21 de jan de 2018


[Resenha] Honey - Kristen Ashley

Ficha Técnica 

Título: Honey
Título Original: The Deep End
Autor: Kristen Ashley
ISBN: 978-85-503-0196-9
Páginas: 512
Ano: 2017
Tradutor: Alline Salles
Editora: Universo dos Livros
Entre em um mundo decadente e sensual no qual machos alfa maravilhosos são escravos de prazer comprometidos a realizar os desejos de uma mulher. No clube de elite Bee’s Honey, nenhum limite é deixado de testar, e os desejos mais sombrios de alguém se tornam uma realidade sensual. Olivier não tem certeza de onde se meteu quando se associa ao clube Honey, só que uma parte obscura dele deseja o estilo de vida oferecido por esse clube exclusivo e secreto. Quando Amélie convida Olivier a se render, ela o incentiva a explorar seus desejos mais profundos como um submisso. Conforme eles se tornam mais íntimos e se veem se apaixonando mais do que imaginaram, a verdade sobre o passado de Olivier pode ameaçar o relacionamento que ambos desejam.

Resenha


Em Honey somos apresentados ao clube de elite Bee’s Honey, um lugar onde os limites da sexualidade são testados. Sendo um clube de BDSM caríssimo e de difícil associação, é um lugar cobiçado para os amantes desse estilo.

Amélie Hélène Strand é uma mulher de trinta e três anos, rica, dominadora, mas sente que tem uma vida vazia, sem propósitos. Sem a necessidade de trabalhar, ela apenas precisa comparecer em algumas reuniões dos muitos conselhos que herdou de seus pais. Além disso, seu tempo é dividido entre algumas horas de trabalho voluntário em uma clínica veterinária e o Honey, mas esse último não tem lhe instigado o desafio. Sendo uma dominatrix, Amélie gosta do desafio, gosta de encontrar alfa submissos para domar, algo que não é fácil de encontrar, até o dia em que ela encontrou Olivier.

Olivier Hawkes é bombeiro, alto, forte, a imagem do homem dominador, mas entre quatro paredes ele é um submisso. Há muito tempo ele tenta conviver com essa realidade, mas para ele é complicado aceitar isso sem diminuir sua masculinidade, entretanto, aos trinta e dois anos e depois de lutar muito contra isso ele descobre o mundo dos clubes de BDSM e em seguida o Honey. O clube não faz parte de sua realidade financeira, mas com uma ajuda ele consegue frequentar algumas vezes, até que encontra Amélie.

Amélie e Olly se completam e percebem isso rapidamente, a questão é apenas se o que vivem no Honey poderá ser levado ao mundo externo, para um relacionamento completo. Sem falar no temperamento esquentado de Olly e a frieza de Amélie.
— Não encontramos isso toda hora. Não encontramos essa conexão. Muitas de nós não estamos procurando por isso. Estamos buscando um tipo diferente de conexão que é importante, mas não é isso. Tudo isso. Tudo que vi que você tem com ele. Conseguimos o que precisamos com o jogo. Mas algumas de nós...
P. 149
Essa é a história e tudo é regado a muitas cenas de sexo quentíssimas. Não é segredo que eu gosto de um bom romance e também curto livros eróticos (mas não curto os de BDSM), entretanto, também já deixei claro o quanto é importante que o livro tenha uma boa história, que ela se sustente, mas infelizmente não foi o que aconteceu com a leitura de Honey e o pior, foi meu primeiro livro da Kristen Ashley.

Faltou história no meio de tanto sexo. Era 90% cenas de sexo com 10% de conteúdo e confesso que fiquei realmente frustrada com isso, fez com que a leitura se tornasse amarrada para mim e quase não cheguei ao final, entendem? Eu ficava pensando... sexo de novo? Mas não estávamos no meio de outra coisa aqui? Existia material para uma boa história, era só reduzir o excesso e aprofundar no conteúdo dos personagens e suas personalidades.

Mas enfim, vi muitas resenhas positivas na rede e isso realmente vai de gosto. Não sei se lerei outro livro da Kristen, ou pelo menos darei um tempo até tentar outra vez, mas certamente não insistirei nos próximos dessa série.

Amazon | Cultura | Fnac | Livraria da Folha
Comentários
8
Compartilhe

8 comentários:

  1. Lay!
    Os livros BDSM estão cada vez mais em alta, mas também confesso que é a primera vez que vejo uma mulher como dominante, geralmente elas são as submissas e é muito interessante, porque ela se impõe e mostra a que veio, tornando seus submissos, cordeirinhos...fascinante.
    Uma pena que achou que ficou faltando algo.
    Preciso ler!
    Desejo um ótimo domingo!
    “Bem aventurados os que mudam suas atitudes sem esperar um ano novo.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Ooi, não curto muito esse gênero de livros.
    Uma pena que você ficou frustrada com a história, realmente é frustrante quando a história tem potencial e o autor segue um rumo não muito bom.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi, Layane.

    Bom, nem sempre o homem é quem está por cima no relacionamento, e essa troca de papéis nos mostra isso, que o homem também pode ser submisso, não somente dominador.

    E essa frieza da Amélie, com certeza é consequente do seu lado dominador. Mas, acho que aos pouquinhos, o Oliver conseguiu brotar sentimentos no coração dela.

    E dá pra perceber que é um livro diferenciado.

    ResponderExcluir
  4. Sinceramente esta com altas expectativas a respeito deste livro, e se desmanchou totalmente ao ler sua resenha, pois esta história não e para mim. Simplesmente odeio livros que possuem 90% de cenas de sexo, e apenas 10% de conteúdo, principalmente quando tem história para contar, e fica naquela mesmisse. Enfim, gosto de livros hot, mas apenas quando vai além do envolvimento carnal. Porém pretendo dar uma chance a outros livros desta autora.

    Venha participar do sorteio de um kit da caixinha da TAG Livros http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Lay
    eu gosto bastante de histórias hot mas realmente tem que ter história, só sexo não me agrada. Por isso esse não entrará na minha lista!

    Bjoooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Livros assim está muito nas leituras e as vezes os autores exagera demais. A trama é bem interessante, apesar desse exagero mas uma premissa muito boa.

    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  7. Hello :)

    Então, li a palavra "bombeiro" e pirei, fiquei com vontade de ler.
    Depois eu li: tem sexo demais. Aí, eu: pera.

    Livros eróticos são bons? São. Dependendo do estilo do autor, chegam a ser muito divertidos. Mas há um detalhe que acaba passando despercebido por alguns autores do gênero: que mesmo sendo um livro erótico, este não deve estar com 90% do contéudo sendo sexo. Tem que ter história, seja esta romântica, ou divertida, mas tem que ter. Quem é que quer ler 90 páginas só de sexo quando o livro tem 100 páginas?
    O ideal é que haja por parte do autor um limite. É tipo: até onde eu vou descrever o sentimento, o romance, a amizade entre os personagens? O quanto de sexo eu vou abordar? De que tipo? BDSM, ou algo mais leve, ou mais romantizado? Como inovar? O autor precisa trabalhar isso, para evitar justamente o exagero que Honey apresentou a você.

    Acho que era isso que eu queria dizer, kkk beijinhos!

    ResponderExcluir
  8. Eu não sou fã de livros eróticos não gosto da leitora e eu sempre pula cenas de sexo mas livros assim são todos feitos de cenas de sexo livros tipo 50 Tons de Cinza realmente não me agrada ao mesmo o tema bdsm não me chama muita atenção

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações