28 de fev de 2016


[Resenha] Vida e Morte - Stephenie Meyer

Ficha Técnica

Título: Vida e Morte
Título Original: Life and Death
Autor: Stephenie Meyer
ISBN: 978-85-8057-855-3
Páginas: 391
Ano: 2015
Tradutor: Regiane Winarski & Ryta Vinagre
Editora: Intrínseca
17Novamente, os leitores vão se apaixonar pela arrebatadora história de amor de Bella e Edward... ou, quem sabe, será uma primeira vez. A edição especial de aniversário inclui um conteúdo extra e exclusivo: Vida e morte, nova versão em que autora inverte o gênero dos principais personagens. Em Vida e morte os leitores vão se maravilhar com a experiência de ler a icônica saga de amor agora pelos olhos de um adolescente que se apaixona por uma sedutora vampira. Numa publicação ao estilo “vira-vira”, a edição comemorativa traz mais de 400 páginas de conteúdo extra, além da nova capa, com Crepúsculo de um lado e Vida e morte de outro. Os milhares de fãs de Bella e Edward não vão querer perder a oportunidade de ver seus tão queridos personagens em novos papéis.

Resenha



Beaufort Swan acaba de se mudar para Forks, onde irá viver com o seu pai. Extremamente descontente por estar fazendo essa brusca mudança, Beau - como gosta de ser chamado -, dará o seu melhor para se adaptar a pequena cidade. O jovem Beau mal sabe que mudar de cidade irá fazer com que a sua vida tenha uma grande reviravolta. Na escola, o rapaz irá se deparar com a bela Edythe Cullen, tão misteriosa e atraente que será impossível não se apaixonar. Infelizmente, neste caso, o amor poderá ser uma estrada de via única para a morte.
– Você é perigosa? Saiu como uma pergunta, e havia dúvida na minha voz. Ela era menor do que eu, da mesma idade e com corpo delicado. Em circunstâncias normais, eu teria rido por usar a palavra perigosa para me referir a alguém como ela. Mas ela não era normal, e não havia ninguém como ela.
Pág. 82

SELO BLOGEssa história todos nós já conhecemos. Nos últimos dez anos, “Crepúsculo” serviu como um marco literário, em uma época onde Harry Potter arrecadava todas as atenções dos jovens leitores. Sendo uma obra que divide opiniões, “Crepúsculo” sofreu e ainda sofre diversos julgamentos por “x” questões, e um deles foi o fator principal para o nascimento de “Vida e Morte”. Com a chegada dos dez anos de lançamento de seu primeiro livro publicado, a autora Stephenie Meyer decidiu preparar uma surpresa para seus leitores. Ao invés de fazer o que normalmente os autores fazem, como uma introdução comemorativa, uma capa diferenciada ou até mesmo um ou dois capítulos exclusivos, Meyer optou por presentear seus fãs de uma forma totalmente inesperada e diferente: uma nova versão de “Crepúsculo”, onde os sexos das personagens seriam mudados.
Eu tinha certeza de algumas coisas. Primeiro, Edythe era uma vampira de verdade. Segundo, havia uma parte dela que me via como alimento. Mas, no final, nada disso importava. A única coisa que importava era que eu a amava, mais do que imaginei que fosse possível amar alguma coisa. Ela era tudo que eu queria, a única coisa que eu quereria na vida.
Pág. 156

Em uma rápida introdução do livro, Stephenie explica ao leitor que a ideia surgiu após os diversos questionamentos que teve durante esses últimos anos. Como autora, ela teve que responder inúmeras perguntas sobre sexismo relacionadas as suas obras, onde sabemos que a personagem principal é uma menina frágil e desengonçada (fato que foi extremamente magnetizado por Kristen Stewart nos filmes), que se apaixona perdidamente pelo indestrutível, rico e bonito vampiro. A resposta de Meyer perante essas perguntas era bastante simples: “não teria feito diferença se o humano fosse homem e o vampiro fosse mulher; ainda seria a mesma história. Deixando o gênero e a espécie de lado, Crepúsculo sempre foi uma história sobre a magia, a obsessão e o frenesi do primeiro amor”. Decidida então a comprovar sua teoria, Meyer aproveitou a chance para ‘escrever’ “Vida e Morte”, uma versão reimaginada de “Crepúsculo”, onde Bella se torna Beau e Edward vira Edythe.
– Você é mesmo um idiota – concordou ela com uma risada, e ri junto. A situação toda era idiotice. E impossibilidade e magia.  – E então, o leão se apaixonou pelo cordeiro – murmurou ela. A palavra foi como um choque elétrico no meu corpo. Tentei disfarçar minha reação. – Que cordeiro imbecil. Ela suspirou. – Que leão masoquista e doentio.
Pág. 220/221

Tirando alguns personagens – o pai e a mãe de Beau/Bella, tendo como exemplo –, todos os outros acabam tendo seus gêneros trocados. Não nego que esta foi uma experiência bastante interessante, pois foi a primeira vez que vi coisa parecida. Inicialmente, é complicado obrigar o nosso cérebro a troca Bella por Beau e assim por diante, porém aos poucos vamos nos acostumando. Infelizmente, “Vida e Morte” precisa passar por uma urgente revisão. Várias passagens do livro estão com erros ortográficos, incluindo as mudanças de gênero. Há vários momentos onde podemos ver Beau chamando Edythe de “ele”, ou Edythe chamando Archie (Alice, na versão original), de “ela”. Até parece que pegaram a tradução de “Crepúsculo” e foram alternando somente o sexo das personagens no automático. Porém, se engana quem está pensando que “Vida e Morte” se resume somente a esta mudança dos gêneros. Stephenie Meyer aproveitou a oportunidade para lapidar sua obra e trocar palavras e passagens que não lhe agradavam na primeira versão. Além disso, houve a necessidade de cenas inteiras serem alteradas, já que por exemplo Bella não faz a barba e Beau faz, ou Beau tem cabelo curto, e Bella não, e até o fato de Bella comer só metade de uma lasanha, enquanto Beau a come por inteiro. A nível de curiosidade, o livro tem 50 páginas a mais do que “Crepúsculo”.
– Verei o que posso fazer – respondi e saí para a chuva. Bati a porta do carro com uma força exagerada. Ele ainda estava sorrindo ao arrancar com o carro.
Pág. 82 - Final do Capítulo 5 (Tipo Sanguíneo) de “Crepúsculo


– Verei o que posso fazer – prometi.
Saí no rio vertical e corri até a varanda. Quando me virei, o Volvo já tinha sumido.
– Ah!
Botei a mão no bolso do casaco, lembrando que esqueci de dar a ela a chave do meu carro.
O bolso estava vazio.
Pág. 95 - Final do Capítulo 5 (Tipo Sanguíneo) de “Vida e Morte”

Ficou evidente para mim que “Vida e Morte” não é uma obra exclusivamente feita para os fãs. Ao meu ver esse foi um trabalho da autora para sí mesma. Uma década após seu lançamento no mundo literário – em uma carreira que basicamente se define pela série “Crepúsculo” –, Meyer teve a chance de modificar tudo que não lhe agradava como autora iniciante, além de acrescentar detalhes e visões que só obtemos talvez com o passar dos anos. “Vida e Morte” é definitivamente um risco, já que poderá agradar bastante ou fazer com que os fãs sintam que sua querida obra fora mutilada e estragada. Uma opção para Meyer era finalmente finalizar “Midnight Sun”, uma versão de “Crepúsculo” com os fatos narrados pela visão de Edward e que chegou de forma ilegal e incompleta na internet anos atrás. Porém, Stephenie afirma que anda muito ocupada – lembrando que seu último livro foi lançado em 2008... Ao menos que para ela mudar gêneros, passagens e criar novos capítulos não tome nada de seu tempo.

Compare e Compre
Comentários
13
Compartilhe

13 comentários:

  1. Tácio, quando esta obra foi lançada teve uma grande repercussão, principalmente nas redes sociais, pois como você falou; algumas pessoas gostaram muito desta nova versão onde os gêneros e personagens foram invertidos, mas também houve aqueles fãs que simplesmente não gostaram por talvez estragar a primeira saga.
    Eu conheço a história somente pelos filmes, e não tenho interesse algum em ler seus livros. Gosto do sobrenatural, mas vampiros não fazem parte dos meus personagens favoritos. Porém, adorei a resenha ;)
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, realmente muito bom. A resenha ficou muito boa. Não sabia que o livro ia ser assim. Tinha outros pensamentos sobre o livro. Fiquei sabendo da existência desse livro não faz muito tempo. Mas depois de ler o O Crepúsculo, eu estava mesmo esperando o Midnight Sun. Estava bem curioso para saber como que foi toda a historia aos olhos de Edward. O Crepusculo foi um livro que eu gostei muito. Não acompanhei a saga, pois quando li O Crepusculo, já tinha sido lançado todos os livros e todos os filmes. Mas mesmo assim eu quis ler, pois é um clássico, tanto literário como do cinema. Ainda não li os outros livros da serie, mas com certeza se o Midnight Sun já tivesse sido lançado, eu já teria lido. Sem duvida o Midnight Sun ia ser muito bom de se ler. Mas falando do Vida e Morte, sem duvida vai ser muito legal para quem já leu o Crepúsculo, vai ser uma nova experiencia bem legal para todo fã da serie. E também quem nunca leu o Crepúsculo não vai ficar desamparado. Pois é como se a historia começasse tudo de novo. Agora quanto ao fato de o vampiro ser uma vampira, vai ser bem bacana. Só fico pensando na parte que o Edward fica sem camisa brilhando, aqui com certeza vai ter alguma novidade para nos. E claro que alem de continuar esperando o Midnight Sun, nos vamos agora é colocar fé em um possível filme desse livro. E claro que também poderíamos ter uma continuação. Sem duvida já gostei dessa mudança de gênero (já ouvi falar que os personagens iam ser transsexuais ou alguma coisa parecida, pois iam mudar de gênero). Estou muito curioso por essa nova historia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniel. Que bom que gostou da resenha. Eu não apostaria muito em um filme de "Vida e Morte", muito menos em continuação. Quando você ler o livro, vai entender.
      E não, as personagens não são transexuais. A autora mudou os gêneros, mas isso não implica que as novas personagens sejam transexuais.
      Abraço

      Excluir
  3. Quando fez 10 anos eu pensava que ela ia lança o livro pós-amanhecer, mas ela lançou uma fanfic, fim. Mas eu ainda irei telo para mim, mesmo com esses defeitos.
    Ps: Gostei da resenha sincera, poucos falaram dos defeitos.

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho pavor a Crespusculo, então esse não é um livro que eu queira ler.

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Achei MUITO interessante a ideia que a autora teve para tentar ''se redimir'' com os que não gostaram dos livros, acho que ela realmente fez uma autocrítica à história, e parece ter melhorado. Como ainda não li a série original, não sei muito o que fazer... enfim, ótima resenha, me deixou bem curioso. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Dan.
      Realmente é uma ideia bem interessante e diferente, não digo com isso que o livro se torna melhor ou pior... mas de fato é interessante hahaha.
      Abraços

      Excluir
  6. nao sei nao gostei mto da ideia do livro. nao quero ler.. mas achei bacana com os fas..

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Gosto muito dessa serie e desde que vi falando sobre esse lançamento fiquei bem curiosa para ler e relembrar essa serie que deixou saudades e gostei muito das explicações que a Stephenie Meyer da no começo pois ajuda a entender melhor seu olhar na historia e gostei dos personagens no começo tive que me acostumar mas depois que consegui adorei e foi muito bom relembrar essa saga !!

    ResponderExcluir
  8. Tácio!
    Acredito que esse livro foi um lançamento para jogada de marketing e trazer novamente os livros antigos para evidência.
    Ainda assim, como fã, gostaria de ler e descobrir as diferenças.
    “Se não sabes, aprende; se já sabes, ensina.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Tácio..desculpa mas não gosto de Crepúsculo...quase fui linchada aqui em casa porque minhas amam...já tentei ler não deu..vi os filmes mas não morri de amores como todo mundo...sua resenha ficou muito boa mas ainda não me convenceu...

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações