13 de mar de 2018


[Resenha] Mais Escuro - E. L. James

Ficha Técnica 

Título: Mais Escuro
Título Original: Darker
Autor: E. L. James
ISBN: 978-85-510-0283-4
Páginas: 496
Ano: 2018
Tradutor: Andrea Gottlieb, Catharina Pinheiro e Regiane Winarski
Editora: Intrínseca
O relacionamento quente e sensual de Anastasia Steele e Christian Grey chega ao fim com muitas acusações e sofrimento, mas Grey não consegue tirar Ana da cabeça. Determinado a reconquistá-la, ele tenta suprimir seus desejos mais obscuros e sua necessidade de controle absoluto, e disposto a amar Ana nos termos estabelecidos por ela. Mas os horrores de sua infância ainda o assombram, e, como se não bastasse, o chefe manipulador de Ana, Jack Hyde, claramente a quer. Será que o terapeuta e confidente de Grey, Dr. Flynn, poderá ajudá-lo a enfrentar seus demônios? Ou será que a possessividade de Elena, sua sedutora, e a devoção perturbada de Leila, sua ex-submissa, vão arrastá-lo para o passado? E se Christian vai reconquistar Ana, será que um homem tão sombrio e cheio de problemas espera mesmo mantê-la?

Resenha


Depois de ter lido a trilogia composta pelos livros Cinquenta Tons de CinzaCinquenta Tons Mais Escuros e Cinquenta Tons de Liberdade que são narrados sob a perspectiva da Anastasia Steele, E. L. James começou a trazer os livros que contam a história sob a perspectiva de Christian e eu simplesmente amei conhecer o outro lado da moeda. Como sempre digo, sou adepta dos livros que mesclam a narrativa dos protagonistas, porque sou curiosa mesmo e gosto de saber logo o que os dois estão pensando e sentindo sobre aquele momento. Então, depois de Grey ter trazido o outro lado da história de Cinquenta Tons de Cinza, Mais Escuro traz o outro lado de Cinquenta Tons Mais Escuros.

No livro anterior, vimos que o casal terminou a história separados e assim que voltamos em Mais Escuro, uma semana se passou e eles estão sofrendo com a separação. Christian então, sendo o foco do livro, nem se fala e por isso está decidido a trazer Ana de volta para sua vida.

Quem já leu a trilogia (agora já não é mais trilogia, né?!) já conhece a história então o diferencial aqui mesmo é conhecer mais da personalidade e do passado de Christian. Embora eu tenha achado poucas novidades, gostei do que li sobre ele, poder entendê-lo melhor.

A ausência de Ana em uma semana o fez perceber a diferença que ela fez na sua rotina, nos seus anseios e como ela lhe deixa feliz, algo que ele já nem sabia mais ser possível sentir. Mas quando eles voltam e seu passado vem lhe assombrar (Elena, Leila e seus segredos) ele se atormenta com a possibilidade de Ana deixá-lo novamente e de não conseguir se recuperar.
A verdade é que gosto da companhia dela. Gosto da presença de Ana na minha casa. Eu gostaria que ficasse. Permanentemente. Ela trouxe bom humor, um sono de qualidade, vitalidade e amor para a minha existência monocromática. Eu não sabia que estava solitário até conhecê-la.
P. 247
Outro ponto interessante foi ver a relação de Christian com Flynn (o terapeuta) e com sua família, principalmente quando lhe vem as lembranças da infância. Como ele os percebe de maneira diferente depois da presença de Ana e de seu amor. Uma cena que me encantou foi quando ele chega em casa, depois do acidente com Charlie Tango, nossa, ver o quanto ele fica surpreso com as pessoas de sua família em sua casa esperando por notícias dele, para saber se estava bem. A verdade é que Christian não acredita que as pessoas o amem, e não tem noção de como é fácil amá-lo, ele é muito crítico consigo mesmo e se cobra além da medida.
Ela corre em minha direção feito uma tempestade tropical, forçando-me a largar os sapatos e o paletó a tempo de abraçá-la. Ela envolve meu pescoço com os braços e beija sem parar minha bochecha, me abraçando com força.
Mas o que é isso?
- Mãe?
- Achei que nunca mais ia ver você de novo - diz ela, com a voz rouca.
- Mãe, estou aqui.
Tento acalmá-la, chocado. Ela não percebe que estou ótimo?
- Morri mil vezes hoje - continua ela, e sua voz fica embargada na última palavra, pois começou a chorar.
P. 424
No mais, o livro é uma repetição das trocas de e-mails e mensagens entre os dois, das cenas que já conhecemos, o que acredito que fez com que eu demorasse um pouco para terminar a leitura. Ainda assim, adoro conhecer mais do Christian e cada vez que a E. L. James traz mais um pouquinho dele, mais o adoro.

Amazon | Submarino | Americanas | Cultura | Fnac | Livraria da Folha
Comentários
5
Compartilhe

5 comentários:

  1. Lay!
    Mesmo que tenha demorado um pouco na leitura, por causa da repetição, acho que super vale a pena, né?
    Nem imagino um Christian inseguro e com obstáculos que ele não consiga superar.
    Realmente o amor parece que o deixou diferente e é uma versão que gostaria de ler.
    E Ana como está neste livro, fiquei curiosa por saber…
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Rudy. A repetição é ruim, porque a gente acaba lembrando do que aconteceu, mas o que a gente conhece de novo de Christian mega super vale a pena. Incrível Rudy, ele inseguro faz a gente compreender um pouco melhor o comportamento dele em muitas situações.

      Excluir
  2. Nunca cheguei a ler os livros dessa série, só assisiti os filmes. A relação de Ana e Grey é bem conturbada, passando por diversas provações!! Aos poucos os dois vão cedendo aa vontades um do outro, tornando o romance cada vez mais forte. Conhecer os pontos pelo ponto de vista do Grey é bem bacana, pois ele teve que superar muitas coisas e aprender a amar alguém de verdade.

    ResponderExcluir
  3. Cinquenta Tons de Cinza... nunca li, nunca assisti.
    Sou completamente leiga no que diz respeito à essa trilogia. Mas não imaginava que "Grey" e agora "Mais Escuro" fosse parte desse mesmo enredo, só que agora sob a perspectiva do Grey.
    Acho interessante a proposta da autora em trazer a história sob a perspectiva do outro personagem. É sempre bom conhecer os dois lados da moeda, como cada personagem pensa a respeito um do outro e como lida com as situações ao seu redor. Por isso que prezo muito a construção de narrativas em primeira pessoa que intercalam os dois personagens principais da história, pois nos permite criar uma conexão com cada um.

    ResponderExcluir
  4. Já tentei ler o primeiro livro de 50 Tons de Cinza mas eu desisti na hora porque é um gênero que eu não gosto e nem me arrisquei em tentar assistir aos filmes porque eu sabia que não ia gostar sem preconceito a quem gosta mas para mim é realmente algo impossível de se gostar

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos.
Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações