7 de jun de 2017


[Cinema] Mulher-Maravilha


Sabe quando foi a última vez que eu assisti um filme de super heróis tão bom?


Brincadeira, gente, nem tem tanto tempo assim. Mas a última vez foi quando saiu O cavaleiro das trevas, o melhor filme da trilogia do Nolan. Não me levem a mal, eu adoro o Batman e a ideia de inspirar terror no coração dos homens. Mas os filmes da DC ficaram tão sombrios ultimamente, como se os produtores se recusassem a seguir a fórmula de sucesso da Marvel, só de pirraça. Depois de comer muita poeira e fazer muito filme ruim (cof cof esquadrão suicida cof cof), parece que a DC tomou jeito e resolveu dar aos fãs o que a gente pedia há anos: um bom filme solo de uma heroína.

O filme da Mulher-Maravilha tem tudo o que a gente queria: uma história de origem sem interferência de outros heróis, um roteiro que valoriza as características da personagem, ação, humor e muitas personagens femininas sensacionais. Pra começar, eu moraria em Themyscira. Fácil. Uma ilha paradisíaca cheia de belezas naturais, estátuas lindas e guerreiras fenomenais, o que tem pra não amar? A ilha do filme é bem o que eu esperava de um lugar chamado Ilha Paraíso.

meu coraçãozinho foi mais pisado que a areia dessa praia
Eu gostaria que o filme tivesse explorado mais a diversidade entre as amazonas. Pelo que dá pra ver, são mulheres de etnias diferentes e com tipos físicos diferentes. Eu entendo que não dá pra explorar todas as possibilidades num longa só, mas foi revigorante ver as amazonas em ação e consigo entender porque algumas não queriam sair da ilha. Apesar de Hipólita ser a mais proeminente, Antíope ganhou meu coração pela ferocidade e pelo espírito de batalha. Robin Wright é a maior arqueira que você respeita.

Se você já assistiu algum filme animado da Mulher-Maravilha ou da Liga da Justiça, deve saber que tava tudo muito bom, tudo muito bem em Themyscira até o avião do Steve cair por lá. A partir daí, Diana percebe que a gente tá bem encrencado e sai da ilha pra ajudar. No filme também é assim. Ela resolve ir embora quando descobre que o mundo fora da ilha tá uma bagunça e que essa guerra injusta tá matando um monte de gente. Ela parte porque quer ajudar as pessoas, e isso é importante. É fantástico que a característica mais marcante dela seja a empatia, o fato de não se conformar com o sofrimento dos outros. É o tipo de motivação que a gente não vê nos filmes baseados em quadrinhos. A Diana é uma pessoa genuinamente boa que, podendo ajudar, não hesita em largar a vida confortável que tem pra ir pro front.

O plano dela é ir até o front e deter Ares, que ela acredita ser o responsável pela guerra. Apesar de não acreditar na existência do deus, Steve reúne um grupo de aventureiros pra ajudá-los a alcançar o objetivo. Aqui eu vou reclamar um pouquinho, porque um desses aventureiros podia ser uma mulher e rolar uma interação maior entre as mulheres do filme. Maaaaaas, todas as interações que de fato acontecem são repletas de companheirismo e sinceridade.

A própria Diana é um símbolo de esperança. Contrariando a onda de super heróis cínicos e interesseiros, ela é um farol de empatia num mar de indiferença. Ela parece ingênua às vezes e meio alheia às normas sociais, mas nunca insensível ou fraca. O grande trunfo da personagem é justamente se importar com todos e não se conformar com injustiça. Ela realmente acredita na bondade das pessoas e é por isso que ela luta.


E o Steve, oh céus, por onde começar com Steve Trevor? Ele é um cara bom e justo, que sabe que nem sempre dá pra confiar nos interesses dos seus superiores. Além disso, ele é protetor mas consegue perceber quando as pessoas são mais fortes que ele. Ele tenta, tadinho, mas às vezes o mundo é um lugar injusto e ele só pode tentar tornar tudo menos pior. De um jeito ou de outro. Não deixe a cara de cafajeste do Chris Pine te enganar, Steve é um amorzinho. (Duas das minhas cenas favoritas envolvem ele numa banheira e Diana e ele conversando sobre literatura no barco)

Os outros membros fazem o grupo bem diverso, na verdade. Temos um falsário árabe, um sniper irlandês e um contrabandista indígena, que não só têm personalidades próprias como adicionam um subtexto interessante à trama, deixando no ar um clima de ressentimento e transtorno de estresse pós-traumático.

De todas as mulheres fenomenais do filme, minhas favoritas são Antíope (Robin, casa comigo), Etta, a melhor secretária/planejadora que alguém podia ter, e a Doutora Veneno, um gênio do mal que esconde a própria fragilidade atrás de muitas camadas de conformidade e inteligência. Eu realmente gostaria de ver um curta animado sobre a origem da doutora e como ela se deixou levar por quem dava valor ao seu trabalho. E, numa indústria obcecada com juventude, não passou despercebido que duas das três amazonas mais importantes do filme são representadas por mulheres com mais de cinquenta anos que não têm a idade disfarçada.

Eu ainda tenho minhas reservas com o uniforme (ainda acho o tomara-que-caia pouco prático, o saiote muito curto e o salto desnecessário), mas a Patty Jenkins fez um trabalho fenomenal dirigindo um filme que não só é muito bom como cala a boca de todo o mundo que disse que ela não ia conseguir ou que filme com protagonista mulher não dá dinheiro. Em cinco dias, o filme fez mais de cem milhões de dólares só no EUA e quebrou o recorde de arrecadação para um filme dirigido por uma mulher.

sambando na cara dos haters
Vale cada centavo. As atuações são impecáveis, o roteiro é muito bem escrito e as cenas de ação são muito bem coreografadas e satisfatórias. Depois de tantos anos de espera, a Mulher-Maravilha (e a gente também) ganhou o filme que merece. Agora é esperar pelo filme da Liga e torcer pra mais um filme da Amazona (dirigido pela Patty, claro!).

De uma a cinco heroínas que merecem um filme solo, o quanto eu gostei:


Comentários
6
Compartilhe

6 comentários:

  1. Esse filme tá parecendo tão sensacional! Adorando o que estou vendo e pelo jeito vale a grana que a gente paga pra ir ao cinema mesmo. O roteiro dele parece estar bom, as cenas bem feitas e com um visual e tanto, com muita ação e a atuação da atriz parece ter feito dela a personagem. Pra mim ao menos já não consigo imaginar outra e nem vi o filme ainda! Haha xD
    Estou louca pra assistir!

    ResponderExcluir
  2. Tamy!
    É verdade!
    Achei o filme fenomenal.
    Apesar de esperar décadas para ver uma produção exclusiva da minha heroína favorita, valeu super a pena.
    Fui assistir ontem e ainda estou em êxtase.
    “A única sabedoria que uma pessoa pode esperar adquirir é a sabedoria da humildade.” (T. S. Eliot)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Boa noite!
    Estou achando incrível toda essa aclamação com o filme. Parece que é mesmo um dos melhores do ano (ou o melhor de heróis, ao menos).
    As atuações, a fotografia, os efeitos, o roteiro... só vejo elogios.
    Feliz que você tenha gostado também.
    Seria meu sonho um filme da Ravena?
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Olá,
    Mulher maravilha é uma personagem incrível, gosto bastante dela em outros filmes que ela pareceu e atriz e ótima também.
    O filme é incrível, quero assistir ele, conhecer um pouco a história dessa mulher maravilhosa e dos super poderes dela.

    ResponderExcluir
  5. MEU DEUS EU PRECISO ASSISTIR ESSE FILME, amei o samba desse filme na cara dos haters :*

    ResponderExcluir
  6. quero muito assistir o filme desta mulher maravilha ja ouvi muitos comentarios positios sobre
    beijos amei

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações