3 de fev de 2017


[Resenha] Harry Potter e a Criança Amaldiçoada - J. K. Rowling

Ficha Técnica

Título: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada
Título Original: Harry Potter and the Cursed Child
Autor: J. K. Rowling
ISBN: 978-85-3253-042-4
Páginas: 352
Ano: 2016
Tradutor: Anna Vicentini
Editora: Rocco
Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele é um sobrecarregado funcionário do Ministério da Magia, marido e pai de três crianças em idade escolar. Enquanto Harry lida com um passado que se recusa a ficar para trás, seu filho mais novo, Alvo, deve lutar com o peso de um legado de família que ele nunca quis. À medida que passado e presente se fundem de forma ameaçadora, ambos, pai e filho, aprendem uma incômoda verdade: às vezes as trevas vêm de lugares inesperados. Ansiosamente aguardado por milhões de fãs, o oitavo livro da saga de maior sucesso de todos os tempos chega às livrarias de todo o Brasil no dia 31 de outubro, em edições brochura e capa dura. Harry Potter e a criança amaldiçoada é a edição impressa do roteiro de ensaio da peça escrita por J.K. Rowling em parceria com Jack Thorne e John Tiffany, que está em cartaz em Londres e se passa 19 anos após os acontecimentos narrados em Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Resenha


Sabe aquele sentimento de ler um livro e pensar “eu já vi isso antes”? Foi o sentimento que eu tive lendo The Cursed Child. A sensação de que eu já tinha lido aquilo em alguma fanfic.


Pra começar, a peça não foi escrita pela J. K. Rowling, foi escrita pelo Jack Thorne baseada numa história que a tia Jo escreveu. Ou seja, a peça é uma história meio que de segunda mão e não dá pra saber o quanto daquilo foi a J. K. e o quanto foi maluquice do Thorne. O fato é que a peça pega uma ideia que já vinha circulando na cabeça dos fãs há anos e extrapola.

A história começa onde o último livro terminou, com Harry e cia. levando os filhos pra estação de trem e Albus Severus (pior nome de filho da história) todo preocupado em ser escolhido pra Sonserina. Primeiro que Harry nunca devia ter tido permissão pra dar nome nem prum hamster, quanto mais pruma criança. E segundo, acho muito preconceito contra a minha casa, onde tem um monte de gente legal. Só lembrem que Merlin era da Sonserina, tá? Chegando em Hogwarts, o que acontece com Alvinho? Pá! É sorteado pra Sonserina. Tristinho, ele fica amigo da pessoa mais maravilhosa do universo, Scorpius Malfoy (exatamente, o filho do Draco), dando origem ao eterno shipp Scorbus.

Alvinho, pelas barbas de Merlin, é leviosa e não leviosah
A relação do Alvinho com o pai começa a ficar bem esquisita porque o Harry é um pai bem porcaria. Ele não sabe escutar o menino e fala umas coisas horrorosas lá no meio do livro. Se eu fosse a Gina, eu tinha pedido o divórcio na hora. Suas crises de pânico não são motivo pra ser grosso com o filho que não tem culpa de você ser um lesado, tá, Potty??

Depois de umas tretas, Alvinho escuta uma conversa do pai com uma pessoa que eu não vou dizer quem é pra não dar spoiler, sobre uma morte bem injusta nos livros. Ele conta isso pro Scorpio e os dois gênios (só que não) resolvem voltar no tempo pra impedir a dita pessoa de ser morta. Parece que burrice é ilimitada na família Potter.

Imagina o que teria acontecido se personagem X não tivesse morrido. É aí que a coisa desanda. Seguindo a linha “coisas sinistras acontecem com bruxos que mexem com o tempo, Harry”, um monte de coisa horrível começa a acontecer.

como diria o Barty Crouch Jr - ops, Décimo Doutor
Aqui eu vou fazer uma pausa pra explicar o que acontece com outra série. Existe uma minissérie do Flash, que virou filme, chamada Flashpoint (Ponto de Ignição). Nela, o Barry acorda um dia e percebe que algumas coisas estão diferentes, tipo, a mãe dele tá viva, o Batman não é o Bruce Wayne, o Superman é uma cobaia, Mulher Maravilha e Aquaman estão em guerra e por aí vai. Ele acha que os problemas foram causados por um inimigo dele. Quando a guerra estoura, o mundo inteiro está à beira de um colapso e um monte de gente está prestes a morrer, ele descobre que ele foi o responsável por aquilo. Quando ele voltou no tempo pra salvar a própria mãe, ele criou uma linha do tempo alternativa onde tudo ficava pior. O Flash resolve então voltar no tempo pra consertar a besteira que ele fez e deixa a mãe morrer.

Em The Cursed Child, os bonitos do Scorbus voltam no tempo, fazem besteira, tentam consertar, pioram a situação e criam não sei quantas realidades alternativas.

a minha cara lendo as burrices que esses meninos fazem
Além da completa falta juízo dos protagonistas, o livro ainda conta com quase nenhuma participação feminina relevante. Se nos livros anteriores, Harry nunca teria sobrevivido sem a Mione, aqui as mulheres não fazem quase nada. A Rose, coitada, só existe. É bem chato. Pleno 2016 (que foi quando eu li) e a gente ainda tem que ficar mendigando uma cena de uma mulher fazendo alguma coisa relevante…

Outra coisa bem incômoda é a necessidade que o Thorne tem de afirmar que Albus e Scorpius não são um casal. É um tal de “eles são só amigos’ aqui e ali que cansa. Querido, você pode esfregar um letreiro escrito “HÉTERO” na cara da gente, a gente vai shippar mesmo assim., bjs.

E, meldels, eu não vou nem falar sobra a criança amaldiçoada do título, que tinha tudo pra ser uma personagem poderosa, forte e sensacional, mas vira uma desculpa tosca pra reviravolta e REVELAÇÕES BOMBÁSTICAS!!! (desculpa, só funciona em caps lock)

Mas nem só de pontos negativos vive a peça. A melhor coisa da história é meu amorzinho, coisa mais fofa e preciosa: Scorpius. Nunca um Malfoy foi tão impossivelmente adorável quanto esse menino. Ele é leal, gentil, divertido e tudo que há de bom. Só é meio burrinho de ficar seguindo o Albus pra cima e pra baixo e fazer besteira com ele. Mas a gente perdoa porque ele é um amor.

não se deixe enganar pela cara de constipado do ator, ele é um fofo
O Draco também melhorou bastante, tá mais maduro e dá pra perceber que ele realmente se importa com o filho e que proteger o Scorpius a qualquer custo. Ele ainda guarda um ressentimento da adolescência, por não ter tido bons amigos e por terem uns boatos muito maldosos a respeito da família dele por aí.

O Harry tá mais chato que n’A Ordem da Fênix, mas Romione tá com tudo. Rony é outro fofucho que transborda amor. Dá pra perceber em cada linha de diálogo dele que ele é completamente apaixonado pela Mione. E, apesar da treta envolvendo a atriz ser negra, a Mione está poderosíssima na peça. E queria ter visto mais do trabalho dela, da relação dela com a Rose e o Rony.

olha quanto amor *.*
No fim das contas, The Cursed Child foi uma peça que prometeu muitas coisas e cumpriu trinta por cento do que prometeu. Prometeu uma volta a Hogwarts e entregou uma cena bem WTF envolvendo a tia do carrinho de doces. Prometeu ser uma aventura nova e empolgante e, no fim, foi meio que um jogo dos sete erros. A impressão que eu tive foi que o Thorne tentou explorar todos os ângulos errados do cenário e acabou com uma história que podia ter sido muita coisa. Podia ter sido tão reconfortante pra essa nova geração quanto os livros foram pra gente. Mas foi só uma história mediana num cenário interessante.

Compare e Compre
Comentários
14
Compartilhe

14 comentários:

  1. estou louca pra ler este livro!adoro harry potter
    http://adeliadanielablog.blogspot.com.br/2017/02/eu-li.html

    ResponderExcluir
  2. Eu amo os filmes de Harry Potter, mas acredita que não consegui passar do primeiro livro ainda?
    Não sei o que está me prendendo tanto, sério!
    Ganhei Harry Potter e A Criança Amaldiçoada, tanto na versão inglês, como na português, mas não me sinto animada pra ler ainda :(
    Estou vendo bastante comentários positivos em relação a obra, mas não me conquistou ainda.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe uma regra que diz que "o livro é sempre melhor". Vai por mim, é verdade. Se você amou os filmes, vai achar os livros melhores ainda.

      Excluir
  3. Oi Tamy!
    A minha casa também é a Sonserina (fiz o teste duas vezes hahah) e tmn n sei pra que tanto preconceito.
    Juro que eu não sabia que a peça não tinha sido escita pela J. K
    que decepção.. e depois do que tu disse na resenha desanimei totalmente..
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Acho que não odiei a peça/livro tanto quanto você, mas também não posso dizer que amei. A única coisa que amei realmente, foi o Scorpius. Que menino amorzinho, maravilhoso. O Alvo era chato, o Harry estava meio chato também, e a Rose era um porre (não deu pra aguentar ela). Romione como sempre estava sendo o ship perfeito, mesmo num livro ruim. E a descoberta de quem era aquela garota, meu Deus. Pra mim foi a pior decepção que essa história podia trazer. Quando li pela primeira vez em inglês, não desgostei tanto da história, pois li muito rápido, pulando palavras que não sabia e deixei muita coisa pra lá. Quando li pela segunda vez, vi que realmente tinha perdido muita coisa horrível, que não dava pra acreditar. Enfim, foi uma história que tinha tudo pra ter sido boa, mas não foi J.K. que escreveu, então... precisa nem comentar. De qualquer forma eu assistiria a peça com certeza, só pelos efeitos, que tenho muita curiosidade em saber como são feitos.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar de tudo, eu também tenho vontade de assistir a peça, Ingrid. Acho que mais pela emoção do teatro do que pelo roteiro em si.

      Excluir
  5. Ei Tamy!
    Você contou tudo do livro e não deixou nadinha para suspense de quem for ler?kkkkk
    Ganhei o livro e espero chegar para fazer a leitura.
    O que mais me intrigou foi o fato do filho do Harry ser o melhor amigo do filho do pior inimigo dele... fiquei de queixo caído e também não achei que Harry seria um pai tão relapso...
    Desejo um ótimo final de semana!
    “Um saber múltiplo não ensina a sabedoria.” (Heráclito)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  6. Já vi várias resenhas negativas sobre esse livro e tá me fazendo cada vez mais diminuir a minha vontade de ler ele, parece mais ma fanfinc infelizmente.

    ResponderExcluir
  7. Por amar demais HP quero muito mesmo ler. Gostei de saber que o Draco evoluiu, mas gostaria que a Hermione ficasse com ele, não com o Rony, mas tudo bem, me conformei a anos kkk

    ResponderExcluir
  8. Oi Tamy, não vou dizer que foi a melhor coisa que já li na vida, mas sabe que eu gostei? Assim, acredito que por ser mais uma história que faz a gente rever os personagens, conhecer os novos e só de ler aqueles nomes tão amados tudo fica tão lindo. Mas, claro, não chega aos pés do que a gente é acostumado. Eu indico se a pessoa quer somente reviver algo bom :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale pelo nostalgia, né, Bruna? Mas poderia ter sido melhor...

      Excluir
  9. Olá. Adorei a resenha. A forma interativa e divertida como escreve me envolveu completamente. Mesmo não conhecendo tão a fundo os livros me vi ansiando em conhecer esta história. Não sou fã de HP como muitos por aí, mas assisti aos filmes e gostei. Só que não sei se quero ler os livros algum dia.

    ResponderExcluir
  10. Primeira vez que reparo que essa peça é baseada em uma história de J.K. vi na sua resenha e fui conferir na capa, também como o nome da autora maior que o do autor realmente confunde qualquer um. Sua resenha não é a primeira que leio, e é mais uma que diz que a peça não cumpriu tudo aquilo que prometeu, uma pena, porque era uma chance de vivermos novamente no mundo de Harry Potter. Pena o Harry não ser um pai tão bom e seu filho ser mimado, gostei do filho do Draco ser uma amorzinho, mostrando que nem sempre filho de peixe, peixinho é... hahahah... E que bom que o Drado amadureceu. Gostei muito da resenha, mas por enquanto não tenho vontade de ler o livro.
    Abraço!
    A Arte de Escrever

    ResponderExcluir
  11. Oi Tamy, adorei a resenha, super completa. De primeira ao dar uma lida rápida nas primeiras páginas, por ser nesse estilo peça, não me animei em continuar mas depois dessa mega resenha fiquei bem curiosa. E quem diria hein? Draco Malfoy melhor pai do que Harry Potter? Por essa eu não esperava, quero ler agora, como faz? :'(

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações