15 de mar de 2016


[Resenha] Fragmentados - Neal Shusterman

Ficha Técnica

Título: Fragmentados
Título Original: Unwind
Autor: Neal Shusterman
ISBN: 978-85-8163-519-4
Páginas: 319
Ano: 2015
Tradutor: Camila Fernandes
Editora: Novo Conceito
41Em uma sociedade em que os jovens rejeitados são destinados a terem seus corpos reduzidos a pedaços, três fugitivos lutam contra o sistema que os fragmentaria. Unidos pelo acaso e pelo desespero, esses improváveis companheiros fazem uma alucinante viagem pelo país, conscientes de que suas vidas estão em jogo. Se conseguirem sobreviver até completarem 18 anos, estarão salvos. No entanto, quando cada parte de seus corpos desde as mãos até o coração é caçada por um mundo ensandecido, 18 anos parece muito, muito longe. O vencedor do Boston Globe-Horn Book Award, Neal Shusterman, desafia as ideias dos leitores sobre a vida: não apenas sobre onde ela começa e termina, mas sobre o que realmente significa estar vivo.

Resenha


A ideia de ser rejeitado lhe assusta?! Imagina uma sociedade onde seus próprios pais escolheriam lhe abandonar, te entregando nas mãos de um sistema completamente sanguinário e injusto. Esta é a premissa de “Fragmentados”, uma obra de Neal Shusterman, vencedor do Boston Globe-Horn Book Award.

Através da narrativa de Connor, Risa e Lev, nós leitores iremos embarcar em uma aventura de tirar o fôlego, onde não chamar atenção é a primeira regra de sobrevivência. Estes três jovens são completamente diferentes um dos outros: idades, classe sociais, religião… Porém, há algo que os conecta. Todos eles foram entregues por seus devidos responsáveis para serem fragmentados.
– Eu nunca seria grande coisa mesmo – continua Samson –, mas agora, falando estatisticamente, há uma chance maior de que alguma parte minha alcance a grandeza em algum lugar do mundo. Eu prefiro ser parcialmente grande a ser completamente imprestável.
O fato dessa lógica distorcida quase fazer sentido só deixa a garota mais zangada.
Pág. 25 
A fragmentação funciona tipo como uma doação de órgãos. Por exemplo, seus pais acreditam que você dá muito trabalho e não obedece as regras, então, eles decidem lhe fragmentar. Um de seus braços vai para alguém que precisa, um olho para outro, e assim por diante. No final, você morre, sob a ilusória ideia de estar vivendo em outro ser humano.

Nossos três personagens principais terão que tentar driblar a fragmentação. Para isso terão que fugir e se esconder até completarem 18 anos de idade, após isso eles serão livres. O grande problema é que se esconder é muito difícil, ainda mais quando um dos seus aliados é um dízimo: criança que desde seu nascimento é destinada à fragmentação como forma de devoção religiosa. Como convencer um dízimo que ele é muito mais que um pedaço de carne, e que ele precisa abandonar todas as suas crenças para manter o grupo a salvo?!
Consegue perceber que os dois ainda não confiam nela – mas, até aí, por que deveriam? Fragmentários habitam à sombra constante da traição.
Pág. 83
“Fragmentados” é um distopia que me agradou. Os capítulos são curtos, o que torna a leitura ágil, além do fato de estarmos acompanhando três personagens diferentes, o que acaba dando movimento para a narrativa. Esses personagens são bastante cativantes, e apesar de um deles ser extremamente cabeça dura, é interessante acompanhar toda uma evolução e crescimento pessoal que ocorre com ele.
 
Com passagens um pouco mais cruas, como toda boa distopia tem que ter, “Fragmentados” consegue cumprir a promessa de uma história fresca e reflexiva, trabalhando temas importantes como direitos das crianças, doação de órgãos e religião.
– Este lugar não é um refúgio, é um mercado de escravos. Por que ninguém vê isso?
– Quem disse que não veem? O caso é que a fragmentação faz a escravidão parecer coisa boa. É sempre: de dois males, o menor.
– Não entendo por que tem que haver algum mal.
Pág. 193
Infelizmente “Fragmentados” faz parte de uma série. Eu particularmente não vejo necessidade de uma continuação, acho que o livro tem um começo, meio e fim bastante satisfatório. O autor já publicou até o ano passado mais cinco complementos para esse universo, entre contos e romances completos. De qualquer forma, duvido que nós teremos as devidas continuações por aqui. A Novo Conceito está cheia de livros para publicar as continuações, e nunca as vimos…

Para os fãs de distopia, acredito que “Fragmentados” será uma boa pedida. O livro consegue prender e agradar o leitor por diversos motivos. A boa escrita de Neal Shusterman, incluindo as reviravoltas finais dos capítulos, só fazem ajudar. Vale a pena dar uma conferida.

Compare e Compre
Comentários
6
Compartilhe

6 comentários:

  1. Olá...
    Gosto muito de distopias... Já havia ouvido falar muito bem desse livro e depois de ler sua resenha desejei mais do que nunca ter esse livro ao meu lado para poder lê-lo em breve...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oi Tácio!
    Estou doida pra ler esse livro há um bom tempo, mas toda vez algum passa na frente. Eu gostei da sinopse do livro e achei assustador o fatos da fragmentação causada pelo abandono. Parece ser uma distopia bem reflexiva que foge um pouco dos clichês que já conhecemos. Espero ler em breve.
    Abs!

    Participe do nosso sorteio temático!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Tácio.
    Fragmentados possui uma premissa interessante e bem forte. Acredito que dá para refletir sobre os mais diversos assuntos e foge um pouco do clichê no qual algumas distopias estão caindo. Contudo, apesar disso, não sei se leria a obra. O fato de fazer parte de uma série me desanima um pouco.

    Ótima resenha.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de reinauguração. Serão quatro vencedores!

    ResponderExcluir
  4. Nossa mto bacana. Nao gosto mto de distopias mas essa nao me parece ser nada cliche... pena q eh o q vc falou.. mtoa livros praa publicar e nada de vermos eles

    ResponderExcluir
  5. Tácio!
    Foi um dos melhores livros de distopia que li ano passado, embora ainda esteja 'entalada' com a ideia de quem é fragmentado, vive de alguma forma em outro corpo...
    “A bondade deve estar ligada ao saber. A simples bondade pouco adianta; é o que tenho constatado.” (Mahatma Gandhi)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de março com 4 livros 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  6. Sinceramente não gosto de distopias...

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações