15 maio, 2022


[Resenha] Duque Atrevido - Annabelle Anders


Ficha Técnica 

Título: Duque Atrevido
Título Original: Cocky Duke
Autor: Annabelle Anders
ISBN: 978-65-5933-060-7
Páginas: 256
Ano: 2022
Tradutor: Wélida Muniz
Editora: Charme
Uma aventura muito inesperada…
A senhora Ambrosia Bloomington, agora viúva, está pronta para começar uma nova vida na elite de Mayfair sem a influência dominadora de seu finado marido, o senhor Harrison Bloomington.
Com os baús acomodados em sua carruagem, ela está pronta para encarar o mundo como uma mulher independente na Londres Regencial.
Ela, no entanto, não está preparada para a chegada do senhor Cochran Charles Bateman em sua vida, um francês muito presunçoso que faz com que sua viagem extremamente sem graça se transforme na maior aventura de sua vida.
Ambrosia não está preparada para a risada dele, nem para o seu entusiasmo, nem para a sua joie de vivre.
E — raios! — ela, com certeza, não espera sentir as faíscas que preenchem o ar entre os dois.
E, ao que parece, ele também não…

Resenha


Duque Atrevido é mais uma história independente que tem como base os romances da série Cocky Bastard da Vi Keeland e da Penelope Ward, faz parte da série Cocky Hero Club e é inspirado em Cretino Abusado.

Ambrosia Bloomington tem vinte e seis anos, tirou o luto há três dias e deixou Rockford Beach rumo a Londres, onde iniciará a nova fase de sua vida, que ela espera que seja infinitamente melhor do que a anterior. Filha única, quando o pai morreu, ela e a mãe se viram desamparadas e Harrison Bloomington, primo de segundo grau do pai e herdeiro dele ofereceu-se para casar com ela e garantir a segurança de ambas; Aubrey viveria com ele e a mãe permaneceria na casa em que viveu durante o casamento. Ainda que tivesse apenas dezessete anos e Harrison estivesse na casa dos sessenta, que outra opção ela tinha?

Os sete anos de casamento foram um tormento na vida de Aubrey, que foi podada de várias maneiras possíveis pelo marido, mas a surpresa veio na leitura do testamento, quando um erro ou um deslize fez de Aubrey herdeira de Autumn House, uma casa em Mayfair, deixando seu cunhado irado, mas sem poder contestar, afinal, o documento era válido, o máximo que ele poderia fazer era tentar convencê-la a rejeitar a propriedade — e foi o que ele e a esposa fizeram: durante o período de luto que Aubrey deveria aguardar para ter direito a herança, Milton e Winifred infernizaram a vida dela. Mas quem em sã consciência faria tal coisa para viver de favor com pessoas que nunca gostaram dela e poderia colocá-la para fora a qualquer momento?
— Não duvide do quanto a desejo. Quero-a por inteiro, e não seria justo de minha parte… — Ele piscou, fazendo os olhos parecerem mais brilhantes do que o normal. — Mas você é a minha princesse, non? Mesmo que digamos adeus em breve?
Ela fez que sim, desejando que ele a beijasse. Desejando que ele compartilhasse mais dos seus problemas com ela. Mas não o pressionou.
P. 113
A viagem começou até bem, mas no segundo dia vários imprevistos acontecem e fazem com que ela encontre o senhor Cochran Charles Bateman, que ela não sabe que é o duque de Chauncey e que está viajando para Margate, onde deve chegar antes do final de semana, quando completará trinta anos, data que demarca o prazo que lhe foi dado para mudar a sua vida.

Chance é francês (nascido, criado lá até os sete anos e seu título é francês), mas com mãe inglesa e, como ele diz, ele é inglês, apenas seu coração é francês. Ele tem uma irmã mais nova, Adelaide, que ele ele diz ser muito encrenqueira e, por causa dela é que sua vida está para mudar completamente, mas ele não esperava ter uma lufada de ar fresco nos dias que antecederiam essa transformação, encontrar Aubrey não estava em seus planos.

Ao se verem sem quartos para alugar na pousada e precisando chegar rapidamente até a próxima antes do anoitecer (o que lhes dá pouco tempo), Aubrey se vê com uma roda da carruagem quebrada e o seu condutor não tem a menor condição de trocá-la e conduzir, pois está completamente embriagado, uma vez que achavam que pernoitariam no local; e Chance, ao voltar ao estábulo para pegar sua magnifica égua Guinevere, descobre que ela foi roubada. Assim, surge o acordo: Chance trocaria a roda e conduziria a carruagem até a próxima pousada em troca de carona, afinal, Aubrey não poderia ficar ali sozinha e não havia outra alternativa.

Chance é impetuoso e desconcerta Aubrey de todas as maneiras que vocês puderem imaginar. Ela se casou cedo e com um homem bem mais velho do que ela e não havia qualquer sentimento no relacionamento deles, ela é carente dessa atenção, algo que Chance dá a todo momento e faz com que ela desperte para outras necessidades, mesmo sabendo que eles se despedirão no final da semana…
Aproveitaria o vestido, a festa com toda a comida e a dança. Aproveitaria a oportunidade de poder fingir ser casada com o sr. Bateman, o homem que roubou seu coração.
Aproveitaria o romance, se houvesse algum.
P. 123
Entretanto, a despedida aconteceu antes do previsto e nem podemos dizer que houve de fato uma despedida. Chance simplesmente sumiu. Ele passou dois anos casado, mas agora, viúvo e livre, ele pode enfim ir em busca de sua felicidade. Porém existe um problema: provavelmente Aubrey seguiu em frente com a própria vida.

Durante dois anos, Chance não saia muito de Palais de le Secours, sua propriedade, mas agora que estava livre do compromisso ao qual foi obrigado a cumprir, ele estava livre para ir a Londres e reencontrar Aubrey, se ela quisesse vê-lo, é claro, e ele poderia contar com seu melhor amigo, Hollis, nessa missão nada fácil.
— Você não me via como Chauncey, como um duque. Eu só… Éramos amigos, não éramos? Você teria ficado tão confortável comigo como seu companheiro de viagem se soubesse que eu era um duque? — Ele hesitou. — Foi bom ser só o sr. Bateman. Eu sabia que, quando você olhava para mim, só via o homem, só via Chance, não o duque.
P. 192
Assim como Cretino Abusado, Duque Atrevido é dividido em duas partes e a primeira é narrada completamente pela Aubrey e a segunda por Chance, então apenas quando chegamos na segunda é que entendemos os motivos de Chance ter deixado Aubrey, a razão de ele ter se casado mesmo sem querer e a urgência de tudo. Além do fato de ele se sentir "livre" ao ficar viúvo. Claro que, ao sabermos de tudo, a gente torce para que Aubrey consiga se permitir escutá-lo e acreditar nele, o que é compreensível que não é uma tarefa fácil, afinal eles "ficaram juntos" por apenas alguns dias há dois anos e ele simplesmente sumiu sem se despedir, o que ele disse que não faria de maneira alguma. Mas a gente torce mesmo assim, não é mesmo?

Bem, diferente do livro que o inspirou, eu adorei o casal e senti uma química muito boa aqui. Adorei eles do início ao fim, adorei Hollis, o mordomo de Aubrey e claro, amei o senhor Cão, que não consigo ver como Lancelot, embora tenha uma razão para ter sido batizado com esse nome.😂



P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
0
Compartilhe

0 comentários:

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos. Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações