23 de fev de 2016


[Resenha] Cela 108 - André Cáceres


Ficha Técnica

Título: Cela 108
Autor: André Cáceres
ISBN: 978-85-7961-374-6
Páginas: 220
Ano: 2015
Editora: Multifoco
16Cela 108 se passa na Pátria, um país fictício governado por uma ditadura que mata seus opositores e toma os bebês recém nascidos dos pais para doutriná-­los, imprimindo vínculos emocionais com o Partido e cortando pela raiz qualquer discordância. Toda e qualquer manifestação artística e cultural é reprimida e o simples pensar se torna um ato político. O controle das massas parece ser total, no entanto um grupo de rebeldes sempre existiu, agindo por debaixo dos panos, e agora começou a ganhar força. Com os revoltosos se estruturando e incomodando o regime, a Pátria está cada vez mais próxima de um ponto de ebulição. A história de Cela 108 é a jornada do protagonista Dante ao seu inferno pessoal e a tentativa de um povo de se encontrar. Após a trágica morte pelas mãos da ditadura da militante rebelde Beatrice, mulher que Dante amava, ele decide se unir à causa e se torna um agente duplo, se infiltrando aos poucos no alto escalão do governo para preparar uma revolução na Pátria. Mas será que tomar o poder é suficiente em uma sociedade corrompida? Ou o poder cega as pessoas? Cela 108 é um romance distópico inspirado nos grandes clássicos do gênero, como 1984, Fahrenheit 451 e Admirável Mundo Novo, questionando as próprias ideologias e utopias em uma narrativa dinâmica e cheia de reviravoltas que faz o leitor se reconhecer assustadoramente na realidade retratada pela obra.

 Resenha 


A Pátria é um país fictício onde a população não tem direito a absolutamente nada. Tem suas crianças retiradas de suas famílias logo no nascimento e, portanto, a figura da família é inexistente. Essas crianças são treinadas/doutrinadas para servir a Pátria e assim não questionar as ações tomadas pelo Presidente. Não se pode questionar, pensar é um crime e quem fizesse oposição a ditadura era eliminado.

Dentro desse ambiente hostil e cheio de incertezas, somos apresentados a Dante. Um homem que serve a Pátria, mas na verdade se trata de um rebelde infiltrado na alta esfera do governo. Desde pequeno sempre foi contra ao regime e quase essa oposição lhe custa a vida. Sempre odiou as decisões do Partido e sonhava com a mudança para um sistema que não fosse opressor.
- Nós vivemos em um regime mau e não temos liberdade nenhuma, mesmo tendo ouvido o contrário durante toda minha vida - acrescentou Dante, seguro de si.
Pág. 40
Tudo que era de conhecimento do povo passava antes pela aprovação do Ministério do Conhecimento. O Partido controlava as produções e o que julgasse importante repassavam para a população. Essa passagem em especial me lembrou uma distopia muito famosa, 1984, de George Orwell. E ao longo do livro existem referências a algumas distopias.

A história de Cela 108 narra a trajetória de Dante durante a infância até a vida adulta, onde se torna de fato um rebelde que luta pela liberdade do povo. As crianças quando são retiradas dos pais sofrem lavagem cerebral. O regime com a intenção de eliminar possíveis rebeldes doutrina essas crianças até os 13 anos e nessa idade elas são submetidas a um teste para provar a sua fidelidade a Pátria. Apesar do posicionamento firme e contrário ao regime, Dante só tomou a decisão de ser um rebelde após uma tragédia que abalou muito e o deixou com sede de vingança e justiça. 

Cela 108 é o primeiro livro de André Cáceres e se trata de uma distopia. Estamos tão acostumados a autores estrangeiros escrevendo obras distópicas que quando aparece um autor novo, brasileiro, e que escreveu um livro de distopia ficamos felizes e dispostos a conferir o trabalho, além de torcer para que outros autores consigam publicar as suas obras. 

A narrativa de Cela 108 é boa e prende atenção do leitor, você deseja saber a trajetória de Dante e os seus motivos para ingressar no grupo dos rebeldes. O livro começa pelo final, onde Dante está preso na cela 108, que leva o nome do livro, e a partir dali vamos descobrir as ações do protagonista que o fizeram parar na prisão da Capital, além de um passeio pelo seu passado. Percebi referências ao longo da história a outras distopias mais conhecidas, mas senti falta de um desfecho mais trabalhado. Os capítulos finais passaram a sensação de algo corrido. Mas isso não acaba com a leitura do livro de Cáceres. Vale a pena conferir essa distopia brasileira.
- Nós queríamos libertar o povo! Somos revolucionários! Será que você não enxerga a opressão que nos cerca por todos os lados e nos faz escravos de uma ditadura desumana? O sofrimento está por toda parte, não é possível que você concorde com algo assim.
Pág. 114
Compre
Comentários
9
Compartilhe

9 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar do livro e fiquei extremamente interessado! A resenha, claro, ajudou bastante, mas o motivo maior é porque adoro distopias. Abraços e até mais, Auri :)

    ResponderExcluir
  2. Auri!
    A maioria das distopias nos reportam a outras já lidas.
    Gostei muito do enredo e gostaria de saber porque Dante é tão rebelde e contra o governo e como ele se sai dessa...
    “Quanto mais nos elevamos, menores parecemos aos olhos daqueles que não sabem voar.” (Friedrich Nietzsche)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Top Comentarista fevereiro, 4 livros e 3 ganhadores, participe!

    ResponderExcluir
  3. Não é um tipo de livro que atraí a minha atenção...mas gostei do enredo e fiquei curiosa para saber o que Dante vai aprontar...

    ResponderExcluir
  4. Oi, Auri. Tudo bem?
    Distopia é meu gênero preferido e jamais li uma nacional. Gostei de saber que a história de Dante, um personagem que está em busca da liberdade de seu povo muito de agradou, e consequentemente me fez desejar ler também. Adorei a dica!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Bem, quando li a sinopse não fiquei tão interessado no livro quanto depois de ler a resenha. Não estou muito acostumado a ler livro de autores brasileiros, mas agora esse sim me pareceu um livro que vale a pena ler. Quando li a sinopse, pensei que seria mais um livro de realidade alternativa, em que alguém se rebela contra o governa por causa de uma ditadura. Mas agora vi que o livro nos leva muito mais alem do que somente isto. Algo que eu gostei bastante, foi o fato do livro começar já na parte que o principal está preso, e ele começa a se lembrar dos acontecimentos que antecederam a sua prisão. Outra coisa que eu gostei, foi o livro não simplesmente narrar a parte da rebelião e o que levou o principal a prisão. Gostei de saber que a historia é contada desde quando ele era criança, o que faz do livro um desenrolar muito mais interessante. Bem, nunca tinha ouvido falar no termo "distopias", e também não entendi muito bem, mas mesmo assim não fiquei perdido durante a resenha. Muito bom o livro, agora só falta ler para saber como o principal foi parar cela 108 neeh kkk.

    ResponderExcluir
  6. nossa super diferente adorei a ideia e a tematica do livro... super queor ler. obrigada pela dica e parabens pelas novas parcerias

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Ainda não conhecia esse livro mas achei a historia muito interessante ainda mais sendo uma distopia nacional algo que ainda não li e fiquei curiosa sobre o passado do Dante!!

    ResponderExcluir
  8. Bom Dia.
    Não conhecia esse livro, nem o autor, mas já fui atraída desde a capa, que vamos comentar é maravilhosa, gostei muito da resenha, e gostaria de citar que muitos autores fazem isso, nos capítulos finais, correr para terminar logo eu com certeza quero ler esse livro, amo Distopia.

    ResponderExcluir
  9. Não conheço o autor, mas acho que não leria esse livro, mesmo sendo uma distopia, nao me chamou tanta tenção no momento. Estou lendo muito romances ultimamente

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações