14 de jul de 2017


[Resenha] Reencontrando o Passado - Bibi Santos

Ficha Técnica 

Título: Reencontrando o Passado
Autor: Nora Roberts
ISBN: 978-85-8041-678-7
Páginas: 288
Ano: 2017
Editora: Independente
Emely sempre foi gordinha. Desde a infância sofria com seu peso e com as brincadeiras de mau gosto dos amigos e até familiares. Na noite de sua formatura sofreu um enorme golpe em seu ego que marcou toda sua vida e da sua família. Rafael sempre foi seu grande amor. Ele tinha planos para noite de formatura da Emely, mas não tinha nada de romântico planejado, e sim, muita humilhação. Emely consegue colocar sua vida para frente, mas jamais esqueceu daquela noite fatídica. Oito anos depois, Rafael, um renomado médico, resolve voltar para sua cidade e, assim, acender as dores do passado. O que será que ele deseja? Por que voltou? Emely é uma mocinha forte, engraçada, dona de uma floricultura, mas será que estará pronta para reencontrar o passado? Uma história de amor e perdão, regada a muita paixão, que vai mexer com você em cada página.

Resenha


Pensem em uma resenha difícil de escrever, foi essa. Antes mesmo de terminar o prólogo de Reencontrando o Passado eu já estava chorando e parei para falar com a Bibi no WhatsApp, percebi logo que me identificaria com a Emely.

Emely sempre foi gordinha (olá Emely, bem-vinda ao clube ;)) e sempre sofreu com isso, mesmo dentro de casa. Sua mãe sempre foi uma das primeiras a lhe criticar, mas for a ela, muitos sentiam-se no direito de criticá-la por conta de seu peso. Do seu lado mesmo sempre foram apenas seu pai – Ricardo - e sua melhor amiga – Duda. Entre as pessoas que criticavam Emely estava Rafael, irmão de Duda, mas desde sempre o grande amor de Emely. O desprezo por conta de sua aparência nunca lhe permitiu conhecê-la de verdade, a pessoa divertida, inteligente, doce e determinada que Emely é.

Quando se vive em uma cidade pequena é incrível como fofocar da vida alheia parece fazer parte da rotina da população e não é diferente em São Conrado. As pessoas esquecem que muitas vezes as palavras ferem mais do que agressões físicas, são feridas que demoram muito mais para curar e pode levar anos até que isso aconteça.
Odiava esse padrão que a sociedade criou de que só as magras são lindas. Por que não posso ser bonita, sexy? Por que não tenho o corpo da Gisele? Nem acho tão bonito o corpo dela.
Posição 2% 
Quando a rejeição vem de pessoas que amamos é ainda pior e ser rejeitada pela mãe, sem dúvida é uma dor imensa, tanto que Emely não esconde de ninguém que o dia mais feliz de sua vida foi o dia em que sua mãe foi embora, abandonando ela e o pai. Mas Rafael também causa sua parcela de dor em Emely, pois por sua causa, ela sofreu uma grande humilhação na frente de toda a cidade. Logo depois ele foi embora, mas Emely ficou e enfrentou uma vida de olhares de piedade e até de repulsa. Assim como ela, Duda também ficou na cidade, a diferença é que Duda saiu, se formou e voltou médica pediátrica e Emely, embora hoje seja proprietária da única floricultura da cidade, nunca conseguiu sair de São Conrado, o medo de enfrentar uma cidade grande, uma faculdade onde poderia ser ainda mais rejeitada fez com que aprofundasse ainda mais suas raízes.

Mas, anos depois, Rafael volta para a cidade, mais um médico necessário, o filho pródigo, afinal, sendo lindo e rico, ninguém o relaciona com o trauma que Emely viveu no passado, ela carrega até hoje toda a culpa.
Como vou viver na mesma cidade dele? Como vou olhar em sua cara de novo? Eu não consigo perdoar o que ele fez comigo. Precisei fazer terapia, mas não consegui perdoar. Ele foi cruel, não tenham pena dele, podem odiar junto comigo. Não vale se bandear para o lado dele quando bater aqueles cílios e piscar aqueles olhos verdes.
Posição 1% 
Rafael retorna aparentemente arrependido, mas confesso que eu estava com os dois pés atrás com ele, até porque ainda não sabia tudo o que tinha acontecido no passado, sabia apenas uma parte do que Emely lembrava. Mas Rafael é insistente e está determinado a conseguir o perdão de Emely, entretanto, pouco antes dele retornar, uma nova peça entra em jogo, o delegado Murilo, que ao que parece também está bastante interessado em Emely.
- Olá, delegado! Em que posso ajudá-lo? - gostava dele. Era um cara muito simpático e bem forte, musculoso. Não me julguem, não sou cega.
- Amanhã é meu aniversário, vou sair com alguns amigos para comer uma pizza e gostaria de convidá-la para participar.
Minha mão começou a suar frio. Sei que não era um encontro, mas ninguém nunca me convidava para nada. Minha vida social era uma merda, pode crer, pior do que você pensou.
- Claro, delegado!
- Fico feliz. Na Pizzaria da Saly, as oito, então? - com um sorriso lindo, saiu da minha floricultura.
Meu Deus, nem acredito que aconteceu isso! Será que não era sonho? Um gato daquele me queria em sua festa de aniversário. Jesus! Preciso providenciar uma roupa.
Posição 3% 
Além da narrativa da Emely, que como já deu para perceber é em primeira pessoa com muita interação com o leitor, temos alguns pequenos trechos narrados por Duda, Ricardo e Murilo e isso nos leva para outras situações que se passarão no livro, mas que no fim, culminam no perdão e na força que o amor tem para superar os obstáculos da vida.

Emely passa por muita coisa no passado, mas ainda continua enfrentando muito preconceito e outras situações que tornarão sua vida um turbilhão: o interesse de Murilo, o retorno de Rafael e sua busca por perdão, os fofoqueiros de plantão, a percepção de que sua amiga pode estar precisando de ajuda -ainda que não tenha lhe dito nada, a nova inquilina – recém chegada na cidade, seu pai que insiste em não ter um novo amor, quando é claro que merece ser feliz. Mas para mim, o ponto principal nessa história é a chegada de July, uma garota que Emely conheceu na cidade vizinha em um momento de muita dificuldade: órfã, grávida com apenas dezessete anos, sozinha e sem ter onde ficar. E depois que conhecemos sua história na íntegra é ainda pior, mas pensam que ela se deixou abater? Não mesmo! Ela continua acreditando no amor, na saúde de seu filho, em um futuro feliz e a verdade é que ela é quem salva Emely e não o inverso. Embora Emely saiba que merece ser feliz, perdoar é algo muito difícil para ela e July a ajudará muito nisso.
A vida nem sempre era boa, mas a maioria dos erros acontece porque nós mesmos que causamos, por não medir as consequências antes de fazer as coisas. A vida sempre nos dá dois caminhos e os sinais estão sempre lá, mas o perigo sempre foi mais atraente.
Posição 32% 
Como falei no início, me identifiquei demais com a Emely, além de perdoar ser algo extremamente difícil para mim, sempre estive acima do peso, sempre ouvi comentários como ela: “você tem um rosto e um sorriso tão bonito, por que não emagrece?”, “sua irmã é tão magrinha, por que não é igual a ela?”, além de todos os apelidos que ganhei quando criança (das próprias crianças – hoje sabemos que é bullying, mas eu sempre fui uma criança muito quieta e tímida, então nunca dizia nada à ninguém sobre isso). As pessoas não pensam que se pudéssemos seríamos igual a elas? Ninguém gosta de ser rejeitado e essas coisas vão afetando nossa autoestima ao longo dos anos e não é fácil superar isso. Cada um cria sua defesa como pode, mostrar-se forte e indiferente aos comentários é uma delas, mas machuca do mesmo jeito. Não consigo compreender como alguns seres humanos são tão cruéis com seu semelhante, ser gordo ou magro, branco ou negro, rico ou pobre, homo ou hétero, homem ou mulher não nos faz melhores ou piores do que ninguém. Nos faz diferentes, nos faz únicos e todos merecemos ser tratados com respeito.

Viver em uma sociedade é respeitar a individualidade do outro, aceitar que todos são únicos e merecem ser felizes. A mensagem principal de Reencontrando o Passado para mim é essa, do amor como diretriz, do amor como fonte de perdão. Preto de copas (cartas)
Durante o percurso, passou um filme em minha mente, de tudo o que passei para chegar ali. Precisei aceitar que não podia mudar o passado. Aceitei o amor como fonte de energia, abri espaço para o futuro, para a felicidade, para a aceitação do meu corpo, da minha beleza. (…) Comecei a sorrir. Sentia-me completa, sentia-me grande, única.
Posição 98%
Comentários
11
Compartilhe

11 comentários:

  1. Eu não conhecia este livro, mas é uma pena a personagem se sentir mal por causa do seu corpo, deixar de sair da cidade dela para estudar por medo de preconceito, fiquei curiosa para saber o que Rafael fez no passado para Emely.
    Eu também tenho dificuldades em perdoar, e acho horrível os julgamentos que as pessoas fazem para um pessoa por causa do corpo dela, também acho que viver em uma sociedade é respeitar a individualidade do outro, quero muito ler este livro, gostei muito da sua resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Mariele.
      O livro está disponível na Amazon, então, quando puder, dê uma chance, tenho certeza de que irá gostar da leitura ;)

      Excluir
  2. Lay!
    Concordo quando o amor vence tudo, que temos de perdoar para não carregar pedras no coração e ainda que não deve haver preconceito de forma alguma.
    Adorei toda trama e enredo, embora tenha me compadecido com o sofrimento da protagonista e gostaria de ler.
    Um final de semana esplendoroso!
    “O amor é a única loucura de um sábio e a única sabedoria de um tolo.” (William Shakespeare)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É lindo, Rudy!
      Vale muito a leitura.

      Excluir
  3. Simplesmente amei a resenha! Retratou todas as emoções que o livro e os personagens passaram!
    <3

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Lay, estou vibrando de felicidade sua aceitação pelo meu livro é muito importante para mim, obrigada por todo carinho, estou me sentindo realizada!
    Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já te disse, linda, eu que agradeço por você ter me proporcionado essa leitura <3 Te amo <3

      Excluir
  5. eu adorei a resenha!
    mais ainda pelos quotes que você escolheu!
    deu para sentir um pouco da emoção passada pelo livro, eu me identifico em parte com a personagem do "gordinha"
    espero poder ler em breve

    ResponderExcluir
  6. Hey,

    Esse livro é daqueles que eu sei que vou me desidratar de tanto chorar, mas amei totalmente a resenha e pretendo ler.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Amei a resenha, a historia e maravilhosa!
    Já é difícil você enfrentar pessoas de fora falando mal de você por causa do peso, agora vindo de alguém que amamos realmente e uma perfuraçao muito forte dentro de nós e como se fosse algo horrivel na vida da pessoa. Amei a historia do livro, tem uma premissa maravilhosa, ele mostra o sentimento da personagem e como se sente por isso, e também como ela enfrentará isso. Um livro que com certeza tenho que ler.

    ResponderExcluir
  8. Eu não gostei muito da capa do livro, mas adorei o enredo. Parece ser aqueles tipos de livros que nos surpreende, e eu não imaginava que iria tratar desse assunto tão importante.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações