30 de dez de 2016


[Resenha] Um Amor Para Lady Johanna - Julie Garwood

Ficha Técnica 

Título: Um Amor Para Lady Johanna
Título Original: Saving Grace
Autor: Julie Garwood
ISBN: 978-85-503-0081-8
Páginas: 400
Ano: 2016
Tradutor: Cely Couto
Editora: Universo dos Livros
Uma jovem viúva. Um guerreiro escocês fascinante. Duas vidas transformadas pelo amor e por uma paixão avassaladora. Quando Lady Johanna soube que estava viúva, ela prometeu que jamais se casaria novamente. Com apenas dezesseis anos, ela já possuía uma força de vontade que impressionava a todos que enxergavam além de sua beleza avassaladora. Contudo, quando o Rei John ordenou que ela se casasse outra vez – e selecionou um noivo para ela – pareceu que a moça deveria se conformar com esse destino. Seu irmão, no entanto, sugere ao Rei um novo pretendente:o belo guerreiro escocês Gabriel MacBain. No início, Johanna estava tímida, mas, conforme Gabriel revelou com ternura os prazeres magníficos a serem compartilhados, ela começou a suspeitar que estava se apaixonando por seu novo e rude marido. Logo ficou claro para todo o clã das Terras Altas, portanto, que o ríspido e galante lorde rendera completamente seu coração. Porém, a iminência de uma intriga da realeza ameaça separar o casal e destruir o homem que ensinou a Johanna o significado do verdadeiro amor, que a transportou além de seus sonhos mais selvagens.

Resenha


A Universo dos Livros nos presenteia com mais um romance ambientado na Escócia do século XIII e confesso que estou adorando esses lordes das Terras Altas, gente  e adorei ser apresentada a escrita da Julie Garwood.

Lady Johanna casou-se muito nova, e agora, com dezesseis anos, já é viúva e está determinada a não se casar novamente, mesmo sem ter ideia de como faria para pagar a multa anual que o rei lhe cobraria para permanecer solteira, pois mesmo sendo viúva de um barão, a multa era imensa. Mas o rei John não a deixaria solteira de maneira alguma, com a morte de Raulf foi necessário providenciar o casamento da jovem com seu outro barão de confiança, Williams. Entretanto, com a intervenção do barão Nicholas, irmão de Johanna, ela agora se casaria com Gabriel MacBain, um lorde e guerreiro escocês, das Terras Altas. 

Johanna não tinha muitas alternativas a não ser aceitar se casar com Gabriel, afinal a alternativa era muito pior, o barão Williams parecia muito com seu falecido marido, e agora que estava liberta do cárcere que foi estar casada com Raulf, ela não queria repetir a dose e além disso, o fato de sair da Inglaterra e viver na Escócia era um ponto muito positivo, pois o melhor que poderia fazer era ficar longe do rei e sua corte, infelizmente, o preço por isso era ficar longe de sua mãe e seu irmão, mas levando em consideração que ela já não os via muito enquanto foi casada com Raulf, daria para viver com isso. Também contava a favor de Gabriel o fato dele odiar a Inglaterra e que poderia mantê-la segura nas Terras Altas, longe do que quer que a afligisse. 
A boca de MacBain era firme e quente, e o calor que o beijo apaixonado acendeu fez suas bochechas ficarem rosadas. Ela considerou desvencilhar-se, mas desistiu da ideia. O beijo tornou-se tão envolvente que ela não teve força em intenção de evitá-lo.
P. 53
Ao chegar às Terras Altas, Johanna se dá conta de que seu marido, um MacBain, foi chamado pelo clã Maclaurin para ajudá-los a derrotar os ingleses que estavam em suas terras, com isso, Gabriel MacBain tornou-se o líder dos dois clãs, mas a integração entre eles está longe de acontecer, e Johanna, além de se adaptar a estar casada com um guerreiro escocês, precisa se adaptar também a todas as regras e minucias desse povo.

Quando Johanna chega todos a veem como uma pessoa frágil, mas aos poucos ela descobre a força que tem e os MacBain e Maclaurin também passam a perceber essa característica em sua senhora. Claro que Gabriel não deixa de ser afetado com essa percepção, além da aceitação imediata entre Johanna e Alex, filho de Gabriel, uma criança bastarda, mas extremamente amada por seu pai.
Ele a observou por todo o tempo enquanto se vestia, e, quando terminou, parou para cobri-la. Então, é claro, tinha de beijá-la uma última vez antes de deixar o quarto. Ele estava ficando perplexo novamente com seu próprio comportamento vergonhoso. Amar era uma questão delicada, decidiu. Talvez, com o tempo, ele pegasse o jeito. Começou a empurrar a porta com força, mas percebeu isso a tempo e fechou-a o mais silenciosamente possível.
Maldição, estava se tornando atencioso. Ele teve de balançar a cabeça diante daquela qualidade desprezível. Perguntou-se que outras surpresas viriam ao seu encontro, agora que ele reconhecera para si mesmo o fato de que estava amando sua mulher. O futuro o preocupava. Se ele se tornasse um marido dedicado, jurou que teria de matar alguém.
Sim, o amor era uma questão espinhosa.
P. 251 
Além de adorar Johanna, que descobriu sua força mesmo depois de anos de submissão imposta por seu primeiro marido e Gabriel, um guerreiro, filho bastardo do líder do clã Maclaurin que nunca o reconheceu como filho, outros personagens também me conquistaram: Nicholas, o irmão de Johanna, que após descobrir tudo que sua irmã viveu durante o primeiro casamento, fez de tudo para que ela nunca mais sofresse; Alex é uma criança adorável (e olha que eu não costumo gostar de criança) e ele encontrou em Johanna, o amor de mãe que não tinha (afinal era órfão de mãe); Auggie, um homem excêntrico para a maioria do clã, mas de uma inteligência ímpar, Calum e Keith, guerreiros líderes dos clãs MacBain e Maclaurin, respectivamente, leais e divertidos na medida e nos momentos certos; Clare, uma personagem que já apareceu no segundo tempo, mas ganhou seu espaço e claro, o padre Peter MacKechnie, uma verdadeira figura, quando eu achava que ele não me surpreenderia, lá vinha ele, kkk.
- A verdade é fácil de entender, moça. Você se tornou a graça salvadora dos Maclaurin. Ela pensou que aquela era a coisa mais linda que Gabriel já lhe dissera. Lágrimas encheram seus olhos, mas ela não iria chorar; afinal, não era tão indisciplinada.
Então Gabriel a fez esquecer tudo sobre se manter digna.
- E minha, Johanna; você também é a minha graça salvadora.
P. 326
Adorei demais esse livro . A Julie de fato escreveu um romance com intrigas políticas, divergências de clã, romance, amizade, tem um pouquinho de tudo aqui. Que venham mais livros da Julie ;)

Compare e Compre
Comentários
10
Compartilhe

10 comentários:

  1. Ai, sempre fico em duvida se ia preferir casar com um guerreiro escocês, um libertino londrino, um vampiro lindo e quente ou um Gideon Cross da vida. É uma dúvida cruel, sabe Lay?
    Desde que li Seduzida por um Guerreiro Escocês, eu me vi encantada com esse mundo de clãs, liderança e tudo mais. Assim que vi a sinopse e sua resenha, não pensei duas vezes: mas um pra lista de leitura. Você sempre com dicas tão valiosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Bruna, e como sei e como te entendo, kkkkk

      Excluir
  2. Romance histórico é meu vício literário.
    E se estou louca pra conhecer essa história? Sim, claro ou com certeza?
    Gostei demais que você curtiu o livro, isso me deixou ainda mais animada.
    Parece ser uma leitura super delicinha e apaixonante.
    Espero ler em breve <3
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  3. Lsy!
    Romance históricos já são fascinante s e se ainda trazem intrigas políticas, divergência nos clãs, romance, amizade e um pouco de tudo, deve ser uma ótima leitura.
    “Não existem sonhos impossíveis para aqueles que realmente acreditam que o poder realizador reside no interior de cada ser humano. Sempre que alguém descobre esse poder, algo antes considerado impossível, se torna realidade.” (Albert Einstein)
    FELIZ 2017!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Rudy, é uma ótima combinação <3

      Excluir
  4. Eu li Escócia e Terras Altas? Já quero! Ai, fiquei muito empolgada depois dessa resenha, ainda mais por saber que há essas divergências políticas e entre os clãs. Adoro demais enredos assim, principalmente nesse país que sou fascinada. Foi pra lista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk, tenho adorado essa combinação também, Cecília!! <3

      Excluir
  5. Oi Lay, resenha linda, também amei esse livro, que já começa com uma capa linda e que me conquistou através de todos os personagens, quando foi chegando perto do fim já tava com saudade e querendo mais, espero que a editora lance outros livros dessa autora, que até então eu não conhecia, mas que gostei demais ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Lili, começa pela capa linda mesmo e segue com a ótima narrativa <3

      Excluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações