20 de out de 2015


[Resenha] No Início Não Havia Bob - Meg Rosoff

Ficha Técnica

Título: No Início Não Havia Bob
Título Original: There is Nog Dog
Autor: Meg Rosoff
ISBN: 978-85-01-40141-0
Páginas: 239
Ano: 2015
Tradutor: Fabiana Colasanti
Editora: Galera Record
bananaE se Deus fosse um adolescente? Após ganhar a Terra num jogo de pôquer, a deusa Mona resolve delegar a seu filho, um insolente e mimado adolescente, o novo planeta. Bob, preguiçoso demais para gastar muito tempo com isso, cria tudo em seis dias e a partir daí joga todo o trabalho para cima de seu assistente, o frustrado Sr. B. Quando os problemas começam a aparecer, sobra para ele limpar a bagunça. E o fato de Bob ter criado os humanos à sua imagem e semelhança também não ajuda. Como um planeta cheio de criaturas tão gananciosas e intolerantes pode sobreviver? Como não bastasse, Deus está obcecado por uma garota mortal: Lucy, assistente em um zoológico. E a cada encontro a Terra é afetada pelos sentimentos de seu criador. Dominado por desejos intensos, Bob começa a causar verdadeiras catástrofes em seu planeta. Desesperado, conseguirá o Sr. B. salvar a Terra de seu próprio Deus?

Resenha


Bob é um adolescente em sua fase mais sexual. Ele se apaixona fácil, quer conquistar logo as garotas e depois de tê-las, seguir para a próxima. Porém, certo dia, Bob encontra Lucy, uma menina que trabalha no zoológico da cidade e que faz seu coração bater em um compasso diferente. Essa história seria somente mais uma de amor, se não fosse pelo fato de Bob ser Deus.

Selo-Parceiros-Galera JuniorExtremamente irresponsável e pouco se lixando para os problemas da Terra, Bob precisa enfrentar diversas barreiras para ficar com Lucy. O maior dos problemas, é que quando Ele se apaixona, o planeta sofre com inúmeros acontecimentos meteorológicos, como chuvas excessivas, trovoadas, terremotos, furacões, etc. Valerá a pena destruir toda uma humanidade para se ter a chance de amar?
“Querido Deus”, ela reza, “eu gostaria de me apaixonar”.
Mas espere… o que é isso? Que sorte! Deus (que quase nunca se dá ao trabalho de escutar as pessoas) ouve sua oração. A oração de Lucy.
[...]
Que milagre! Muito mais do que glorioso! O próprio Deus está prestes a se apaixonar.
Pág. 10

Meg Rosoff é uma autora bastante premiada por diversos de seus trabalhos e eu nunca tive a oportunidade de ler nenhum de seus livros, até então. “No Início Não Havia Bob” é uma obra que me chamou atenção por diversos motivos, tanto pela elogiada autora, quanto pela capa e também pela intrigante sinopse. Mas, infelizmente, o livro não conseguiu suprir as minhas expectativas.

Apesar de ter uma ideia que ao me ver é extremamente genial e super criativa, Rosoff não consegue desenvolvê-la de uma forma consistente. Ao invés de trabalhar melhor a relação amorosa de Bob e Lucy, a autora prefere ficar brincando com diferentes plots e com personagens que estão bem distante de serem interessantes. Essas escolhas acabam afetando o produto final, que se torna arrastado e cheio de furos.
[...] É sua falta de atenção tanto quanto qualquer outra coisa, sua incapacidade de manter o interesse, a tendência a descartar seus brinquedos novos em algum canto estéril da Terra onde acumulam poeira enquanto ele corre atrás de (mais uma) humana gostosa.
Pág. 38
“No Início Não Havia Bob” não é de todo mal. A escrita de Rosoff é visivelmente boa – apesar de faltar uma riqueza de detalhes –, que opta por um narrador onipresente, sendo uma boa sacada para este universo religioso onde “Deus tudo vê”. A linguagem utilizada pela autora também me agradou, pois ela coloca Bob em uma posição bem desconstruída da imagem que temos de Deus. No livro Deus tem ereções, faz sexo, se masturba, tem uma mãe, tem animal de estimação, além do fato óbvio, se apaixonar.

Acredito que se Meg Rosoff tivesse priorizado certas partes da história, “No Início Não Havia Bob” teria tudo para ser uma obra maravilhosa. Às vezes o caminho mais óbvio, mesmo beirando ao clichê, pode ser a melhor escolha. Lamentavelmente, Bob não é a única coisa que não havia neste livro.
Ela queria lhe dizer que estava na hora de assumir o controle da própria vida e do próprio planeta porque em breve não haveria ninguém mais para fazê-lo por ele. Mas ela não gostava de confrontos e, de qualquer modo, que se dane. Tudo acabaria bem, não importa o que acontecesse. Com Lucy ou sem Lucy… quem se lembraria dentro de cem anos?
Pág 183

Compare e Compre
Comentários
11
Compartilhe

11 comentários:

  1. Ao ler a sinopse de No inicio nao habia Bob, eu gostei da trama.
    Achei engraçadinha na verdade e a capa está bem clean e bem feita.
    Gostei do que falou da escrita de Rosoff e qdo tambem sinto falta qdo nao há detalhes sobre algumas coisas no livro, parece q falta alguma coisa pra gente aprofundar na leitura.
    Realmante a autora quis deixar Deus o mais humano possivel e gostei disso.
    E concorco, as vezes o cliche faz bem. Quero conhecer o livro.
    Beijos

    https://fuxixiu.wordpress.com/
    https://meumundinhoficticio.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. quando li a sinopse me pareceu um enredo bem criativo, e o livro tinha mesmo tudo para ser bem interessante, é uma pena que não foi desse jeito, mas mesmo assim fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  3. Olá, Tácio.
    A premissa não me chamou a atenção, a capa não chamou a atenção e, ao ler a sua resenha, desanimei mais ainda. Pelo visto, a autora não deu bobeira em alguns aspectos. Dessa forma, acredito que não leria o livro.
    Outra coisa: não me importo com isso, mas o livro é meio polêmico, né? Colocar deus como protagonista dessa maneira pode chatear alguns grupos religiosos.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de outubro. Serão seis livros para três vencedores.

    ResponderExcluir
  4. Li a sinopse e tinha me interessado, mas lendo a resenha perdi completamente a vontade, não leria o livro além de a autora o tornar massante, a polêmica perante Deus não me interessa.

    Participe do nosso sorteio de estreia - http://curtindooslivrosadoidada.blogspot.com.br/2015/10/sorteio-quem-e-voce-alasca.html

    ResponderExcluir
  5. Oi ...
    Eu amei essa capa !!!
    Mas me desaminei um pouco com a história , pelos seus comentários .

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Gostei da capa, e somente!

    A sinopse não me chamou atenção alguma.
    E pela sua colocação, percebi que nem valeria à pena tentar a leitura.



    ResponderExcluir
  7. Bom, como a maioria dos comentários que li sobre esse livro, eram negativos, não tive nem um interesse sobre ele, e pelo jeito realmente ele não é muito bom, não pretendo lê-lo.

    ResponderExcluir
  8. Não gostei do livro não, achei q história fraca e não chamou minha atenção, a única coisa que gostei foi a capa, que é muito linda.

    ResponderExcluir
  9. Olá!!
    Esse eu passo, espero poder conhecer a escrita da autora em outro livro, porque esse não em interessou em nada desde a capa a sinopse, e agora ledo sua resenha só reforçou tudo, esse eu não leria nem se ganhasse. rsrs
    Bjocas

    ResponderExcluir
  10. em si a base da história é bem interessante e já que a autora é bem prestigiada da uma certa vontade de ler, mesmo com essa resenha mais ou menos positiva eu me arriscaria e ler esse livro.

    ResponderExcluir
  11. A história parece ser boa, só não gostei de algumas partes. Mas sem dúvida leria o livro.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações