4 de dez de 2017


[Cinema] Liga da Justiça


Pra quem cresceu assistindo os desenhos da Liga da Justiça na tv, ver seus heróis em carne e osso no cinema parece um sonho realizado. Ou não?



A Trindade, enfim


A Liga é um grupo de heróis enorme e bem diverso, que conta com membros famosos (como a Trindade - Mulher Maravilha, Superman e Batman), alguns meio que conhecidos (a exemplo da Mulher gavião e do Caçador de Marte) e outros muito obscuros (como o Questão - um dos meus favoritos - e a dupla Fogo e Gelo). Alguns deles só são reconhecíveis por quem leu os quadrinhos ou assistiu Liga da Justiça - Sem Limites, um dos melhores desenhos de super heróis já criado. Claro que para um filme de origem, a equipe vai ter que ser enxugada até o mínimo possível, o que elimina a participação de alguns membros marcantes da formação clássica, como o Lanterna Verde (vai por mim, ninguém vai tentar fazer outro filme com o Lanterna por mais uns dez anos).


No novo filme, o mundo parece muito abalado pela morte do Superman, sem esperança e com a criminalidade aumentando. É meio esquisito o roteiro supor que a única coisa que impedia as pessoas de cometerem crimes era a presença de um alienígena superforte, mas vá lá. Esse clima de decadência a tristeza é mostrado numa montagem muito bonita ao som dessa música.A ausência do Super abre uma brecha na proteção do planeta pra que o vilão Lobo da Estepe (quem??) tente dominar o mundo e, como ele é poderoso demais, o Batman resolve juntar um grupo de pessoas com habilidades especiais para impedi-lo.


O melhor grupo de super heróis de todos os tempos?


Vamos começar como fato de que ninguém que não tenha lido os quadrinhos sabe quem é o Lobo da Estepe. As pessoas conhecem Lex Luthor, Darkseid e Brainiac por causa dos desenhos mas o Lobo da Estepe é um completo desconhecido que não parece forte o suficiente para justificar a formação da Liga. Em nenhum momento do filme ele se mostra uma ameaça poderosa com uma motivação razoável. É como se os produtores tivessem começado com um vilão fraco e sem graça para guardar o melhor para os próximos filmes.


Alguns dos mocinhos estão bem diferentes dos quadrinhos. É o caso do Aquaman, que foi o mais modificado. O Arthur Curry dos quadrinhos e desenhos é um homem implacável por trás da aparência de bom moço. O Arthur do filme se livrou da aparência de certinho e abraçou a selvageria através do corpitcho do Jason Momoa (nada contra). Aliás, faz todo o sentido que o rei de uma cidade marinha seja um cara havaiano, né? O Ciborgue, que é um personagem engraçadíssimo em todas as outras mídias, está muito sério no longa, o que me incomodou um pouco, já que eu estava acostumada com a versão de Jovens Titãs.


Jason Momoa muito vestido pro meu gosto


O Batman do Ben Affleck tá bem meh. Os melhores personagens do filme são a Mulher Maravilha e o Flash. Gal Gadot está maravilhosa como sempre, apesar de menos espaço para desenvolver a personalidade da Diana. Ela é a voz da razão no grupo, quando até o Batman parece estar agindo feito um maníaco. E o Ezra Miller interpreta uma versão interessante do Flash, um Barry meio hiperativo, meio ansioso, com umas fobias estranhas e muito mais próximo das versões animadas que o Barry da série.


Quem também merece uma menção honrosa como melhor personagem é o bigode do Henry Cavill, que causou muita encrenca durante a pós-produção. Henry estava gravando Liga da Justiça e o novo Missão: Impossível ao mesmo tempo e era obrigado por contrato a não raspar o bigode, o que fez com que ele tivesse que gravar suas cenas em Liga com o uniforme do Superman e um bigodão de respeito. Rolam boatos de que a Warner gastou “aproximadamente 25 milhões de dólares” pra remover o bigode com computação gráfica. Spoiler: não funcionou. Dá pra perceber em que cenas o bigode foi removido, o que transforma as cenas sérias do Super em involuntariamente hilárias.


meus parabéns a todos os envolvidos. só que não.


O uso de computação no filme ficou bem exagerado e até artificial. O que salva o filme são as cenas de ação e os momentos mais engraçados (meus favoritos são o que envolve uma série de confissões do Aquaman e a cena em que o Flash admite que nunca lutou). O Flash é o grande alívio cômico do filme e era pro Ciborgue também ser mas as piadas dele não funcionam tão bem. Talvez porque o coitado do Ray Fisher foi obrigado a atuar só com metade do rosto.


segundo melhor Flash de todos (só perde pro da LJ: Sem Limites)


Sobre “filmes de herói”


Uma coisa que a maioria dos estúdios ainda não percebeu é que “filme de super herói” não é um gênero. Não dá pra basear todo o conceito do seu filme nisso. Os melhores filmes baseados em quadrinhos são aqueles que têm um gênero bem definido e que, por coincidência, também envolvem super heróis: Logan é um faroeste, Deadpool é uma comédia, Mulher Maravilha é ação e Guardiões da Galáxia é ficção científica, só pra citar os melhores filmes dos últimos três anos.


Liga da Justiça é um filme que deveria ser de ação mas que não tem muita consistência no roteiro. É bonzinho, mil vezes melhor que Esquadrão Suicida (o que não é lá grande mérito), mas não tem a qualidade e o cuidado de Mulher Maravilha. Parece que a DC só tem duas opções: os esquece essa história de roteiro original e começa a fazer filme live action que adapta o roteiro das animações (como Flashpoint e Batman e Arlequina), ou entrega todo o cenário nas mãos da Patty Jenkins.

Numa escala de um a cinco membros da Liga que não aparecem neste longa, o quanto eu gostei do filme:

Comentários
6
Compartilhe

6 comentários:

  1. Oi Tamy
    eu gostei do filme, talvez por n acompanhar as HQ's mas minha mente tava super aberta pra esse filme.

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá Tamy! Eu daria nota 4 para o filme. Eu achei o humor do Flash um pouco forçado, e definitivamente não gostei do Aquaman não ter uma calda de peixe. Realmente achei o Ciborgue meio sério, mas na situação dele eu também não estaria feliz. Senti falta dos outros personagens, como a Mulher gavião e o Lanterna Verde, minha esperança é que eles apareçam nos próximos filmes. Enfim, para os amantes assíduos de Liga da Justiça entendo que o filme deixou a desejar mas eu gostei e recomendo. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Tamy!
    Assisti muito os desenhos da Liga da justiça e amava.
    Uma pena terem exagerado nos 'efeitos' da computação gráfica, algo que poderia ser favorável, acabou prejudicando.
    Ainda assim, como boa fã, quero assistir.
    Que dezembro seja repleto de realizações e a semana cheia de luz e paz!
    “Dentre os mais dignos predicados de um homem está o de saber dizer a verdade.” (Renato Kehl)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Amo as obras da DC, por isto apaixonei por esquadrão suicida apesar de esperar muita mais ação, o que vejo que também e um ponto negativo neste novo filme da liga da justiça. Confesso que estou ansiosa para assistir ao filme, o que acho que não terei a oportunidade de ir aos cinemas, porém agora que li mais sobre o filme, de forma detalhada, estou ainda mais curiosa para poder tirar as provas do novo, e criar minha própria opinião.

    ResponderExcluir
  5. Olá, confesso que o filme foi um tanto decepcionante para mim, que estava iludido que a DC iria finalmente saber produzir algo depois do icônico Mulher Maravilha. O plot do longa não me convenceu e achei tudo muito fácil demais. Espero que na sequência o roteiro fique mais coeso e claro, que haja a introdução do Laterna, que aparece nos créditos iniciais mas é invisível no filme. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Não gosto desse tipo de filme (apesar de assistir os desenhos, na infância), mas com o Henry Cavill no elenco, tudo fica mais interessante!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações