelas descrições que pude ler neste post. Seria legal ter algumas coisas em comum kkkkkkkk.

    ResponderExcluir
  5. Eu não conhecia o livro e pelo título achei que não era nada de romance ou algo assim, mas pelo que você diz na sua resenha parece tão gostoso de ler, tão bom, tão... Entende?!
    Vou marcar ele no Skoob aqui para eu não esquecer

    ResponderExcluir
  6. Sou mais uma das que desconfiava que esse livro fosse sobre psicologia e me enganei .. Mas mesmo assim pelo que li sobre ele parece ser bem legal ,então pretendo fazer a leitura para tirar minhas próprias conclusões rsrs Espero ser surpreendida positivamente ..

    ResponderExcluir
  7. Amei a capa, e me identifiquei com a personagem, eu tenho essa mania de analisar tudo e todos.
    Nem li mas já estou torcendo pra ela ficar com o Nathan, e não fui com a cara do Andrew, apesar de me fazer imaginar o porque dele não querer transar com ela, será que ele é gay?

    ResponderExcluir
  8. Me interessei só de ver a capa.
    Não tinha visto este livro ainda, porém, já me interessei!
    Boa resenha!

    ResponderExcluir
  9. Terceira resenha que vejo dele
    Quero ler
    Parece ser bem interessante u.u

    ResponderExcluir
  10. Tenho o pé atrás com o livro, pois a maioria das resenhas que vi dele não são tão positivas. Não tenho nada contra triângulos amorosos, desde que eles sejam bem desenvolvidos e trabalhados. E até gostei por não ser muito aprofundado na psicologia, pois sou leiga no assunto, já que sou estudante das exatas haha Acho que seria uma leitura interessante.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações