20 de jul de 2016


[Resenha] A Última Carta de Amor - Jojo Moyes

Ficha Técnica

Título: A Última Carta de Amor  
Título Original: The last letter from your lover
Autor: Jojo Moyes
ISBN: 978-85-8057-957-4 
Páginas: 378
Ano: 2016
Tradutor: Adalgisa Campos da Silva
Editora: Intrínseca  
44Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. De volta a casa com o marido, ela tenta, em vão, recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por "B", e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento, como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado, Ellie começa a procurar por "B", e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas do próprio relacionamento. Com personagens realisticamente complexos e uma trama bem-elaborada, A Última Carta de Amor entrelaça as histórias de paixão, adultério e perda de Ellie e Jennifer. Um livro comovente e irremediavelmente romântico.

Resenha

Uma sensibilidade misturada a superação. A última carta de amor foi o primeiro livro de Jojo Moyes publicado pela Intrínseca e foi relançado esse ano com uma capa nova e tão linda quanto a anterior. O livro nos apresenta duas histórias que se cruzam a partir de uma carta, todo o desenrolar dessa trama se dá por conta disso. Ellie e Jennifer, duas mulheres de épocas completamente diferentes e com um problema em comum.



SELO_BLOGSPARCEIROS_2016Ellie Haworth é uma jornalista bem sucedida, tem os seus melhores amigos que ela sempre recorre em momentos de alegria e tristeza - mesmo que eles não concordem com todas as decisões tomadas por ela - e existe um homem por quem ela é apaixonada. Até aí seria tudo muito normal, uma mulher independente e que está emocionalmente envolvida por alguém, contudo, esse alguém é casado e tornou Ellie refém desse "amor". Quando se pensa em amor não se imagina que alguma das pessoas envolvidas seja refém da outra. Isso não combina com esse sentimento, mas Ellie vive prisioneira de um homem que não tem pretensão alguma de separar de sua esposa.

Vivendo um relacionamento, esse "amor" proibido há um ano, Ellie acredita de todo o seu coração que algum momento poderá ter a sua chance de construir algo com John. Ellie é cega de amor por John, mesmo que ela tem lampejos de que a sua situação não é adequada e que John não a trata como deveria, ela escolhe se enganar e passar por cima de coisas que só trazem infelicidade para ela. É como se ela estivesse "viciada" num relacionamento que está claramente fadado ao fracasso e que já começou errado. John é um homem egoísta, não tenho como descrevê-lo de outra forma. Ele é egoísta com a sua mulher que dedica grande parte do seu tempo aos filhos, atenção que antes era dada apenas para ele e é egoísta com Ellie porque a mantem em uma prisão emocional para satisfazer os seus desejos. 

Em uma reunião de pauta sobre o comportamento das mulheres há quarenta anos e o comportamento hoje, Ellie foi enviada para os arquivos do jornal com a missão de encontrar algo que a pudesse ajudar na realização da matéria e a nossa protagonista encontra uma carta de um homem que assinava como "B" para uma mulher chamada Jennifer. Pelo conteúdo presente na carta, Ellie chegou a conclusão que eles não ficaram juntos e decidiu que precisava reunir esse casal "proibido". Ela acabou vendo nesse casal de uma época diferente da sua, a mesma situação que vive atualmente. Impedida de viver uma história de amor por causa de outro alguém. 

Após a descoberta dessa carta nos arquivos, o leitor é apresentado a Jennifer Stirling. Viveu quatro décadas antes de Ellie e onde tudo era mais complicado - e atualmente ainda é - para as mulheres. Antes do acidente de carro que deixou Jennifer sem memória, ela vivia um relacionamento extraconjugal com "B" e estava disposta a deixar toda a sua vida de conforto e de aparência com seu marido para continuar esse amor. A história de Jennifer é sofrida, ela não lembra de nada e precisa conviver com um homem que ela não é apaixonada - já não era antes do acidente - e fingir que está tudo bem. 

O livro é dividido em três partes, sendo que as duas partes contam toda a história de Jennifer e a última de Ellie em que a jornalista começa a repensar a sua relação com John. Será que vale a pena continuar algo que não parece ter futuro e que te machuca? As histórias dessas duas mulheres se cruzam em um momento que Ellie precisava de algo ou alguém que  fizesse voltar para o "mundo real". Ela vivia um sonho que estava longe de acontecer porque John era um acomodado egoísta e gostava da sensação de estar com o controle da situação. A história de Jennifer ajuda Ellie a perceber que quando se ama de verdade, mesmo que você não fique com aquela pessoa por diversos motivos, é necessária uma entrega e acima de tudo respeito. Gostei muito de A última carta de amor, Jojo Moyes acertou o ponto do drama mesclado com o romance e não ficou forçado. Me pareceu uma história possível, real. Livro mais do que recomendado.
Você é a forte de nós dois, a que é capaz de suportar conviver com a possibilidade de um amor como este, e com o fato de que ele jamais nos será permitido.
P. 210
Compare e Compre
Comentários
5
Compartilhe

5 comentários:

  1. Oi Auri, depois dos livros Como eu era antes de você e Depois de você, a Jojo virou uma das minhas autoras preferidas. Quero ler esse livro dela logo logo.
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  2. Olá, Auri.
    Não sou fã de romances, mas acho que daria uma chance a essa. Parece ser um enredo bem sensível, que trata da busca da felicidade, de certa maneira. Afinal, até aonde vale ficar preso a um relacionamento fadado ao fracasso? Além disso, parece abordar bem a questão do amor verdadeiro.
    Darei uma chance.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de julho. Serão quatro livros e dois vencedores!

    ResponderExcluir
  3. Oi Auri..
    Eu gostei muito desse livro,pois ele me fez refletir o quanto a vida nos trás surpresas...e também achei que ele parece uma história real..
    Bj.

    ResponderExcluir
  4. Oooi! Minha única experiência com a Jojo até agora foi COMO EU ERA ANTES DE VOCÊ,gostei bastante da história e quero continuar lendo seus livros. Esse livro me lembrou um pouco os do Nicholas Sparks(só que uma versão feminina),talvez tenha sido por isso que me interessei o livro entrou para minha wishlist.

    ResponderExcluir
  5. Eu li esse livro, mas minha edição é com a capa anterior, que confesso esta muito mais bonita que essa. adorei a leitura. Recomendo a todos

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações