19 de mai de 2017


[Resenha] Os Mistérios de Sir Richard - Julia Quinn

Ficha Técnica 

Título: Os Mistérios de Sir Richard
Título Original: The Secrets of Sir Richard Kenworthy
Autor: Julia Quinn
ISBN: 978-85-8041-668-8
Páginas: 280
Ano: 2017
Tradutor: Simone Reisner
Editora: Arqueiro
Sir Richard Kenworthy tem menos de um mês para encontrar uma esposa. Ele sabe que não pode ser muito exigente, mas quando vê Iris Smythe-Smith se escondendo atrás de seu violoncelo no musical anual das Smythe-Smith, Richard acha que conheceu alguém muito valiosa. Ela é o tipo de mulher que passa despercebida até a realização de um segundo ou terceiro olhar de outra forma. Mas há algo nela abaixo da superfície, algo quente e ele sabe que ela é única. Iris Smythe-Smith...Ela está acostumada a ser subestimada, com seu cabelo claro e tranquila, mas há uma personalidade astuta que ela tende a esconder, e ela gosta dessa forma. Então, quando Richard Kenworthy se aproxima com galanteios e flertes, parece suspeito. Dando a impressão de um homem que se rende ao amor, mas ela. não pode acreditar que tudo é verdade. Quando sua proposta de casamento se torna uma situação comprometedora obrigatória, você não pode deixar de pensar que há algo escondido por trás disso. . . mesmo que o seu coração diz sim

Resenha


E já chegamos ao último livro da série Quarteto Smythe-Smith, da maravilhosa Julia Quinn. Depois de termos encontrado um final feliz para Honoria, Daniel e Sarah, chegou a vez de Iris Smythe-Smith, a única componente do atual quarteto que de fato sabe tocar um instrumento musical.

Iris está em mais um recital da sua família, em mais um evento humilhante em que se pergunta porque algumas pessoas sempre comparecem ao evento se sabem que elas são péssimas. Entretanto, sempre há aquelas pessoas que caem de paraquedas no recital e são realmente surpreendidas. É o caso de Sir Richard Kenworthy, que foi acompanhando o amigo Winston Bevelstoke.

Sir Richard vive há alguns anos afastado, em sua propriedade em Yorkshire com suas duas irmãs mais novas, de quem é o tutor e quase a única família. Mas agora ele precisa de uma esposa e precisa ser em menos de um mês. Por que? Esse é o mistério de Sir Richard que nos consome durante quase todo o livro.

Iris é perspicaz, muito observadora e sem dúvida sabe tocar um violoncelo, ao contrário de suas primas, principalmente Harriet, que nem sabia ler uma partitura. Depois de três temporadas frustradas (tudo bem que ela não se empenhou tanto em conseguir um marido), ela sabe que não dá para ficar adiando muito isso, mas também não sabe o que deve fazer, até porque, para deixar de tocar no quarteto as únicas opções são casar ou morrer. Sim, dramático, mas ela agora ganhou a atenção de um desconhecido no último recital Smythe-Smith.

Iris acha a atenção de Sir Richard muito repentina e estranha, afinal, tem certeza que não é nenhuma beldade e que, se fosse para algum cavalheiro ser arrebatado pela sua beleza, isso já teria acontecido anteriormente.
- Estou tentando dizer que estou acostumada a ser subestimada, ignorada.
Sarah limitou-se a encará-la. Em seguida, perguntou:
- Do que você está falando?
Iris bufou, frustrada. Ela sabia que Sarah não entenderia.
- As pessoas raramente me notam. Isso não me chateia, juro. Não quero mesmo ser o centro das atenções.
P. 59
Richard por outro lado, após conhecer Iris percebeu que ela era uma jovem no mínimo dedicada a família, afinal, ninguém em sã consciência iria se expor em um evento anual se não fosse pela harmonia familiar, então certamente ela seria a mulher ideal para se casar. Visitando-a constantemente, ele pode conhecê-la melhor e se encantar por sua inteligência e senso de humor. Mas certamente a sua racionalidade não a deixaria aceitar uma proposta de casamento tão rápida quanto ele precisava. Ele teria que forçar uma situação.

Casada com Sir Richard, Iris deixa Londres para viver em Yorkshire, onde deveria se adaptar a ser uma esposa, viver no campo, ser a nova senhora de Maycliffe, liderando criados que já vivem lá há anos e ainda conhecer e se entender com duas jovens cunhadas, Fleur e Marie-Claire, irmãs de Richard.
Com sua inteligência impetuosa e seu humor tranquilo e malicioso, ela conseguia penetrar em seus pensamentos. Ela o surpreendia a todo instante.
Quem imaginaria que ele acabaria gostando tanto dela?
Gostando.
Quem gosta de uma esposa? Em seu mundo, as esposas eram toleradas, agradadas e, se o sujeito fosse muito sortudo, desejadas. Mas gostar?
Caso não tivesse se casado com Iris, ele gostaria de tê-la como amiga.
P. 141
Embora estejam vivendo sob o mesmo teto o mistério não é logo revelado e quanto mais as páginas passavam, mais eu me contorcia de curiosidade, pensei em muitas situações, inclusive a real (não da maneira como foi colocada). Fica claro nas cenas que Iris e Richard sentem-se atraídos um pelo outro, mas também é claro que ela sabe que há algo mais por trás do seu casamento repentino e na história de seu marido e que ele tem receio de como ela poderá reagir quando descobrir a verdade.

Eu gostei do que se tratava o mistério, mas não suportei as irmãs de Richard e tão pouco a maneira como conduziram o problema, sem falar que senti que o livro correu depois que o mistério foi revelado, como se não houvesse tempo para explicar tudo, o que me deixou frustrada, afinal, esse é o último livro da série, deveria me deixar com aquela sensação maravilhosa que nos atinge quando chegamos ao final.
Iris estava se apaixonando por Richard. Não sabia como isso poderia ser mais evidente.
As pessoas não diziam que o amor era confuso? Ela não deveria estar deitada em sua cama, agonizando sob o peso de torturantes pensamentos: Isso é real? Isso é amor? Quando ainda estava em Londres, havia perguntado a Sarah sobre o assunto - à prima, apaixonada de forma tão clara pelo marido - e até ela lhe respondera que não tinha certeza no início.
Mas não, Iris sempre precisava fazer as coisas à sua maneira e acordou um dia pensando: Eu o amo.
P. 153
Outra coisa que me deixou incomodada foi a ausência dos outros personagens da série. Como antes dessa só li Os Bridgertons e nela a Julia sempre coloca os personagens dos livros anteriores, no Quarteto Smythe-Smith isso não acontece com frequência e é algo que eu adoro quando os autores fazem, me apresenta uma estória nova e aproveita para matar minha curiosidade sobre os personagens anteriores e como estão depois do "felizes para sempre" de seus livros.

Apesar desses pontos, não posso dizer que não gostei do livro, muito menos da série. Amo romances de época e alguns sempre irão agradar mais do que outros, mas Julia Quinn é Julia Quinn. É amor demais!
- Eu amo você. - Ele caiu de joelhos. - Eu amo tanto você que às vezes me dói, mas ainda que eu soubesse como parar, não o faria, porque a dor é, pelo menos, alguma coisa.
Os olhos de Iris estavam marejados e ele a viu engolir em seco.
- Eu amo você - repetiu, porque não sabia como parar. - Eu amo você e, se me permitir, vou passar o resto da vida provando meu amor.
P. 270
Compare e Compre
Comentários
9
Compartilhe

9 comentários:

  1. Oi, sempre vejo falarem muito bem sobre a escrita da Julia Quinn, infelizmente ainda não li nenhum livro dela, mas tenho essa serie completa, comprei e chegou na semana passada, ainda não tive tempo para começar a ler. É uma pena que como é o ultimo não tenha a presença de muitos personagens dos anteriores.

    ResponderExcluir
  2. Ai gente, não fala que o livro corre! Argh, odeio essa sensação na leitura, quando algum problema é solucionado e o resto da trama parece correr e não fazer as coisas direito. E quando é fim de série tudo que quero é suspirar e gostar ao máximo, já que acaba ali. E também gosto de ver mais dos personagens anteriores, nem que seja só uma coisinha aqui e ali pra ter aquela ideia de como eles ficaram. Mas até que quando não falam muito fica interessante também, mais...diferente? Dá uma curiosidade e uma sensação de que ainda continuam ali, que não acabou...Não sei, teria que ler pra entender mesmo como é feito. No geral parece uma boa história, mas espero que quando ler goste bem mais, viu?! Esse casal me chamou atenção, espero que tenham uma boa história.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também espero que goste mais, Cris, mas essa foi uma sensação muito forte enquanto lia o livro, cadê os outros, pra quê essas irmãs chatas? Não corre agora não, please. Mas fazer o que, né?! No geral eu gostei, mas não foi o melhor para mim, Marcus e Hugh são meus amores <3

      Excluir
  3. Olá,
    E como você diz, Julia Quinn é Julia Quinn, eu não li nada dela porém quero muito ler, cada vez que leio uma resenha sobre os romance de época dela me faz querer ir na primeira loja e compra todos os livros delas. Amei essa historia, a trama me pareceu perfeita, só me fez pensa que o marido dela tem algo misterioso e não quer revelar para nova esposa e achei muito rapido a forma que eles se casaram..!

    ResponderExcluir
  4. Oi Lay, eu curti essa leitura mas concordo contigo que as irmãs dele são insuportáveis haha Fleur então afff que personagem chata... Li muitas criticas ao protagonista desse livro deste livro, mas eu tenho coração mole kkkk e perdoei ele, e até gostei do casal. Mas vc falou ao final que sentiu falta de uma reunião da turma, tipo uma despedida da série e até você citar eu não tinha percebido que eu também rsr... é sempre bom rever personagens queridos e essa série é ótima e cheia de personagens queridos, já tô com saudades de Frances <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também perdoei, Lili kkk, mas aquelas garotas chatas e a falta que senti dos outros personagens me incomodou um pouco.

      Excluir
  5. Eu comecei a adorar ler livros do gênero romance de época, depois que li O Duque e Eu da Julia Quinn, então não há dúvidas que quero muito ler a série Quarteto Smythe-Smith, tenho certeza que irei adorar ler a história.

    ResponderExcluir
  6. Hey Lay,

    Não li a resenha por medo de spoiler da série, pois pretendo ler ela.

    ResponderExcluir
  7. Lay!
    Roamnces de épocas já são atrativos por causa das mocinhas, que ultimamente vem se mostrando mais a frente do seu tempo e corajosas.
    Adoro a autora e apesar de ainda não ter lido nenhum dos livros da série, já sei que irei amar cada um deles.
    “A solidão é a mãe da sabedoria.” (Laurence Sterne)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações