18 setembro, 2022


[Resenha] Onde Nascem os Sonhos - Lisa Kleypas

Ficha Técnica 

Título: Onde Nascem os Sonhos
Título Original: Where Dreams Begin
Autor: Lisa Kleypas
ISBN: 978-65-5565-346-5
Páginas: 336
Ano: 2022
Tradutor: Ana Rodrigues
Editora: Arqueiro
Zachary Bronson construiu um império de riqueza e poder. Agora ele está procurando uma esposa para ajudá-lo a garantir sua posição na alta sociedade e aquecer sua cama.
Lady Holly Taylor está destinada a passar a vida obedecendo às regras da alta sociedade, mesmo quando elas vão contra suas convicções. Após três anos de luto por seu amado marido, ela entende que não vai superar a perda e que jamais encontrará outro homem à altura dele para ser seu companheiro.
Em uma noite mágica, Zachary e Holly se encontram e, sem saber a identidade um do outro, não resistem à faísca que se acende entre eles. Ao tomá-la nos braços, Zachary fica deliciado em ver que o desejo dela é tão ardente quanto o seu. E Holly fica chocada ao sentir o próprio coração voltar a bater forte com o beijo daquele estranho.
Zachary faz a Holly uma oferta chocante e, ao mesmo tempo, irrecusável. Agora ela precisa decidir se vai continuar sendo a viúva exemplar de sempre ou se libertar das convenções e arriscar tudo por essa paixão.

Resenha


Onde Nascem os Sonhos, novo romance de época da Lisa Kleypas nos apresenta a viúva lady Holland Taylor. Diferente da maior parte da aristocracia inglesa, Holly teve um casamento por amor e muito feliz — mas infelizmente, curto.

Ela e George Taylor estavam felizes  com a chegada da pequena Rose quando George ficou doente com febre tifoide e em duas semanas, faleceu. Três anos depois, Holly ainda não se recuperou, ela ainda se veste com roupas de meio luto — embora o exigido seja um ano — e apenas agora aceitou participar de um pequeno baile, porém isso não é fácil, ela está decidida a amar George para sempre e a impressão que passa é que realmente não se casará novamente, mesmo ainda sendo muito jovem. E ela tem o apoio da família do marido nisso. A família Taylor não tem muitas posses e George sendo o segundo filho de um visconde, quando faleceu, a anuidade que deixou para Holly e Rose era tão irrelevante que ela se viu obrigada a vender a casa em que morava e dispensar os criados e, para não voltar para a casa dos pais que ainda tinham três filhas para apresentar e casar, e ela aceitou viver com com os Taylor — o que foi um bálsamo, viver os últimos anos na mesma casa onde George cresceu foi melhor do que morar na casa cheia de lembranças do casamento feliz e breve.
A ideia de Bronson nos braços de outra mulher fazia com que ela se sentisse estranhamente triste. E absurdamente curiosa. Todas as noites, quando ele saía de casa para uma madrugada de excessos, a imaginação dela corria solta. De algum modo, Holly sabia que as atividades sexuais de Bronson eram em todos os sentidos diferentes dos interlúdios doces e gentis que ela havia compartilhado com George.
P. 129
Ir ao baile de lady Bellemont mudaria a vida de Holly de uma maneira que ela nunca imaginaria. Não estava em seus planos ser encurralada por um desconhecido na estufa, ser beijada por ele e muito menos gostar disso. Mas isso seria o mínimo. Ela não tinha ideia de que mexeria tanto com Zachary Bronson e quando esse homem colocava na cabeça que queria algo… era melhor sair da frente. 

Zach teve uma infância difícil, mas quando teve idade suficiente, passou a trabalhar nas docas e depois se tornou pugilista. Seu objetivo era melhorar de vida, levar comida e dar um teto digno para a mãe e para a irmã mais nova. Ele está sempre em busca de mais e não é à toa que sua fortuna atualmente seja tão grande, entretanto, ainda que muitos aristocratas precisem fazer negócios com ele e aceitá-lo em alguns círculos, ele ainda é rechaçado em muitas situações por causa de sua origem. Assim, seu próximo objetivo é se casar com uma dama da nobreza, uma com um título tão antigo que ninguém possa dizer nada a ele. E é com esse subterfugio que ele aborda Holly e a convida à sua casa para propor que ela trabalhe para ele por um ano como orientadora social dele e de sua família — sendo que na verdade ele quer mesmo é se casar com ela.

Óbvio que trabalhar é algo que diminuía as pessoas naquela época, trabalhar para alguém como Zach seria ainda pior, ele sendo homem e ela, viúva, só agravaria ainda mais a situação. No entanto, com o dinheiro que receberia ao final do ano de trabalho Holly poderia morar em outro lugar que não a casa dos Taylor e Rose teria um dote garantido para quando chegasse o momento de ser apresentada à Sociedade. O fato de ter reconhecido a voz de Zach como sendo a do homem que a beijou no baile não seria um problema; estava escuro, ele não viu o rosto dela e não deve tê-la reconhecido. Ela daria conta disso. Iludida!
Estava apaixonado por ela. Cada sonho, esperança e ambição de sua vida combinados eram apenas uma pequena chama em comparação com as labaredas de emoção que ardiam em seu âmago. E o aterrorizava perceber que Holly tinha um poder tão imenso sobre ele. Jamais desejara amar ninguém daquela maneira — porque aquilo não trazia conforto ou felicidade, só a dolorosa constatação da quase certeza de perdê-la.
P. 220
Viver sob o mesmo teto  que Zachary Bronson se mostra um verdadeiro desafio para Holly, ele a provoca sobremaneira e ela sai do sério por coisas que sequer entende. Além disso, a todo momento ela se vê comparando ele a George sem qualquer motivo racional. Por outro lado, ela gosta bastante de ver o progresso em Elizabeth (a irmã de Zach), em Paula (a mãe dele) e no restante da casa. Entretanto, com o passar dos meses, essa mudança também é percebida no dono da casa, que deixa de sair todas as noites para ir a bordeis para ficar com a família. Qual será o motivo, hein? Alguém arrisca um palpite?

Zach queria sim se casar com Holly e vê-la de luto mesmo depois de três anos o deixava incomodado, mas ao conhecê-la melhor, fica evidente que ele se apaixonou por ela e por Rose, e ele faz todas as vontades das duas, principalmente as da pequena. O problema é que Holly precisa pensar nas consequências que um envolvimento com Zach significariam para ela e Rose, afinal, a Sociedade não perdoa.

Ainda assim torci a casa linha, parágrafo e capítulo para que Holly esquecesse a Sociedade e pensasse na felicidade dela e de Rose e como isso envolvia estar com Zach, que ao lado dela parecia finalmente calmo, desacelerado, em paz.
Somente com Zachary ela conseguia se sentir viva e inteira. Sentia falta das conversas provocativas e cotidianas com ele, dos olhos escuros que sempre guardavam um toque de ironia — ou de fúria, ou de luxúria — e que a deixavam de pernas bambas. Holly sentia falta do modo como ele parecia ocupar um cômodo inteiro apenas com a presença carismática, da torrente de planos e ideias, da energia ilimitada que a havia arrastado em seu fluxo acelerado. A vida sem Zachary era lenta, apagada e insuportavelmente monótona.
P. 265

P.S.: Se quiser adicionar esse livro na sua lista de leitura do Skoob basta clicar na capa que você será redirecionado para a página do livro no Skoob. 😉
Comentários
2
Compartilhe

2 comentários:

  1. Olá
    Esse livro está na minha lista de desejados desde que foi lançado. Essa capa é linda e amo esse tipo de enredo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente essa capa está linda e essa história está muitooooo boa mesmo. Espero que consiga uma boa promoção para comprar o seu e aproveitar a leitura, Eliane ;)
      Bjs

      Excluir

Seu comentário é sempre bem-vindo e lembre-se, todos são respondidos. Portanto volte ao post para conferir ou clique na opção "Notifique-me" e receba por e-mail.
Obrigada!

 
imagem-logo
De Tudo um Pouquinho - Copyright © 2016 - Todos os direitos reservados.
Layout e Programação HR Criações