4 de abr. de 2020


[Resenha] A Dama de Espadas - Alexandre Pushkin

Ficha Técnica 

Título: A Dama de Espadas
Título Original: Pikóvaia Dama
Autor: Alexandre Pushkin
ISBN: 978-85-943-1873-2
Páginas: 80
Ano: 2019
Tradutor: Irineu Perpetuo
Editora: Ciranda Cultural (Selo Principis)
Em uma roda de amigos em volta de uma mesa de baralho, a história da condessa *** e do seu misterioso segredo para vencer no jogo de cartas vem à tona e desperta a curiosidade do ambicioso Hermann. Ele então põe em prática seu plano para descobrir o mistério, mas mal pode imaginar com o que vai se deparar.








Resenha


Já faz algum tempo que pretendo entrar no mundo dos livros clássicos, mas para mim não é nada fácil. Acredito que o tempo da escola criou uma resistência em mim que perpetua até hoje. Por isso, quando recebi o convite para participar de um clube do livro no trabalho, onde o objetivo é ler principalmente os clássicos, topei na hora. Esse é o empurrão que eu precisava.

Para iniciar, o desafio foi ler A Dama de Espadas, do poeta russo Alexandre Pushkin, um livro curto, de contos, mas confesso, sequer havia ouvido falar no poeta, e olha que pelo que eu li, ele é bem importante para a literatura russa.

Ambientada em São Petesburgo, iniciamos a história após uma partida de jogo de cartas entre amigos, onde os jovens estão desfrutando da companhia juntos e das perdas e ganhos de cada um. Entre os personagens, está o dono da casa, Narúmov (que é militar, cavaleiro da guarda), Súrin (que sempre perde nos jogos, mas ainda assim, sempre tenta a sorte), Hermann (descendente de alemães russificados, que nunca joga, mas está sempre presente) e Paul Tómski, que traz à tona uma curiosidade: por que sua avó nunca foi ao jogo deles para apostar?

Claro que a pergunta desperta a curiosidade de todos, afinal, que razão uma condessa de 87 anos teria para ir à uma mesa de jogos apostar com os jovens?
— O quê? — disse Narúmov. — Você tem uma avó que adivinha três cartas na sequência, e até agora não extraiu essa cabalística dela?
P. 18
Contando rapidamente aos amigos o motivo de seu questionamento, a curiosidade se instala principalmente em Hermann, que sempre ficou ali no canto, observando enquanto os outros jogavam e nos deixa com a pulga atrás da orelha sobre quais são suas reais intenções em estar sempre presente nesses jogos, e não jogar. Seria ele um jogador de alma, mas tímido em arriscar o pouco que tinha para o essencial, sem a certeza de que ganharia? Então se descobrisse o segredo da condessa, poderia ele ficar tranquilo na vida?

Enquanto as páginas passam, mas a gente fica intrigado com os passos de Hermann. Também é possível conhecer o outro lado da história, com personagens que estão ao lado da condessa, que,  pelo pouco que conheci, não gostei, pois mostrou como ela era egoísta, mimada e avarenta - pobre da Lizavieta Ivánovna, sua pupila, que precisava conviver constantemente com a mulher.

Como escrevi inicialmente, não tenho costume de ler esse tipo de narrativa, então me peguei questionando porque inicialmente é citado o nome da condessa e nos demais capítulos do livro ela aparece sempre como condessa ***, assim como em outras situações o asterisco é usado quando já sabemos de quem se trata, como na casa de quem estavam jogando cartas. Não sei dizer como me sinto tendo terminado esse livro; diferente do que estou acostumada, a história é intrigante, mas talvez o fato de ser um conto, seja pouco para o que poderia ter sido. Fiquei querendo mais detalhes sobre os personagens e sabia que não os teria em tão poucas páginas.

Independente, adorei me aventurar e certamente vocês verão outras resenhas de clássicos por aqui em breve, pois pretendo seguir com esse desafio. Quem sabe não descubro "novos" autores para gostar, não é mesmo?

Compre na Amazon

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
2
Compartilhe

2 comentários:

  1. ola LAYANE
    Que bom que sua experiencia em ler classicos foi positiva
    e que boa escolha foi ler um conto porque é mais curto e veja só voce já ficou empolgada em ler mais classicos
    que bom
    eu ainda não me aventurei
    vou procurar alguns titulos para ler nesse ano

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Eliane, a ideia foi começar com conto justamente por isso, para não desanimar, né? Já li um segundo clássico, em breve você verá a resenha por aqui!
      Tenta começar assim também, com livros menores e boa sorte!
      Beijos

      Excluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos. Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações