14 de jan de 2018


[Resenha] No seu Pescoço - Chimamanda Ngozi Adichie

Ficha Técnica

Título: No seu Pescoço
Título Original: The Thing Around Your Neck
Autor: Chimamanda Ngozi Adichie
ISBN: 978-85-359-2945-4
Páginas: 233
Ano: 2017
Tradutor: Julia Romeu
Editora: Companhia das Letras
No Seu Pescoço
A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie vem conquistando um público cada vez maior, tanto no Brasil como fora dele. Em 2007, seu romance Meio sol amarelo venceu o National Book Critics Circle Award e o Orange Prize de ficção, mas foi com o romance seguinte, Americanah, que ela atingiu o volume de leitores que a alavancou para o topo das listas de mais vendidos dos Estados Unidos, onde vive atualmente. Ao trabalho de ficcionista, somou-se a expressiva e incontornável militância da autora em favor da igualdade de gêneros e raça. Agora é a vez de os leitores brasileiros conhecerem a face de contista dessa grande autora já consagrada pelas formas do romance e do ensaio. Publicado em inglês em 2009, No seu pescoço contém todos os elementos que fazem de Adichie uma das principais escritoras contemporâneas. Nos doze contos que compõem o volume, encontramos a sensibilidade da autora voltada para a temática da imigração, da desigualdade racial, dos conflitos religiosos e das relações familiares. Combinando técnicas da narrativa convencional com experimentalismo, como no conto que dá nome ao livro — escrito em segunda pessoa —, Adichie parte da perspectiva do indivíduo para atingir o universal que há em cada um de nós e, com isso, proporciona a seus leitores a experiência da empatia, bem escassa em nossos tempos.

Resenha

Leitura extremamente necessária. A fama de Chimamanda Ngozi Adichie é o reflexo de obras tão significativas e que fazem o leitor refletir o lugar no qual eles se encontram, principalmente o local de fala. Até que ponto sabemos e podemos nos colocar no lugar de suas personagens e perceber os desconfortos vividos.

Em No seu Pescoço, Chimamanda - através de 12 contos - nos apresenta diferentes histórias e que abordam os temas desigualdade racial, social, o local feminino, religião e família. A autora que conquistou tantos leitores através de seus escritos carregados de crítica social, continua nesse livro assumindo a responsabilidade de tratar de assuntos que costumam incomodar. Assuntos que colocam "o dedo na ferida" sem medo de expor as suas mazelas. Através de suas personagens, Chimamanda ilustra os tantos papéis sociais que mulheres e homens desenvolvem e assumem em sociedade.

Nesse livro de contos, a autora nos apresenta doze histórias diferentes e nos apresenta nigerianos que moram em solo norte-americano. A ligação destas personagens com o seu país de origem é muito forte. Os acontecimentos na Nigéria são intensos para esses imigrantes. E esse cenário escolhido por Adichie é para tocar em pontos que estão em nosso cotidiano e que diversas vezes nós deixamos que se tornem naturais. Um exemplo disso é o comportamento do esposo com a sua companheira no segundo conto, "Réplica". A realidade de privilégios masculinos sobre os desejos e ideias femininas. A personagem se questiona qual o papel dela, o que ela está fazendo com a própria vida.
Nkem desliga depressa. É isso que eu me tornei, pensa. Estou usando um empregado que nem conheço para espionar meu marido.
P. 44
Chimamanda escreve com sutileza sobre assuntos pesados. Isso não significa que os temas são tratados com menos seriedade, pelo contrário. Tudo é descrito com emoção e nada forçado para causar esta sensação. As sensações de revolta, tristeza, alegria, empatia elas acontecem porque as personagens descrevem pequenas violências cotidianas que nós sofremos. Então, quando o leitor se debruça sobre suas histórias, fica impossível não fazer a conexão com o que te cerca. Das relações familiares até pessoas completamente aleatórias que entram na sua vida. Adichie exemplifica a vida do povo nigeriano que imigra para os Estados Unidos, mas também a nossa. Nos mostra como não sabemos viver em sociedade e isso é o grande motivo para tanta desigualdade, seja de gênero, racial, social.

No seu Pescoço é uma leitura extremamente necessária e que nos coloca em diversos questionamentos sobre o que somos e o que fazemos. Quais os impactos de minhas ações na vida de outras pessoas? Como disse anteriormente, o que mais me chamou atenção foi perceber as pequenas violências cotidianas retratadas exatamente da mesma maneira como lidamos com elas em nossas vidas. Quantas vezes não naturalizamos ou relevamos comportamentos preconceituosos e não nos damos conta de como isso é perigoso. De como essas pequenas ações acabam e machucam as outras pessoas. Chimamanda Ngozi Adichie me conquistou através de seu manifesto Sejamos Todos  Feministas e é perceptível que autora é uma militante e usa o seu lugar de escritora para fazer a diferença. Mulher negra, país de origem africano e imigrante nos Estados Unidos, Adichie cria narrativas com duras críticas sociais. Não tem como após a leitura de seus livros não refletir sobre a nossa responsabilidade em tornar o lugar que vivemos em algo mais igualitário. Leitura mais do que recomendada!
Havia outras coisas que Ujunwa queria dizer, mas não disse. Havia lágrimas brotando em seus olhos, mas ela não deixou que caíssem.
P. 124

Comentários
9
Compartilhe

9 comentários:

  1. Oi, Auri.

    Acho que a autora abordou não só o preconceito racial, mas sim, o preconceito sofrido por imigrantes e a maneira como eles são vistos e relacionados ao seu país de origem... Que são questões existentes e não apenas da ficção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daiane.
      Como coloquei na resenha, a autora trata de diversos temas, preconceito social, de gênero, questões ligadas a religião e a família, além do preconceito racial. O preconceito sofrido pelos nigerianos em solo norte-americano se dá, sobretudo, por conta dessas questões.
      Abraços!

      Excluir
  2. Auri!
    Não li ainda nenhum dos livros da autora, mas sempre leio as resenhas e os livros dela trazem sempre polêmicas relevantes e mostra o quanto as realidades são diferentes e crueis.
    Desejo uma semana mais que abençoada e Novo Ano repleto de realizações!!
    “Que a paz, a saúde e o amor estejam presentes em todos os dias deste novo ano que se inicia. Feliz Ano Novo!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    1º TOP COMENTARISTA do ano 3 livros + Kit de papelaria, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu ainda não li nada da autora, mas esse livro tem temas muito bem abordados com uma forma bem interessante. Eu já coloquei na lista de leitura e estou desejando muito ler e com certeza será um contos muito bem escritos.

    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  4. Não leio muitos contos, mas com certeza esse tema me interessou muito, parece ser uma leitura incrível.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Auri
    eu não conhecia a autora, mas através da sua resenha acredito que eu vá gostar!
    Fiquei interessada nesse livro, ainda não li nada do tipo e fiquei curiosa!

    Bjooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Desde que vi este livro pela primeira vez, resolvi que tinha de ler esta obra, exatamente por trata de um assunto pesado, de forma simples, mas que consegue nos fazer sentir um misto de emoção, como tristeza, empatia entre outros. Nos fazendo questionar como nos colocamos diante da sociedade, e como certas ações podem influenciar de forma direta a vida do outro. Enfim, conseguimos nos identificar facilmente com a violência retratada nesta trama, e isto e algo que me fez querer ainda mais ler este livro.

    Venha participar do sorteio de um kit da caixinha da TAG Livros http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Li o livro dela Hibisco Roxo as melhores leituras que eu fiz do ano passado e concordo com você os livros dela tem um toque de feminismo e são leituras necessárias são aquele tipo de leitura que você quer debater com todo mundo ao seu redor

    ResponderExcluir
  8. Hey Auri,

    Tinha acabado de ver a postagem das capas de Hibisco Roxo, e vi que a capa desse livro "No Seu Pescoço" seguiu a mesma linha da segunda edição do Hibisco Roxo. E bem como me interessei por Hibisco Roxo, me interessei por esse livro também, devido à temática social que se discute.
    É necessário que livros desse tipo, com discussões e temáticas fortes, sejam lidos e bem aproveitados, por transparecer uma certa realidade pelo o que as mulheres passam cotidianamente.

    Procurarei ler os livros dessa autora, em breve!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações