15 de set de 2017


[Resenha] Um Amor Incômodo - Elena Ferrante

Ficha Técnica 

Título: Um Amor Incômodo
Título Original: L'amore molesto
Autor: Elena Ferrante
ISBN: 978-85-510-0137-0
Páginas: 173
Ano: 2017
Tradutor: Marcello Lino
Editora: Intrínseca
Aos quarenta e cinco anos, Delia retorna a sua cidade natal, Nápoles, na Itália, para enterrar a mãe, Amalia, encontrada morta numa praia em circunstâncias suspeitas: a humilde costureira, que se acostumou a esconder a beleza com peças simples e sem graça, usava nada além de um sutiã caro no momento da morte. Revelações perturbadoras a respeito dos últimos dias de Amalia impelem Delia a descobrir a verdade por trás do trágico acontecimento. Avançando pelas ruas caóticas e sufocantes de sua infância, a filha vai confrontar os três homens que figuraram de forma proeminente no passado de sua mãe: o irmão irascível de Amalia, conhecido por lançar insultos indistintamente a conhecidos e estranhos; o ex-marido, pai de Delia, um pintor medíocre que não se importava em desrespeitar a esposa em público; e Caserta, uma figura sombria e lasciva, cujo casamento nunca o impediu de cortejar outras mulheres. Na mistura desorientadora de fantasia e realidade suscitada pelas emoções que vêm à tona dessa investigação, Delia se vê obrigada a reviver um passado cuja crueza ganha contornos vívidos na prosa elegante de Elena Ferrante.

Resenha

Os títulos escritos por Elena Ferrante aparecem nas listas dos mais vendidos e a curiosidade sobre a verdadeira identidade do(a) autor(a) é gigante. Um Amor Incômodo trata-se do primeiro livro publicado de Ferrante e é a primeira de três histórias das Crônicas do Mal de Amor.

Delia é uma mulher de quarenta e cinco anos, trabalha com quadrinhos e se afastou completamente de sua cidade natal para esquecer dos eventos passados em sua infância. Ela acredita que não se parece com sua mãe Amalia e um dos motivos de sua partida está atrelado ao relacionamento entre mãe e filha. Contudo, Delia se vê obrigada a voltar para a cidade onde nasceu após o falecimento de sua mãe. Amalia foi encontrada apenas com uma peça íntima em uma praia em condições suspeitas.

Em Um Amor Incômodo, Ferrante nos mostra através de suas personagens o rompimento do que seria a "identidade natural" de uma mulher. Essa "identidade natural" é a imposição de uma figura feminina nos moldes de uma sociedade machista e que aponta o que pode ou não ser feito pelas mulheres. E é importante ter isso em mente porque o desenrolar da história se dá por conta do comportamento "inaceitável" de Amalia. Delia, apesar do relacionamento conturbado com sua mãe, sente a necessidade de entender como algo tão trágico aconteceu a uma costureira e dona de casa.


Personagens chaves aparecem para traçar o que seria a "verdadeira" Amalia. O irmão da vítima que sempre criticou tudo e a todos, principalmente a sua irmã. O ex-marido é um pintor, violento, possessivo e que sempre achava que Amalia dava motivos para o seu comportamento agressivo e machista. Caserta, um homem que ajudou muito o marido de Amalia a vender seus quadros e que, mesmo casado, se sentia atraído pela vítima e o seu casamento - e nem o dela - o impedia de cortejá-la. A vizinha de Amalia que adorava recriminar os hábitos da vítima. Além de outras duas personagens que são importantes para entender o porquê o comportamento de Amalia incomodava tanta gente - além do motivo principal: o machismo. E acredito que essas duas personagens devem ser descobertas através da leitura para não comprometer uma possível surpresa.

Um Amor Incômodo, em minha opinião, peca em algumas partes de seu desenvolvimento. E ao terminar o livro percebi que isso acontece pelo fato de não sabermos tanto sobre Delia. Ferrante se debruça tanto nos eventos que antecederam a morte de Amalia, através do que era contado por Delia e as outras personagens, que acabamos entendendo pouco sobre quem está narrando. Ela deseja tanto saber sobre o antes da morte de sua mãe para tentar/continuar se desvencilhando de um passado cruel e violento. Se tem conhecimento que Amalia não seguia o modelo machista imposto as mulheres porque as pessoas que cercavam a personagem recriminavam apenas por ela ser mulher. Consideravam qualquer coisa que ela fazia como imprópria e nós não temos a visão da personagem morta, o que pode gerar a dúvida se ela de fato as coisas aconteceram da maneira que contavam. Tem um motivo, que só esclarecido no final e muito rápido, para o incômodo de Delia em relação a sua mãe. O medo de estar se tornando, ou de sempre ter sido, semelhante a sua mãe causa um desconforto gigante em Delia e senti que poderia desenvolver mais. O fato de Ferrante mostrar mulheres complexas e vítimas de uma sociedade que impõe um comportamento a essas mulheres mostra a coragem em trazer um assunto tão incômodo. Não é um livro ruim, pelo contrário, mas que tem deslizes em seu desenvolvimento.
Eu tinha dificuldade em aceitar que ele desse razão ao meu pai e culpasse a minha mãe. Era irmão dela, a vira centenas de vezes inchada por causa de tapas, socos, chutes; contudo, nunca movera uma palha para ajudá-la.
P. 54
Cultura | Saraiva | Fnac | Livraria da Folha
Comentários
4
Compartilhe

4 comentários:

  1. Oi Auri, tudo bem?
    Eu achei essa premissa sensacional. Acho que a todo momento devemos falar sobre as imposições que a sociedade faz em cima das mulheres para tentarmos acabar com todo esse machismo que ainda existe. Apesar de o livro não ser muito em explicado fiquei com vontade de conhecer esta estória.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Auri!
    Tão bom quando não conhecemos uma autora, mesmo atrás de um pseudônimo, e quando lemos seu livro, acabamos nos encantando com ele.
    Não li nada da autora ainda, mas sempre vejo bons comentários.
    Desejo uma semana de muito amor no coração!
    “Inteligência não é não cometer erros, mas saber resolvê-los rapidamente.” (Bertolt Brecht)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE SETEMBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Que livro super interessante, no momento não tinha visto livro que abordasse esse tema de machismo. Não tinha conhecimento dessa autora mas tem uma premissa muito bem maravilhosa e um tema muito bem abordado, estou desejando ler já e conhecer um pouco sobre essa obra.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Tudo bem?
    Achei a premissa do livro muito interessante e sobre abordar o tema machismo; o que acontece com as maiorias das mulheres em nossa sociedade. Não conhecia a autora, mas foi bom ler a resenha e conhecer um pouco sobre.
    Adorei mesmo e já adicionei na minha lista.
    Beijos.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações