8 de jan de 2016


[Resenha] Zé do Caixão - Maldito, a Biografia - André Barcinski & Ivan Finotti

Ficha Técnica

Título: Zé do Caixão - Maldito, a Biografia 
Autor:  André Barcinski & Ivan Finotti
ISBN: 978-85-66636-78-9
Páginas: 666
Ano: 2015
Editora: Darkside Books
41Ele veio ao mundo numa sexta-feira 13, em março de 1936. Quase oitenta anos depois, José Mojica Marins construiu um legado artístico incomparável em nosso país e se consagrou como um dos grande mestres do Terror mundial. O público conhece sua voz gutural, as infindáveis garras que ele chama de unhas, sua barba cerrada e suas roupas, incluindo capa e cartola, sempre escuras como a noite. Mas até que ponto o Brasil reconhece toda genialidade do homem por trás do mito? Em Zé do Caixão – Maldito, a Biografia, os jornalistas André Barcinski e Ivan Finotti desenterram todos os segredos do passado de José Mojica, da infância humilde nos subúrbios de São Paulo até sua consagração internacional. Um dos cineastas mais produtivos do Brasil, Mojica escreveu, dirigiu, produziu e atuou em mais de trinta filmes, como os clássicos À Meia Noite Roubarei Sua Alma, Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver e O Despertar da Besta. Mojica aprendeu a fazer cinema sozinho, na marra, usando os recursos disponíveis e formando seus próprios técnicos e atores. Como resultado, o mundo ganhou um artista genuinamente brasileiro, que jamais precisou copiar fórmulas estrangeiras.

Resenha


O nome José Mojica Marins pode não lhe dizer nada, mas aposto que o nome Zé do Caixão lhe soa familiar. Bastante popular nas décadas de 60 e 70, Zé do Caixão, personagem criado e encarnado por Mojica, até hoje é o principal legado brasileiro no campo do terror. Mesmo após tantos anos de criação – e muitos deles no esquecimento do público –, Zé do Caixão ainda é reconhecido pelas pessoas, e infelizmente, a maioria delas não sabe da verdadeira história por detrás de tal personagem. 

Em “Zé do Caixão - Maldito, a Biografia”, livro escrito por André Barcinski e Ivan Finotti, o leitor irá mergulhar na mais completa, curiosa e real história de terror nacional. Em exatas 666 páginas (número sugestivo tanto para o título, quanto para a editora), o leitor será apresentado a vida de José Mojica Marins, desde seus avós que vieram da Europa para construir uma família em São Paulo, até os dias atuais, quando esta obra serviu como base para a minissérie “Zé do Caixão”, do Canal Space e estrelada por Mateus Nachtergaele.


Mojica como Zé do Caixão e Mateus Nachtergaele encarnando Zé do Caixão para série de TV. 

Com uma história de vida bastante peculiar, que mescla drama e comédia em doses iguais, “Zé do Caixão - Maldito” é uma excelente ótica para conhecer o cinema nacional nas últimas décadas, principalmente se tratando das décadas de 60 até 80, sob a perspectiva dos trabalhos fílmicos de Mojica. Com um talento único e natural, já que nunca estudou, José Mojica com o seu jeitinho brasileiro e o sonho de um gigante, lutou durante décadas para realizar o seu sonho: ser diretor de cinema.

Em uma período onde os filmes de terror não tinham vez no mercado nacional, Mojica teve que remar contra a maré e criar o seu espaço e assim conquistar o seu público. Logicamente que isto não foi fácil, já que a Censura pegava no seu pé devido as suas cenas cruéis e de extremo realismo. Ou seja, além de uma perspectiva do cinema nacional, também temos um vislumbre da política da época, e como ela afetou e prejudicou todo um segmento trabalhista.
Ignorando as reclamações dos exibidores, o governo continuaria a criar mais leis protecionistas e destrutivas, que favoreciam apenas os produtores e cineastas que tinham acesso ao dinheiro estatal.
Pág. 330
Quando a Darkside enviou meu exemplar do livro eu me perguntei: “Meu Deus, mas por que eu me comprometi a ler esta ‘Bíblia’?!”. Zé do Caixão não é um personagem de minha época, eu nunca vi nenhum filme feito ou estrelado pelo Mojica, e além disso era final de ano, com aquele corre-corre todo e 666 páginas na minha frente. Mas daí que veio aquela bela surpresa...

“Zé do Caixão - Maldito” é simplesmente V-I-C-I-A-N-T-E. A pesquisa feita pelos autores é extremamente rica, e a própria história de José Mojica é fascinante, como se a mesma fosse um roteiro de filme. Visualiza aí comigo: um rapaz sonhador, mulherengo, vários filhos, querendo fazer cinema, sem um trocado no bolso, mas que consegue reconhecimento em festivais da França, Espanha e EUA ao dirigir obras de terror da maneira mais amadora possível.
Em Fevereiro de 1994, Mojica finalmente recebeu uma boa notícia: fora convidado para viajar aos Estados Unidos, para participar de duas convenções de fãs de terror, uma em New Jersey e outra na Califórnia.
Pág. 499
Eu não consegui largar o livro até que eu o terminasse, e eu o li em pouco menos de três dias. Apesar das 666 páginas, 200 destas são compostas de fotografias e pela bibliografia completa de Mojica, contendo todos seus filmes, curtas, fotonovelas, gibis, revistas, peças de teatro, programas de televisão, etc.

O mais interessante de tudo, foi que eu gargalhei muito lendo “Zé do Caixão - Maldito”. Mojica é um ser humano que apesar da inteligência, carrega em si uma ingenuidade fora do normal, colocando-o em situações que de tão trágicas, soam cômicas. Como por exemplo sua conversa com o famoso cineasta Darren Aronofsky, onde Mojica lhe diz para não incluir Robin em seu filme, ao saber que Darren estava cotado para dirigir o próximo longa do Batman: “Fica meio estranho, a mulherada toda dando em cima do Batman, e ele só atrás do Robin”.
A festa foi um sucesso de público: mais de duas mil pessoas compareceram. O problema é que ninguém tinha dinheiro para o jantar. Só tomaram cerveja, e bem pouca. O champanhe, ninguém quis. No fim da noite, sobraram 92 quilos de provolone e 45 quilos de azeitonas. [...] Os prejuízos foram imensos: Mojica [...] Ficou novamente na sarjeta. Passou os meses seguintes comendo queijo provolone com azeitona.
Pág. 406
Com uma versão repaginada e atualizada, além de uma nova capa (a primeira edição foi publicada em 1998 pela Editora 34), “Zé do Caixão - Maldito, a Biografia” é um deleite para os fãs de cinema, além de ser uma boa pedida para aqueles que gostam do segmento de terror. Trazendo todo o charme mórbido que somente a Darkside Books tem, esta obra prima com certeza é uma das melhores biografias que eu já li – e um dos melhores livros de 2015 –, tanto por sua beleza exterior, quanto por sua qualidade e conteúdo de primeira.

Trailer da Série “Zé do Caixão” do Canal Space:




Comentários
19
Compartilhe

19 comentários:

  1. Não sou de ler biografias, mas pela importância que o Zé do Caixão teve para o cinema nacional e também para o gênero terror no Brasil, certamente conferiria. Para falar a verdade, até tenho curiosidades como tudo surgiu. Isso, aliado ao bom trabalho da Darkside me motiva a ler a obra.
    666 páginas realmente é um número bem sugestivo. rs

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  2. Oi Tácio, preciso confessar que até o presente momento, nunca li uma biografia. Mas estou curioso, deve ser uma experiência bacana acompanhar a trajetória de uma personalidade. Quanto ao Zé do Caixão, conheço pouco sobre ele e por isso seria bacana se eu lesse o livro. Quem sabe, né? Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Oi Tácio, confesso que na hora que li biografia do zé do caixão eu desanimei totalmente, não é um livro que se quer eu tenho ideia de ler mas você fez uma resenha muito boa mesmo sendo desse livro bjs.

    ResponderExcluir
  4. A edição desse livro já nos convida para uma leitura cheia de macabrices e muito, muito terror. 666 páginas, ou seja, uma verdadeira bíblia do mestre do terror brasileiro. Espero muito ler essa biografia, que parece rica e minuciosa em detalhes, assim sendo melhor com todas o trabalho gráfico da edição.
    Abraços :)

    ResponderExcluir
  5. achei bacana e parece que bem extensa esta biografia mas parece ser mto boa!
    não sei mta coisa sobre zé do caixao por isto acho legal a serie e o personagem mto bem caracterizado..

    ResponderExcluir
  6. Nunca li nenhuma biografia e muito menos nada sobre o Zé do Caixão, já ouvi falar muito sobre ele. Não sou muito fã do gênero, mas quem sabe futuramente e leia. Ótima resenha.

    ResponderExcluir
  7. Tácio!
    O Zé do Caixão é uma figura, já assisti alguns filmes dele que hoje talvez fossem considerados Trashs, entretanto, para a época em que foram feitos, eram muito bons.
    Adoro ler biografias e com toda certeza essa sera muito boa, gosto da personagem e gostaria de conhecer um pouco mais sobra o Mojica.
    “A dúvida é o princípio da sabedoria.” (Aristóteles)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Tácio.
    Eu acho que não lerei esse livro porque não gosto muito do gênero. Se fosse um livro menor até que ia, mas pelo tamanho dá para eu ler uns 3 livros no lugar hehe. E esse numero de páginas é por causa da marca da besta do apocalipse né? 666 hehe.

    ResponderExcluir
  10. Amo biografias!!!Cresci ouvindo falar do Zé do Caixão com suas unhas enormes.fiquei meio "assim" com a numeração de páginas..(666) um tanto demais para uma biografia,na minha opinião,meu receio é que fique "enchendo linguiça"...mesmo assim estou muito curiosa e vou ler com certeza.

    ResponderExcluir
  11. Ótima resenha para um livro incrível :))))

    ResponderExcluir
  12. Olá, parabéns pela resenha. Eu estava em dúvida quanto ao número de páginas (não tenho problemas com livros grandes, mas como nunca li biografia...) e se a biografia era cansativa. Após ler sua resenha, acabei comprando o livro.

    Que livro bonito, que acabamento! É muito mais bonito do que nas fotos.
    E realmente, é viciante, comecei a ler ontem e não queria parar.

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  13. Achei a capa linda!!
    Apesar de não ser muito fã de livros de terror acho que leria esse... E isso de 666 páginas??? Dá mais medo ainda.

    ResponderExcluir
  14. Oiiieee,
    Você tem toda razão muitas pessoas não conhecem a verdadeira historia do Zé do caixão e eu sou uma delas hehehe, o livro parece ser bom, fiquei interessada, mas ainda não tenho certeza quanto a leitura, não faz meu estilo, mas quem sabe né.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Já ouvi varias citações a Zé do Caixão mais não sabia direito do que tratava e lendo a resenha pode conhecer a historia o que me deixou interessada no livro, gostei muito desse terror meio cômico e principalmente da historia do Mojica !!

    ResponderExcluir
  16. Oi Tacio!
    To rindo até agora de você se reprendendo por ter que ler o um livro grande rsrs.
    Não é a minha praia, não gosto muito de biografias e nem do Zé... Mais acho que como você disse agradara fãs de cinema.
    Bjs

    ResponderExcluir
  17. Sinceramente não gosto muito de suas obras, seja em livros, seja em filmes, não faz meu estilo.

    ResponderExcluir
  18. Não sou muito fã de biografia, logo não leria o livro, além de não me interessar por Zé do Caixão.

    ResponderExcluir
  19. Darkside Books sempre com lançamentos impecáveis e super caprichados para os leitores.
    Não tenho interesse em ler o livro, pois não gosto de ler biografias, mas gostei da resenha

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações