24 de mar de 2018


[Cinema] Com amor, Simon



Querido Simon,

Apesar de só ter lido o livro (Simon vs a agenda homo sapiens) há menos de seis meses, eu preciso dizer que esperava por este filme há anos. É revigorante assistir uma comédia romântica LGBT adolescente com personagens tão carismáticos.

O filme segue a mesma ideia do livro e conta a sua história, um adolescente comum (tá, mais fofo que o normal) que ainda está no armário e começa a se corresponder com outro rapaz da mesma escola, que você não sabe quem é e que também está no armário. Quando um colega ameaça vazar seus e-mails, você se vê questionando as possíveis reações das pessoas e se apavora com a possibilidade de perder o garoto por quem está se apaixonando.


A primeira coisa que eu preciso dizer é que o elenco está perfeito! Nick Robinson (Simon) é um amorzinho, Alexandra Shipp (Abby) é tão legal quanto no livro, Keiynan Lonsdale (Bram) e Jorge Lendeborg Jr. (Nick) são adoráveis, Katherine Langford (Leah) é uma fofinha e eu queria que a Jennifer Garner (Emily) e o Josh Duhamel (Jack) me adotassem.

Claro que não adianta ter atores bons se os personagens forem mal escritos, o que definitivamente não aconteceu aqui. Cada personagem tem seu pequeno momento de glória e todos eles tem chance de evoluir, especialmente Jack, que compartilha um momento tocante lá pro segundo ato do filme. Os personagens não são perfeitos e são suas falhas que os tornam mais humanos e faz com que a gente sinta empatia por eles.

A adaptação pra tela foi feita com maestria. O filme não segue à risca as cenas do livro, mas cria outras (algumas das minhas favoritas), mantendo o estilo leve e divertido, com toques de drama aqui e ali.


Não sei se você sabe mas existe uma diferença entre transposição e adaptação. É impossível transpor todo o conteúdo de uma mídia pra outra, como no caso de livros que viram filmes. Livros contam com a imaginação do leitor o tempo todo e possuem características que não podem ser desenvolvidas em outra mídia. Essas características precisam ser adaptadas e é aí que está a genialidade do filme. Em reconhecer que ele não precisa ser uma cópia do material original, palavra por palavra, cena por cena. Ele tem a liberdade pra ser diferente porque é outra obra.

Um filme nunca é um livro na tela. Ele sempre vai ser a visão que uma equipe (diretor, produtores, atores, etc) tem daquela obra.

A trilha sonora também é linda. Conta com músicas de ícones LGBT, como Whitney Houston e Tegan & Sara, e, minha favorita, Alfie’s song (not so typical love song), que é um amorzinho e foi produzida pelo Harry Styles.


Com amor, Simon é relevante. É uma comédia romântica mainstream que tem coragem de se assumir. É um filme divertido, pra assistir com a família, e que tem o potencial de educar as pessoas para a tolerância e o respeito. Que pode ser o primeiro passo pra muita gente sair do armário e passar a ter uma vida mais feliz, o primeiro passo pra muitas famílias entenderem e respeitarem seus filhos. Se a gente levar em consideração que há menos de cinquenta anos ser LGBT era ilegal na maior parte do mundo e que ainda hoje pessoas são mortas e maltratadas apenas por gostarem de outras, dá pra ver como esse filme vai ser importante pra muita gente. E já está sendo. Muitas pessoas, inclusive o irmão do Nick Robinson, se assumiram graças ao filme.

A arte tem o poder de moldar a realidade e é pra isso que a representatividade serve. O grande mérito da sua história é normalizar a relação homoafetiva, é ser um filme que poderia passar na tv à tarde e entreter o público geral, mostrando que ser LGBT é absolutamente normal. Nós não sentimos pena de você porque é gay. Nós simpatizamos, nós torcemos por você porque a relação que você tem com o Blue é o que desejamos pra nós mesmos. E é importante e saudável que a gente tenha todo tipo de filme LGBT, inclusive comédias românticas fofinhas.

Pode parecer pouco mas esse é um filme verdadeiramente revolucionário e eu mal posso esperar pra ver os que vão vir em seguida.

Com amor,
Tamy

Numa escala de um a cinco ícones que devem estar muito orgulhosos, o quanto eu gostei do filme:

(Marsha P. Johnson, Freddie Mercury, Cássia Eller, David Bowie e Gladys Bentley)
Comentários
5
Compartilhe

5 comentários:

  1. Eu amei demais o livro e to muito ansiosa pra assistir o filme porque ta com cara de ser muito fiel e lindinho como no livro <3

    Beijos
    Próxima Primavera

    ResponderExcluir
  2. Tamy!
    Acho importante que tragam filmes LGBT, para que todos tenham consciência de que amar, independe sexo, raça, idade ou qualquer 'norma' social, é apenas amor...
    Não li o livro ainda, mas bem quero.
    Amo a Jennifer Garner, pena que mesmo estando bem no papel, já não tem mais o vigor dos filmes de ação que fez no passado...
    Bom domingo de luz e paz!
    “Não acredite em tudo que ouvires! Há mentiras que sempre serão ditas, e verdades que jamais serão pronunciadas...” (Eliane Azevedo)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/2018/03/divulgacao-cultural-40-28-poetizando-e.html

    ResponderExcluir
  3. Quero muito ver esse filme e ler o livro!! A história dos garotos querendo sair do armário se assemelha muito com o que muitos jovens passam. Hoje em dia temos muitas pessoas saindo do armário e o bacana é que essas pessoas estão conseguindo seu lugar na sociedade, é claro que ainda tem preconceitos, mas a tolerância está muito melhor que antigamente.

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho o livro que eu comprei no dia internacional da mulher na Saraiva mas eu já tinha lido a história os dois anos antes na época de lançamento mesmo sabendo da história algumas pessoas disseram que a história do filme ficou diferente mas mesmo assim ficou Maravilhosa

    ResponderExcluir
  5. Oi Tamy,

    Eu estou muitoooooo interessada em assistir esse filme, tanto quanto estou interessada em ler o livro antes. Dei de cara com o trailer recentemente e nem pensei que fosse adaptação do livro "Simon vs. A Agenda Homo Sapiens" da Becky Albertalli. E quando eu soube fiquei pasma, porque tipo, eu amei a escrita da Becky em "Os 27 Crushes de Molly".
    Acho muito bacana o tema sendo discutido de uma forma tão fofa e estou empolgada por conta disso. Pretendo assistir em breve, com certeza :)

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações