23 de ago de 2016


[Resenha] Sedução da Seda - Loretta Chase

Ficha Técnica

Título: Sedução da Seda
Título Original: Silk is For Seduction
Autor: Loretta Chase
ISBN: 978-85-8041-569-8
Páginas: 304
Ano: 2016
Tradutor: Simone Reisner
Editora: Arqueiro
SeducaoSeda_17mm.inddTalentosa e ambiciosa, a modista Marcelline Noirot é a mais velha das três irmãs proprietárias de um refinado ateliê londrino. E só mesmo seu requinte impecável pode salvar a dama mais malvestida da cidade: lady Clara Fairfax, futura noiva do duque de Clevedon. Tornar-se a modista de lady Clara significa prestígio instantâneo. Mas, para alcançar esse objetivo, Marcelline primeiro deve convencer o próprio Clevedon, um homem cuja fama de imoralidade é quase tão grande quanto sua fortuna. O duque se considera um especialista na arte da sedução, mas madame Noirot também tem suas cartas na manga e não hesitará em usá-las. Contudo, o que se inicia como um flerte por interesse pode se tornar uma paixão ardente. E Londres talvez seja pequena demais para conter essas chamas. Primeiro livro da série As Modistas, Sedução da seda é como um vestido minuciosamente desenhado por Loretta Chase: de cores suaves e românticas em alguns trechos, mas adornado com os detalhes perfeitos para seduzir.

Resenha


Como se eu estivesse acompanhando poucas séries, resolvi começar mais uma, agora "As Modistas", da Loretta Chase. Depois de ter lido os dois outros livros da autora que também foram publicados pela Arqueiro, eu estava bastante curiosa por uma série em que traria irmãs modistas como protagonistas, ainda mais sabendo que a sociedade da época não lidava bem com trabalhadores e conhecendo os romances de época, pensei, sem dúvida terá alguém com título nobre envolvido nessa estória.

Blog parceiro ArqueiroMarcelline Noirot é a mais velha de três irmãs e juntas elas comandam a Maison Noirot, um refinado ateliê, porém não conseguiam ainda atrair o público que desejam: as damas da sociedade londrina. Isso porque a sociedade é muito conservadora, principalmente as mulheres, que dificilmente se arriscariam a mudar de modista, deixar aquela que já conheciam por alguém novo, ainda que fosse visível a qualidade superior dos vestidos confeccionados pelas irmãs Marcelline, Sophia e Leonie. Decididas a mudar essa realidade, elas decidem conquistar uma nova cliente, a que fará toda a diferença para o futuro comercial da empresa: lady Clara Fairfax, a futura duquesa de Clevedon.
- Será o casamento do ano, talvez o da década - comentou Leonie. - O vestido da noiva é apenas o começo. Ela vai exigir um enxoval e um guarda-roupa novo completo, à altura de seu título. Tudo será da melhor qualidade. Quilômetros de renda. As melhores sedas. Musselina leve como o ar. Ela vai gastar uma verdadeira fortuna.
P. 12
O plano traçado foi audacioso. Sabendo que não conseguiria se aproximar de lady Clara, a única opção seria aproximar-se do duque de Clevedon, que há três anos estava morando em Paris. É por isso que Marcelline foi a escolhida para ir à Paris chamar a atenção do duque e fazer com que ele traga sua futura duquesa para comprar suas roupas na Maison Noirot e com isso trazer muito mais clientes para o ateliê. O que Marcelline não contava era com a imponência que Clevedon  emanava.
- Mas não é a beleza dele - explicou Marcelline.
As duas irmãs a olharam com incredulidade.
- É aquele maldito jeito de duque - disse ela. - Esses sujeitos são o diabo em pessoa para serem manipulados. Não estão apenas acostumados a terem tudo o que querem: a possibilidade de qualquer coisa diferente disso não passa por suas cabeças. Eles não pensam do mesmo jeito que as pessoas normais.
P. 112
Há três anos Gervaise Angier, o sétimo duque de Clevedon saiu de Londres para aproveitar ao máximo antes de se casar com lady Clara Fairfax. Desde que ficou órfão e foi tutelado pelo pai da jovem, o marquês de Warford, os dois sempre tiveram uma relação de cumplicidade e amizade. Também desde cedo era esperado que eles se casassem e os dois tinham consciência e queriam isso, afinal, sempre se amaram. O que Clara não esperava era que Clevedon ficasse tanto tempo em Paris, até porque o pedido oficial nunca de fato ocorreu.

Mas agora que recebeu um ultimato se seu amigo e irmão de Clara, o conde de Longmore, ele está decidido a voltar à Londres e quando conhece uma jovem dama, percebe que essa pode ser sua última aventura antes de retornar e assumir as responsabilidades que deixou para trás.

Embora sinta-se atraída por Clevedon, Marcelline deixa claro para ele desde o início que seu único objetivo é vestir lady Clara e ela é bastante obstinada nesse aspecto. Sempre foi a responsável por cuidar da sua família, suas duas irmãs mais novas e sua filha, a pequena Lucie Cordelia, de seis anos, que, por sinal, é uma figura ímpar e rouba sempre a cena quando aparece.
Noirot olhou para a menina, para ele e de volta para a menina, que perguntou:
- Quem é ele? É o rei?
- Não, não é o rei.
A menina inclinou a cabeça para um lado, olhando para a carruagem.
- Que carruagem grande - disse ela. - Eu ia adorar andar nela.
- Não duvido disso - respondeu a mãe. - Vossa Graça, permita-me apresentar-lhe minha filha, a Srta. Lucie Cordelia Noirot.
- Me desculpe, mamãe. Esse não é o meu nome.
Noirot olhou para a menina:
- Não é?
- Meu nome é Erroll agora. E-R-R-O-L-L.
- Entendi... - recomeçou Noirot. - Vossa Graça, permita-me apresentar-lhe minha filha... - Ela se interrompeu e olhou para a menina, com uma expressão de dúvida. - Você continua sendo minha filha, certo?
- Certo - disse Erroll. - É claro que sim, mamãe.
- Que alívio saber disso. Já tinha me acostumado com você. Vossa Graça, permita-me apresentar-lhe minha filha Erroll. Erroll, o duque de Clevedon.
P. 109
Clevedon por outro lado, vê em Marcelline e suas irmãs uma motivação que ele não vê mais em nada. Entediado da vida em sociedade, de não ter um propósito para seguir, a chegada das irmãs Noirot e da pequena Lucie em sua vida, ainda que não tenham vindo para ficar, parece ter trazido um sopro novo para ele.
Ele não pretendia parar. Não pretendia desistir. Era obstinado. Ela já não percebera isso, muitas e muitas vezes? Quando ele queria alguma coisa, ia atrás, decidido, e não era muito escrupuloso na escolha de seus métodos.
Em outras palavras, ele era igual a ela.
P. 270
Os personagens da Loretta são diferentes do que estamos acostumados nos romances de época, principalmente as mulheres, e aqui nessa série são trabalhadoras e não damas da sociedade, mas que nem por isso são menos importantes ou impactantes, elas têm uma visão diferente e fazem perceber como viver naquela época poderia ser cruel a depender de sua posição social e de suas origens.

Incrível, com uma escrita dinâmica alternando entre Clevedon e Marcelline conseguimos passar rapidamente pela estória, conhecendo mais os protagonistas e seus coadjuvantes que esperamos apareçam mais nos próximos livros da série.



Compare e Compre
Comentários
10
Compartilhe

10 comentários:

  1. Oi Lay...
    Como uma apaixonada por romances e por romances de época, com certeza vou precisar ler esse livro... Gostei de saber que é um livro um pouco diferente devido à postura das mulheres (serem trabalhadoras) em relação à época em que vivem... Adorei sua resenha e fiquei bastante curiosa para ler "Sedução da seda".
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cristiane, essa diferença é crucial na estória, o ponto de vista da sociedade pelo olhar de pessoas que trabalham, e ainda por cima mulheres, nos dá outra visão da época.
      Obrigada!!

      Excluir
  2. Fico bem feliz quando vejo uma resenha que espelha o que senti na leitura de um livro, e eu amei esse, o fato de Marcelline trabalhar pra sustentar a filha (que é realmente fofa) e as irmãs e lutar pelo oficio que ela gosta pra mim foi lindo de ler. E claro tem o romance, que é lindo de se ver também e que apesar de parecer, não é um triângulo (coisa que eu não gosto). Todos os personagens são ótimos e já quero ler os próximos livros ;)
    P.S: As capas dessa série estão lindas :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Lili, que maravilha!!!
      A luta de Marcelline é incrível mesmo e a Lucy é fofa demais, né?!
      Também amei as capas e estou ansiosíssima pelos próximos livros!
      Beijos

      Excluir
  3. Amo romances de epóca e quero muito ler esse livro,mas acabo nunca comprando passo outros na frente. Mas curti a história,o conceito dessa série é beeem legal e essa capa maravilhosa o que dizer? Beeijos gata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa capa... linda demais mesmo!!!!
      Compre menina, pega uma promoção dessa aí e se joga!!
      Beijos

      Excluir
  4. As capas da série são realmente muito bonitas, não li nenhum ainda, mas quando leio sua resenha e me empolgo sei que posso da uma chance aos livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom saber disso, Josi ;)
      Leia, tenho certeza de que irá gostar!
      Beijos

      Excluir
  5. Gosto bastante de romances de época, e já imaginava que iria gostar de Sedução da Seda. Depois de ler sua resenha fiquei ainda mais curiosa, pois esse livro parece ser ótimo e os personagens muito interessantes.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  6. Oi Lay...
    Que série maravilhosa!!!!!
    Capas lindas!!Amo romances!Tenho que ter todos....

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações