3 de jun de 2015


[Resenha] Belleville - Felipe Colbert


Ficha Técnica

Título: Belleville
Autor: Felipe Colbert
ISBN: 978-85-8163-411-1
Páginas: 301
Ano: 2014
Editora: Novo Conceito
41Se pudesse, Lucius aterrissaria em 1964 para ajudar Anabelle a realizar o grande sonho do seu falecido pai! De quebra, ajudaria a moça a enfrentar alguns problemas muito difíceis, entre eles resistir à violência do seu tio Lino. Claro que conhecer de perto os lindos olhos verdes que ele viu no retrato não seria nenhum sacrifício... Sem conseguir explicar o que está acontecendo, Lucius inicia uma intensa troca de correspondência com a antiga moradora da casa para onde se mudou. Uma relação que começa com desconfiança, passa pelo carinho e evolui para uma irresistível paixão – e para um pedido de socorro...

Resenha

Gente, amei! Comecei a leitura sem grandes pretensões, mas o Felipe me cativou com sua história. Lucius acabou de se mudar para Campos do Jordão para fazer faculdade de matemática. Para viver esse período afastado de casa, seu pai alugou uma casa para que ele tivesse sossego para estudar.

Selo-Parceiros-Novo-Conceito42222322Logo que chega a casa afastada do centro da cidade, Lucius percebe um início de construção no terreno nos fundos da casa. Várias estacas fincadas no chão não lhe davam a noção do que seria construído. Ainda no mesmo dia, sem querer, ele achou uma foto antiga de uma garota enterrando uma caixa no meio daquela construção. Curioso por saber o que a garota enterrava, Lucius foi até o local e achou a caixa. Dentro dela havia uma carta de Anabelle, moradora da casa no ano de 1964.

Nessa carta Anabelle, com 18 anos e órfã de mãe e pai, dá ao novo morador da casa a "oportunidade" de continuar a construção de Belleville, uma montanha-russa caseira que Rodolfo, fotógrafo e pai de Anabelle, havia iniciado para presentear a filha. Claro que, recém chegado na cidade para iniciar a faculdade, com o dinheiro contado para pagar as mensalidades e o aluguel, salvo o dinheiro para as emergências, Lucius não tinha a mínima condição de construir uma montanha-russa, então, ele escreve uma carta em resposta a de Anabelle e coloca de volta na caixa.

Porém, para surpresa de Lucius, no dia seguinte ele percebe que o lugar onde enterrou a caixa com as cartas estava com a terra remexida. Mas a surpresa não parou por aí, quando desenterrou mais uma vez a caixa Lucius descobriu que as duas primeiras cartas não estavam mais lá, substituídas por uma nova, respondida por Anabelle.
De uma forma ou de outra, a carta estava realmente endereçada a mim. quem quer que fosse aquela Anabelle, havia me enviado um recado e mostrava-se indignada, até mesmo ameaçadora, bem diferente do que eu imaginei ao ver a fotografia.
Pág. 60
Daí a gente se pergunta, como Lucius, vivendo em 2014, conseguiu receber uma resposta nova de Anabelle que está vivendo em 1964? A lógica não permite que nenhum dos dois acreditem que estão se comunicando com alguém do passado/futuro. Como a narrativa é alternada com capítulos do Lucius em 2014 e da Anabelle em 1964 a gente conhece melhor os protagonistas, duas pessoas solitárias e carentes de contato.

Por isso, mesmo reticentes quanto a estarem conversando com os verdadeiros Lucius e Anabelle ou com pessoas que estariam zombando deles, ambos continuam a trocar cartas e se veem cada vez mais presos um ao outro.
Como não me preocuparia? Toda a minha vida estava agora voltada para Anabelle. Ninguém entenderia a dimensão do que eu era capaz de fazer por causa dela.
Pág. 193
Como eu disse, comecei o livro sem muitas pretensões, mas logo me lembrei do filme "A casa do lago" e fui me afeiçoando cada vez mais com os personagens, seus dramas, suas aspirações e a dificuldade de estarem separados por 50 anos. Também há personagens secundários, mas que merecem destaque que são o professor Miranda e o mecânico Ezequiel, personagens do bem. Mas em compensação, tem o tio Lino que aparece durante a trama que quando eu pensava que não podia ficar pior, ele fazia algo mais drástico.

A carga emotiva de Belleville me surpreendeu e me vi diversas vezes ofegante com a quantidade e a intensidade dos fatos narrados. Sem dúvida, essa minha primeira experiência com a escrita do Felipe me deixou com vontade de ler seus outros livros, afinal, escrever uma história entre passado e presente e não deixar a gente se perder na narrativa realmente merece meu respeito.

Sem dúvida pretendo ler os outros livros do Felipe. E vocês, já leram Belleville ou algum livro do Felipe? O que acharam???

Beijos e até a próxima queridos!!
Comentários
11
Compartilhe

11 comentários:

  1. Lay, eu também já gosto de histórias que se passam em épocas diferentes de forma simultânea. Parece mesmo com o filme A Casa no Lago, filme que eu gosto muito. Com certeza vou ler esse livro graças a sua resenha muito bem feita. Parabéns, viu? Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São histórias incríveis essas que envolvem o tempo não é Nanda?! Adoro! E A Casa no Lago é um filme maravilhoso.
      Obrigada pelo elogio e quando ler o livro me diz o que achou.
      Beijos

      Excluir
  2. Olá, Lay. Tudo bem?
    Tenho muito interesse nesse livro, principalmente porque a premissa é bem diferente e porque dizem que a escrita do autor é maravilhosa. E esse lado meio fantástico, de duas pessoas vivendo em tempos diferentes conversando, me agrada.
    Excelente dica.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de junho. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando tiver a oportunidade de ler me avisa o que achou, hein?!
      Eu realmente adorei a escrita do Felipe ;)

      Excluir
  3. Hello!
    Pensei a mesma coisa, no filme A casa do lago! E eu tinha amado o filme, mtooo emocionante e super bem feito.
    Como vc disse, um autor q consegue amarrar passado e futuro e nao deixa o leitor se perder realmente tem o dom da escrita!
    Me interessei pelo livro e adorei a resenha!
    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzzy, espero que tenha logo a oportunidade de ler o livro, a escrita é encantadora!
      Vale muito a pena a leitura mesmo.
      Beijinhos

      Excluir
  4. Não conhecia nem o autor e nem o livro, mas logo de cara já fui mesmo lembrando de A Casa do Lago, então já quero ler, porque amo o filme. E se tem toda essa carga emocional, tem tudo para me agradar muito. Amei a resenha! Lá vou eu aumentar minha lista de novo.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a nossa sina Cecília, aumentar nossa lista.
      Espero que tenha logo a oportunidade de ler o livro, é muito bom mesmooooo
      Beijos

      Excluir
  5. Quando foi lançado estava com muita vontade de ler, mas foi aparecendo outros livros e outros afazeres também e me perdi. Com sua resenha creio que vou dar uma maior atenção a ele e lê-lo, parece muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia mesmo, tenho certeza de que não irá se arrepender ;)

      Excluir
  6. Eu, logo que li a sinopse, também pensei no filme "A casa do lago", mas o desenvolvimento me pareceu bem diferente.
    Fico imaginando o quão louco/assustador/divertido seria trocar cartas com alguém de outro ano (passado ou futuro =P).
    O enredo realmente me cativou, já anotei o nome, pois pretendo ler, adorei <3! Ainda não li nenhum livro do Felipe, mas já vi que não vou me arrepender de dar uma chance.
    Belleville me pareceu ótimo, só tenho medo de um final triste ><.
    Uma montanha russa caseira ? Eu quero =D !!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações