23 de dez de 2017


[Seriando um Pouquinho] The Good Doctor



Sinopse: Um jovem cirurgião diagnosticado com savantismo, um distúrbio psíquico raro, é recrutado para trabalhar na ala pediátrica de um hospital de prestígio. Apesar do seu incrível conhecimento na área da medicina, esse médico não consegue se relacionar com o mundo à sua volta. Resta saber se esta dificuldade será um problema na hora de salvar vidas.

Antes de iniciar, vou confessar que séries médicas não estão no topo da minha lista de preferência, mas às vezes resolvo dar uma chance ao gênero. Não querendo criar briga com os fãs de séries médicas, mas eu acho que elas tem uma fórmula que não me atrai, uma repetição eterna, com episódios muito parecidos em um círculo viciante de roteiro. Às vezes um ou outro personagem pode conquistar e fazer com que eu acompanhe, o que é o caso. 

Protagonizada por Freddie Highmore, que viveu recentemente Norman Bates, em Bates Motel, a série traz o jovem ator  em mais um papel em que o personagem tem distúrbios psicológicos. O Dr. Shaun Murphy  (Freddie ) é um médico recém formado em busca de uma vaga no departamento de pediatria do Hospital San Jose St. Bonaventure, até aí tudo bem, mas a série tem um elemento complicador. O Dr. Shaun Murphy é autista e possui a síndrome de Savant ("síndrome de sábio"), características que tornam complicadas as relações interpessoais. 

A série foi criada por David Shore mesmo criador de House, o que nos traz vários elementos comuns entre as séries. Em ambas temos protagonistas com dificuldade de relacionamento interpessoal, complicações médicas em todos os episódios, diagnósticos errados até a solução do problema e a valorização da vida. A diferença é que em The Good Doctor tempos um protagonista mais doce. Uma história bastante emotiva e  um protagonista simpático.


Highmore se mostra um ator excelente, consegue cativar os telespectador desde o início. Isso se dá não só pelo talento do ator, mas também pelas características da construção do personagem. O Dr. Shaun Murphy tem um apelo emocional muito grande (pessoas sensíveis e com o choro solto, vão derramar lágrimas em vários momentos). Fazendo uma breve descrição do personagem, Ele é um jovem médico que fugiu de casa na infância junto com o irmão que era o seu herói e o protegia da violência de outros jovens e do pai, durante o tempo que viveram “nas ruas” o irmão veio a falecer. A partir daí, ele passa a ser ‘adotado’ ou tem como tutor o médico Dr. Aaron Glassman, diretor do hospital que, no futuro, ele irá buscar emprego.


A luta contra o preconceito é uma bandeira em destaque, visto que o ego dos médicos impede a confiança em alguém como Shaun. Entretanto, esse dilema faz sentido pois, como que alguém com problemas de comunicação e relacionamento humano, pode trabalhar salvando vidas, até que ponto isso prejudica ou ajuda o hospital a manter sua posição de prestígio? Mas o texto e os diálogos são nos apresentados de maneira que não pensemos nessas coisas. Apenas torcemos para que tudo dê certo na vida de Shaun. Pois a todo momento somos apresentados à flashbacks que remontam o passado do protagonista e vão tocando, cada vez mais, o coração do público.



Os personagens secundários também tem seus dramas e problemas. Que são facilmente colocados de lado quando  Highmore surge na cena. O ator, rouba a cena literalmente e a qualidade do seu trabalho tem lhe rendido boas criticas e a indicação ao Globo de Ouro 2018, na categoria: Melhor Ator - Drama. A série ainda não tem exibição confirmada no Brasil, entretanto há boatos circulando na internet que a Netflix negocia os direitos de exibição no país.






Elenco
Freddie Highmore como Shaun Murphy
Antonia Thomas como Claire Brown
Nicholas Gonzalez como Neal Melendez
Chuku Modu como Jared Kalu
Beau Garrett como Jessica Preston
Hill Harper como Marcus Andrews
Richard Schiff como Aaron Glassman

Comentários
5
Compartilhe

5 comentários:

  1. Pois é, essa repetição e características semelhantes, não me agrada, é chato. É bom assistir algo diferente. Mas, espero que a série faça sucesso por aqui!

    ResponderExcluir
  2. Olá! Também não sou fã de séries médicas. Acredito que toda a situação sofrida pelo protagonista nos faz ficar solidários e ter empatia com ele, o que contribui para o sucesso da série. Com certeza irá fazer sucesso no Brasil e conquistar os fãs de Gray's Anatomy. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Miau!
    Se ainda não chegou nem na Netflix, como assistiu?
    Fato é que amo séries médicas, mesmo com todo 'engessanmento' como falou, acredito que aprendemos muito, tanto em questões médicas como em relacionamentos.
    Vou aguardar para assistir.
    Bom final de semana e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  4. Olá, também não costumo assistir esse tipo de programa, porém como essa série é derivada da versão sul-coreana, vejo que alguns elementos a tornam bem mais interessante, sem contar que o elenco não deixa a desejar. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu gosto bastante de serie, mas não me chama atenção serie desse gênero, quem sabe eu possa dar uma oportunidade em breve, mas tem uma ótimo enredo na trama.

    Meu Blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações