20 de jan de 2017


[Resenha] Quando Eu Parti - Gayle Forman

Ficha Técnica

Título: Quando Eu Parti
Título Original: Leave Me
Autor: Gayle Forman
ISBN: 978-85-01-10765-7
Páginas: 305
Ano: 2016
Tradutor: Ryta Vinagre
Editora: Record
Quando um coração falha, não é apenas o corpo que trai. Mas sonhos desfeitos, amores não vividos, destinos cruzados. Maribeth Klein tem a própria cota de problemas: do marido omisso até a chefe e ”ex-amiga” Elizabeth, passando pelos gêmeos superativos. Ela está sempre tão ocupada que mal percebe um ataque cardíaco. Depois de uma complicação inesperada no procedimento cirúrgico, Maribeth começa a questionar os rumos que sua vida tomou e faz o impensável: vai embora de casa. Longe das exigências do marido, filhos e carreira, e com a ajuda de novos amigos, ela finalmente é capaz de enfrentar o passado e os segredos que guarda até de si mesma.

Resenha


Maribeth Klein tem uma vida super atribulada. Além de ter um casal de gêmeos de apenas quatro anos de idade, ela precisa cuidar das necessidades da casa – já que seu marido não lhe ajuda –, e se virar todos os dias em um escritório onde trabalha editando uma revista. Apesar do corre-corre e do pouco tempo para si mesma, Maribeth consegue dar conta do recado. Porém, sem aviso prévio, Maribeth começa a sentir umas dores no peito e um formigamento no braço, aproveitando que possuí uma consulta médica naquele mesmo dia, ela acaba descobrindo que está tendo um infarto. As coisas se complicam um pouco, e ela precisa fazer uma cirurgia de emergência. Após o susto, Maribeth percebe como dedica muito do seu tempo para os outros, e que está na hora de cuidar de si própria.
– Está tudo bem, querida – disse ela. – A bruxa morre no final. – Como se a morte fosse uma ideia reconfortante para uma criança de 4 anos.
P. 64

Gayle Forman já é conhecida por muitos, autora best-seller do sucesso juvenil “Se Eu Ficar”, “Quando Eu Parti” é seu primeiro romance adulto. Diferentemente de suas outras obras, neste exemplar iremos nos deparar com uma personagem principal já adulta, em seus 40 anos, mãe de família e trabalhadora. Escapando totalmente das raízes adolescentes que lhe consagraram, Gayle consegue criar uma obra de nuances, mas que talvez não seja suficientemente memorável para alcançar os elogios que sua jornada no mundo YA lhe rendeu. Maribeth é uma boa personagem, riquíssima, diga-se de passagem. Ela não poderia ser mais atual e normal, sendo assim o retrato da mulher moderna; que têm filhos, cuida da casa e ao mesmo tempo trabalha, e que muitas vezes não tem oportunidade de se priorizar. O escapismo utilizado por Maribeth é um pouco extremo: ela abandona a casa, os filhos e o marido deixando somente um bilhete. Essa atitude faz com que o leitor provavelmente questione muitas vezes sua simpatia por Maribeth, porém a própria personagem constantemente julga-se e compreende o peso de suas escolhas, todas em prol de um objetivo maior: se curar, de dentro pra fora, para que possa mais uma vez ocupar a posição que tinha em seu núcleo familiar e social como um todo.
– Sabe o que não consigo parar de me perguntar? – indagou ela. – O quê?
– O que teria acontecido se eu já não tivesse uma consulta médica naquele dia? Teria simplesmente continuado a tomar sorvete alegremente e, depois, infartaria mais uma vez e cairia morta?
P. 110

A escrita de Forman é muito boa, e a narrativa fica a cargo e um narrador em terceira pessoa. Os capítulos são relativamente curtos – no total são 72 –, dando fluidez à história, que além da carga dramática, acha um espaço também para o famoso romance, não que este seja o principal foco da obra. A capa também é muito bonita, e sua simplicidade representa bastante o conteúdo do livro, que apesar de ter reviravoltas e dramaticidade, ao mesmo tempo possui um ar despretensioso. O grande problema de “Quando Eu Parti” é que nada nele marca. O livro não é ruim, a escrita não é ruim, as personagens não são ruins… Porém, nada disso é suficiente para torná-lo excelente ou até mesmo memorável. Após terminar a leitura, esse universo fica ali, preso dentro das páginas. Não sei o que poderia ter sido feito, para essa sensação ser diferente, pois como disse, a obra é bastante redondinha e cumpre com o que promete.
Maribeth entendia que merecia sua raiva. Não queria sair pela tangente. Não buscava perdão nem absolvição. Só queria saber em que pé a coisa andava. Ao menos uma vez, saber onde realmente estava. P. 210

Não sendo nem de longe a melhor obra de Gayle Forman, “Quando Eu Parti” é um bom início para uma autora já consagrada que busca novas aventuras em suas empreitadas literárias. Não tenho dúvidas que com o tempo, Forman conseguirá achar a fórmula certa para atingir seu novo público, assim como já encontrou e mostrou talento, ao escrever para os mais jovens.

Compare e Compre
Comentários
16
Compartilhe

16 comentários:

  1. Ainda não li nem um livro da autora Gayle Forman, mas tenho alguns livros dela em minha lista de leituras, já tinha visto este livro, mas não sabia muito bem do que se tratava a história, lendo um pouco mais sobre, em sua resenha, fiquei bem curiosa e adicionei este livro em minha lista de leituras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que goste da leitura, Mariele =]

      Excluir
  2. Poxa, é uma pena quando o livro se torna apenas páginas. Gosto de ler histórias marcantes que ficam na nossa memória por um bom tempo. Realmente a atitude da personagem pode ser questionada por alguns mas são coisas que acontecem na vida real. Fiquei curiosa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo, Rossana. Apesar da questionabilidade provável, a ação não deixa de ser verossímil, e até mesmo entendível.

      Excluir
  3. Oi, tudo bom?
    Tenho 3 livros da Gayle Forman na minha estante, e ainda não despertaram o meu interesse, quem sabe em um futuro próximo isso mude.

    Beijos,Lu
    Blog: Apaixonada por Romances “A vida é uma lousa, em que o destino, para escrever um novo caso, precisa apagar o caso escrito.”

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lu,
      Espero que goste quando lê-los.
      Beijos

      Excluir
  4. Oi, Tácio!!
    Não li nenhum livro da Gayle Forman, mas achei a história diferente do tudo que ela já escreveu. A premissa do livro parece ser interessante, fiquei bem curiosa sobre ele!! Gostei muito da indicação!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  5. Ola Tacio, já vi algumas resenhas desse livro, mas em nenhuma delas o livro me chamou a atenção. Não tem muito a ver com minhas leituras, foge um pouquinho do tema que eu gosto .

    ResponderExcluir
  6. Tácio!
    Tem leituras que são bem interessantes: a autora é boa, a escrita é boa, as personagens são boas, o enredo promete, porém falta algo e o livro acaba se tornando apenas morno, sem nenhum rompante extraordinário que deixe marcas...
    “Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  7. Não tive oportunidade de conhecer os livros de Gayle Forman ainda. Esse me deixou um tanto animada pela história, pelo enredo sabe... a mãe largar tudo. Mas saber que ele é não é daqueles que marcam me deixa um pouco desanimada porque achei que le poderia trazer muitas reflexões marcantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Roberta,
      Há reflexões, acredito que para alguém que se encontra em uma situação tão parecida como da personagem principal, mais ainda.
      Acho que vale a pena arriscar a leitura, já que você ficou animada pela enredo.

      Excluir
  8. Não li nada da Gayle mas não consigo me imaginar gostando de uma personagem que abandona os filhos para se reencontrar... Nessa parte da sinopse já torci o nariz kkk Concordo com a resenha.. o livro não me pareceu ter nada memorável

    ResponderExcluir
  9. Oi.
    Nunca li nada do autor, mas não creio que irei começar por esse livro. A premissa não me demonstrou nenhuma curiosidade, algo que chamasse a atenção.
    Dessa vez, deixo passar a dica.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  10. Infelizmente não Se eu ficar, apenas li o livro, e assim não conheço a escrita da autora e também a premissa desse livro não chamou minha atenção mas deve ser ótimo para aqueles que gostam.

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Com certeza essa é obra diferente do que estamos acostumados a ler nos livros da Gayle Forman e mesmo não sendo uma leitura que chamou minha atenção, parece ser uma historia interessante e uma jornada para a personagem !!

    ResponderExcluir
  12. Quando comecei a ler a resenha imaginei uma história perfeita, ainda mais por apresentar uma personagem que foge da outras personagens de outras obras da autora. Uma pena que o livro não deixe nada marcante, que te comova a ponto de não conseguir ler outro livro. Como você disse é o começo de uma autora que está querendo inovar, então acho que ainda virá novas histórias, e mais marcantes.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações